Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Veja tenta derrubar jatinho do Lupi

Por Miguel do Rosário

12 de novembro de 2011 : 11h41

A Veja desta semana vem com mais um míssil contra o ministro do Trabalho, Carlos Lupi. A revista acusa o ministro de ter usado um avião pago por Adair Meira, coordenador de uma rede de ongs conveniadas à pasta. A reportagem estende-se por seis páginas e, pelos trechos divulgados na internet, traz aquela linguagem balzaquiana, ultra-descritiva, com detalhes ficcionais, que a revista sempre usa para conferir mais verossimilhança às suas histórias.

Abaixo o trecho divulgado no blog do Reinaldo Azevedo:

Na manhã do dia 13 de dezembro de 2009, um avião de pequeno porte decolou de Imperatriz com destino a Timon, também no estado do Maranhão. Quando o King-Air branco com detalhes em azul, de prefixo PT-ONJ, já cruzava o céu na altitude e na velocidade determinadas no plano de voo, o então assessor do Ministério do Trabalho Weverton Rocha tomou um susto. Pela janela, ele viu um rastro de fumaça perto do tanque de combustível. Disciplinado, avisou imediatamente seu chefe, o ministro Carlos Lupi: “Olha, parece que está vazando querosene”. Osso duro de roer, como se definiu na semana passada, Lupi reagiu com a confiança e a verborragia que lhe são peculiares. “Nada de mau vai nos acontecer. Tenho 49 orixás que me acompanham”, disse, ecoando um de seus mantras prediletos. Em seguida, o ministro avisou o comandante do problema. O avião retornou a Imperatriz, foi consertado e retomou a viagem ao destino final. Estavam a bordo também o ex-governador do Maranhão Jackson Lago, já falecido, o então secretário de Políticas Públicas de Emprego do ministério, Ezequiel de Sousa Nascimento, e um convidado especial – o gaúcho Adair Meira. Naquele domingo, Lupi, Rocha, Lago e Nascimento, todos do PDT, participaram de um ato político em Timon. Nos dois dias anteriores, percorreram sete municípios maranhenses em uma intensa agenda oficial, divulgada no site do Ministério do Trabalho, reservada ao lançamento de um programa de qualificação profissional no estado. Nos trajetos entre cidades, usaram o mesmo King-Air e estiveram sempre acompanhados do convidado especial Adair Meira a bordo.

Meira não é do PDT, mas tem relações intestinais com o partido. Ele comanda uma rede de ONGs que têm contratos milionários com o Ministério do Trabalho. Era, portanto, um interessado direto no programa que estava sendo anunciado no Maranhão. Mais do que isso. Foi Meira quem “providenciou” o King-Air que transportou o ministro e os pedetistas do governo pelo Maranhão, numa daqueles clássicas confraternizações entre interesses públicos e privados, cuja despesa acaba sempre pendurada na conta do contribuinte. O ministro Carlos Lupi cumpriu uma agenda oficial, usando um avião privado, pago por um dono de ONG que tem negócios com o ministério. E, pior, um dono de ONG acusado de fraudar o próprio ministério. (…)

Aos deputados, Lupi afirmou desconhecer Adair Meira. “Eu não tenho relação nenhuma, absolutamente nenhuma, com o – como é o nome? – seu Adair”. afirmou, num providencial lapso de memória. Depois, emendou: “Posso ter e devo ter encontrado com ele em algum convênio público. Não sei onde ele mora.” Quanta descortesia. No fim de 2010, um ano após o tour maranhense, a Fundação Pró-Cerrado e a Rede Nacional de Aprendizagem, Promoção Social e Integração (Renaspi), duas ONGs de Meira, receberam do Ministério do Trabalho, numa solenidade em Brasília, o Selo Parceiros da Aprendizagem, concedido a entidades consideradas de excelência na formação profissional. Na mesma ocasião, a Renaspi foi escolhida pelo ministério como parceira num projeto para qualificar trabalhadores no Maranhão – isso apesar de ter credenciais nem de longe abonadoras. A Procuradoria da República já pediu a devolução de recursos públicos embolsados pelas entidades de Meira. A Controladoria-Geral da União (CGU ), por sua vez, apontou uma série de irregularidades nos contratos executados por ela. Na audiência com os deputados, Lupi garantiu que quase nunca viaja em aviões particulares. E assegurou que jamais se locomoveu à custa de Meira. “Nunca andei em aeronave pessoal nem dele nem de ninguém”, disse o ministro. Lupi esqueceu de combinar a versão com um de seus antigos assessores.
(…)

Não é a linha desta Análise defender ministro nem governo. Busco apenas fazer um estudo crítico e objetivo da mídia e arriscar prognósticos sobre os desdobramentos dos escândalos. Essas crises afetam o cotidiano das pessoas e acho que é muito útil que alguém, no caso eu, se disponha a fornecer dados que ajudem-nas a se posicionarem perante as novas situações.

Bem, em primeiro lugar, é preciso ver se a revista traz testemunhas ou provas de que o vôo aconteceu nas circunstâncias descritas. O trecho publicado e o resumo da reportagem não indica, então suponho que a íntegra da matéria não traz muita coisa além disso. O governador Jackson Lago, um dos supostos ocupantes da viagem, morreu. O ministro, os assessores e até o tal Adair, negam a viagem ou negam que tenha sido paga por Adair.

Usar avião de empresário, ou dono de ongs, além disso, não é um crime. No máximo, e somente em alguns casos, constitui uma infração ética segundo o estatuto do servidor. Em alguns casos, porque o próprio estatuto permite que o servidor use aviões particulares quando não há outro jeito. O Brasil é um país continental, onde os altos servidores tem que fazer às vezes várias viagens de avião no mesmo dia e o uso de aviões particulares é muito comum por causa disso. Aqui no Rio, o governador Cabral pegava carona com frequência em aviões e helicópteros de empresários amigos, até que um deles caiu, matando a namorada de seu filho e a sua (segundo as más línguas) amante.

O presidente da Câmara, Marco Maia, do PT, também já andou usando muito aviãozinho particular, o que lhe rendeu alguns constrangimentos quando os casos foram revelados na imprensa.

Os ministros Paulo Bernardo e Gleise Hoffmann, que são casados, também já foram pegos usando avião particular.

O próprio líder do PDT no Congresso, Giovanni Queiroz, acaba de declarar, neste sábado, ao comentar a denúncia da Veja, que ele mesmo pega “muita carona” em suas viagens a seu domicílio eleitoral, no Pará.

De maneira que se o fato é razão para derrubar o ministro Carlos Lupi, então teremos que derrubar a república inteira. Sem contar que, estando presente no jatinho o então governador do Maranhão, Lupi poderá dizer (até porque pode ser verdade) que ele estava apenas pegando carona num avião a serviço do governo estadual.

É preciso sim moralizar a relação entre políticos e setor privado, mas é besteira pretender que uma carona de avião corresponde a um suborno. Um ministro custa muito mais caro que isso, naturalmente.

Entendam que não boto a mão no fogo por Lupi nem por nenhum político, mas é absurdo demonizar um representante do Estado por pegar uma carona, ainda mais em viagens para regiões do país para as quais não há vôos comerciais.

Se há alguma prova concreta de que o ministro Carlos Lupi prevaricou, que se o demitam, mas não acho plausível usar esse novo “escândalo” da Veja para afirmar que agora ele está mais “frágil” que nunca no cargo.

Os jornais deste sábado deixaram Lupi em paz, mas a matéria da Veja deve ganhar manchetes no domingo, e certamente aparecerá no Fantástico. Por outro lado, o governo parece um pouco mais empenhado, desta vez, em enfrentar os ataques da mídia.

Tenho a impressão que haverá um pouco de tensionamento neste domingo e na segunda-feira, mas que Lupi se segura na pasta durante a semana. A condição dos ministros no governo Dilma às vezes me lembra aquelas reuniões do AA e sua filofosia de a cada dia, a sua vitória.

