Temer foge de Manaus para não perder o ódio que lhe sustenta - O Cafezinho

O Cafezinho

quarta-feira

4

janeiro 2017

2

COMENTÁRIOS

Temer foge de Manaus para não perder o ódio que lhe sustenta

Escrito por , Postado em Governo Temer, Tadeu Porto

Fonte: Jota A – Jornal O Dia

Por Tadeu Porto*, colunista do Cafezinho

Ontem o jornalista Lauro Jardim, um dos porta vozes da casta golpista nacional, fez uso de sua coluna no Globo para confidenciar a todo Brasil que o presidente Michel Temer não falará sobre rebelião (leia-se chacina de Manaus. É demais esperar a Globo dar o nome certo aos bois da intolerância).

O Pequeno usurpador foge da capital do Amazonas por um motivo muito simples: o pouquíssimo de popularidade que ele tem advém do fascismo que está disposto a apoiar qualquer coisa – qualquer coisa mesmo – que seja contra o PT.

O ódio disseminado pela elite golpista e a mídia tradicional contra o partido dos trabalhadores (reparem que todo Fora Dilma era acompanhado de um “e leve o PT junto” enquanto Fora Cunha ou Renan nunca atingem o PMDB) foi uma das ferramentas cruciais para criar a atmosfera golpista.  

Vale ressaltar, ainda, que nesse neofascismo a brasileira a esmagadora maioria das pessoas é a favor da política do “bandido bom é bandido morto”. Sendo assim, se Temer fizesse o papel que se espera de um chefe do Executivo de uma República de verdade – condenar a barbárie de Manaus e incentivar a construção de uma sociedade pacífica – ele certamente perderia os míseros 10% de bom e ótimo que tem de popularidade com a mesma facilidade que uma uma criança perde um balão de hélio no parque.

Em qualquer lugar civilizatório uma chacina como a de Manaus é considerada como um ato de barbárie a ser repudiado em todas as esferas possíveis. Nada justifica a morte de 56 pessoas, não importa o crime que elas cometeram. Tratar bandidos como um lixo que deve ser descartado quando convém lembra muito tempos como a Idade das Trevas ou o nazismo, que são páginas vergonhosas da história da humanidade (Fernando Brito escreveu um ótimo texto sobre isso, perguntando por que não abrimos logo campos de concentração).

O interessante é que o governo parece não se importar tanto com “bandido” quando está entre seus aliados: por exemplo, o assessor do Ministro dos Esportes Leonardo Picciani, Wanderley dos Reis Júnior,  foi condenado e esteve preso. Ele poderia ter sido assassinado na cadeia e receber a indiferença do presidente, entretanto ganhou um voto de confiança e recebeu um cargo no governo. Segundo assessoria de imprensa do ME, ele “cumpriu sua pena e ninguém pode ser condenado pelo resto da vida” (palavras coerentes e sensatas, diga-se de passagem).

O que Temer, o pequeno, nega à população amazonense e brasileira é muito menos do que o voto de confiança que seu governo deu à um ex-preso: é nada mais nada menos que o mínimo de humanidade civilizatória.

Michel é escravo do ódio que o colocou no poder e assim ficará até que esse rancor seja derrotado ou cresça de maneira incontrolável e destrua o país como um todo (incluindo os golpistas que o alimentaram).

 

*Tadeu Porto é diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e editor do site Diálogo Petroleiro. É, também, mineiro de sonhos eternos, petroleiro de alma barulhenta e diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

quarta-feira

4

janeiro 2017

2

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 COMENTÁRIOS

  1. Maria Amaral
  2. Lenhador da Federal