Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Mídia segue na defensiva

Por Miguel do Rosário

16 de dezembro de 2011 : 11h03

O muro do silêncio rachou e a repercussão sobre o livro de Amaury Ribeiro começa a vazar por um número cada vez maior de fendas. Falta só mesmo ganhar os cadernos principais e as manchetes e o Jornal Nacional.

Quer dizer, falta cair ainda uma barreira importante. O jornal O Globo até agora não mencionou uma palavra sobre o assunto, apesar do mesmo já ser motivo de duros embates no Senado e na Câmara dos Deputados. Em vez disso, o Globo prefere continuar apostando no desgaste do ministro Antônio Pimentel, numa perseguição bastante ridícula, já que não há acusação formal, sequer nenhum indício relevante de qualquer crime contra Pimentel.

O jornal O Globo talvez esteja com receio de dar uma notícia que o obrigue a levá-la ao Jornal Nacional, aí sim, provocando reações imprevisíveis da sociedade brasileira, cuja grande maioria até hoje é fortemente hostil ao processo de privatização tocado pelo governo FHC.

No caso de Pimentel, a trinca midiática (Globo, Folha, Estadão) segue de mãos dadas, revezando-se ou copiando-se uns aos outros. Seus repórteres ficam na cola do ministro fazendo todos as mesmas perguntas.

De qualquer forma, a mídia segue na defensiva, adotando também as mesmas táticas. No Estadão, editorial e coluna da Dora Kramer atacam as declarações do ministro Ricardo Lewandowski, de que as condenações do processo do mensalão podem prescrever. O Estadão comete a imprudência de escrever o seguinte:

No limite, isso é mais danoso para a imagem da Justiça e para a infusão de um mínimo de decência nos costumes políticos nacionais do que seria uma inimaginável absolvição dos principais protagonistas da operação que expôs as entranhas do governo Lula.

O autoritarismo, a arrogância e, sobretudo, o prejulgamento contido no ajetivo “inimaginável” é algo que deve ser posto em evidência, e merecem alguns comentários para afastar mal entendidos. Uma absolvição, por parte do STF, não significa, necessariamente, um atestado de idoneidade. Fernando Collor foi absolvido das acusações que pesavam contra ele no STF. A absolvição refere-se exclusivamente à acusação específica em curso num processo. Diferentemente do Congresso, que faz julgamentos políticos, e sobretudo dos jornais ou da “opinião pública”, onde o preconceito, a emoção e o embate ideológico desempenham os papéis principais, os ministros do Supremo devem julgar a culpabilidade dos réus somente com base em provas materiais. Se estas não forem suficientes, serão absolvidos. Vale lembrar que o dano político causado ao PT e a muitos de seus caciques pelo escândalo do mensalão foi a maior punição já imposta a um partido desde muitas décadas. Jamais um partido apanhou tanto como o PT por causa desse escândalo, que ninguém nega que tenha ocorrido, e que tenha sido grave. O que está em discussão é o que ele foi, em verdade: e tudo indica que ele foi um caso de caixa 2. Não se trata de “negar a existência do mensalão”, mas de apontar os exageros e a atmosfera mítica e monstruosa que a mídia tenta lhe associar. Foi um caso de caixa 2 tão grave quanto o mensalão original, protagonizado pela mesma pessoa, Marcos Valério, na eleição estadual de 1996 para o governo de Minas, envolvendo o então candidato Eduardo Azeredo.

No Globo, Merval Pereira usa a mesma estratégia, de reverberar o fantasma do mensalão para distrair a platéia de um escândalo de proporções infinitamente maiores: a privataria no governo FHC. Não digo isso para que esqueçamos um roubo em função de outro mais grave, mas porque em relação a este último temos fatos novos.

O mensalão petista movimentou cerca de 20 milhões de reais, dentro de uma campanha presidencial cujos recursos contabilizados legalmente chegaram perto de 1 bilhão. É outra mentira, portanto, o exagero de que se trata do maior escândalo de corrupção da história. Foi um dos menores na hierarquia dos valores financeiros – o que não significa que tenha a mesma posição na subjetiva hierarquia de valores morais.

Em todos os textos citados há claras ameaças veladas aos ministros encarregados de tocar o julgamento do mensalão, e uma notória antipatia por Joaquim Barbosa. Merval intitula seu texto da forma mais agressiva e direta possível: “Suspeição”, e questiona sem papas na língua a idoneidade de Lewandoswki, inclusive citando, despudoramente, uma conversa pessoal do ministro ao celular, flagrada por repórteres por ocasião dos debates para aceitar ou não a denúncia do procurador geral.

A faca no pescoço, de que falava Lewandoswki, empunhada pela imprensa e encostada na carne dos juízes, continua no mesmo lugar.

Como eu ia dizendo, todo esse melodrama em torno do mensalão, que irá a julgamento somente em 2013, constitui uma estratégia defensiva em relação a escalada de ataques políticos que a mídia e o PSDB vem sofrendo desde o lançamento do livro de Amaury Ribeiro, com novas denúncias e documentos sobre a privataria tucana.

O assunto tem invadido as redações de todas as maneiras. Hoje temos as seguintes notinhas que furaram o bloqueio.

No Estadão, temos uma matéria na capa da seção de política.

Vem acompanhada de um ataque do PSDB ao PT.

No Globo, temos notinha no Panorama Político, do Ilimar Franco:

Na Folha, temos duas notinhas no Painel, da Renata Lo Prete:

Aliás, a segunda nota traz uma informação alarmante: irá mesmo o PT enterrar esta CPI? Como assim não tem objeto específico? O livro de Amaury não traz nada além de “objetos específicos”! São pessoas, documentos, datas, tudo documentado com uma especificidade de fazer inveja ao um microbiologista. Mas eu acho que tem erro na nota. Maia se referia à CPI da Corrupção.

Ainda na Folha, a coluna da Monica Bergamo, no caderno Ilustrada, também publicou notinhas sobre o mesmo assunto:

 

 

 

*

Mudando de assunto, eu gostaria de saber o que levou Aloisio Mercadante, ministro de Ciência e Tecnologia, a cometer o disparate de fazer as seguintes declarações, em audência realizada ontem no Senado:

Morrerão pessoas neste verão e nos próximos.

Tudo bem que sabemos que fatalidades deverão acontecer, mas eu acho que Aloisio podia dispensar o Brasil dessa manifestação de mau agouro. É como o ministro da Saúde vir à público, em rede nacional, e avisar: “não tem jeito, milhões de brasileiros vão morrer de doenças este ano”. Mercadante podia ser mais cuidadoso com as palavras. É óbvio que teremos morte no verão e nos próximos, mas o que nos interessa são as ações do governo no sentido de evitar tragédias; de urubus já nos basta a Miriam Leitão e quase todas as editorias de economia dos jornalões.

*

Por fim, deixo aqui um link para reportagem da Folha sobre a Juventude Tucana, e uma foto da “turma do chapéu”, os rapazes que ajudam Aécio a se promover.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

elson

17 de dezembro de 2011 às 07h38

Miguel , me perdoe o tom agressivo do primeiro comentário , más tem coisas que fazem a pessoa perder a paciencia . Quero comentar uma curisidade sobre o Livro do Amaury que ainda não tive a oportunidade de ler , pois aqui onde moro não tem livraria e eu não confio na internet para fazer compras . Más o livro em questão posssui 344 paginas , ou seja 344 potenciais bolinhas de papel , já dá para fazer uma guerra com isso .

Responder

ana

17 de dezembro de 2011 às 04h37

Falta só mesmo ganhar os cadernos principais e as manchetes e o Jornal Nacional.

Carece mais não. O silencio do PiG virou escândalo.

Responder

elson

16 de dezembro de 2011 às 22h39

Aloisio Mercadante não disse nenhum disparate , só falou a verdade núa e crúa .
Em nosso país a responsabilidade pelas tragédias sempre é dos prefeitos . Muitos desses governantes deixam de investir em obras de prevenção para fazerem obras grandiosas . Um exemplo disso é São Paulo , onde as obras viárias que beneficiam os motoristas solitários são mais importantes que o metrô , os corredores de ônibus ou a remoção de famílias em áreas de risco .
Também podemos citar Petrópolis , onde o prefeito foi cassado por desviar as verbas federais que eram destinadas as vítimas da catastrofe que assolou aquele município .
Aloisio Mercadante não disse nenhum disparate , esta é a verdade , só quando as enchentes começarem a matar moradores das áreas mais ricas das cidades é que elas receberão atenção das autoridades municipais .

Responder

elson

16 de dezembro de 2011 às 22h22

Chegou a Hora da esquerda progressista dar o troco na velha mídia . Faça-se a CPI e mostre o quanto eles ( A velha mídia ) esta enterrada até o pescoço com a roubalheira da privataria . Vamos ver se ele tem peito para esconder esta investigação do grande público .
A blogosfera está aqui , sempre alerta e não irá esconder nada .

Responder

Elson

16 de dezembro de 2011 às 22h13

Desculpe-me , porém não consegui ler a palavra "inimaginavel" , sem resistir na vontade de dar uma resposta apropriada .
Essa cambada que escandaliza crimes e elege corruptos é a mesma que hoje esconde os crimes de FHC , Serra et caterva . E agóra esses hipócritas vem cobrar moralidade ? Que vão cobrar essa moralidade lá na casa deles , na ZONA !
Pois é nesse lugar que moram as mães deles
Estou revoltado , pois , esses canalhas tentam esconder o sol com a peneira . Esses canalhas tentam-se passar por santos , más na verdade são prostitútas que se vendem por qualquer dinheiro , vendem sua honra e dignidade , são a escória . Hoje o sujeito que se diz jornalista acaba tendo vergonha da profissão por conta destas prostitutas que só fazem agradar quem lhes paga mais .

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina