A direita brasileira acaba de produzir um mártir – O Cafezinho

O Cafezinho

quarta-feira

12

julho 2017

114

COMENTÁRIOS

A direita brasileira acaba de produzir um mártir

Escrito por , Postado em Golpe, História, Pedro Breier

Por Pedro Breier

A condenação de Lula por Sérgio Moro era mais do que previsível. Era um fato consumado muito tempo antes de ser redigida a sentença, o que, por si só, demonstra o quão absurda é.

Mesmo assim, não deixa de ser chocante.

A direita brasileira, através de seus grandes representantes do momento, a velha mídia e o velho judiciário, consuma sua mais ousada jogada.

Condenar à prisão, sem provas, o presidente mais popular da história do Brasil desde Getúlio Vargas não é qualquer coisa. Mesmo para quem vive de golpes e mais golpes na nossa incipiente democracia.

Mas por que Lula é perseguido dessa forma?

Até o início dos anos 1990 a resposta era óbvia. Seu discurso se encontrava muito mais à esquerda, intolerável para o status quo. Contudo, depois de seus governos de conciliação de classes, quando banqueiros e megaempresários nunca tiveram tanto lucro e a Globo continuou enchendo suas burras de dinheiro público, por que tudo isso? A elite brasileira precisava mesmo dar mais um golpe, jogar o país no caos e condenar o seu grande líder popular?

A resposta para essa pergunta é complexa. São muitos fatores, mas vejo dois principais, um prático e um simbólico.

A “reforma” trabalhista aprovada ontem, que transforma os trabalhadores em mercadorias de baixo valor, é a pista para encontrarmos o fator prático. O grande problema dos governos petistas, para os que sempre mandaram no Brasil, é que os filhos da classe baixa começaram a ingressar no ensino superior. Quando os filhos dos pobres passam a ir para a faculdade, quem vai ser o peão? Quem vai fazer o serviço pesado e ganhar uma miséria sem reclamar, pois se não quiser tem uma multidão implorando por qualquer coisa parecida com um emprego?

A escassez de mão de obra encarece o valor do trabalho. Imagina ter que pagar um salário digno para o peão da fábrica, para o operário da obra, para a faxineira, e diminuir a margem de lucro! Que horror!

Mesmo não tendo feito nenhuma reforma estrutural, mesmo não tendo diminuído a renda do andar de cima para aumentar a do andar de baixo, a singela ideia de que os pobres possam cogitar serem engenheiros, professores, médicos, cineastas, advogados, jornalistas ou arquitetos é impensável para aqueles que têm a convicção (mas não provas) de que alguns nasceram para servir e sobreviver como der, enquanto alguns poucos iluminados vieram ao mundo para exercerem o poder e aproveitarem do bom e do melhor.

O motivo simbólico para a perseguição doentia a Lula é a sua origem. A imagem de um trabalhador que nasceu e cresceu na miséria; chegou a presidência da República; melhorou a vida de milhões de brasileiros; e por fim rodou o mundo para apresentar as políticas públicas que implementou no seu país – e ainda ser bajulado por líderes mundiais – é poderosa e perigosa demais.

O povo sofrido, a gente humilde de Chico Buarque, não pode ter uma referência dessas para se identificar, pois pode acabar esquecendo do lugar subalterno para o qual foi designado pela aristocracia moderna. Prenda-se o herói dessa gente.

De qualquer forma, a ganância insana da elite nacional acaba de produzir um mártir.

A narrativa – corretíssima – que irá para os livros de história do futuro será, sem sombra de dúvida, a do presidente que era um líder popular e foi preso sem provas após um massacre midiático sem precedentes.

É inevitável bater a tristeza em um momento tão dramático da história do nosso país.

Portanto, tentando transmitir a força que precisamos ter para seguir lutando, encerro este artigo com uma frase esperançosa do jurista Marcio Sotelo Felippe sobre a reforma trabalhista, mas que se encaixa perfeitamente também para a condenação de Lula:

É fruto de uma elite selvagem, capaz de chegar aos limites da insanidade. Vai chegar o ponto da virada, o momento em que brota a consciência de que não se tem mais nada a perder. Quando e como não sei. Mas vai chegar.



Pedro Breier

Pedro Breier

Pedro Breier, colunista d'O Cafezinho, é formado em direito mas gosta mesmo é de jornalismo (e de AC/DC). Nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo.
Pedro Breier

quarta-feira

12

julho 2017

114

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

114 COMENTÁRIOS

  1. João Batista Duarte Vieira
  2. Marison
  3. Bob
  4. ricardo ribeiro de almeida
    • Ranieri
    • VIVA
  5. Trazibulo Meireles (Zibinho)
  6. CARLOS
  7. Gabriela Costa
  8. Anônimo
    • Julio Vernier
  9. Cláudia
    • Jun
  10. Francisco