Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Notas sobre cultura e política

Por Miguel do Rosário

16 de março de 2012 : 16h05

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

(Ilustração da capa: Madonna e Bambinno, de Giotto.)

Sexta-feira é dia de cultura no Cafezinho. Semana passada tive que mudar a agenda para apagar um incêndio do noticiário econômico. Aliás, o que eu fiz explica e é explicado em grande parte pelo espaço subalterno que a cultura ocupa no debate público. Mas não vamos lamentar o que é uma coisa natural. O ser humano precisa comer (economia) e ter um mínimo de organização social (política) antes de relaxar fazendo desenhinhos na parede da caverna (cultura). Além do mais, a cultura, à diferença do ambiente assertivo e repleto de certezas, crenças e ideologias dos outros dois universos, é um espaço misterioso, no qual entram em jogo fatores subjetivos e filosóficos que envolvem tanta polêmica, dúvidas e questionamentos, que o debate público quase sempre prefere deixar o tema de lado. Às vezes é até melhor assim. Antes ficar quieto do que falar besteira.

[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]
Ou não, como diria o baiano. O debate público, assim como a natureza, odeia o vácuo, e o espaço é preenchido por alguém, em geral pela mídia corporativa, que publica diariamente todo-poderosos cadernos culturais que exercem ainda mais influência sobre este universo do que seus cadernos políticos e econômicos o fazem em seus respectivos ambientes.

A arte, que libertou-se da tutela dos governos, encontrou na mídia um novo senhor ainda mais severo. Você encontrará esse pensamento bastante difundido entre os autores clássicos contemporâneos que pensaram a questão: Walter Benjamin, Adorno, Ernest Fischer, etc.

Eu prefiro, no entanto, acreditar que houve uma evolução dialética natural. A mídia é um patrão opressor, mas é melhor depender dela do que do Estado, cujos tentáculos burocráticos são organicamente refratários à liberdade criativa. A existência de uma grande mídia concentrada é uma fatalidade contemporânea, imposta pela história e pelas circunstâncias.

A internet e as redes sociais formam a antítese dialética da mídia concentrada e surgem igualmente por uma necessidade histórica.

Não seria justo afirmar que a internet calou a boca dos chatos de Frankfurt. Ao contrário, a força atual da rede tem origem nas mesmas demandas, carências e opressões denunciadas por filósofos marxistas ou pós-marxistas do passado recente. Denúncias estas que formaram a corrente de energias subversivas que mudaram o mundo.

A história da cultura segue evoluindo no mesmo ritmo dialético que dita as mudanças políticas. Na superfície, as mudanças parecem irritantemente lentas, e a própria irritação configura um elemento fundamental na criação de tensões psíquicas coletivas que gerarão as mudanças.

Entretanto, cultura talvez seja um universo mais ligado ao conservadorismo do que à mudança. As mudanças culturais acontecem à revelia da vontade de seus agentes. Escritores, por exemplo, quase nunca apreciam novas tecnologias, e entre os que apreciam, arrisco-me dizer, a maioria são oportunistas.

Não me refiro aqui a um conservadorismo ideológico, sinônimo de reacionarismo, que na maioria das vezes assume um discurso meio caricato meio fascista, com seus representantes defendendo suas ideias com agressividade quase antisemita.

Falo daquele conservadorismo do tipo: ainda gosto de ler romances, em livros de papel; ainda gosto de pinturas renascentistas; ainda gosto de música clássica. É uma postura quase sempre nostálgica, voltada ao culto do passado, e talvez esta seja uma razão pela qual muitos eruditos acabam se tornando efetivamente conservadores políticos. Não foi à tôa que Merval Pereira se tornou imortal.

Daí se produz uma dicotomia profunda na política cultural. As polêmicas em torno do atual Ministério da Cultura possivelmente se originam desse fato: de um lado uma classe artística (ou consumidora de arte) tradicional, conservadora, que entende cultura da maneira clássica, ancorada em seu prestígio, consolidado na grande mídia; de outro, um grupo numeroso de teóricos e ativistas, acadêmicos ou não, ligados a conceitos revolucionários, contemporâneos, com suas ideias inovadoras e subversivas sobre direito autoral, criação coletiva, partilhamento de dados, etc, cuja força reside nas redes sociais.

O Ministério da Cultura de Gilberto Gil era mais ligado ao segundo grupo, embora o primeiro continuasse influente na política cultural. A gestão atual vincula-se claramente ao primeiro. E temos uma situação curiosa: Lula não tinha nenhuma presunção de entender de cultura clássica. Já escrevi alhures que Lula é o tipo de personagem que inspira livros, uma figura poderosamente criativa, dotado de um talento incrível como orador político. Neste sentido, Lula é bem mais artista do que Dilma. A nossa presidente é do tipo austero e sem graça que simplesmente lê livros, mas não os inspira, sequer os escreve. Ironicamente, é uma figura mais comum que Lula, apesar da identificação deste último com o homem do povo.

Lula representa o homem do povo excepcional. Dilma simboliza uma senhora comum de classe média, e não a nova classe média, mas aquela convencional, que viaja à Europa para conhecer seus museus.

Claro, ela não é só isso. Não fosse seu charme guerrilheiro, sua história de participação na luta armada, sua prisão e tortura quando jovem, talvez nunca tivesse obtido notoriedade política. Teria vivido uma existência pacata e tranquila. Talvez tivesse se tornando dirigente de alguma grande empresa privada, ou pública, mas nunca uma presidente.

Confesso que me identifico com Dilma nesse ponto. Também pertenço a esta classe média convencional, ambiciosa por alta cultura, que visita museus quando viaja à Europa. Mas sou um híbrido, porque minha formação também se deu nas lides deste admirável mundo novo internáutico.

Como ia dizendo, Lula, por não ter pretensões em termos de cultura, deixou o terreno livre para que os grupos ligados a esses novos conceitos ocupassem espaço no governo. Dilma, com seu cultivado verniz cultural, mesmo que também não se imiscua no tema, tende a favorecer o lado mais conservador, que representa o que ela mesmo entende como cultura.

Quanto às conclusões, não as tenho. [/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Merval de Souza

19 de março de 2012 às 03h47

No sábado, saiu nota do Jorge Bastos Moreno dizendo que Dilma havia decidido pela permanência de Ana de Hollanda à frente do ministério. E o manifesto já rolava há um tempo.

Pessoalmente, quero mais é que ela caia mesmo. Mas não entendi qual é desse Danilo Miranda. O cara é Diretor do Sesc-SP há vinte anos. Não me parece também "preparado" para a GRANDE MISSÃO.

Vamos ver.

Responder

Antonio Veras

19 de março de 2012 às 03h44

Domingo à noite, mais um torpedo contra Ana de Hollanda: http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,int

Se ela resistir a este ataque, fica, senão, cai.

Responder

Wagner

17 de março de 2012 às 19h42

Miguel, você poderia ter sugerido assistir La Nave va de Felini que dava na mesma!! rsss

Responder

Antonio Veras

17 de março de 2012 às 04h01

Bom final de semana!

Responder

marcelo abreu

17 de março de 2012 às 04h00

Eu não sou tão empolgado com a gestão do Gilberto Gil. Assim como não sou com a Ana de Hollanda. A situação dos pontos de cultura, todo mundo que conhece a realidade sabe disso, estourou ainda na gestão Juca. Quando ele entregou o ministério, a maioria dos contratos estava há dois anos se receber, por problemas nas prestações de contas. Eu acho que os pontos de cultura não são uma ideia tão boa como parece a quem está de fora. Porque amarra grupos culturais informais a uma burocracia de Brasília, atraindo pessoas interessadas mais no dinheiro do que na produção cultural local autêntica. Acho legal o governo democratizar o governo e empoderar os produtores de cultura, mas cria dependência.

Responder

    Miguel do Rosário

    17 de março de 2012 às 04h06

    De fato, Marcelo, os pontos de cultura estão sendo estrangulados pela burocracia, que é inevitável quando se lida com verba pública. Recentemente, uma das gestoras do programa, que saiu do Ministério, admitiu que há uma visão messiânica dos pontos culturais que não ajuda na produção de uma autocrítica e dos ajustes necessários do programa. De repente, é mesmo o caso de reduzi-lo um pouco, para abrir recursos para outras ideias, além de incentivar as redes a buscarem autossustentabilidade. Abraço

    Responder

Vera Magalhães

17 de março de 2012 às 03h56

Pois é, Miguel. Cultura é um troço delicado pra cacete, mexe com um montão de ego. Hoje circulou carta na rede sugerindo o nome Danilo Miranda pra substituir a Ana de Holanda. Vi no blog do Rovai. Não tenho posição nesse assunto, porém:
http://www.revistaforum.com.br/blog/2012/03/16/da

Responder

Deixe um comentário para Miguel do Rosário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina