Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

As garças não se sujam

Por Miguel do Rosário

22 de abril de 2012 : 22h10

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

(O Cafezinho traz análises de segunda a sexta. Publico neste domingo, porque não teve análise na sexta).

Gaudêncio Torquato publicou um artigo no Estadão discorrendo sobre o fio da navalha pelo qual caminhará Ayres Brito, presidente do STF, para conduzir o julgamento do mensalão. Termina citando um poema do próprio Ayres, que fala na habilidade das garças de caminhar sobre águas pantanosas sem jamais comprometer a alvura de suas penas. Esta habilidade, diz o poema, é recomendada aos juízes. Poderíamos estender o conselho ao jornalistas, que experimentam situações éticas ainda mais difíceis.

É justamente este o tema de uma longa e inédita carta de princípios divulgada pela revista Veja em seu site, que é um esforço de relações públicas com seu público para se defender das acusações de ser cúmplice do esquema de Carlinhos Cachoeira e Demóstenes Torres. A revista, afinal, sabia quem era Carlinhos Cachoeira; ao invés de fazer uma reportagem revelando ao Brasil quem realmente era o bicheiro, preferiu usar grampos clandestinos fornecidos pelo esquema para construir escândalos que pautavam a agenda política nacional. Ou pior ainda, a revista pactuava com mentiras, como o tal “grampo sem áudio”, uma conversa entre Demóstenes Torres, então considerado um probo, um paladino da ética, e o Gilmar Mendes, presidente do STF.

Luis Nassif tem dado muito atenção a este episódio, que considera um dos casos mais emblemáticos em que a Veja, juntamente com toda a imprensa corporativa (que forma uma espécie de “cartel” político), jogou pesado contra as instituições de combate ao crime organizado, para benefício de um réu, Daniel Dantas, condenado a 10 anos de prisão pela Justiça Federal (decisão que ele conseguiu anular alguns meses depois).

Hoje pouca gente se lembra das circunstâncias. A mídia criou uma atmosfera pesadíssima de suspeição entre os poderes, produzindo uma verdadeira crise institucional entre o Supremo e o Executivo. Lula foi obrigado a demitir um dos funcionários mais brilhantes do governo, delegado Paulo Lacerda, que comandava a Abin. A medida foi considerada (é até hoje) uma das maiores covardias de Lula. Foi mesmo, mas Lula sabia pesar com muita perspicácia quando era o momento de recuar em prol da estabilidade política.

Esta CPI, ao analisar a fundo as ações do senador Demóstenes Torres, inclusive com a quebra de sigilos bancários, telefônicos e fiscais, poderá enfim esclarecer um dos episódios mais negros da história recente do jornalismo: teria a revista Veja e o senador Demóstenes inventado uma mentira de proporções bíblicas apenas para derrubar o diretor da Abin? Gilmar Mendes e Nelson Jobim teriam participado da operação?

Como não queremos ser injustos com ninguém, esperemos que os fatos tragam a verdade. Um dos personagens da trama, porém, o senador Demóstenes, perdeu toda a credibilidade, e este é um ponto relevante quando se pensa no episódio.

Por falar em Demóstenes, a imprensa hoje, com base em escutas da PF, traz a denúncia até agora mais pesada que eu já li sobre o senador. São conversas entre o senador e o prefeito de Anápolis, onde o primeiro faz um descarado tráfico de influência em nome da Delta. É o tipo de ação que supõe, certamente, o pagamento de propina pelo “serviço”. Cada dia que passa, torna-se mais claro que Demóstenes Torres era um tremendo bandido, e os colunistas que elogiaram seu trabalho (atribuindo sua corrupção à uma espécie de loucura bipolar, ou dupla personalidade) terão que escovar melhor os dentes, porque as investigações revelam um político cujo principal objetivo era ludibriar o Estado.

Daí chegamos na Delta. Uma coisa que tem me impressionado na Dilma Rousseff é a sua sensibilidade em relação à imagem do governo federal no tocante à corrupção. Quando seus críticos na imprensa e nos partidos pensam que irão emparedá-la com alguma denúncia, ela aplica um drible de vaca e usa a crítica em benefício próprio. Aconteceu agora: colunistas vinham escrevendo a semana inteira que a relação da Delta com o PAC (a empresa tem contratos de 2,5 bilhões com obras da União) causaria danos políticos ao governo federal. Gaspari publicou uma coluna bem ferina, chamando a Delta de Tia do PAC, em alusão à Mãe do PAC, ou seja, a própria Dilma.

Pois bem, quando todos imaginavam a presidente acuada, ou trabalhando para preservar a Delta, a presidente reuniu-se com a Controladoria Geral da União (CGU) e pediu uma devassa dos contratos entre a União e a construtora. Não quis nem saber se a ação causará atrasos em obras importantes. Ética em primeiro lugar. Esta é uma marca muito forte e muito pessoal de Dilma Rousseff.

Com isso, ela já tirou, de maneira até meio cruel, o único pirulito com o qual a oposição conservadora ainda dispunha para brincar de política: o discurso moralista. A direita ainda tem apoio na mídia, a qual agora faz de tudo para fazer os brasileiros se indignarem com o mensalão, um processo ocorrido há seis anos, que consumiu suficientemente o imaginário político nacional, e será devidamente julgado este ano. Mas a direita não tem mais apoio na sociedade, ainda mais agora, que viu como seu discurso moralista é falso, e mesmo criminoso. A mídia consegue de vez em quando pegar um petista de terceiro escalão com dólares na cueca, um outro recebendo um carro de presente de um empresário, ou praticando caixa 2 em campanha eleitoral, mas a direita ainda é campeã absoluta na produção de vídeos e áudios estarrecedores, que mostram seus nomes mais destacados (governadores e senadores) protagonizando felonias que fazem dólares na cueca parecerem um simples furto de chiclete do baleiro do colégio.

[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

O Brasil assistiu algumas passeatas neste final de semana contra a corrupção. Não se falou em Demóstenes, escândalo recente que está nas manchetes de todos os jornais e incendeia o Congresso. Os manifestantes só mencionaram o mensalão. Com isso, a meu ver, se desmoralizaram. Eu ainda tive a ingenuidade, tempos atrás, de acreditar que havia pessoas cuja indignação era genuína entre esses manifestantes. Na manifestação aqui do Rio, usaram um boneco com dólares na cueca, o que seria um dos símbolos do mensalão. Entretanto, não há nenhuma relação entre os dólares na cueca de um assessor de um deputado cearense e a acusação de que o governo subornava parlamentares. Era uma corrupção local, envolvendo uma obra local. É disso que falo quando me refiro ao mensalão como um processo político-midiático, para onde convergiram todos os ódios, preconceitos, acusações falsas e verdadeiras, paranóias e decepções, envolvendo o Partido dos Trabalhadores.

*

A Folha divulgou hoje a última pesquisa do Datafolha, onde a presidenta aparece com popularidade recorde, 64%, bem acima inclusive de seu olímpico antecessor, no mesmo período. Confira os gráficos abaixos.

O instituto perguntou ainda qual seria o melhor candidato para 2014: 57% escolheram Lula, 32% Dilma. O diretor do Datafolha, Mauro Paulino, disse que a presidenta deve reduzir essa diferença nos próximos meses, conforme sua popularidade for se consolidando mais profundamente no imaginário da população. Entre as pessoas com maior escolaridade, ela já empata com Lula. Entre os com mais renda, ganha de Lula.

*

O candidato socialista François Hollande está conseguindo passar para o primeiro turno à frente de Sarkozy, o que significa uma vitória política importante. Ao que parece, muitos eleitores de Mélenchon, esquerdista mais duro, deram voto útil para Hollande com medo de  que Sarkozy se beneficiasse de uma vitória relativa no primeiro turno. Para o segundo turno, as pesquisas apontam uma vitória folgada do socialismo.  Nas regiões mais desenvolvidas e industrializadas da França, a esquerda ganhou de lavada. Estou querendo saber como foi em Paris, que ainda não divulgou os resultados parciais.

As eleições francesas podem ser acompanhadas pelo Le Monde e Le Figaro, principais jornais do país.

[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luiz M. de Barros

23 de abril de 2012 às 09h51

Eu só sei insistir nisso. O tsunami cachoeira virou cataratas de Iguaçu, Lula já usou a palavra inexorável. Acrescento; Uma conspiração favorável em andamento.

Inexorável dinâmico. Corrente de pensamento, sincronismo, inconsciente coletivo, forma pensamento, imaginário popular, consenso cósmico, etc.

Julian Assange do Wikileaks “Vivemos tempos extraordinários”

“Tudo conspira a favor do Brasil” Ricardo Amorim “O Brasil é um país condenado a dar certo”

Efeito dominó. Consenso “semeadura é livre, a colheita é inevitável.

Coalizão de vontades do Azenha

“O parto de uma nova idade” do Mauro Santayana na “Revista do Brasil” de março 2011
Pode ser acessado por aqui http://joserosafilho.wordpress.com/2011/05/12/o-p… Trecho final;
“Está surgindo uma nova idade no mundo: o sistema de poder, dominado pelos banqueiros, que faz e desfaz governos, controla a ciência e a tecnologia, determina a vida e a morte de povos inteiros, começa a ser visto em seu horror pelas grandes massas. O que virá depois, não sabemos– mas as dores do parto desse novo tempo já se fazem sentir”
"avalanche de indicadores positivos durante o governo Lula soterrou o pessimismo” Wanderley Guilherme dos Santos

“É a percepção generalizada do que o PIG representa. Empecilho á nova era. Nova era do cultivo da paz, Da outrora sensação de que a realpolitik – da força instituindo o direito, da justiça como “o útil do mais forte” a justiça não é nada mais do que a "conveniência do mais forte" para que gradualmente vislumbremos uma America Latina como berço de uma nova civilização.

Um pensar global e um agir local. Acessar um Cafezinho entre outros.

Parabéns a todos nós que alimentamos essa corrente de pensamento. Nós mudamos o mundo

Responder

Elson

23 de abril de 2012 às 06h37

Sobre a Delta , a Presidenta sabe mesmo transformar limões em limonadas , vide o caso dos juros , foi só começar a praticar concorrência usando os bancos públicos que todo mundo foi atrás e a mídia e os bancos privados que pintaram o fim do mundo ficaram pendurados na brocha , com isso quem agradece é o povo brasileiro que a anos vinha sendo espoliado pela banca .
O mais incrível é que só apontam os malfeitos da Delta no plano federal , todo mundo esquece que esta empreiteira possui contrato com estados e municípios .

Responder

    Miguel do Rosário

    23 de abril de 2012 às 10h50

    Pois é, e você viu que ela determinou também a derrubada das taxas administrativas. Justamente aquela reclamação que você fez aqui. Abraço!

    Responder

Elson

23 de abril de 2012 às 06h28

Miguel , quando as investigações do esquema Cachoeira/Demóstenes forem a fundo e talvez comprovar que os grampos sem áudio foram uma armação deliberada que contou com o apoio do Gilmar Mendes , será um Deus nos acuda em Brasília . Pois , se um membro da mais alta corte do País usou os serviços de um criminoso para atingir politicamente o Presidente da República , ele cometeu um crime contra a nação , seria caso até para impeachment . Neste caso nem o Sarney poderá protege-lo .

Responder

Antonio Filho

22 de abril de 2012 às 22h27

Quanto podre, meu Deus.

Ah, Miguel, você viu o desespero dos leitores do Augusto Nunes quando Hilllary Clinton disse que DIlma impôs padrão global contra corrupção? Os caras tão doidinhos!

Responder

Jorge Ponte Negra

22 de abril de 2012 às 22h26

Acho que a casa caiu de vez para a revista Vejabandida.

Responder

Helena Vargas

22 de abril de 2012 às 22h25

Agora quero ver suas análises quando divulgarem a íntegra da pesquisa Datafolha.

Beijos!

Responder

Deixe um comentário para Elson