Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Sobre derrotas, poder e transformação

Por Miguel do Rosário

22 de março de 2012 : 12h48

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

(Ilustração da capa: Basquiat).

Segundo Nietzsche, por mais que o interesse e a vaidade desempenhem um papel importante na política, o fator mais poderoso, que motiva seus agentes a continuarem na luta, é o sentimento de poder, ou a necessidade de sentir esse poder. Acho que esse raciocínio ajuda a entender a atual crise de relacionamento entre Planalto e Congresso, e porque os parlamentares decidiram impor uma derrota ao governo ao adiarem a votação da Lei da Copa.

Ninguém acredita que a Lei da Copa do Mundo deixará de ser votada. A rebelião parlamentar serve a um jogo de nervos, mas não há razão para crer que ela chegue ao ponto de sabotar voluntariamente o maior evento a ser realizado no país. De qualquer forma, a obstrução no Congresso não impede que as obras sigam em frente, de maneira que não estamos diante de nenhum problema de gravidade urgente.

Os deputados conseguiram, porém, o que desejavam: chamar a atenção, do Planalto e da sociedade. Desfrutaram por algumas horas, e quiçá por mais alguns dias, da sensação de que têm poder.

[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

No entanto, a interpretação de que as derrotas do governo na Câmara, ontem, derivam apenas da insatisfação de lideranças partidárias com a maneira pela qual o Executivo tem tratado suas demandas por cargos e verbas, põe de lado o nascimento de divergências programáticas concretas, ou até mesmo ideológicas, que existem no seio do parlamento.

Essas diferenças existem, e não cabe atribuí-las apenas à postura pirracenta dos deputados e senadores. O governo conseguiu montar uma vasta base política, e durante o primeiro ano obteve uma extraordinária coesão, aprovando quase todas as reformas almejadas. Mas essa coesão só durou porque os temas não inspiraram divergência. À medida que os temas foram se tornando mais polêmicos, tem início uma decantação natural entre as partes, uns indo prum lado, outros, para o lado oposto.

Além disso, a situação hoje está mais tensa não só pela inflexibilidade moral e republicana da presidenta. As articulações para as eleições municipais já estão influenciando o comportamento dos deputados. E de várias maneiras. Uma delas é o tensionamento partidário entre PMDB e PT, na luta para ampliar as bases municipais das respectivas legendas. Esse tensionamento nasce, por sua vez, da luta surda (e sangrenta) que agora se inicia pela conquista do poder executivo em mais de 5 mil municípios.

Muitos parlamentares protestam contra a falta de atenção dos ministros e da presidente. Este pode ser um agravante, e a aprovação de requerimentos para que alguns ministros compareçam ao Congresso para prestarem contas de suas atividades é a melhor resposta para tal. Nada mais democrático do que ministros esclarecendo o Congresso.

Mas as divergências no debate sobre o código florestal, que respingaram ontem na Comissão de Constituição e Justiça, a qual aprovou texto onde se transfere competência sobre a demarcação de terras indígenas para o Congresso, apesar de também influenciadas pelo clima partidário, refletem antes posicionamentos ideológicos antagônicos.

De maneira que a crise, pela primeira vez, produziu um cenário de coerência, com partidos votando em linha com suas ideias, e não somente em virtude de um alinhamento automático com as opiniões do Planalto.

A mudança, porém, só será efetivada após votação em plenário. Aí haverá um debate público, aberto, onde a sociedade também poderá participar.

Seja como for, certa ou errada na maneira como tem lidado com o parlamento, Dilma parece ter conseguido impor a sua narrativa da crise política: a faxina chegou ao Congresso, e o Planalto agora combate as “velhas práticas políticas”. As declarações do novo líder do governo no Senado (PMDB-AM) encontraram forte eco na sociedade. As caixas de comentários dos jornais estão repletas de mensagens de apoio à presidente. E o experiente jornalista Gerson Camarotti apurou que o governo tem pesquisas que apontam um crescimento de aprovação à sua gestão, e justamente em virtude de seu rigor no trato com a própria base aliada. Se estes números se confirmarem, haverá um novo deslocamento e reajuste nas correlações de forças que regulam o relacionamento entre o governo e o legislativo.

A Classe C atingiu 54% da população, segundo pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Ipsos. Ou seja, a classe média se afirma como maioria, e a comunicação do Planalto tem dado resultados positivos em termos de imagem simbólica.

Em termos econômicos, o Brasil continua sólido, apesar do modesto PIB em 2011. Segundo a CUT, 80% dos trabalhadores obtiveram aumento real (acima da inflação) de salário no ano passado.

Outra análise que achei pertinente fala do cuidado do presidente Lula em não transmitir sinais contraditórios. Não divulgou foto com Sarney, que veio visitá-lo e cancelou visita de Collor. Ao invés disso, divulgou foto ao lado do novo líder do governo, Eduardo Braga, o qual espalhou aos quatro ventos que a decisão de Dilma de dar um fim às “velhas práticas” teve apoio do ex-presidente. A dobradinha entre Dilma e Lula deixou os colunistas políticos desorientados, e a opinião pública embarcou entusiasmada na narrativa do Planalto.

A crise na relação Executivo e Legislativo, portanto, apesar dos percalços que ocasiona, pode ter como consequência um fortalecimento da autoridade da presidente e, de fato, incitar uma evolução republicana. Ninguém espera que o fisiologismo possa ser vencido com facilidade. Uma crise seria inevitável. Os riscos que ela comporta, contudo, são neutralizados pela melhora na renda do cidadão e pela popularidade em alta. Como diz Guimarães Rosa, “a vida pode às vezes raiar numa verdade extraordinária”.

[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

alex

23 de março de 2012 às 21h20

TCHAÚ ..TCHAÚ, SENADOR!

"Os 30% de Demóstenes"

Por Leandro Fortes*
23.03.2012 18:04

A Polícia Federal tem conhecimento, desde 2006, das ligações do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com o senador Demóstenes Torres, do DEM de Goiás.

Três relatórios assinados pelo delegado Deuselino Valadares dos Santos, então chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Financeiros (DRCOR), da Superintendência da PF em Goiânia, revelam que Demóstenes tinha direito a 30% da arrecadação geral do esquema de jogo clandestino, calculada em, aproximadamente, 170 milhões de reais nos últimos seis anos.

íntegra: http://www.cartacapital.com.br/politica/os-30-de-

Responder

elson

23 de março de 2012 às 05h28

Nessa toada quem sai perdendo é o congresso , pois passa a sociedade a idéia que somente os interesses particulares de seus membros estão acima dos interesses da nação .
Pega mal quando a imprensa fala que os deputados só trabalham em troca de cargos e verbas , afinal eles já são conhecidos por ganhar muito , produzir pouco e se esconderem da cadeia atras do mandato .
Essa lei geral da copa sai , 2014 é ano eleitoral e ninguém quer ficar conhecido como o deputado que sabotou o maior e mais amado evento espotivo do mundo .

Responder

Luiz M. de Barros

22 de março de 2012 às 20h48

Interresante este artigo ate pelo titulo http://www.viomundo.com.br/politica/alvaro-santos

Responder

Armando Coelho

22 de março de 2012 às 13h00

Dilma está fazendo um bom governo. Moderado, objetivo, sensato, medíocre. Quem tem que ser genial é o cidadão. Só tem que parar com essa mania de querer impor barreira protecionista. Isso é tiro no pé.

Responder

Euclides da Cunha

22 de março de 2012 às 12h59

Sei não, pra mim deviam era trocar tudo, até a presidente.

Responder

Vicenzo

22 de março de 2012 às 12h58

Dilma tinha que tirar aquela Ideli, que é o ó. Muito ruim.

Responder

Vidal

22 de março de 2012 às 12h57

Bah! Crise besta! Um bando de pirracento querendo aparecer!

Responder

Jorge Ferreira

22 de março de 2012 às 12h57

A crise é oportunidade, já diziam os chineses.

Responder

Elaine Gomes

22 de março de 2012 às 12h56

Faltou só falar na Ana de Hollada, queria saber sua opinião sobre o assunto.

Responder

Chico Vargas

22 de março de 2012 às 12h53

Esses deputados não tem moral nenhuma. Os que impuseram derrota ao governo são os mesmos safados de sempre!

Responder

Marinheiro

22 de março de 2012 às 12h52

Eu acho que Dilma está errada. Sua arrogância no trato com os parlamentares vai gerar uma crise profunda, que só prejudicará o país.

Responder

Deixe um comentário para Chico Vargas

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina