Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Mãe, hoje tem FHC no jornal!

Por Miguel do Rosário

06 de novembro de 2011 : 10h58

Toda vez que os artigos mensais de FHC aparecem no jornal eu sinto repuxos estudantis. Imagino que tem a ver com o tempo em que escrevi meus primeiros artigos políticos, durante o primeiro reinado tucano. O artigo de hoje, intitulado Corrupção e Poder, reúne, mais uma vez, conceitos banais e midiáticos sobre a decadência moral da classe política brasileira.

Eu parei de subestimar os artigos de FHC, todavia. Quanto mais eu os acho enfadonhos, repetitivos e vazios, mais eles provocam repercussão. Então façamos uma análise rápida.

De fato, lendo com atenção, vemos que FHC tem uma suavidade que engana. O seu artigo traz acusações pesadíssimas, mas disfarçadas por seu estilo sonolento.

Por exemplo:

Antes o desvio de recursos roçava o poder, mas não era condição para o seu exercício.

Estamos diante de um sistema político que começa a ter a corrupção como esteio, mais do que simplesmente diante de pessoas corruptas.

Com essa linguagem, serena por fora, incendiária por dentro, FHC habilita-se a líder do novo udenismo, que aliás tem sido recorrentemente lembrado por FHC:

O “sistema” reage a essa argumentação dizendo tratar-se de “moralismo udenista”, referência às críticas que a UDN fazia aos governos do passado, como se ao povo não interessasse a moral republicana.

A característica principal desse tipo de artigo, a meu ver, é a tentativa constante de produzir uma situação maniqueísta. Em vez de participar realmente do debate, dialogando com pessoas e situações reais, o articulista inventa um adversário simplório e boçal, que representa o mal, o fisiologismo, a corrupção e o atraso. Daí, ele, FHC, se autoposiciona como contraponto ético e republicano a esse joão-bobo artificial e mudo. O resultado, naturalmente, é uma vitória completa, visto que o adversário não fala e não pensa.

Vejam esse trecho:

Esse tipo de ideologia vem associado a outra perversão corrente: fora do partido e do governo nada é ético; já o que se faz dentro do governo para beneficiar o partido encontra justificativa e se torna ético por definição.

Que ideologia é essa? Quem a professa? Ninguém, é claro. Ninguém seria tão idiota de dizer que “tudo que faz dentro do governo é ético por definição”.

Eu já percebi há tempos que isso é um vício acadêmico. Ou pseudo-acadêmico. Pinta-se um adversário hipotético, uma caricatura, para se criar um arremedo de dialética. Tenta-se disfarçar a pobreza de um debate tão artificial através do uso de uma linguagem rebuscada. Muitos se deixam iludir por essa artimanha. A maioria dos brasileiros não tem paciência para os devaneios moralistas e perfunctórios do ex-presidente, mas com certeza ele continua acendendo corações udenistas em Higienópolis e Leblon!

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alexandre

08 de abril de 2013 às 13h59

Ao contrário do que você disse, FHC não foi maniqueísta e tampouco inventou adversários, como faz Lula.
Ele citou nomes e esquemas específicos dos quais discorda. E embasou muito bem seus argumentos.

Responder

reginaldo

06 de novembro de 2011 às 17h21

FHC já morreu faz tempo é um zumbir … falta só enterrar ….

Responder

José Honorato

06 de novembro de 2011 às 16h26

É louvável o esforço de criticar o texto do FHC. Um texto horrível, certamente. Faltou na crítica, porém, o essencial. O ex-presidente discursa como se nunca houvera ele também compactuado com as práticas que tão principescamente condena. Não era ACM um aliado fiel (e demandante) do ex-sociólogo? Não era o PFL ex-Arena hoje DEMo membro maior da aliança governista? Não enfrentou o governo dele uma série igualmente interminável de escândalos (pra não falar do maior deles, o da privataria)? Se a corrupção hoje encontra-se mais organicamente instalada nas esferas governamentais (a hipótese, que teria de ser provada, não é de todo absurda, mas diria respeito também ao PSDB), então tal processo de entranhamento conheceu uma intensificação também no governo dele, o vestal FHC… Ou, com base em suas recentes colunas, o cínico FHC.

Responder

Alberto Fuchs

06 de novembro de 2011 às 14h31

Um vício, sim, mas mais especificamente, é uma falácia conhecida: http://en.wikipedia.org/wiki/Straw_man

Agora, sua análise não é só rápida, é superficial a ponto de quem leu o artigo de FHC levantar uma sobrancelha de desconfiança. Logo no primeiro parágrafo FHC dialoga com o próprio Aldo Rebelo. No segundo, ele continua falando sobre o caso. No terceiro é que ele classifica o que já foi descrito nos dois anteriores como um tipo de ideologia. No quarto, ele fala sobre o mensalão, um caso específico. Enfim, do modo como você fala, é como se o artigo fosse todo vago, sobre formas que não encontram conteúdos no mundo real. E isso é falso; é só ler o texto: não só ele aponta problemas concretos como dá nomes aos bois.

Responder

    Miguel do Rosário

    06 de novembro de 2011 às 14h44

    Olá Alberto, está certo. Ele cita Aldo Rebelo, mas não dialoga com ele. Pega uma frase descontextualizada e depois fantasia absolutamente. Aldo não falou que "tudo relacionado ao governo é ético". Sobre o mensalão, a fantasia vai ainda mais longe, ao dizer que nele "estava presente a ideologia que santifica o Estado". My God!

    Responder

Deixe um comentário para Miguel do Rosário

Viaje no Universo Profundo com o Telescópio James Webb O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno?