Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

O pré-sal não tem só petróleo

Por Miguel do Rosário

19 de janeiro de 2012 : 09h32

Notícia publicada na Folha e pescada no blog dos Amigos do Presidente Lula revela que a costa brasileira não é rica somente em petróleo, mas também em minérios.

Brasil buscará minério no fundo do mar

O Brasil se prepara para explorar minérios no fundo do oceano Atlântico, em águas internacionais. O feito é inédito em dois aspectos. Nunca o país se aventurou a explorar riquezas minerais (exceto petróleo) em solo tão profundo, a até 6.000 metros abaixo do nível do mar.

O país também nunca reivindicou à comunidade internacional direitos em área tão afastada da plataforma continental brasileira, que tem largura média de 320 quilômetros a partir da costa.

A CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais) enviou quatro expedições para o Alto do Rio Grande, cordilheira a mais de mil quilômetros da costa de Santa Catarina. A quarta embarcação enviada a essa cadeia de montanhas no Atlântico voltou ao Rio ontem.

Estudos mostram que a região tem cobalto, níquel, manganês, fosfato, gás metano e até minérios mais raros, como o lítio, usado na indústria de alta tecnologia. O governo trabalha com a hipótese de desenvolver atividades comerciais daqui a dez anos.

O próximo passo é pedir à Isba (International Seabed Authority), ligada à ONU, o direito exclusivo para pesquisa de viabilidade econômica.

A CPRM apronta seus relatórios para iniciar esse processo em um ano, motivada pelo potencial econômico e também por uma questão geopolítica. Há indícios de que embarcações alemãs e russas tenham sondado o local.

Segundo Roberto Ventura, diretor de Geologia e Recursos Minerais da CPRM, o projeto é fundamental para o Brasil desenvolver tecnologia própria de exploração em alto-mar e avaliar como reduzir impactos ambientais.

Estão sendo estudadas as formas de vida do lugar

-bactérias e demais micro-organismos- e como dispersar os rejeitos de uma exploração mineral em alto-mar.

“O Brasil agora está com condições financeiras” e pode fazer essas pesquisas, diz Ventura sobre o relativo atraso ante países como China, Japão, Rússia e Alemanha.

No entanto, não há navio brasileiro apropriado para as expedições. As quatro já feitas ocorreram com uma embarcação holandesa. Em agosto, haverá nova missão, e o navio será japonês.

Hoje o país faz pouca exploração de minérios em solo marítimo. Há autorização de pesquisa na plataforma continental do Maranhão e do Espírito Santo, para coleta de material composto por farelos de conchas e corais. (Da Folha)

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

André

26 de março de 2016 às 21h20

O Brasil tem tudo o quê precisa para ser um país de ponta,como já dizia Enéas. Mas não podem deixar que empresas estrangeiras tomem conta deste mercado.
É preciso investir em educação para qualificar pessoas nessa área tecnológica, o Brasil é rico em combustível fósseis, água “principalmente”, não podemos deixar que empresas como Coca-Cola,tomem nossa riqueza.

Responder

Deixe um comentário