Pizzolato: a imprensa me condenou antes do processo | O Cafezinho

O Cafezinho

domingo

9

novembro 2014

35

COMENTÁRIOS

Pizzolato: a imprensa me condenou antes do processo

Escrito por , Postado em Historia de uma farsa, STF



L59CFA1F7A6564C3FBB63A21434004D69 (1)


Quando discutimos o caso Pizzolato nos blogs, já existe uma quantidade considerável de pessoas que conhecem, alguns a fundo, o seu caso. Conhecem a discussão sobre o Laudo 2828, da perícia da Polícia Federal, que inocenta o ex-diretor de marketing.

Sabem que Pizzolato não era o responsável pelo Fundo Visanet: a responsabilidade era de outros servidores. Enfim, sabem que existem dezenas de documentos, redundantes, que provam sua inocência.

As acusações contra Pizzolato nas redes, então, descambam para o lado da baixa intriga.

“Ele não era nenhum capuchinho”.

“Fugiu com os documentos do irmão morto, era uma lagartixa”.

Ora, Pizzolato fugiu, conforme ele deixa claro, na entrevista que deu ao Estadão, e reproduzida abaixo, para salvar a sua vida. E o fato de usar os documentos do irmão falecido não prejudicou ninguém. Os brasileiros que fugiam da ditadura, por considerarem, como Pizzolato, que não seriam tratados com justiça pelo Estado brasileiro, falsificavam documentos para saírem do país.

Pizzolato não falsificou documento. Optou pela saída mais fácil. Usou documentos do irmão. Ela era o condenado que tinha mais documentos provando sua inocência, e, por isso mesmo, é o que corria o maior risco, porque o seu caso é o que pode, efetivamente, derrubar o pilar central da Ação Penal 470: o desvio do Fundo Visanet.

No dia em que a Justiça brasileira admitir o seu erro em relação a Pizzolato, a AP 470 implode e terá de ser anulada. Isso não quer dizer que o PT é santo, ou que não tenham havido crimes ou irregularidades nas campanhas de 2002 e 2004. Agora, num debate penal sério não se condena ninguém a 12 anos de prisão porque fulano “não era nenhum capuchinho”.

O mensalão existiu, sim. Foi caixa 2 do PT.

O partido deveria ter sido investigado e punido, e o Brasil poderia ter iniciado, há anos, um debate sobre o financiamento de campanha eleitoral.

A triangulação entre Marcos Valério, Daniel Dantas e PT deveria ter sido investigada. Mas isso levaria, facilmente, à relação entre os dois primeiros e o PSDB nas campanhas eleitorais anteriores. Era preciso, portanto, não considerar o mensalão como caixa 2, porque isso criaria um debate que não interessava nem à oposição, nem à mídia.

Daí criaram um monstro, uma Ação Penal montada em teorias fantásticas, que resultaram em condenações desconectadas da produção de provas, a ponto de uma ministra do STF afirmar que estava condenando um réu mesmo sem provas, porque “a literatura assim o permitia”. Voltemos à entrevista de Pizzolato ao Estadão.

Observe que o Estadão põe um título que não tem nada a ver com o teor da entrevista, cujo ponto principal é a argumentação com que Pizzolato defende sua inocência. O Estadão faz isso como que para disfarçar o seu conteúdo. Da mesma forma, o jornalista não se estende em perguntas sobre os pontos mais interessantes, sobre as provas e documentos que, segundo Pizzolato, desmontam as teses de acusação. Vê-se que o petista está disposto a conversar, a seguir adiante com sua argumentação.

À imprensa brasileira, contudo, não interessa verdade. O mensalão é um factóide político que deverá ser mantido vivo por muito tempo, mesmo respirando por aparelhos, porque ele gera dividendos para a oposição. Pizzolato lembra que nenhuma das auditorias realizadas pelo BB detectou o desvio de um centavo do Fundo Visanet. A própria Visanet, uma empresa privada, não detectou o desvio.

