Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Mídia faz jogo da máfia

Por Miguel do Rosário

13 de abril de 2012 : 16h24

Ilustração capa: arte contemporânea da China.

Peço atenção para esta notinha publicada por Ilimar Franco, um dos últimos colunistas da mídia que ainda se permite, eventualmente, um posicionamento mais independente:

A estratégia da defesa de Demóstenes: Pode ser coincidência. Mas somente depois que o escritório de advocacia que defende o senador Demóstenes Torres (GO) recebeu do STF a íntegra da investigação da Polícia Federal contra o contraventor Carlinhos Cachoeira, inclusive com os grampos telefônicos, é que começaram a vir à luz informações sobre o eventual envolvimento, com a quadrilha, de integrantes de partidos que são da base do governo Dilma. Advogados do ramo dizem que essa proliferação de dados e nomes combina com uma estratégia de inteligência que pretende colocar mais gente no moedor de carne para tentar salvar o senador cliente.

Só faria uma ressalva ao comentário de Ilimar: não é  coincidência. Os grupos de comunicação que fazem oposição ideológica ao governo petista estão enredados na rede de espionagem ilegal do esquema de Carlinhos Cachoeira, numa estratégia que continuam a adotar nos últimos dias. Desta vez, com uma desfaçatez ainda maior.

A mídia, portanto, continua a serviço dos interesses da máfia comandada por Carlinhos Cachoeira e Demóstenes Torres. Hoje, mais ainda que ontem, os jornais amanheceram repletos de ameaças. A expressão que fala em “CPI sabe-se onde começa, mas não onde termina”, voltou a ser repetida sem ao menos a preocupação estética de evitar o clichê.

O editorial do Estadão, as colunas de Dora Kramer, Merval Pereira e Eliane Cantanhede, aparecem pintados de guerra, faca entre os dentes, olhos injetados de sangue, e brandindo teorias ameaçadoras.

Veja esta matéria no Estadão, publicada na página A4:

 

A Folha, por sua vez, acionou a central de intrigas, cuja maior especialidade é botar palavras na boca da presidenta. Hoje vem falando que a presidenta e o governo não estão satisfeitos. O objetivo é claro: ameaçar e reduzir o ímpeto da CPI.

Ora, como este Cafezinho já analisou, nenhuma CPI interessa ao Executivo, que é uma entidade política mas cujas responsabilidades administrativas são descomunais. Os administradores querem paz, tranquilidade, para tocar as obras e melhorar a qualidade dos serviços. Neste sentido, CPIs atrapalham sim o governo. Por isso eu disse que, desta vez, o Congresso teria que desafiar o governo para criar uma CPI. Um desafio do bem, porque ao fim das contas ajudará o Executivo, de várias maneiras:

  • É uma ação concreta de combate à corrupção. Então ajuda o Executivo a reduzir o desvio de recursos públicos, que é um dos entraves mais revoltantes para o desenvolvimento nacional.
  • É uma ação de cunho político fundamental, para investigar um esquema mafioso, reunindo forças econômicas, políticas e midiáticas, que atacavam sistematicamente o governo federal. Já está provado que parte da paralisia vista no governo Dilma em 2011, deveu-se aos sucessivos ataques midiáticos a seus ministérios, e que isto prejudicou a economia nacional. A presidenta, no entanto, enfrentou estas crises com muita sobriedade, sem comprar brigas, dando espaço para defesa, mas ao mesmo tempo aproveitando-se para se livrar de colaboradores eticamente suspeitos.
O PT está aproveitando a ocasião, em que a sociedade assiste setores da mídia aliados ao esquema mafioso de Carlinhos Cachoeira, para encetar uma nova luta política, em prol de um novo marco regulatório das comunicações. É uma estratégia ousada, e arriscada, que interessa muito mais ao partido do que à presidenta Dilma, que vinha finalmente conseguindo conquistar a esquerda através de sua decisão de baixar juros e spread à fórceps, além de suas declarações intrépidas em defesa de Cuba e Irã. Não interessa à Dilma, porém, produzir um conflito com a mídia. Mas será difícil para ela fugir a esta dicotomia violenta entre a mídia corporativa, liderada pelos grupos Globo, Folha, Abril e Estadão, e a esquerda guerreira das redes sociais, liderada pelo PT e um punhado de quixotescos blogueiros.
De qualquer forma, podemos declarar aberta uma outra temporada de guerra, onde os grupos midiáticos supracitados usarão todas as suas ferramentas para confundir e manipular os debates em torno da CPI, quase sempre beneficiando o esquema Cachoeira, como se pode ver pela prioridade que tem dado a gravações entre membros do esquema Cachoeira e aliados do governo, mesmo que estas sejam anódinas, como a conversa entre Protógenes e Dadá, ou estranhas ao foco da investigação, como as que envolvem o governador Agnelo Queiroz.
Eu não boto a mão no fogo por Agnelo Queiroz. Ele tem muito o que explicar, mas as gravações citadas até agora revelam um outro esquema de corrupção, não se sabe se bem sucedido ou não, envolvendo a construtora Delta e os serviços de limpeza do DF, entre outros ramos do governo. Dadá não era empregado exclusivo de Carlinhos Cachoeira. Fazia vários outros “bicos”, e um deles foi tentar vender para a Delta facilidades dentro do governo DF. É um caso que deve ser investigado, mas foge do foco Carlinhos Cachoeira.
Já o caso do tal Olavo Noleto, subchefe de Assuntos Federativos da Secretaria de Relações Institucionais, mostra o quão ridícula pode se tornar a estratégia midiática de confundir a opinião pública. Noleto manteve uma conversa telefônica com Wladmir Garcêz, “braço direito de Carlinhos Cachoeira”.

