Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Mídia na defensiva

Por Miguel do Rosário

14 de dezembro de 2011 : 09h57

O vento mudou de lado. Os jornalões recuaram sensivelmente em seus ataques ao governo. Desde alguns dias, passsaram a estampar quase diariamente títulos e manchetes sobre o mensalão, que se tornou uma espécie de “calhau” permanente da mídia em momentos em que parece faltar combustível para manter a atmosfera política em temperatura de “crise”. Citar o mensalão, contudo, não representa um ataque direto ao governo; é mais uma postura defensiva, como uma cobra que recua ao mesmo tempo em que exibe a língua venenosa.

A Folha desta terça-feira aproveita uma entrevista com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Ricardo Lewandoswki, como pretexto para tascar um manchetão de teor lacerdista:

 

 

Eu afirmo que é de “teor lacerdista” porque Lewandowski se limita a dizer o óbvio: os réus tiveram e terão direito a defesa, e ele precisará de tempo para ler na íntegra os autos do processo; e se as penas aplicadas forem as mínimas, de dois a três anos, elas prescreverão, porque já se terá passado um prazo superior ao dobro desse tempo.

Quando eu uso o termo “lacerdista”, eu me refiro a estilos como o de Dora Kramer, que hoje em sua coluna, usa inclusive a mesma expressão popularizada por Lacerda nos anos 50: “mar de lama”.

O Globo vai pelo mesmo caminho e publica uma foto gigante de Marcos Valério na página 3, numa matéria que sequer tem ligação direta com ele.

 

A presidenta, por sua vez, resolveu comprar a briga de Pimentel. Sua declaração de ontem, de que “Pimentel não precisa ir ao Congresso”, constitui um verdadeiro desafio ao clima de prejulgamento que domina a mídia. É sintomático que a mídia não a tenha publicado com destaque na primeira página.

Mesmo assim, o fato de figurarem como título de página mostra que as palavras calaram fundo. A base aliada também passou a atuar com mais lealdade. Agora se sabe que o governo a deixou verdadeiramente à míngua este ano. Só agora, no final da maratona, está liberando as emendas parlamentares. A seca, portanto, deve ter contribuído para a atmosfera de insatisfação que vigiu no Congresso este ano, e que seguramente não contribuiu para que deputados e senadores defendessem o governo com mais ênfase durante as crises ministeriais.

O caso Pimentel, hoje, encontra-se em processo de acelerado esfriamento, mesmo com a tentativa de Elio Gaspari de insuflar-lhe um pouco de calor. Sobre Gaspari, é realmente curioso que o mesmo jornalista que durante anos abusou do termo “privataria” para fazer insinuações pesadas acerca do encardido balcão de vendas de estatais montado durante o governo FHC, não tenha ainda mencionado o livro de Amaury Ribeiro, fenômeno editorial, que traz documentos bastante eloquentes sobre esses mesmos esquemas.

Entretanto, mesmo sem constar na capa, em manchetes ou editoriais, o caso Pimentel se mantém aceso com força na fogueira global em sua seção de cartas, onde é o assunto principal, com doze manifestações. Os outros destaques da página Dos Leitores, do Globo (que virou uma página disfarçada de opinião do próprio jornal, visto que os comentários são criteriosamente selecionados) são “Marcos Valério livre” e “Triste Judiciário”, este último para receber elogios ao artigo do ultralacerdista Marco Antonio Villa, publicado ontem no Globo, que “denuncia” o gasto de dinheiro público com itens como água e vacina para funcionários do Supremo Tribunal de Justiça (STJ). O artigo, embora contenha a sempre justa preocupação com o uso do dinheiro público, é um verdadeiro lixo, porque procura difamar os juízes do STF com informações desencontradas e descontextualizadas sobre seus rendimentos, confundindo o leitor acerca do salário mensal real do juíz e o pagamento, em caráter expecional, de uma determinada quantia em determinado mês a título de alguma indenização. Na entrevista com Lewandowski, ministro do STF e presidente do STE, ele diz que o rendimento líquido de um juiz das altas cortes nacionais está em torno de 16 mil reais, visto que aproximadamente 40% do salário é destinado automaticamente ao pagamento de impostos e planos de saúde corporativos, etc. Não acho que seja nenhum absurdo. O próprio Globo noticiou outro dia, que diretores comerciais no Brasil estão ganhando, no mínimo, R$ 28 mil.

Quando eu falo de “mídia na defensiva”, e que “o vento mudou de lado”, eu me refiro ao silêncio cada vez mais ensurdecedor da grande mídia em relação ao surgimento de novas provas de envolvimento da cúpula tucana em esquemas bilionários de corrupção durante o processo de privatização. Hoje, na coluna Panorama Político, do Ilimar Franco, encontrei a seguinte notinha, publicada discretamente ao pé da página.:

Além da iniciativa solitária do deputado, foi criado um grupo no Facebook, com vistas a pressionar os parlamentares a assinarem a lista do Protógenes.

O leitor, porém, não é informado do fato principal que deu origem à iniciativa de Protógenes: o livro do Amaury.

Serra e Aécio se manifestaram hoje sobre o livro. O paulista chamou de “lixo”. Aécio deu uma resposta ambígua e quase “desleal” em relação a seu companheiro de partido, ao sugerir aos interessados que “devem lê-lo”. Ao dizer, porém, que não é uma “literatura” que lhe interesse, o senador foi bastante infeliz, porque, se se trata de um grande esquema de corrupção, ele deveria, como homem público, interessar-se obrigatoriamente com tal denúncia.

Finalizando a análise de hoje, deixo registrado aqui a única reportagem exibida sobre a repercussão do livro de Amaury Ribeiro num veículo de mídia de massa:

Reportagem da Record sobre o livro Privataria Tucana:

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

alex

14 de dezembro de 2011 às 19h57

O LIVRO INVISÍVEL

Por Luciano Martins Costa,

do Observatório da Imprensa em 14/12/2011 na edição 672

O espetacular lançamento do livro A privataria tucana, do jornalista Amaury Ribeiro Jr., certamente um dos mais velozes fenômenos de venda da indústria brasileira de livros, produz outras circunstâncias estranhas, além do escancarado constrangimento da chamada grande imprensa: o autor e a editora foram vítimas de uma pirataria militante, com a distribuição ilegal de cópias digitais da obra.

Nas primeiras horas da manhã de terça-feira (13/12), cópias digitais em formato PDFjá estavam à venda ou eram distribuídas gratuitamente em vários sites. No blog livrosdehumanas.org, podia-se baixar uma cópia gratuita ou com desconto de 30% sobre o preço oficial de R$ 34,90.

O publisher e sócio da Geração Editorial, Luiz Fernando Emediato, foi informado pelas redes sociais da derrama de exemplares pirateados quando o sistema paralelo de distribuição e venda já se configurava como uma ação viral – quando determinado tema entra simultaneamente entre os tópicos mais vistos da internet, através de sites, blogs, redes de relacionamento e sistemas de mensagens curtas, tornando-se quase impossível contê-lo.

Ao longo da terça-feira, o esforço da Geração Editorial ainda não havia conseguido bloquear o sistema paralelo de vendas, o que teoricamente deveria aumentar o interesse jornalístico por esse fenômeno do mercado editorial.

Não aconteceu

O sucesso estrondoso do livro criou uma situação inusitada: ele se instalou rapidamente no topo do ranking de vendas da Livraria da Folha na semana, enquando a Folha de S.Paulo seguia ignorando sua existência. O leitor há de ficar atento à listagem dos livros mais vendidos na revista Veja, para verificar se o mistério se repete: um livro campeão de vendas que a imprensa considera inexistente.

Em entrevista à Agência Carta Maior, Luiz Fernando Emediato disse acreditar que a grande imprensa vai entrar em breve no debate que se seguiu à publicação, por causa do grande interesse demonstrado pelo público através das redes sociais e da mídia online.

Mas a chamada grande imprensa seguiu desprezando o acontecimento jornalístico mais interessante da temporada, assim como se calaram os principais personagens da história. Para os jornais, A privataria tucana é um livro invisível. É como se os editores acreditassem que aquilo que não sai na imprensa tradicional nunca aconteceu.

Apostando no silêncio

Emediato dizia esperar que o ex-governador José Serra viesse a público a qualquer momento para se justificar, uma vez que não é acusado diretamente dos crimes citados na reportagem. “Mas falar que não sabia das movimentações milionárias da filha, é algo difícil de acreditar”, afirmou.

Saboreando o sucesso comercial de seu empreendimento, o editor participou ativamente dos debates nas redes sociais desde o sábado, ao mesmo tempo em que administrava uma estratégia cautelosa em relação ao PSDB. Pelo menos dois colunistas da Folha de S.Paulo e uma colunista do Estadão estavam digerindo o livro na terça-feira.

íntegra: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/vie

Responder

Elson

14 de dezembro de 2011 às 19h55

Infelismente para o PIG e o PSdB é um fantasma que irá rondar seus candidatos por muitos anos , até o senador paranaense Alvaro Dias , aquele que gosta de fazer discurssos inflamados com a revista veja nas mãos ficou calado , parece que a indignação dele acabou de uma hora para outra .

Responder

Elson

14 de dezembro de 2011 às 19h51

Os caras estão tentando disfarçar o cheiro do cadaver que está no armário . Afinal o escandalo da privataria é muito maior que o do mensalão e a Record foi a única emissora de televisão que quebrou o cerco midiático , para a pessoa que acompanha o noticiário diário isso mostra muito bem de que lado está a mídia .

Responder

baixadacarioca

14 de dezembro de 2011 às 14h59

É isso mesmo. Agora o papel dos porcalistas e da turma pró-golpe é desconstruir as denúncias do Amaury. Olha, cara, acho difícil sair uma CPI ali. Me parece que tem parlamentar do PT querendo deixar tudo como está pra não feder mais ainda. Eu torcendo pra vir tudo à tona…

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina