Samarco não pagou nada ao Ibama por maior tragédia ambiental do país - O Cafezinho

O Cafezinho

sexta-feira

16

junho 2017

32

COMENTÁRIOS

Samarco não pagou nada ao Ibama por maior tragédia ambiental do país

Escrito por , Postado em Redação

Loading...

Foto: Fotos Públicas

Com o auxílio da burocracia nacional, a empresa responsável pela maior tragédia ambiental do país continua impune quase dois anos depois do ocorrido. É o que mostra o texto abaixo, do Blog Esplanada

Samarco dribla multas e Ibama não recebe R$ 344 milhões

Vila de Bento só será reconstruída em 2018

A maior tragédia ambiental do Brasil completará dois anos daqui a cinco meses e até hoje a mineradora Samarco não pagou um centavo dos R$ 344,8 milhões em multas aplicadas pelo Ibama – que autuou a mineradora 23 vezes.

A empresa recorreu de todas, nas instâncias administrativas do órgão ambiental, onde o processo afunda no lamaçal da burocracia.

Apenas duas multas avançaram para a “2ª instância” nas dependências do Ibama, e as outras continuam na “1ª instância”, informa o órgão.

Nada avançou também da multa de R$ 5 bilhões que o Ministério Público Federal tentou aplicar contra a poderosa mineradora sócia da Vale – empresa sociedade da União com grandes grupos privados.

Em resposta, a Samarco informa que vai cumprir programa de reparação via Termo de Ajustamento de Conduta com os governos de Minas e Espírito Santo. E sobre as multas cobradas, avisa que há “aspectos jurídicos que precisam ser reavaliados”.

Sobre a reconstrução da vila atingida pela lama da barragem rompida em novembro de 2015, há um processo demorado e detalhado com a participação dos ex-residentes. Os ex-moradores de Bento Rodrigues aprovaram a construção do novo distrito.

Serão 226 casas em outro local próximo – mas a terraplanagem começa em agosto e as casas serão construídas só em 2018.  Enquanto isso, muitas famílias moram em outros lugares com auxílio da empresa e governo.

 

Luis Edmundo

editor associado em O Cafezinho
Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

sexta-feira

16

junho 2017

32

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

32 COMENTÁRIOS

  1. Vitor Spezia
  2. none
  3. Lucas barbosa