Chega de conversa fiada. Dizer que a Petrobrás passa por dificuldades financeiras é uma grande mentira - O Cafezinho

O Cafezinho

segunda-feira

9

janeiro 2017

19

COMENTÁRIOS

Chega de conversa fiada. Dizer que a Petrobrás passa por dificuldades financeiras é uma grande mentira

Escrito por , Postado em Claudio Oliveira, Política

Por Cláudio da Costa Oliveira, colunista do Cafezinho

Após reunião com a Federação Única do Trabalhadores (FUP), realizada na última quinta-feira (05/01) a Petrobrás explicou: “Embora a convergência final não tenha sido alcançada na reunião, a decisão da FUP de apresentar uma proposta é bem-vinda pela Petrobras, porque mostra o início de uma aproximação entre as demandas dos trabalhadores e a situação financeira atual da empresa”.

Em muitas oportunidades a empresa tem utilizado o argumento de estar passando por uma situação financeira difícil para pressionar os trabalhadores. É preciso que os representantes dos petroleiros seja a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) ou a Federação Única dos Petroleiros (FUP) solicitem que a empresa esclareça bem onde estão estas dificuldades, porque as Demonstrações Financeiras publicadas pela empresa mostram uma realidade completamente diferente.

Qualquer analista, por mais primário que seja, quando olha o balanço de uma empresa a primeira coisa que vê é a liquidez, pois ele tem bem à sua frente a Ativo Corrente e o Passivo Corrente. Dividindo o Ativo Corrente pelo Passivo Corrente nós temos a chamada Liquidez Corrente. A Liquidez Corrente mostra a capacidade da empresa em cumprir com seus compromissos financeiros no curto prazo (1 a 2 anos ).

Nas Demonstrações Financeiras do 3º trimestre de 2016 a Petrobras mostra um Ativo Corrente de R$ 144,75 bilhões e um Passivo Corrente de R$ 82,33 bilhões. Portanto, a empresa tem uma Liquidez Corrente de 1,76 (144,75/82,33). Significa dizer que para cada R$ 1,00 que tem para pagar no curto prazo a empresa dispõe de R$ 1,76. Uma situação financeira muito confortável.

A Petrobras registrava uma dívida bruta de R$ 398 bilhões no final de setembro de 2016, sendo que já em 2015 a receita da companhia foi superior a R$ 400 bilhões. Ou seja, a dívida da Petrobras é inferior à sua receita anual. Empresas em fase de investimento tem dívidas muitas vezes 2 vezes superior à receita anual, sem nenhum problema. A dívida da Vale é 25% superior à sua receita anual e ninguém diz que ela está muito endividada.

Por outro lado, se nós incluirmos no patrimônio da Petrobras as reservas do pré-sal (o que não é feito), que a ANP diz que já tem comprovado 50 bilhões de barris, a alavancagem (dívida dividida pelo patrimônio) fica baixíssima, mostrando a grande capacidade de captação de recursos que a Petrobras tem. Não é à toa que o Banco de Desenvolvimento da China abriu um crédito de US$ 10 bilhões para a companhia, pedindo como garantia apenas a promessa de fornecimento futuro de petróleo. Com as reservas que a Petrobras descobriu, não existe problema para obtenção de recursos.

Além do exposto acima, no final de setembro de 2016 a Petrobras tinha em caixa R$ 73 bilhões. Ou seja, a empresa tem só em caixa 18% (73/398) de sua dívida bruta total. Até setembro de 2016 o Ebitda Ajustado (geração de caixa) foi de R$ 63 bilhões, 11% superior a igual período de 2015. Só no 3º trimestre de 2016 o fluxo de caixa livre foi de R$ 16,4 bilhões. De janeiro a setembro o fluxo de caixa livre foi 3,6 vezes superior a igual período de 2015.

Chega, vou parar por aqui e perguntar: onde está o problema financeiro da Petrobras? A empresa tem de responder esta pergunta, esclarecer seus funcionários ou mudar o discurso e procurar outros argumentos.

Convenhamos que isto parece uma brincadeira de mal gosto, com a Petrobras fingindo que tem problemas financeiros, os sindicatos fingindo que acreditam e os petroleiros assistindo sem entender nada. É fantástico.

segunda-feira

9

janeiro 2017

19

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

19 COMENTÁRIOS

  1. waltet pastori
  2. Rodrigo Disse
  3. SEVERINO DUARTE
  4. Claudio Silva
    • Patricia
    • Alberto
  5. Carlos Teixeira
  6. Maria Thereza Gonçalves de Freitas