Novato com ar de metrossexual e credenciais frágeis, um perfil de João Doria segundo a The Economist - O Cafezinho

O Cafezinho

segunda-feira

19

junho 2017

24

COMENTÁRIOS

Novato com ar de metrossexual e credenciais frágeis, um perfil de João Doria segundo a The Economist

Escrito por , Postado em Redação

Loading...

Foto: Divulgação

Do Jornal GGN.

Por Sergio Saraiva

Doria para inglês ver

Doria parece não ter impressionado muito à “The Economist”.

Pelo menos é o que se denota da reportagem de 15 de junho de 2017:  ”Who will survive Brazil´s political cull?”– algo como “quem irá sobreviver no refugo político do Brasil”. Cull também pode significar lixo.

Escândalos abrem oportunidades para recém-chegados, complementa a revista.

Doria é visto como um político neófito que tem como principais características um charme discreto de comunicador profissional e um ar de metrossexual.

Nenhuma menção à sua LIDE e aos eventos que promove, nem à forma como suas revistas sobrevivem sendo praticamente desconhecidas do público. A única menção sobre a experiência anterior de Doria é como apresentador de “O Aprendiz” e, se serve como elogio, uma citação à Trump que também apresentou o programa nos EEUU.

No mais, em um ligeiro balanço da gestão Doria até aqui, a “The Economist” crava: na melhor das hipóteses, não passaria de um começo possivelmente promissor.

Por isso se espanta de que Doria esteja cotado como um sério candidato a presidente em 2018. Para, logo em seguida, explicar a seus leitores que isso se dá porque “as investigações de corrupção e uma crise econômica derrubaram a classe política como uma colheitadeira em uma plantação de soja”. Imagem interessante.

Assim sendo, Doria que conseguiria ser, ao mesmo tempo, um iniciado e um novato em política, teria chance de se eleger presidente. Embora suas credenciais sejam frágeis, destaca a “The Economist”.

E conclui citando um professor da FGV: “no Brasil de hoje, o imprevisível é provável”.

Realmente, parece que Doria não impressionou muito à “The Economist”.

Luis Edmundo

editor associado em O Cafezinho
Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

segunda-feira

19

junho 2017

24

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

24 COMENTÁRIOS

  1. NRA Borges
  2. enganado
  3. Joao
  4. Brayan Kurahara
  5. Juni
    • Benoit
  6. Luis Inacio
  7. Marcelo Magalhães
  8. Lobo