Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

A eterna luta

Por Miguel do Rosário

17 de abril de 2012 : 18h35

Heráclito de Éfeso, um filósofo pré-socrático, dizia o seguinte:

A guerra é mãe e rainha de todas as coisas; alguns transforma em deuses, outros, em homens; de alguns faz escravos, de outros, homens livres.

Numa democracia como a do Brasil, a guerra acontece no universo da comunicação e da política. Não é possível fugir dela. De alguma maneira, todos se vêem imersos em seu vórtice barulhento e terrível.

Há um fator que torna a luta política, no Brasil, ainda mais emocionante. Jamais tivemos um Parlamento tão representativo da pluralidade nacional. Há representantes de sindicatos, grandes agricultures, pequenos agricultores, industriais, comerciantes, multinacionais, ambientalistas, igrejas, há os independentes, os midiáticos, os “éticos”, os lobistas. Não falo isso da boca pra fora. Há pesquisas científicas que mostram o avanço qualitativo do Parlamento brasileiro desde a redemocratização.

Além disso, há o sentimento de que as demandas sociais mais importantes estão institucionalmente canalizadas. A miséria absoluta está sendo combatida pelo governo federal. A reforma agrária tem um MST, um dos maiores movimentos da América Latina, a defendê-la e o MST tem vários canais de diálogo com partidos políticos – embora com resultados práticos sempre abaixo das expectativas. Os sindicatos e suas centrais respondem pela maioria das vagas parlamentares dos partidos de esquerda.

Tudo isso gera um ambiente político fortemente institucionalizado, com uma realidade totalmente oposta àquela vista na Espanha, quando milhares de jovens vieram às ruas dizer que não se sentiam mais representados pelos partidos tradicionais.

No Brasil, claro que há multidões que não pensam a mesma coisa, mas nunca houve um parlamento mais representativo da pluralidade nacional, e eleito por um percentual tão grande da população brasileira. Dificilmente se encontrará um país de magnitude similar ao Brasil onde se veja uma participação tão massiva da sociedade nos processos eleitorais.

Em relação à questão ética, acho prudente não emitir nenhum juízo sobre o Congresso, o que seria tolo. Acho uma tremenda bobagem comparar a legislatura de hoje com a do passado em termos éticos. Nesse ponto, vale a pena lembrar que os instrumentos de transparência que temos hoje não existiam no passado recente. Hoje pode-se monitorar em detalhes os gastos do setor público, inclusive a destinação das emendas de cada parlamentar.

As licitações dos governos também estão cada vez mais abertas à consulta pública. Se hoje há tanta roubalheira, imagine-se como era no passado, quando não havia transparência. Aliás, até a licitação, nos termos de hoje, é algo moderno.

O tão famigerado patrimonialismo brasileiro, portanto, assentava-se, mais do que numa tradição cultural, num ambiente jurídico favorável.

Não havia lei contra o nepotismo.

Não havia transparência pública.

O eleitorado correspondia a uma parcela pequena da população total, em virtude dos inúmeros obstáculos à formalização documental do título do eleitor.

Os estremecimentos que temos visto nos últimos anos, travestidos de guerras entre mídia, governo, blogosfera, e envolvendo políticos, empresários, lobistas, promotores, policiais e juízes, formam a pira de fogo onde estão sendo forjados os novos valores da república.

Dessa guerra, como dizia o filósofo, sairão escravos e homens livres.

Os debates em torno da CPI do Cachoeira fazem parte dessa guerra maior, da qual emergirá um país mais esclarecido.

O cidadão comum, por sua vez, se tornou uma vítima das circunstâncias. A mídia corporativa continua jogando uma cortina de fumaça sobre os debates em torno da criação da CPI do Cachoeira. A estratégia é tentar abafar o assunto da seguinte forma:

  1. Falando em mensalão. Diariamente os jornais publicam matérias sobre o maior escândalo da era Lula.
  2. Botando a empresa Delta na linha de frente.
  3. Divulgando mensagens contraditórias sobre a preocupação da presidente, de Lula e do PT. Uma hora eles apóiam, no dia seguinte, querem abafar.

Vamos opinar sobre cada um desses pontos.

1. Sobre o mensalão, houve, talvez, um erro político do presidente do PT ao mencionar o episódio em vídeo no qual pedia apoio à CPI do Cachoeira. Há pontos de contato entre o mensalão e Cachoeira, mas são tênues. Cachoeira foi responsável pelos vídeos que deflagraram aquele grande processo político, que se consagrou pelo bombástico nome de mensalão, mas qualquer outro vídeo clandestino poderia ter efeito igual. Cachoeira riscou um fósforo numa sala cheia de gás inflamável. Mas eu duvido que ele tivesse noção das consequências do que viria acontecer. Possivelmente, Cachoeira e Demóstenes articularam para derrubar Dirceu, alimentando a esperança de “derrubar” o governo Lula, mas o mensalão foi um processo midiático – com base em crimes reais – cujo mecanismo funcionou muito acima da esfera Cachoeira.

Interessa a todos que o mensalão seja julgado logo no Supremo, e que a decisão seja o mais próxima possível de uma decisão justa. Mais importante que a condenação, contudo, é o esclarecimento. Aí é que entra a CPI do Cachoeira. O mensalão caracterizou-se pela aliança entusiástica e guerreira entre mídia e oposição, com ajuda de alguns membros do Ministério Público, na qual entravam em cena arapongas inescrupulosos e grampos clandestinos, operados por mafiosos como Carlinhos Cachoeira e Daniel Dantas, os quais usavam as gravações para chantagear ou destruir figuras políticas que lhes estorvassem o caminho. É por isso que blogueiros acham que a CPI do  Cachoeira pode “melar” o mensalão.

2. A Delta é uma empresa que cresceu no rastro do aumento dos investimentos públicos no país. Ela virou uma espécie de bode expiatório de práticas que acontecem, infelizmente, em todos os estados. Os negócios da Delta não cresceram apenas com o governo federal, nem com o governo fluminense. Só com a prefeitura de São Paulo, por exemplo, os negócios da Delta somaram R$ 329,76 milhões desde 2005, conforme se pode ver em notinha publicada na Folha de hoje (sem nenhum destaque, claro).

Sobre isso, é lamentável que o Jornal Nacional tenha requentado uma denúncia velha, que em verdade não traz nenhuma prova concreta de nada, usando como fonte o jornalista Mino Pedrosa, preposto de Carlinhos Cachoeira. O Tijolaço já escreveu sobre o assunto de maneira satisfatória.

3. Sobre o vai e vem do apoio da base aliada, do PT e do governo à abertura da CPI, conforme ventilado pelo Jornal Nacional, o blog Cidadania lembrou-nos o quão irracional é esta história. O PT é doido? Apoiou CPI e agora recua? Não tem sentido. Por outro lado, acho perfeitamente compreensível que haja cobrança, por parte das principais lideranças partidárias, de uma postura mais prudente. A CPI de fato não pode se tornar uma pantomina sangrenta entre governistas e oposição, nem se transformar num tribunal de exceção com poder de investir contra tudo e todos. É preciso estabelecer um foco específico e ir até o fundo. A partir daí, a investigação naturalmente deve se expandir bastante, causando danos a muita gente e a vários partidos. Mas esta é uma consequência inevitável quando se combate pra valer o câncer da corrupção no meio político. Como disse Walter Pinheiro, “caiu na rede, é peixe!”

*

Hoje os jornais trouxeram péssimas notícias de econonomia. Todos fizeram a mesma coisa, então me limito a analisar o Globo, porque assim analiso automaticamente os outros.

O Globo hoje noticiou que a economia caiu 0,23% em fevereiro. E o emprego formal, por sua vez, declinou 27%.

Publico o infográfico:

Não aconteceu nem uma coisa, nem outra. A economia ficou estável sobre o ano anterior, e o emprego aumentou. Explico, mas antes vamos dar uma outra olhada nos números do Banco Central.

A economia, como se pode ver em qualquer gráfico, tem uma oscilação mais ou menos cíclica, ritmada. Vai bem num bimestre, cai um pouco no outro, volta a crescer em seguida, declina de novo, dispara, desaba. Então a gente precisa ver sempre o quadro maior. Os economistas, do governo e do mercado, em função das altas verificadas em novembro e dezembro, já esperavam um período manso nos primeiros meses deste ano, com leve declínio.

Mesmo assim, no acumulado do ano (1º bimestre), há alta de 0,30% sobre igual período do ano anterior. No acumulado 12 meses, a alta é de 2,05%. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, há estabilidade: uma queda insignificante de 0,07%.  Comparações sobre o mês anterior são boas quando se quer avaliar retomadas de setores específicos, como é o caso da indústria, mas para avaliar a economia como um todo, deve-se ver um quadro mais abrangente, e a melhor comparação é sempre com o ano anterior. A economia brasileira segue firme, com um crescimento lento, mas distribuído de maneira saudável, com taxas mais aceleradas nas regiões menos desenvolvidas e um mercado de trabalho em ebulição.

Quanto ao emprego, o título da matéria é uma verdadeira e revoltante falácia.  O emprego formal não caiu. Ao contrário, foram gerados mais de 381 mil postos de trabalho no primeiro trimestre. Entretanto, conforme a taxa de desemprego cai, os saldos obviamente serão cada vez menores. Menos gente desempregada, menos saldo.  Para cúmulo da mentira, o Globo não deu destaque a um fato realmente notável: mesmo com desemprego tão baixo, o saldo no mês de março foi de 111.746 vagas, acima das 92.675 do mesmo mês de 2011, alta de 21%. Ou seja, o jornal conseguiu transformar uma notícia extraordinariamente boa sobre o mercado de trabalho no mês de março, numa matéria medíocre, com um pessimismo banguela e forçado.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luiz M. de Barros

18 de abril de 2012 às 09h27

“Numa democracia como a do Brasil, a guerra acontece no universo da comunicação e da política. Não é possível fugir dela. De alguma maneira, todos se vêem imersos em seu vórtice barulhento e terrível.” Miguel do Rosário no Cafezinho

A dificuldade é a quase exaustão pela qual o Brasil passa.

O PIG não disputa votos esse é o ponto crucial tanto que a dna Judith Brito declarou o papel oposicionista da midia, ainda mais porque a oposição eleita está fragilizada. Como vamos pelejar se não temos midia de massa para atingir a população? Radio e TV sendo concessões publicas se posicionam contra a população JN.

Qual a fragilidade da oposição? A oposição que o PIG quer é aquela que recalcitra em posições neoliberais fajutas. Ainda agora essa questão dos juros. A Cristina retomando o controle da Petrobras deles. Um Bresser, que sempre se posicionou contra a privatização da telefonia, cujmo produto são nossas conversas e um Delfim ambos não servem mais.
Oh! Energias universais nos conceda uma oposição que defenda um capitalismo como o que existem em outros países onde a banda larga é dezenas de vezes mais barata que no Brasil.

Nossa trincheira tem sido a blogosfera progressista ou suja como queiram.

Daí o nosso apoio ao Cafezinho. E outros blogs como o Cidadania e dezenas de outros que não preciso inumerar.

Responder

alex

18 de abril de 2012 às 08h09

Caramba, Miguel! Vc viu issso???

PROTÓGENES: VEJA É UMA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

“É chegada a hora de investigar os bandidos infiltrados na mídia", diz Protógenes
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embed…!

Em sessão na Comissão de Constituição e Justiça de 17/04/2012, o deputado Delegado Protógenes (PCdoB-SP) destacou em seu pronunciamento a irresponsabilidade das revistas 'Veja' e 'Isto É' ao associá-lo ao esquema do contraventor goiano "Carlinhos Cachoeira". Para o parlamentar, o objetivo dessas publicações – "verdadeiras organizações criminosas" – é desestabilizar a República.

Segundo Protógenes, é chegada a hora de investigar os bandidos infiltrados na mídia através da "CPI do Cachoeira", que, segundo o parlamentar, "está demorando demais para ser instalada". Protógenes fala da revista “QuantoÉ” (se referindo a IstoÉ).
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embed…!

Responder

Elson

17 de abril de 2012 às 21h53

caro Miguel , você sempre se supera .
Ontem fui a cidade ( é um modo de falar , pois minha cidade é tão pequena que nem banca de jornal possui ) , passei pela Caixa Econômica Federal , perguntei sobre a portabilidade à uma atendente e fui informado que lá (CEF) , existe a isenção de tarifa por um ano , fiquei animado , só não abri uma conta por falta de tempo e da fila que estava enorme , havia muita gente .
Pelo visto , se os bancos privados não se , mexerem , vão ficar para traz .
Lí hoje na Folha uma notícia sobre a queda da produção industrial , era uma nota no canto da primeira pagina , porém não me animei a comprar o matutino dos homens bons , preferi gastar meu suado dinheirinho em coisas mais úteis como uma breja .
Pelo visto a turma da roda presa vai continuar a bater na Delta , tentando assim envolver o Governo Federal no esquema Cachoeira/Demóstenes e desviar o foco da Veja . Essa novela tá ficando melhor a cada dia .

Responder

    Miguel do Rosário

    17 de abril de 2012 às 22h32

    Valeu pela informação sobre a Caixa. Eu convenci um amigo a mudar do Itaú para a Caixa. Foi a decisão mais importante da vida dele, porque ele estava gastando metade da sua renda mensal em juros para o Itaú. Hoje, não gasta nada.

    Responder

Adriano Matos

17 de abril de 2012 às 20h09

Show de bola o post, Miguel!

Sobre a queda na criação de empregos, pelo que entendi, o ritmo de criação caiu mas a taxa de desemprego, em si, não aumentou, e estamos próximos da taxa de pleno emprego. Também, pelo que percebi, em março ocorreu recuperação da taxa de criação de empregos, coincidindo com o lançamento do pacote de incentivos fiscais do governo federal calcado, principalmente, na desoneração da folha de pagamentos.

Responder

    Miguel do Rosário

    17 de abril de 2012 às 21h12

    Isso ai, Adriano. O ritmo de criação vai se reduzindo conforme o Brasil atingir o pleno emprego. Atingido o pleno emprego, o saldo de emprego ficará zero no mês.

    Responder

Luiz M. de Barros

17 de abril de 2012 às 19h29

Daí porque assino o Cafezinho. Não se trata de otimismo barato. Porem acato um parâmetro: Não remar contra a corrente. Feito isso é fácil perceber que a midia está sempre contra a diminuição da desigualdade de renda familiar. Mas porque ela fica contra o FLUXO (Lula o intui como inexorável) Tem que ser inexorável pois a desigualdade de renda das famílias no Brasil, o pais mais rico do planeta, é indecente.

Fui marcado por certas opiniões dadas no cotidiano que se não as trabalhar passo a odiar tais pessoas– A Petrobras tem mesmo que ser privatizada pois os funcionários são vagabundos. Será que com o PROUNI vai haver vagas para todos –.É isso mesmo o governo tem que primeiro asfaltar a rodovia e depois então conceder para a exploração privada – Sendo o Dirceu concordo com a Veja invadindo o apartamento do hotel.

Sinto uma intima satisfação que todas essas opiniões estão como que sendo dizimadas. Minha esposa diz simplesmente que sofrem de dor de cotovelo com tais opiniões. Eu mais lido complico afirmando que cometem crime de lesa evolução.

Ate quando suportaremos o PIG,

Responder

Deixe um comentário para Luiz M. de Barros