A escolha da esquerda para 2017 - O Cafezinho

O Cafezinho

terça-feira

10

janeiro 2017

12

COMENTÁRIOS

A escolha da esquerda para 2017

Escrito por , Postado em Política

“Os parlamentares de esquerda deveriam, isso sim, impulsionar amplas candidaturas antigolpistas, capazes de representar a resistência democrática, como seria a opção pelo apoio a André Figueiredo (PDT-CE) na Câmara dos Deputados e a nome equivalente no Senado”.

No Opera Mundi

A esquerda vai meter o pé na jaca?

Por Breno Altman

O PT e o PCdoB estão novamente às voltas com decisões a tomar sobre quem apoiarão para presidir as duas casas legislativas.

Parte de suas bancadas parlamentares, na Câmara dos Deputados e no Senado, não esconde a tentação de apoiar candidaturas da base governista, como é respectivamente o caso de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Eunício Oliveira (PMDB-CE).

Aliados a fórmulas vencedoras, petistas e comunistas poderiam conquistar cargos nas mesas diretoras, melhores condições de atuação nas comissões internas e até alguma barganha, de natureza progressista, na agenda de votação do próximo biênio.

Os defensores de acordos deste naipe ressaltam que a disputa pelo comando legislativo responderia a equilíbrios internos do parlamento, mais ou menos maleáveis às minorias em função das forças e personagens que vierem a predominar.

Não haveria relação direta, portanto, com enfrentamentos político-ideológicos que eventualmente dividam o país. Mais ainda: utilizar esse último critério como filtro para alianças poderia enfraquecer a oposição, retirando-lhe espaços e instrumentos para combater o governo com eficácia.

Talvez esses argumentos tivessem alguma pertinência em épocas de normalidade institucional ou em situações de baixa intensidade da luta de classes. Mas devem ser discutidos, nesse momento, à luz de uma realidade completamente distinta.

A narrativa primordial dos partidos de esquerda está marcada pela denúncia de golpe parlamentar que deu origem a um governo usurpador, cujo objetivo primordial é destruir conquistas históricas do povo brasileiro, atropelando a Constituição e o regime democrático.

Como essa tese poderia continuar a ser tratada com seriedade se PT e PCdoB apoiarem nomes representativos do golpismo, batendo palmas e arregimentando votos ao lado das principais lideranças reacionárias e dos chefes governistas?

Qual credibilidade manteriam essas agremiações se assumissem tal posição, conspurcando a causa pela qual se batem em troca de algumas cotas de poder parlamentar?

Aumentaria ou reduziria o prestígio desses partidos, na sociedade e em suas próprias bases, caso costurem um pacto com os piores inimigos do povo, do qual os únicos beneficiários eventuais seriam os próprios deputados e senadores de esquerda?

A simples hipótese desses acordos, convenhamos, já é indigna e desmoralizante. Condena-se ao fracasso e ao opróbio qualquer força progressista que confraternize ou se confunda com os algozes da soberania popular. Ou que desmente, por atos concretos e pusilânimes, valentes ideias proclamadas com pompa e circunstância.

Não há ativo político mais relevante, afinal, do que a coerência. Ou já nos esquecemos do preço que se paga quando se fala uma coisa e outra se faz?

Os parlamentares de esquerda deveriam, isso sim, impulsionar amplas candidaturas antigolpistas, capazes de representar a resistência democrática, como seria a opção pelo apoio a André Figueiredo (PDT-CE) na Câmara dos Deputados e a nome equivalente no Senado.

Ao invés de colocar a eleição dos comandos legislativos a serviço de interesses corporativos, transforma-la em frente de batalha contra o governo usurpador e o retrocesso, fundindo-se com o movimento das ruas.

Oxalá haja juízo nas bancadas progressistas e não metam o pé na jaca, impedindo que o cretinismo parlamentar coloque todo o corpo da esquerda brasileira sob o risco de metástase.

terça-feira

10

janeiro 2017

12

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 COMENTÁRIOS

  1. Avian
  2. Luiz Felipe Oiticica Machado
  3. Alceu Centurion