Tanto é que o BB e Visanet nunca entraram na justiça pedindo a devolução do dinheiro. O dinheiro foi aplicado em campanhas publicitárias. R$ 5,5 milhões foram para a Globo. O Globo até tentou forçar a barra, dando manchete, há alguns meses, dizendo que o BB iria cobrar. Era mentira. O BB jamais cobrou porque os documentos todos apontam para a regularidade do processo.

O sistema do BB, como de todo grande banco moderno, e sobretudo de um banco público, é cheio de travas internas. Imaginar que um servidor pode desviar, sozinho, R$ 74 milhões, é um delírio que somente o ambiente delirante da Ação Penal 470 poderia criar.

Abaixo, um trecho da entrevista:

Estado – O sr. se sente uma vítima? Pizzolato: Da má Justiça do Brasil.

A liberdade de imprensa não se pode confundir com a liberdade de calúnia. Depois, com isso, fizeram um processo. Antes de o processo começar, a imprensa já tinha me condenado. E não era algo simples. Me lincharam em praça pública ao ponto de que eu não poderia me mover. Minha família estava sendo molestada. Não leram os documentos. A Folha, O Estadão, a Globo. Todos tinham os recibos do processo.

Uma auditoria foi realizada e tudo foi usada em marketing. Não era um banco pequeno. Era o maior da América Latina e com todos os controles. Eu não tinha autonomia para mover um centavo. Tudo era feito com computadores. Mas fizeram uma história. Todas as contas foram aprovadas e não por uma pessoa ou duas. Mas pela auditoria interna, externa, o tribunal de contas, a Bolsa de Valores e ainda com ações em Nova Iorque. Ninguém encontrou que faltava algo.

Estado – O Mensalão então não existe?

Pizzolato: Com o dinheiro do Banco do Brasil não faltou um só centavo. Era impossível que alguém pegasse o dinheiro. Trabalharam com a fantasia popular. Era como se alguém pudesse sair de um banco com uma mala de dinheiro. Os bancos não trabalham mais assim. Agora, para cobrir a outras pessoas, fizeram uma história para fazer oposição. Se você quer fazer política, faça com propostas. Me crucificaram.

*

Abaixo, a íntegra:

Entrevista: Henrique Pizzolato Ex-diretor cuja extradição foi negada busca documentos italianos que tem direito por ter dupla cidadania

‘A política sempre foi suja’

Por Andrea Bonatti e Jamil Chade, no Estadão.

08 Novembro 2014 | 16h 23 Itália-

Henrique Pizzolato reapareceu em público neste sábado, 8, ao ir à delegacia de La Spezia buscar documentos apreendidos em fevereiro. Desde que teve a extradição negada pela Itália no mês passado, sob alegação de que o Brasil não oferece condições de segurança para o cumprimento da pena de 12 anos e 7 meses a que ele foi condenado no julgamento do mensalão, o ex-diretor do Banco do Brasil tem os mesmos direitos de um italiano livre.

Pizzolato responde em liberdade por falsidade ideológica – ao ser abordado na casa de um sobrinho em Maranello, quatro meses após fugir do Brasil, o ex-diretor mostrou um passaporte em nome do irmão, morto há mais de três décadas.

A Polícia Federal brasileira também o indiciou por falsidade. La Spezia foi o primeiro refúgio do ex-diretor na Itália. Depois de esperar o horário de almoço dos carabinieri, recuperou seus documentos. Diante do prédio, Pizzolato disse que não falaria com jornalistas brasileiros. O repórter o informou que estava a serviço do Estado.

Por 30 minutos, Pizzolato reiterou sua inocência e disse que o mensalão foi “criado” para minar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“A política é suja.”

Estado – O sr. viveu um momento duro?

Pizzolato: Não. Na verdade, vivi melhor que no tempo que estava no Brasil. No Brasil, eu não poderia sair do meu apartamento. As pessoas me agrediam, me molestavam. As pessoas, quando eu passava pela calçada, me agrediam.

Estado – Hoje, o sr. é livre.

Pizzolato: Sempre fui um homem livre. Não fiz mal algum. Temos todas as provas no processo. Não foi um processo pela Justiça. A política é suja e sempre foi assim. Isso é triste. Eles acham que podem fazer o que querem com as pessoas. Não se pode prender uma pessoa, destruir uma família para ter mais poder.

Estado – O sr. se sente uma vítima?

Pizzolato: Da má Justiça do Brasil. A liberdade de imprensa não se pode confundir com a liberdade de calúnia. Depois, com isso, fizeram um processo. Antes de o processo começar, a imprensa já tinha me condenado. E não era algo simples. Me lincharam em praça pública ao ponto de que eu não poderia me mover. Minha família estava sendo molestada. Não leram os documentos. A Folha, O Estadão, a Globo. Todos tinham os recibos do processo. Uma auditoria foi realizada e tudo foi usada em marketing. Não era um banco pequeno.

Era o maior da América Latina e com todos os controles. Eu não tinha autonomia para mover um centavo. Tudo era feito com computadores. Mas fizeram uma história. Todas as contas foram aprovadas e não por uma pessoa ou duas. Mas pela auditoria interna, externa, o tribunal de contas, a Bolsa de Valores e ainda com ações em Nova Iorque. Ninguém encontrou que faltava algo.

Estado – O Mensalão então não existe?

Pizzolato: Com o dinheiro do Banco do Brasil não faltou um só centavo. Era impossível que alguém pegasse o dinheiro. Trabalharam com a fantasia popular. Era como se alguém pudesse sair de um banco com uma mala de dinheiro. Os bancos não trabalham mais assim. Agora, para cobrir a outras pessoas, fizeram uma história para fazer oposição. Se você quer fazer política, faça com propostas. Me crucificaram.

Estado – De quem então é a responsabilidade?

Pizzolato: Da oposição. O que eles queriam? Tomar o poder. Não estavam satisfeitos que um trabalhador, como Lula, estivesse no poder. Há 500 anos o comando do Brasil mudava de mãos entre as elites. Agora, viram chegar à Lula.

Estado – Alguns dizem que o Brasil apresentou documentos fracos justamente para evitar sua extradição.

Pizzolato: Eu não sei. O problema no Brasil é que o processo está errado. Estado – O sr. temia por sua vida nas prisões brasileiras?

Pizzolato: Todos dizem isso. A ONU diz isso e até os ministros. A entidade Conectas e a Anistia também defendem isso. As prisões são medievais. As pessoas são tratados como animais.

Estado – Do que o sr. vive hoje na Itália?

Pizzolato: Eu sou aposentado. Trabalhei mais de 30 anos. Sempre tive uma previdência privada. Desde o primeiro dia que trabalhei, paguei minha pensão. Há 20 anos eu já vinha na Itália para falar sobre a previdência, na Holanda, na Suíça. Por 32 anos paguei minha pensão

Estado – O que o sr. pensou ao saber que Dilma Rousseff tinha sido reeleita?

Pizzolato: Eu não estava sabendo. Eu não poderia seguir a eleição. Eu não assistia muito à televisão. Eu sabia que estávamos na época de eleição. Mas não sabia o dia. O Brasil, de pouco à pouco, andará adiante.

Estado – Como ocorreu sua fuga? Cruzando a fronteira?

Pizzolato: Ali tudo foi uma fantasia. As pessoas precisam da fantasia. Talvez, um dia, uma parte da imprensa vai entender que a calúnia não faz parte da liberdade de imprensa. A imprensa precisa trazer informações, e não ficção. Se alguém quer fazer um romance, avise que é um autor de ficção. Eu sou feliz, realizado. Não perco uma noite só de sono. Eu sabia que era inocente. Tínhamos todos os documentos. Mas eu não achava que se poderia tomar uma decisão sem documentos. Primeiro, fizeram a historia e depois colocaram os personagens. Em 2007, o juiz (Joaquim Barbosa) disse para a imprensa que ele fazia a história primeiro para que as pessoas entendessem. Existem 3 mil páginas de recibos originais. Está tudo ali. Mas, se você é fraco, te metem ali. Leia Kafka. E como você faz?

Estado – Mas por que o sr. fugiu?

Pizzolato: Para me salvar.

Estado – Mas como isso ocorreu de forma concreta?

Pizzolato: Como fizeram os italianos para fugir dos nazistas? Era a guerra. Era a sobrevivência. Eu não prejudiquei ninguém. Eu encontrei uma maneira de proteger a minha vida. Jamais trairei o princípio que meu pai e meu avô me ensinaram. A Justiça tarda, mas vem. A todos que me atacaram, a Justiça se fará sentir. Talvez não no tempo que eu queira. Mas a história escreverá (a Justiça). Não tenho vocação de ser herói. Mas apenas de fazer Justiça. Sempre estive ao lado dos mais fracos.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário

Editor em Cafezinho
Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.
Miguel do Rosário

domingo

9

novembro 2014

35

COMENTÁRIOS

Se você fizer login como assinante do Cafezinho ou usando sua rede social, o comentário será aprovado automaticamente.

35 Comentários em "Pizzolato: a imprensa me condenou antes do processo"

Avise-me quando
avatar
Messias Franca de Macedo
Visitante

… Sobre a Revisão Criminal do MENTIRÃO:

não deverá ficar pedra sobre pedra!

É questão de honra! E de justiça!

A [verdadeira] história do Brasil merece!

Tremeis fascigolpistas!

Calma, a hora de vocês está chegando! Calma!

Messias Franca de Macedo
Visitante
… Creio que está na hora de realizarmos um abaixo assinado tendo como os primeiros signatários personalidades da estirpe de Celso Antônio Bandeira de Mello, Fernando Moraes, Hildegard Angel, Chico Buarque de Holanda, Dalmo Dallari, Leonardo Boff… Assinaturas via internet e em locais públicos! O abaixo assinado pela divulgação da Verdade factual atinente à Ação Penal 470! ############# E a trama (sic) dá um bom roteiro de filme – e de livro! Oxalá, algum diretor de cinema e/ ou escritor se interesse(m)! Esse capítulo da [verdadeira] História do Brasil terá que ser reescrito – com as tintas das verdades! A… Read more »
Messias Franca de Macedo
Visitante
… Durante A FARSA do julgamento do MENTIRÃO, muitas vezes nós comentamos acerca da inocência do honrado Henrique Pizzolato! E fazíamos ponderações simples, por exemplo: no Colegiado da Diretoria de Marketing do Banco do Brasil, os diretores responsáveis e autorizados a liberar recursos eram os senhores Cláudio Castro de Vasconcelos e Léo Batista dos Santos – funcionários indicados desde a época do governo FHC! O funcionário de carreira do Branco Brasil Henrique Pizzolato era responsável pela análise técnica de projetos! E não dispunha da prerrogativa de liberar recursos para pagamentos a empresas de publicidades ou de quaisquer outras áreas! Leitor(a),… Read more »
Messias Franca de Macedo
Visitante
PIZZOLATO: JUSTIÇA ITALIANA ALEGOU TRÊS RAZÕES PARA NÃO EXTRADITÁ-LO Imprensa brasileira só tem falado em uma. por Tereza Cruvinel 30/10/2014 Foram três as alegações da justiça italiana para negar a extradição de Henrique Pizzolato para o Brasil mas a grande imprensa só tem se referido a uma delas, as péssimas condições dos presídios brasileiros, que apresentariam “risco de o preso receber tratamento degradante”. As outras duas têm a ver com as anomalias do julgamento da Ação Penal 470, a do mensalão mas têm sido omitidas. Os magistrados italianos apontaram também o fato de não ter sido observado, no julgamento de… Read more »
Messias Franca de Macedo
Visitante

… Se esse Tribunal italiano refletisse acerca dos reais motivos que levaram o incensado rábula psicopata a fugir do STF… … Talvez esses juízes italianos teriam mais solidariedade em relação a [mais] uma vítima do arbítrio, da canalhice e da estupidez! A covardia do Poder Judiciário é ecumênica! Nos envergonha e nos apavora! Deus nos livre da Justiça, seja em Brasília seja em Roma! Seja em qualquer lugar onde homens se arvoram juízes!

Messias Franca de Macedo
Visitante
EXTRA! #################### Henrique Pizzolato, no all’estradizione in Brasile per il banchiere condannato FONTE: http://www.ilfattoquotidiano.it/2014/10/29/henrique-pizzolato-allestradizione-in-brasile-per-banchiere-condannato/1177522/ NOTA: matéria Traduzida através do ‘google ferramentas de idiomas’ Henrique Pizzolato permanece na Itália. Os juízes do Tribunal de Apelação de Bolonha rejeitaram o pedido do Estado brasileiro de extradição para o ex-chefe do Banco do Brasil, condenado em casa 12 anos e 7 meses no escândalo ‘Mensalão’ e preso em fevereiro, em Maranello (Modena ). O governo brasileiro vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal contra a decisão. As acusações contra Pizzolato são corrupção, peculato e lavagem de dinheiro. A decisão foi comunicada pelo advogado do… Read more »
Messias Franca de Macedo
Visitante

… A Polícia Federal deve apreender, imediatamente, o passaporte do rábula psicopata para o apê indecoroso em Miami dos estadunidenses escravagistas (sic)… A Polícia Federal deve apreender, imediatamente, o passaporte do ensandecido energúmeno desalmado gilmar mendes, do antonio fernando de souza, do robert(o) gurgel et caterva!… PAPUDA merecida nestes… E em todos os cúmplices do mais grave golpe jurídico-midiático da história do Brasil!

Messias Franca de Macedo
Visitante

A inocência de Henrique Pizzolato é nossa única arma contra o golpe!

http://www.youtube.com/watch?v=LeTPL5BLKH8#t=110

Um homem e alguns ratos “supremos”! – See more at:

Messias Franca de Macedo
Visitante

… A Polícia Federal deve apreender, imediatamente, o IMUNDO passaporte do rábula psicopata para o apê indecoroso em Miami dos estadunidenses escravagistas (sic)…

… A Polícia Federal deve apreender, imediatamente, o IMUNDO passaporte do ensandecido energúmeno desalmado gilmar DANTAS, do antonio fernando de souza, do robert(o) gurgel et caterva!…

PAPUDA merecida nestes SAFADOS e em todos os cúmplices do maior e mais criminoso golpe jurídico-midiático da história do Brasil!

emilton xavier
Visitante

Pizzolato precisa ser entrevistado por um JORNALISTA. É necessário que ele explique, didaticamente, o que sabe sobre a armação que foi a Ação Penal 470. Não há interesse da mídia brasileira em procurá-lo e entrevistá-lo. Ao contrário, o fantástico já teria enviado seus profissionais terroristas até lá. Que tal financiarmos a ida a Itália de um Nassif, PHA, Paulo Nogueira do DCM, Mino Carta… O próprio Miguel do Rosário. Então! Qual o número da conta bancária?

Messias Franca de Macedo
Visitante

Prezado, generoso e consciente Emilton Xavier,

antes da entrevista do ilibado Henrique Pizzolato a jornalistas de verdade…

Fernando Morais e Raimundo Pereira explicam erros do mensalão

http://www.youtube.com/watch?v=R_aoUPiXIxU

[Mais didatismo e provas irrefutáveis, impossível!]

Messias Franca de Macedo
Feira de Santana, Bahia
Brasil – em homenagem ao honesto e valoroso Henrique Pizzolato!

Messias Franca de Macedo
Visitante

… A Polícia Federal deve apreender, imediatamente, o IMUNDO passaporte do rábula psicopata para o apê indecoroso em Miami dos estadunidenses escravagistas (sic)… … A Polícia Federal deve apreender, imediatamente, o IMUNDO passaporte do ensandecido energúmeno desalmado gilmar DANTAS, do antonio fernando de souza, do robert(o) gurgel et caterva!… PAPUDA merecida nestes SAFADOS e em todos os cúmplices do maior e mais criminoso golpe jurídico-midiático da história do Brasil! –

Alexandre Feijo
Visitante

em 2007, este cidadão começou a esquentar os documentos de um irmão morto em 1975, já preparando sua fuga. votou por ele( crime eleitoral), declarou imposto de renda por ele( falsidade ideológica e documental), tirou passaporte no nome do irmão(idem anterior) e fugiu com ele. mas é uam pessoa honesta, segundo o jornalista.

Bruna Menezes
Visitante

Vc deveria ler a materia, ela se refere a seu tipo logo no inicio! Aqueles que são a favor de prender inocentes a qualquer custo. Ele não teria que usar os documentos do irmão se não estivesse sendo cassado por um crime que não cometeu. Mas vc quer ve-lo na cadeia mesmo sem provas, por que? O que isso faz por vc? Tirar a liberdade de um homem inocente? Falsidade ideologica nada, sobrevivência. Falsidade de caráter eh o que vc apresenta, exibindo o seu falso moral, repugnante! Desonestidade eh o que fizeram e fazem com esse homem.

Bruna Menezes
Visitante

Vc deveria ler a materia, ela se refere a seu tipo logo no inicio! Aqueles que são a favor de prender inocentes a qualquer custo. Ele não teria que usar os documentos do irmão se não estivesse sendo cassado por um crime que não cometeu. Mas vc quer ve-lo na cadeia mesmo sem provas, por que? O que isso faz por vc? Tirar a liberdade de um homem inocente? Falsidade ideologica nada, sobrevivência. Falsidade de caráter eh o que vc apresenta, exibindo o seu falso moral, repugnante! Desonestidade eh o que fizeram e fazem com esse homem.

Almir
Visitante

Fácil de resolver. É só cortar o Bolsa PIG, que as “leis do mercado” fazem o resto rapidinho. http://www.blogdacidadania.com.br/2014/11/formula-para-dilma-vencer-o-golpismo-e-terminar-seu-mandato/

Djijo
Visitante

Talvez o pior caso foi o STF aceitar armar o cenário e de interpretarem artistas que imitam juizes do mal.

Messias Franca de Macedo
Visitante
Quem era Cláudio de Castro Vasconcelos Por jornalista Maria Inês Nassif TER, 11/06/2013 – 00:52 Vasconcelos era gerente-executivo de Propaganda e Marketing do BB desde 2001, nomeado pelo então presidente do BB Eduardo Guimarães [era FHC]. Continuou na função em 2003, quando o novo governo nomeou Cássio Casseb presidente da instituição. Pelo regulamento do banco, os gerentes-executivos da diretoria de marketing não se subordinavam ao diretor, mas diretamente ao presidente. O contrato com a agência DNA foi assinado depois de uma licitação, em 22 de março de 2000, pelo então diretor de Marketing, Renato Luiz Belineti Naegele. Como é praxe… Read more »
Ricardo Edmundo Ceconello
Visitante

PRESIDENTA DILMA,
O Governo Federal não precisa fazer publicidade na revista Veja, IstoÉ ou Globo.
O GOVERNO FEDERAL TEM A MILITÂNCIA NA INTERNET. E pela internet fica mais barato comunicar ao povo.
CORTE AS VERBAS PUBLICITÁRIAS À IMPRENSA GOLPISTA.
E processe, criminalmente, quem caluniou e injuriou sua imagem.

Cibele Milreu
Visitante

Precisamos espalhar esta publicação pela rede, gente!

Messias Franca de Macedo
Visitante
Prezada e consciente Cibele Milreu, portanto, o ilibado senhor Henrique Pizzolato e a esposa dele, a digníssima senhora Andrea Haas, têm absoluta razão em condenarem, veementemente, a covardia e a tibieza do Partido dos Trabalhadores! Eximo o presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff em função do protagonismo Institucional que ambos exercem! E, por extensão, os petistas ministros e diretores de órgãos e empresas estatais! No entanto, os parlamentares do PT, desde os vereadores aos senadores, demonstraram falta de solidariedade e indisposição para promover o lídimo contraditório, denunciando os arbítrios e crimes hediondos perpetrados durante a FARSA jurídico-midiática do julgamento… Read more »
Batista Nogueira
Visitante

Este jornalista do Estadão é um picareta de marca maior. De vez enquanto osso um proganeco na rádio Estadão que ele e uma vaca quê atende pelo nome de Lucia Guimarães e outro picareta do Andrei Neto. apresentado pela não menos imbecil Roxane Ré. Meu! É de causar náuseas, de vomitar mesmo.

Batista Nogueira
Visitante

Este jornalista do Estadão é um picareta de marca maior. De vez enquanto osso um proganeco na rádio Estadão que ele e uma vaca quê atende pelo nome de Lucia Guimarães e outro picareta do Andrei Neto. apresentado pela não menos imbecil Roxane Ré. Meu de causar náuseas, de vomitar mesmo.

ricardo silveira
Visitante

Tudo pode ser justificável, menos injustiça. Nada justifica a injustiça e, se há confirmação de que um tribunal comete injustiça, o julgamento tem que ser refeito, pois um tribunal só existe para fazer justiça e, se essa não é feita o tribunal não se justifica.

Messias Franca de Macedo
Visitante
Prezado, generoso e consciente Ricardo Silveira, MAIS SOBRE A FARSA DO MENTIRÃO &$ o golpe jurídico-midiático ainda ora em curso! ######################### Processo não-político sobre Visanet caminha para a prescrição Por jornalista Maria Inês Nassif Para Jornal GGN e Carta Maior O inquérito que corre na 12ª Vara Criminal Federal de Brasília, e investiga a responsabilidade de Cláudio de Castro Vasconcelos no suposto desvio de dinheiro da Visanet para a DNA Propaganda, do empresário Marcos Valério, caminha devagar, sem grandes chances de se tornar efetivamente uma denúncia e, posteriormente, resultar num julgamento do ex-gerente de Propaganda do Banco do Brasil. (…)… Read more »
Armand de Brignac
Visitante

“a candidata Dilma estaria envergonhada da presidente Dilma”. em outras palavras:
Dilma a maior estelionatária eleitoral da história deste país.

Marcos Corrêa da Silva Loureiro
Visitante
Marcos Corrêa da Silva Loureiro

Tá! Mas o que tem mesmo o ânus a ver com a vestimenta?

rinaldo xavier
Visitante

E ALGUEM AINDA DUVIDA QUE O MENSALÃO FOI UMA FARSA PROMOVIDA PELAGLOBO-PSDB-JOAQUIM BARBOSA QUE SE VENDEU A GLOBO

Messias Franca de Macedo
Visitante
… E por que esses “supremos” de MERDA “cheirosa” do STF desmembraram o MENSALÃO, ali sim com dinheiro público, do conluio criminoso PSDB/DEMo de Minas Gerais do candidato fragorosamente derrotado Aécio ‘Never’ do ‘AeroPÓrto do Titio da Fazenda’?! E quando “o supremoTF” voltará a aplicar “a teoria do domínio do fato adaptada a ‘braZileira’”, ou seja, dispensando as provas para efeito de condenação? E a quantas anda o julgamento do DEMoTucano fujão réu confesso Eduardo ‘AZARedo’ 22 anos de Papuda merecida, segundo o procurador geral da República, o doutor Rodrigo Janot?… A prescrição dos quadrilheiros/mensaleiros do PSDB se dará nas… Read more »
Armand de Brignac
Visitante

você surtou !

Carlos Noel Mazia
Visitante

Quem está surtando aqui é você.

Marcos Corrêa da Silva Loureiro
Visitante
Marcos Corrêa da Silva Loureiro

Quem mesmo? Acho que tem gente que não se enxerga.

Rodrigo Jardim Rombauer
Visitante

A mídia encurralada

João Soares Sobrinho
Visitante

Regulação urgente da mídia, pelo fim dos assassinatos de reputações, pelo imediato direito de resposta, pela cassação de concessões de rádio e TV a políticos, pela pluralidade de vozes na mídia, e para garantir os sagrados direitos ao contraditório e à ampla defesa.

José Neto
Visitante

Miguel, só uma e única pergunta desmonta esta farsa: Quem renovou o contrato da DNA Propaganda? Apenas essa, pois a acusação se baseia como inicial nesta tese mais do que falsa, e aquele video do poetinha ayres Brito de que Companhia Brasileira de Meios de Pagamento é pública por ter Brasileira no nome é patético e alguém deveria processá-lo por essa falsidade.

wpDiscuz