Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Oposição tenta mexer as pernas

Por Miguel do Rosário

09 de novembro de 2011 : 15h21

 

O Estadão publica hoje um editorial e uma coluna de opinião sobre a reunião do PSDB em São Paulo. São textos que tentam, com esforço admirável, injetar um pouco de ânimo na oposição.

Segundo o Estadão…

(…) a nota marcante do evento tucano foi a grande quantidade de propostas apresentadas com o objetivo de corrigir o que consideram políticas equivocadas da atual administração federal. Talvez a mais importante delas, considerada “revolucionária” por Fernando Henrique, foi de autoria de Pérsio Arida, ex-presidente do Banco Central no governo FHC: o fim do crédito subsidiado oferecido pelos bancos públicos, especialmente o BNDES, como forma de acelerar a queda da taxa básica de juros e elevar a remuneração da caderneta de poupança e de fundos administrados pelo governo federal, como o FGTS e o FAT. “O governo tem de agir em nome do bem comum e não favorecer o lobby dos tomadores de recursos subsidiados”, enfatizou Arida. Para ele, com o fim dos subsídios, as taxas de juros cobradas pelo BNDES poderiam se nivelar às dos bancos privados, provocando uma redução da demanda por crédito público e a consequente liberação de recursos para outras finalidades importantes.

Eu acho louvável que os tucanos finalmente apresentem propostas concretas de governo, ao invés de repetirem, como papagaios, editoriais udenistas. É curioso, porém, que a proposta mais revolucionária seja reduzir o crédito dos bancos públicos. O que tem de revolucionário nisso? Eu até concordo que, na medida em que os juros básicos forem caindo, o governo possa equiparar os juros dos bancos públicos aos de outras instituições. Provavelmente é isso o que vai ocorrer.

O que chama atenção é constatar como o PSDB continua amarrado a uma visão neoliberal anacrônica. Quer dizer que liberar dinheiro para tampar buraco de bancos privados (como fez o Proer) é até hoje um dos orgulhos da administração tucana, mas emprestar dinheiro para indústrias e trabalhadores, isso não pode?

Mais propostas do PSDB, que constam no editorial do Estadão:

Outros participantes do seminário defenderam ainda a retomada das privatizações, a redução drástica do número de ministérios, maior investimento na qualificação do magistério público, reformas da Previdência que incluem a elevação da idade para aposentadoria, entre outras propostas apresentadas.

Retomada das privatizações? O que falta mais privatizar no Brasil? De estatais importantes, só restaram a Petrobrás, a Caixa e o Banco do Brasil. Depois o PSDB vem dizer que seus adversários fazem terrorismo durante as eleições, quando divulgam que eles são privatizadores.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Leonardo

10 de novembro de 2011 às 15h16

Será que desta vez sairão do armário (posicionando-se como entreguistas – pois que nada do que eles privatizaram foi vendido pelo valor real, mas DADO de presente e com dinheiro do BNDES).

Foi o mesmo caso da BROI, gestado no governo petista…

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina