Há algo diferente no ar - O Cafezinho

O Cafezinho

quinta-feira

16

março 2017

22

COMENTÁRIOS

Há algo diferente no ar

Escrito por , Postado em Governo Temer, Pedro Breier, Previdência Social

(Criança nos braços da mãe na Av. Paulista, ontem. “Do jeito que tá vou ter que trabalhar já”. Foto: Selma Boaventura).

Por Pedro Breier, colunista do Cafezinho

15h de ontem, Av. Paulista. O número de pessoas na concentração para o ato contra a reforma da previdência começava a aumentar. Servidores do judiciário se instalaram na frente do prédio da Justiça Federal, próximo ao MASP, e fizeram uma agitação. Uma senhora pediu o microfone. E desabafou, a plenos pulmões:

– Eu sou cozinheira. Estou desempregada. Não podemos deixar passar o que esse cara quer fazer. FORA TEMER! FORA DEMÔNIO! FORA CAPETA! FORA SATANÁÁÁÁÁS!!!

Os que passavam por ali naquele momento vibraram com a inusitada sessão de descarrego proporcionada pela aguerrida cozinheira.

Michel Temer tem medo de fantasma, mas o povo está percebendo que na verdade o encosto a puxar o pé da população é, na verdade, o próprio presidente ilegítimo.

O volume dos atos de ontem, que aconteceram por todo o país, surpreendeu até os mais otimistas.

A Globo tentou esconder o tamanho dos atos, obviamente. A Av. Paulista estava completamente tomada e a repórter da GloboNews conseguiu dizer que de onde estava só conseguia ver 2 quarteirões ocupados pelos manifestantes.

2 quarteirões segundo a Globo News.

Em São Paulo pararam os trabalhadores dos ônibus, do metrô, dos correios, professores (que foram em peso ao ato), metalúrgicos e muitas outras categorias. Os metroviários e rodoviários ignoraram solenemente decisões da justiça proibindo a greve. O trânsito ficou um caos.

Nesses casos a estratégia da máfia midiática é sempre a mesma: entrevistar as pessoas e induzi-las a reclamar do caos provocado pelos grevistas. Desta vez, o tiro saiu pela culatra. Funcionários do metrô que explicavam às pessoas os motivos da greve foram aplaudidos pela população. O apoio à greve é amplo, geral e irrestrito.

A explicação para isso é simples. Pautas como a PEC que congelou o orçamento por 20 anos ou a nomeação do plagiador Alexandre de Moraes para o STF não comovem a população, pois são muito distantes e, de certa forma, mais técnicas.

Já a reforma da previdência draconiana proposta pelo governo é demasiadamente direta para não ser compreendida perfeitamente por todos. O presidente que não foi eleito por ninguém quer que trabalhemos até morrer – ou quase.

A população está acordando de seu torpor induzido por doses cavalares – aplicadas incessantemente pela mídia corporativa – de manipulações, mentiras e propaganda política disfarçada de noticiário.

A manifestação de Temer após os protestos de ontem foi, para variar, patética. “A sociedade brasileira, pouco a pouco, vai entendendo que é preciso dar apoio a este caminho para colocar o país nos trilhos”. Uma ova. Está todo mundo, com o perdão da palavra, puto.

O governo corre contra o calendário pois sabe que, quanto mais próximos das eleições de 2018 estivermos, mais difícil será convencer os parlamentares a votarem a favor de uma proposta extremamente impopular. O volume das manifestações contra a reforma colocou mais pressão sobre os nobres deputados.

A chance da reforma ser barrada ou ao menos modificada consideravelmente é real. A aprovação deste absurdo não vai ser um passeio no parque.

Cai bem para o momento um dos cantos tradicionais das manifestações da esquerda:

Pisa ligeiro, pisa ligeiro
Quem não pode com a formiga não atiça o formigueiro

Pedro Breier

Pedro Breier é formado em direito e colunista do blog O Cafezinho. Nasceu no Rio Grande do Sul e mora em São Paulo.

quinta-feira

16

março 2017

22

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

22 COMENTÁRIOS

  1. Edvanir
  2. Jose Manoel Martins
  3. João Bovino
  4. Felipe Bastos
  5. Felipe bastos
  6. Jacqueline
  7. Rogério Bezerra
  8. Luiz
  9. ANTONIO PAULO DA COSTA CARVALHO
  10. Selma
  11. Patrícia Lozano Sanches
  12. Anônimo