Proposta da OAB contra condução coercitiva chega ao STF - O Cafezinho

O Cafezinho

quarta-feira

15

março 2017

13

COMENTÁRIOS

Proposta da OAB contra condução coercitiva chega ao STF

Escrito por , Postado em Redação

Neste caso, é até bom que tenha sido “distribuída” ao ministro Gilmar Mendes, que é o único no STF com capital midiático e político para dar fim a essa excrescência chamada “condução coercitiva”.

***

No site da OAB

Chega ao Supremo ADPF da Ordem que questiona uso indiscriminado de condução coercitiva

quarta-feira, 15 de março de 2017 às 15h17

Brasília – Foi distribuída na tarde desta terça-feira (14) a Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 444, proposta pela OAB para que o Supremo Tribunal Federal (STF) ofereça interpretação conforme a Constituição Federal do artigo 260 do Código de Processo Penal, que trata de conduções coercitivas. A propositura foi sugerida pela Comissão Especial de Garantia do Direito de Defesa e aprovada por unanimidade na sessão do dia 14 de fevereiro do Conselho Pleno, instância máxima da OAB que reúne os 81 conselheiros federais das 27 seccionais.

Ao propor a ADPF, os membros da comissão alegam estigmatização de investigado, além de lhe cercear desfundamentadamente a liberdade ambulatória. O documento produzido pelo grupo destaca “o grave cerceamento de defesa do investigado, por ensejar a impossibilidade de adequada orientação técnica do advogado a seu cliente” e alega “que tal artigo sequer teria aplicabilidade na fase inquisitorial policial, pois direcionada à fase processual”.

Relator da proposição no Conselho Pleno, o conselheiro federal Raimundo Antônio Palmeira de Araujo (AL), salientou que o uso indiscriminado da condução coercitiva, ostentando-se para tal o teor do artigo 260º do Código de Processo Penal, afronta preceitos fundamentais de modo claro e lamentável ao Estado Democrático de Direito. Ele destacou preceitos previstos no artigo 5º da Constituição Federal, como Defesa Ampla, inciso LV; Devido Processo legal, inciso LIV e Tratamento da Inocência, previsto no inciso LVII, para sustentar seu argumento.

Durante sustentação de seu voto para justificar a necessidade da ação no STF, Araújo defendeu que é de atentar para que a situação é de gravidade extrema em função das notícias frequentes de condução coercitiva não somente de investigados, mas inclusive, o que é mais drástico, de testemunhas e declarantes, “fazendo o Estado Democrático de Direito mergulhar em tempos nebulosos, sufocado, pouco a pouco, pela pesada neblina de um temido Estado totalitário, policialesco”.

“Note-se que a condução coercitiva cerceia a liberdade de ir, vir e permanecer do indivíduo, constrangendo-o a um comparecimento não previamente marcado, e inviabilizando os mais mínimos arcabouços de defesa, por impedi-lo de obter a orientação técnica. Durante os tempos difíceis que se afiguram sobre o nosso país, não pode a Ordem dos Advogados do Brasil se furtar à luta pela defesa do Estado Democrático de Direito. Afinal, relativizar qualquer direito ou garantia fundamental, é abrir uma janela ao abuso e arbitrariedade de um Estado Totalitário, construindo a túmulo do próprio Estado Democrático de Direito”, disse Araújo em seu voto.

A ADPF nº. 444 foi distribuída ao ministro Gilmar Mendes.

quarta-feira

15

março 2017

13

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

13 COMENTÁRIOS

  1. Luiz Henrique Costa
  2. Maria das Dores Alexandte
  3. ERIZAN CARLOS DA SILVA CIDADAO HONESTO E TRABALHADOR
  4. ERIZAN CARLOS
  5. L'Amie
  6. Sérgio
  7. Emiliana Carvalho Muller
  8. Luís Ribeiro
  9. Orlando Arruda
  10. 1234
  11. Aviso