Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Vitória magra mostra quão pesado Serra se tornou para o partido

Por Miguel do Rosário

26 de março de 2012 : 10h22

Tucano continua sendo candidato forte, e resultado de prévia não deve influenciar intenção de voto na capital

IGOR GIELOW, SECRETÁRIO DE REDAÇÃO DA SUCURSAL DE BRASÍLIA DA FOLHA SP

A vitória magra de José Serra (PSDB) nas prévias de ontem foi um balde de água fria nos ânimos do grupo do ex-governador paulista, mas não deve ser necessariamente comemorada por seus adversários como um vaticínio das dificuldades à frente.

Durante a semana passada, não havia tucano alinhado a Serra que não falasse publicamente num patamar de 70% dos votos para o pré-candidato. Reservadamente, todos citavam níveis ainda maiores, de 80% ou mais.

A soberba sempre é punida na política. Primeiro, Serra adiou até o último momento sua decisão pela disputa, indicando que preferia tentar a Presidência novamente.

Depois, jogou nos bastidores para enterrar as prévias, repetindo o roteiro tradicional dos políticos brasileiros de exigir “aclamação” para então “aceitar o sacrifício”.

Não deu certo, e foi encampado o discurso de defesa da democracia interna. Então, a turma dos 70% entrou em campo, como se o percentual garantisse uma legitimidade especial ao ungido.

Parece que não colou muito com a militância tucana. O desempenho dos postulantes, em especial de Ricardo Tripoli, chama a atenção: praticamente dividiram os votos do partido com Serra.

Naturalmente, trata-se de uma disputa limitada a um universo minúsculo. Não deverá impressionar petistas, peemedebistas e afins: Serra continua um candidato muito forte, e o resultado não tende a influenciar a sua intenção de voto na capital.

Mas pode indicar o quão pesado Serra se tornou para seu próprio partido e projetar o que isso significará para seus planos futuros.

Fator central para isso é o prefeito Gilberto Kassab (PSD), cuja aliança íntima com Serra já não é vista como um ativo do PSDB, e sim do ex-governador.

Kassab é impopular e dono de um projeto próprio de poder com o seu PSD, mas tem a caneta na mão e a portará no cargo até o fim do processo eleitoral.

Resta saber agora se a divisão se transforma em consenso. Campanhas com a militância cindida, por menos peso que se dê hoje em dia a esse quesito em comparação a outros, como a TV, não são auspiciosas, como o próprio Serra vivenciou em 2002 e 2010 mirando o Planalto.

Em qualquer democracia ocidental, uma taxa de 52,1% indicaria apoio sólido. No peculiar Brasil, sempre parece insinuar uma vitória de Pirro.

Tags: José Serra, Prefeitura SP, PSDB, Tucanos

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Caetano Ranzi

30 de março de 2012 às 13h38

Eu gostaria de saber o que vai dar o assunto sobre a Privataria. Será que os concorrentes do Serra vão tocar no tema? Tomara

Caetano

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina