Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

A jibóia e a CPI

Por Miguel do Rosário

18 de maio de 2012 : 19h13

(Ilustração: Van Gogh)

Esta semana, encontraram uma enorme jibóia de dois metros na rua do Resende, onde eu moro. Segundo testemunhas, ela saiu de um carro que passava, depois se escondeu na caçamba de um caminhão estacionado por ali. É um exemplo perfeito para o adjetivo “inusitado”. E, no entanto, são tantas coisas surpreendentes acontecendo a toda hora que poderíamos afirmar que a nossa rotina é composta de uma sucessão de fatos inusitados. Eu acho que o Rio de Janeiro é particularmente rico neste sentido. Uma cidade maravilhosa onde bueiros explodem qual minas de guerra e prédios desabam sem aviso prévio, como que atingidos por mísseis de alta precisão.

O jornalismo, a política, a arte, todos vivem do inusitado.  E há inusitado para todos os gostos. Escolher um e transformá-lo em notícia é uma prerrogativa ética de editores, blogueiros e comentaristas das redes. Naturalmente, estão em jogo interesses comerciais e/ou políticos em cada palavra que dizemos, pensamos ou escrevemos. Aristóteles dizia que o homem é um animal político, eu diria que o homem é um bicho com interesses.  Até aí nada demais, desde que meus interesses não atrapalhem os vossos e vice-versa, ou desde que meus interesses sejam afins do interesse coletivo.

A política visa promover a felicidade, ensinava o Mestre já citado, embora o processo da luta política raramente seja prazeroso.  Em alguns lugares, é um processo sangrento, traumático , brutal. Na Síria, por exemplo. Ou no bairro de Pinheirinho, em São José dos Campos.  Bem, estou tentando falar da CPI, ou CPMI, do Cachoeira…

Os jornalões todo dia mostram uma jibóia à sociedade, mesmo que tenham que trazer uma de plástico. Hoje eles amanheceram com acusações à CPI por “blindar governadores e o comando da Delta” e festejaram, ao que parece de maneira precipitada, a não-convocação do jornalista Policarpo Júnior, da revista Veja.

Agora, cuidado!

Eu leio vários jornais por dia, dezenas de blogs, e mesmo assim volta e meio dou comigo mesmo de boca aberta diante da última cobra gigante trazida pela mídia.

Ontem eu dei umas bordoadas na CPI, chamei os parlamentares de covardes para baixo, mas hoje, ao ler mais sobre o assunto, vejo que estava errado. Não se conseguirá nada com afobação. Os deputados e senadores estão fazendo seu trabalho de maneira cuidadosa, mas firme.  A CPI vai durar 180 dias, podendo ser prorrogada se for necessário. Muitas jibóias serão encontradas, ou mesmo outra raça de cobras, mais venenosas. A pressa, como disse a mulher experiente para seu namoradinho de dezoito anos, é inimiga da perfeição.

Collor pediu uma relação separada das gravações entre Poli e membros da quadrilha de Cachoeira. O requerimento não foi aprovado, mas decidiu-se por uma solução ainda melhor: foram requeridas todas as gravações da Polícia Federal, inclusive as não degravadas, como é o caso da maioria que envolve a Veja, de maneira que será possível, em breve, esquadrinhar a fundo as relações de setores da imprensa com o crime organizado.  O Nassif escreveu um post esclarecedor sobre o tema.

A bipolaridade da imprensalona prossegue avançando. Numa dia fala em CPI explosiva, repete frases ameaçadoras (CPI sabe como se começa, mas não como termina); no início desta semana, Noblat terminou sua coluna advertindo a presidenta:

Cuide-se Dilma para um eventual desfecho desastroso da CPI – afinal, sua base de apoio no Congresso já foi maior e mais fiel.

E agora, de repente, diz que a CPI perdeu força, que já virou pizza. Eles querem é mostrar uma jibóia gigante ao povo, e deixá-lo confuso, talvez com medo, diante da aparição absurda.

Acontece que a jibóia está viva, e pode muito bem morder o jornalista que a está filmando.

A CPI está só começando. Os parlamentares e suas equipes ainda estão estudando as toneladas de provas que compõem os inquéritos Vegas e Monte Carlo. E falta a PF entregar mais material. São vídeos, aúdios, computadores, hds, boa parte do qual ainda foi sequer vistoriado pela polícia.

Torçamos para que o máximo de informação possível caia na rede, para que a esquerdalha robótica (termo cunhado pelo blogueiro Rodrigo Vianna) possa processar a informação em suas aceleradas memórias virtuais.

Uma notícia curiosa que merece alguns comentários é o flagra no celular do Vacarezza. A mensagem do petista, enviada por SMS, e captada visualmente por um cinegrafista bem olhudo, é uma comunicação de caráter político, não tem nada demais. Vacarezza não disse nada que não seja público: a CPI pode azedar a relação entre PMDB e PT, e o governador Sérgio Cabral é um aliado do PT. Mas que foi uma trapalhada do pior tipo, isso foi. Pelo jeito, Dilma foi uma visionária ao tirar Vacarezza da liderança do governo.

Na verdade, a oposição, que politicamente está encarnada antes na mídia do que nos combalidos partidos que a representam, conseguiu marcar um importante ponto na CPI. Por semanas, os jornalões estamparam fotos e exibiram vídeos do governador Sérgio Cabral em companhia de Fernando Cavendish. As imagens não mostram nenhum crime. Cavendish era então um respeitado empresário da construção civil, cuja empresa, a Delta, tinha contratos em diversos estados, municípios e era uma das principais empreiteiras do PAC.

O código de ética do servidor público diz que ele não pode receber presentes, então o que poderia ter havido, naquele momento, era uma infração de ordem ética, caso Cavendish tenha patrocinado a festa.

Cabral acrescentou ao código de conduta a recomendação que os servidores evitem participar de eventos sociais na companhia de agentes privados que tenham contratos com o governo.

Na minha opinião, porém, não vamos resolver o problema da corrupção instituindo uma cultura de hipocrisia e segredo. Um administrador político, como é um governador, deve ter a liberdade de poder jantar com quem quiser, de preferência em lugar público. Proibir só vai empurrar esses encontros para a clandestinidade. Não é porque vai jantar ou deixar de jantar que um governador será menos corrupto, até porque possíveis negociatas nunca serão feitas em público. O código de ética orienta o servidor a não deixar que lhe paguem uma conta no restaurante, mas seria uma violação da liberdade individual do representante político proibi-lo sequer de sentar-se à mesa com empresários. Para mim, isso é um moralismo absurdo e contraproducente.

Um caso parecido é o novo escândalo ministerial envolvendo Fernando Pimentel, titular da pasta de Desenvolvimento. Ele estava na Bulgária, na companhia da presidente, e teve que sair às pressas para participar de uma importante conferência em Roma, para industriais italianos. A Itália é um dos países mais industrializados do mundo, ainda é uma potência econômica, apesar de seus problemas, e a palestra de Fernando Pimentel tinha como objetivo promover o Brasil junto aos empresários italianos, tentando lhes despertar o interesse de investir em nosso país. O código de ética do servidor permite que ele use o transporte cedido por eventos deste tipo. Pimentel pegou o avião cedido por João Dória Junior e foi à Roma prestigiar a conferência, onde sua presença constava da programação. Agiu certo. Pimentel não usou um avião de empresário para ir passar férias nas praias da Sicília. A mídia mais uma vez se comportou maliciosamente. Acabamos de ver, por exemplo, que enquanto a imprensa se apegava a picuinhas como esta, tentando desestabilizar o governo, elegeu um bandido como Demóstenes Torres em “mosqueteiro da ética”. O governador Arruda, do Distrito Federal, também era um ídolo da Veja.

Enfim, mídia e oposição partidária conseguiram blindar Marconi Perillo, o único governador envolvido com o esquema Cachoeira, através das ameaças a Sérgio Cabral. É a mídia, mais uma vez, manipulando a informação em benefício de bandidos. A jibóia agradece pela exposição gratuita. Mas qualquer dia desses, ela se cansa da câmera e engole o cinegrafista…

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Adriano Matos

20 de maio de 2012 às 21h09

Oi Miguel. Há dias li o texto e nada tenho a acrescentar. É isso mesmo, acho. Admiro sua humildade em reconhecer um erro, atitude rara, ainda mais entre as esquerdas…

Quero te chamar atenção prum assunto fora desse contexto de CPI, que é o encontro de blogueiros progressistas. Você vai? Deve ir. Tu e o Rovai são dos poucos que promovem uma abordagem economicamente sustentável e profissionalizante da atividade.

Espero ouvir tuas observações sobre o encontro. :)

Responder

    admin

    22 de maio de 2012 às 02h54

    Oi Adriano, eu queria ir, mas acho não vai dar. Estou trabalhando muito. Abs. Miguel

    Responder

Jose Mario HRP

19 de maio de 2012 às 12h04

Escandalos fabricados são especialidade daquela revista………
Já esá cansando o “sem limites” dela!

Responder

Alexandre Santos

19 de maio de 2012 às 07h42

Brilhante Miguel, parabéns pelo texto.

Responder

Elson

18 de maio de 2012 às 21h08

A CPMI tem sim de investigar a fundo todos os meandros deste governo paralelo , porém é preciso começar por algum lugar. Quando for a hora chegaremos a PJ, e sua cumplicidade com a quadrilha. Tentar colocar a Delta no foco das investigações , é tentar tumultuar tudo, o senador Botox Dias mais o PSOL quer a todo custo criar uma cortina de fumaça que só favorece os possíveis criminosos.
Essa CPMI será rápida quanto às investigações dos esquemas criminosos do Cachoeira , estes aliás já investigados pela PF, oque a sociedade quer saber, é onde esses tentáculos se aprofundam, na política e na mídia.
Enquanto isto a blogosfera estará atenta e cobrando dos paramentares uma apuração, caso contrário, estaremos lembrado os eleitores desavisados como seus eleitos se comportam quando o assunto é o combate a corrupção.

Responder

Carlos Lenin Dias

18 de maio de 2012 às 19h45

…a ânsia por vingança,nos coloca no falso atalho q dispensa o raciocínio

Responder

spin

18 de maio de 2012 às 19h34

Demostenes foi eleito pq no periodo de setembro/2009 a novembro/2010 a PF ficou em casa pq Gurgel havia sentado em cima do processo que investigava Cachoeira, por isso o Cachoeira fez festa com caixa 2 e elegeu Perillo e outros da sua turma. Mas a monstruosidade é o “mensalão” do PT, do longíquo 2004 ou 2005 sei lá. Mas do Azeredo, criador do mensalão, cujo processo é mais antigo, o pig não fala nada

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina