A guerra dos interesses econômicos - O Cafezinho

O Cafezinho

terça-feira

24

janeiro 2017

1

COMENTÁRIOS

A guerra dos interesses econômicos

Escrito por , Postado em Maria Fernanda Arruda

Loading...

Por Maria Fernanda Arruda, colunista do Cafezinho

Os governos eleitos democraticamente contrariam uma ordem secularmente estabelecida, resumida em mandonismo dos coronéis modernizados, sustentando os luxos e riquezas, distribuídos à fartura entre os que se acomodam em seus gabinetes parlamentares, ministérios, nas togas que se transformam em símbolo de excelência.

Sustentam-se amparados não mais pelo capital vindo de Amsterdã, mas por aquele que, mesmo depois de globalizado, ainda é concentrado nos Estados Unidos.

Ao lembrar disso, temos que nos acautelar. Lembrar de 1964 e perguntar: eles voltaram? Sim; mas não há nenhuma “guerra fria” a justificar a intervenção violenta na América Latina. O que há hoje é a “guerra dos grandes interesses econômicos”, onde predominam os da Máfia do Petróleo. Desnecessários comentários mais longos: todos nós assistimos “O Poderoso Chefão”. E a Máfia do Petróleo tem uma história que vem se desdobrando por décadas e décadas, vivida em tantas partes do mundo. Por que não na América Latina, aquela que fica abaixo da Linha do Equador e onde não se pode pecar; não há pecado aqui?

Até mesmo membros da Maçonaria estão dispostos a abandonar seus segredos, desfilando em defesa dos privilégios. Mas não os membros das “famiglias” senhoras do petróleo. Eles não aparecem nas páginas dos jornais ou nas mesas-redondas da televisão. A discrição marca as suas ações. Quando o presidente da Shell visita o Brasil, a imprensa noticia em linguagem quase cifrada: “O presidente da Shell, Ben van Beurden, posicionou a Petrobras como prioridade entre os investimentos globais da empresa. Em coletiva de imprensa para falar sobre a fusão com a BG, o executivo afirmou que o país está entre os três mais importantes para investimento. Posicionou o Brasil como o “mais importante em nossa carteira”.

Existem os procuradores defensores de seus interesses: o sombrio Jose Serra confabula e faz uso de um Jucá, convencendo esse desgoverno.

Os governos do PT, de Lula e Dilma, provocaram rancores por não se praticar contra eles a violência, não se pretendeu negar o Estado de Direito. Isso passou a acontecer a partir do momento em que se definiram as regras para a exploração do petróleo do pré-sal. Se não eram regras de rigoroso nacionalismo, não entregavam tudo. A Máfia do Petróleo quer tudo! Dilma Rousseff relutou na entrega do pré-sal. Jucá foi à sua busca e o entregou nas mãos de Jose Serra. Hoje, lutamos para que se cumpra a Constituição e para que a Democracia sobreviva. por Maria Fernanda Arruda ,colunista do Cafezinho.

terça-feira

24

janeiro 2017

1

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

1 Comentário