Ora, Garcêz era um vereador do PSDB presidente da câmara dos vereadores de Goiânia, e Noleto, um quadro político da mesma cidade, mantinha naturalmente relações políticas com ele, sobretudo em período eleitoral. Não se pode transformar o material investigativo da PF, que acumulou milhares de grampos legais, com ligações de todo mundo para todo mundo, numa pantomina tendenciosa com objetivo de confundir a opinião pública e livrar a cara de Demóstenes Torres.

Seja como for, a CPI foi sorvida pela luta partidária, como é natural que seja, visto que nosso sistema político é representativo e partidário, e aí envolvendo os debates sobre o mensalão, já que o esquema de Carlinhos Cachoeira foi a fonte de informações, via grampos criminosos, de vários escândalos que ajudaram a ampliar aquela grande crise política conhecida como mensalão, onde PT e Lula se viram sentados num tribunal de exceção comandado pela mídia.

O mensalão existiu, sim. Foi um processo político, onde se jogaram no mesmo balaio os crimes de caixa 2 da campanha petista de 2002, e todo o tipo de mal feito ligado ao PT, reais, como os dólares na cueca de um petista de terceiro escalão, ou irreais, como os dólares de Cuba; além de suspeitas genéricas, como os casos de corrupção em prefeituras petistas, ou específicas, como o assassinato do prefeito Celso Daniel.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Helena Vargas

13 de abril de 2012 às 19h25

As manobras do esquema Cachoeira
Enviado por luisnassif, sex, 13/04/2012 – 13:20
Autor: Luis Nassif
Na condição de réu, o senador Demóstenes Torres teve acesso às peças do inquérito Monte Carlo.

Agora, está selecionando informações para, em conluio com jornalistas do esquema Cachoeira, jogar o foco das investigações na Construtora Delta.

Sabendo-se das ligações de Cachoeira com a Delta, é até risível matéria informando sobre as tratativas do bicheiro para conseguir acesso a altos executivos da empresa – como se fosse uma figura menor aproximando-se da toda poderosa Delta.

A lógica da estratégia Cachoeira-Demóstenes-aliados é simples. A Delta é parte do universo a ser investigado; Cachoeira é o todo. Focando na Delta, tenta-se tirar do foco o chefe da quadrilha, Cachoeira, seu principal lugar-tenente, Demóstenes, assim como as ligações midiáticas da estrutura criminosa.

De quebra, desestimulam-se peemedebistas – já que a Delta tem relações com o governador Sérgio Cabral Filho – e petistas – relações com o governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz.

Nos próximos dias, haverá um aumento da chantagem de alguns veículos sobre políticos. É um jogo intimidatório pesado. Parlamentares escolhidos para a CPI serão alvo de represálias do esquema criminoso. Haverá também a estratégia de misturar factóides com fatos objetivos, visando embolar o entendimento da opinião pública.

A CPI de Cachoeira mostrará se o país poderá aspirar a um lugar no mundo moderno, se dispõe de instituições capazes de enfrentar toda sorte de poderes – do Executivo, Judiciário, Legislativo ao até agora intocado poder midiático.

Se se quiser, de fato, passar o país a limpo, o Congresso terá que pagar para ver, assim como parece estar sendo a posição do Executivo.

Seria medida de prudência jornais e jornalistas se darem conta de que rompeu-se a muralha do silêncio e do medo. Veículos e jornalistas que entrarem no esquema correrão o risco de serem indiciados pela Justiça.

Está chegando ao fim a era da plena impunidade para o mau jornalismo e para o uso de dossiês criminosos.

Responder

Helena Vargas

13 de abril de 2012 às 16h49

A chapa está esquentando.

Responder

Wilson Neves

13 de abril de 2012 às 16h49

Pois é, Miguelito, agora está na hora da onça beber água nesta cachoeira!

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina