Engenheiros tentam se organizar para evitar a destruição do país - O Cafezinho

O Cafezinho

quarta-feira

15

fevereiro 2017

38

COMENTÁRIOS

Engenheiros tentam se organizar para evitar a destruição do país

Escrito por , Postado em Redação

(Essa foto se tornou uma espécie de ironia macabra).

Como o golpe no Brasil usou a destruição das empresas de engenharia para produzir a crise econômica, e, com ela, uma atmosfera favorável ao impeachment, os engenheiros foram os mais prejudicados.

Hoje, ficamos sabendo, através de notinha do Ancelmo Goes, no Globo, que o procurador-geral da República continua torrando verba pública para destruir as nossas grandes empresas de engenharia. O ódio destruidor do PGR agora se volta especialmente contra a Odebrecht.

No mais
Rodrigo Janot reúne amanhã em Brasilia, os MPs de 14 países para falar dos crimes da Odebrecht.

(…)

… o MP da Alemanha faria um encontro internacional desses sobre a rede de subornos, inclusive no Brasil, da Siemens?”

Até o janotinha do Globo, perplexo, ousou dar um gritinho, em voz baixa e tom delicado, naturalmente, porque ele não pode falar muito mal de golpista que o seu jornal tanto defende.

Mas a verdade é que se trata de uma coisa chocante.

No mesmo dia que sabemos que Trump assinou lei decretando o sigilo absoluto sobre qualquer atividade empresarial das petroleiras americanas, fora dos EUA, o meganha-mor do Brasil chama procuradores do mundo inteiro para entregar informações sensíveis sobre a nossa principal empresa de engenharia, que empregava 200 mil pessoas, e que estava situada no coração da indústria pesada brasileira.

O entreguismo, o vira-latismo, a falta de qualquer compromisso com o interesse nacional, tornaram-se marcas registradas das castas brasileiras.

A pergunta que fica no ar, porém, é a seguinte: como esses meganhas do MP e do Judiciário acham que o Estado vai pagar seus salários? O Estado não inventa dinheiro. Ele obtêm dinheiro dos impostos cobrados às empresas e assalariados. Se eles quebram as empresas e destroem os empregos, quem vai pagar os impostos, e, portanto, quem vai pagar aquela estrutura imensa da PGR?

E ainda temos que pagar as passagens aéreas, os hoteis, os custos extras, da viagem de Janot a Davos, e ouvi-lo dizer que a Lava Jato é “pró-mercado”…

***

No site do Clube de Engenharia

Engenharia unida reage à destruição em curso da economia brasileira

O Clube de Engenharia, ao longo dos seus 136 anos, contribuiu permanentemente para o desenvolvimento do município do Rio de Janeiro, do Estado e do País. No Império, no Distrito Federal, como capital da Guanabara e capital do Estado do Rio, a ação do Clube de Engenharia foi, é, e será a de formulador de propostas de desenvolvimento econômico, político e social.

Com Pereira Passos tivemos importante contribuição na modernização do Centro do Rio. Participamos das discussões do Plano Agache, em 1928; discutimos o código de água nos anos 30 e a proposta de eletrificação, de aproveitamentos hidroelétricos do Vale do Paraíba que deram origem ao Complexo de Ribeirão das Lajes. Participamos da defesa do minério de ferro brasileiro; da constituição da Companhia Vale do Rio Doce e, no momento seguinte, da constituição da Petrobras. Atuamos ativamente na discussão do Plano Doxiadis, no governo Carlos Lacerda, e da discussão do Metrô, tanto na década de 60 como na década de 70.

Esse é o papel do Clube: contribuir criticar, formular. E não seria diferente agora, frente ao desmonte da engenharia brasileira, quando acontecem reuniões Brasil afora com profissionais, empresários, trabalhadores e representantes da academia, indústrias e poder público, mobilizados com lideranças das principais entidades de engenharia do Rio de Janeiro e do país para fazer ecoar a voz de protesto das engenharias e da sociedade contra a destruição em curso da nossa economia.

Urge uma proposta de desenvolvimento que gere emprego e que nos retire dessa situação calamitosa de depressão econômica, com um número crescente de empreendimentos comerciais e fabris fechados em todo o território nacional. Inacreditavelmente o Rio de Janeiro, que até os anos 50 era a principal base industrial do Brasil, e que só perdeu essa posição para São Paulo na segunda metade dos anos 50, caminha para ser uma cidade fantasma! A cidade que sedia a Petrobras, empresa que ao longo de seis décadas de existência se responsabilizou pela formação de uma cadeia de mais de 5.000 fornecedores nacionais e estrangeiros e que recentemente acolheu aqui centros de pesquisa da Halliburton e da GE está submetida a um processo sistemático de destruição. É neste cenário que se perde o emprego, a ciência, a tecnologia e a engenharia.

Com o amesquinhamento e a desvalorização da engenharia pública, responsável pela formulação do nosso planejamento ao longo de décadas, também deixamos que se perca a nossa reconhecida competência.

Cresce o movimento que tem entre seus principais objetivos preservar as empresas e garantir o emprego, sensibilizando os poderes públicos, a prefeitura do Rio de Janeiro, os governos do estado do Rio de Janeiro, do Espírito Santo e de São Paulo, estados lindeiros da maior província de petróleo já descoberta nos últimos 30 anos, exatamente os mais prejudicados com a destruição de empresas e empregos. O movimento em defesa da Petrobras não é um movimento xenófobo, que se contrapõe à participação das empresas estrangeiras, desde que se comprometam com a geração de emprego e tecnologia e que paguem impostos aqui. O Brasil caminhará para uma convulsão social se não houver a compreensão de que é importante entender o Petróleo como garantia do desenvolvimento e da soberania.

Muitos outros problemas se agravam ao longo do tempo, como saúde, educação, habitação e mobilidade urbana. É inadmissível, por exemplo, que o Rio, cidade âncora do desenvolvimento cultural e educacional, dotada da mais formidável rede de escolas públicas do país, veja o ensino público desvalorizado e enfrente hoje uma luta feroz para que a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) se mantenha como universidade pública.

São compromissos dos quais o Clube de Engenharia não pode abrir mão, em defesa do Estado Democrático de Direito, por um desenvolvimento soberano, sustentável e socialmente inclusivo.

A Diretoria

quarta-feira

15

fevereiro 2017

38

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

38 COMENTÁRIOS

  1. Viperino Malta
  2. Hebert
  3. jesuita sousa
  4. enganado
  5. Maria Thereza Gonçalves de Freitas
  6. twoprong
  7. Nogueira
  8. GERALDO RIBEIRO
  9. Rogério Bezerra
    • José X.