PS: O ministro publicou no blog do Trabalho um post em que, dentre outras explicações, afirma que o avião não era um jatinho King Air. A informação é divertida, porque a matéria da Veja se esmera em detalhar número de série e características físicas do avião, mas pelo jeito a descrição não é tão exata como se pretende.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

mario oliveira

30 de agosto de 2015 às 02h15

Sempre deixamo o rabo de fora, pois, foi na mesma midia que tomamos conhecimento de que quem usou avião suapeitissimo foi o tucano de alta plumagem, o senador Alvaro Dias que usou o jatinho de Youssef nas suas campanhas eleitorais no estado do Paraná. Tem muitos jatinhos suspeitos nestas campanhas como o que matou o ex governador de Pernambuco em plena campanha, estranhíssimo caso sem apuração efetiva, afinal, de quem eta o avião etc etc

Responder

Elektrische Zahnbuerste

06 de dezembro de 2011 às 13h41

Thanks for your time so a lot for your impressive and incredible guide. I will not be reluctant to endorse your web websites to any individual who ought to receive direction on this issue.

Responder

Ademir Augusto

12 de novembro de 2011 às 21h33

Prezado Miguel.
Precisamos de uma "Ley de Medio" logo, e ela tem que ser de cunho popular,
vc viu, o da "ficha limpa", mais de noventa por cento que assinaram o tal projeto
nem sabe o que é isso, mas assinaram e mexeu muito bem com a coisa e de forma útil.
Miguel, o vc não acha que a gente tem que iniciar a colheita das assinatura, hoje, já.
Imgine se jogarmos essa coisa nas redes sociais. Meu Companheiro, fora disso não adianta
vc escreve e nos lermos, enfim, precisamos de ação, junto a boa leitura que eu não abro mão.
um grande abraço.

Responder

gerson pacini

12 de novembro de 2011 às 21h17

o mesmo argumento da folha no caso da ficha falsa da Dilma. Não temos comprovar que a ficha é falsa, então a publicamos no interesse da nação.
Não podemos comprovar se o voo não aconteceu, então publicamos, decidam voces, apurem voces, nós só levantamos a bola.

Responder

_spin

12 de novembro de 2011 às 12h07

A Veja cumpriu à risca o modus operandi que foi atodado nas demais operações derruba ministro, portanto matéria como esta era prevista, o próprio corpo da matéria informa se tratar avião a serviço do governo do Estado do MA.
E vamo que vamo, segue nota oficial do ministro, no Blog do Trabalho:
COMUNIDADO

O Ministro de Estado do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, informa que:

– Nos dias 11, 12 e 13 de dezembro de 2009, esteve no estado do Maranhão para agendas oficiais e partidárias e que seu transporte de Brasília para São Luiz (MA) aconteceu em voo regular da companhia aérea TAM, conforme bilhete apresentado.

– Os deslocamentos realizados dentro do estado do Maranhão para agendas, parte em veículos de filiados, e parte em aviões de pequeno porte, tipo Sêneca, foram de responsabilidade do Diretório Regional do PDT do Maranhão, do Ex-Governador Jackson Lago, e do Deputado Federal Weverton Rocha. A medida foi tomada para evitar que dinheiro público fosse utilizado nesta agenda.

– O Ministro Lupi desconhece que seu ex-assessor Ezequiel Nascimento, então Secretário de Políticas Públicas de Emprego do MTE, tenha solicitado avião particular para que ele o acompanhasse nesta agenda. Importante esclarecer também que o responsável, conforme a revista Veja afirmou, pelo empréstimo do avião, à época não tinha nenhum tipo de relação com convênios do Ministério.

– Nas fotos, que podem ser baixadas nestes links, é possível ver que a aeronave que acompanhava o Ministro Lupi na agenda não se trata de um modelo King Air, conforme a revista Veja afirmou, mas do modelo Sêneca.

Foto I

Foto II

Bilhete aéreo
http://portal.mte.gov.br/imprensa/comunidado.htm

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina