Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

A guerra não terminou

Por Miguel do Rosário

15 de junho de 2012 : 16h16

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]
(Ilustração capa: Basquiat)

Hoje a mídia amanheceu, como se diz por aí, “daquele jeito”. Manipulação pra dar e vender. Os soldadinhos da mídia todos marchando juntinhos, disciplinadamente, com objetivo explícito de confundir ou desqualificar os trabalhos da CPI.

Comecemos pelo Globo. Vejam a capa.

Pra variar, não é bem assim.

  1. Não foram “integrantes”, mas somente dois integrantes, e dos mais apagados: Ciro Nogueira (PP-PI) e Maurício Quintela (PR-AL), que integram os partidos menos representativos da CPI.
  2. O encontro aconteceu antes da abertura da CPI, portanto é um tanto surreal a ilação da mídia (e do Miro Teixeira, do PDT, que é uma espécie de vedete midiática) de que os dois parlamentares se encontraram com objetivo de barrar a convocação de Cavendish numa CPI que ainda nem fora aberta.
  3. A ilação é ainda mais surreal se se considera que o governo tem sido duríssimo com a Delta. Logo no início do escândalo, Dilma mandou fazer uma devassa nos contratos com a Delta e publicou-os na íntegra na internet. A CGU acaba de declarar a empresa inidônea e a CPI decidiu abrir todos os sigilos da Delta. Se isso é “blindar” a Delta, então não sei o que é proteger.
  4. Os parlamentares disseram que o encontro foi casual, o que me parece perfeitamente plausível. E se não foi casual, não há nada demais.  Os parlamentares estavam com suas respectivas esposas, em programa social, e não creio que se façam negociatas em presença da família, em lugar público.
Merval Pereira, naturalmente, aproveitou a informação para fazer mais um de seus longos proselitismos ficcionais. Agora entende-se porque ele entrou para a ABL. Poupar-vos-ei de comentar o texto inteiro, mas somente alguns trechos mais explicitamente manipuladores.

Pra começar uma informação errada:

O encontro foi denunciado ontem na reunião da CPI do Cachoeira pelo deputado federal Miro Teixeira, com requintes de crueldade: o senador Ciro Nogueira encaminhara momentos antes a votação para que o ex-presidente da Delta não fosse convocado a depor, e Miro usou uma expressão cunhada pelo ato falho do governador Agnelo Queiroz, do PT, ao depor na CPI no dia anterior.

Ele se referiu, provocando gargalhadas gerais e muitos twitters, a uma “tropa de cheque”, quando pretendia dizer “tropa de choque”, o que é perfeitamente compreensível nas atuais circunstâncias, diria Freud.

O “ato falho” não foi do governador Agnelo Queiroz, e sim de um deputado do PP-DF. Não anotei o nome dele, mas lembro-me perfeitamente do momento em que ele usou a expressão “tropa do cheque”. Ele sentava-se ao lado da senadora Vanessa Grazziotin. Ato falho, pelo jeito, é do Merval, que na sua gana de pintar Agnelo com tintas do mal, atribui-lhe um erro que ele não cometeu.

Em seguida, Merval faz a seguinte afirmação, plena de um lacerdismo de doido:

O senador Ciro Nogueira diz que é amigo de Cavendish há muitos anos, e chegou mesmo a anunciar em seu twitter que iria ao casamento do amigo em Itaipava, mas deveria manter uma distância preventiva do empreiteiro, principalmente depois da revelação de uma gravação em que Cavendish garante: “Se eu botar 30 milhões na mão de um político, eu sou convidado para coisa para c… Pode ter certeza disso. Te garanto”.

Ué, o escândalo contra Cavendish ainda não era conhecido. Se Marconi Perillo pode ligar para Cachoeira desejando-lhe feliz aniversário, se Gilmar Mendes pode viajar juntinho com Demóstenes Torres, se toda a oposição, aliás, podia ser amiga íntima de Demóstenes, então não vejo porque culpar Ciro Nogueira por ser amigo de Cavendish. Com um diferencial, Cachoeira é contraventor conhecido e notório há anos, e membros da oposição não se encontraram “casualmente” com Demóstenes Torres, mas conviveram com ele por muito tempo.

O interessante é notar que a maioria governista serve apenas para ações defensivas, isto é, não convocar Cavendish ou Luis Pagot, o ex-diretor do Dnit que anda falando pelos cotovelos e está louco para depor na CPI, que, no entanto, também adiou sua convocação, por motivos mais do que claros.

Essa confusão do Merval foi lançada por toda a mídia. A CPI apenas não tenta ser pautada. Pagot e Cavendish virão à CPI a seu devido tempo. Os parlamentares querem evitar erros anteriores, de convocar depoentes antes do momento certo, antes de examinarem os documentos que têm à sua disposição.

O presidente da CPI, Vital do Rego, ontem mesmo, explicou isso ao jornalista Fernando Rodrigues, ao UOL.

Vitor do Rego, presidente da CPI: “Pagot deve ir à CPI”

 

Vitor do Rego, presidente da CPI: “Presença de Cavendish é irreversível”

 

Ou seja, todas as deficiências que a mídia aponta na CPI tem sido furadas pelas ações da mesma.

Tenho uma amiga que trabalhou no Estadão por mais de dez anos, e cobriu as CPIs da oposição contra o governo Lula. Ela me disse que viu colegas se engajarem em favor da CPI com paixão histérica. Uma delas chegou a ligar para senador, exigindo-lhe que viesse para dar quorum a uma reunião. Hoje parece que é ao contrário.

Mais um trecho do Merval:

Os dois, aliás, estão ironicamente enrolados em transações financeiras difíceis de explicar envolvendo compra e venda de mansões, o que não deixa de ser sintomático.

Aí é muita cara de pau. A casa de Agnelo foi comprada de um casal de advogados respeitáveis. Custou 400 mil reais, valor perfeitamente acessível a um casal de classe média.

Mais importante: não tem a ver com o esquema Cachoeira, que é o escopo da CPI. Se há qualquer problema na casa de Agnelo, é um problema a ser resolvido pela Receita Federal, não pelos membros da CPI do Cachoeira. Já a casa do Perillo foi vendida para Cachoeira, tanto é que Cachoeira foi preso onde? Na ex-casa de Perillo. Fingir uma simetria é descarada má fé.

*

Agora pulemos para a Folha, igualmente farta em distorções e tentativas explícitas de desqualificar o trabalho da CPI. A começar pelo editorial Palmas para todos, que tenta criminalizar a manifestação dos deputados em defesa de alguém que consideram injustiçado. Aliás, aí está uma diferença que os jornais não destacaram. Perillo levou uma claque. As palmas para Agnelo vieram dos parlamentares.

O mais sinistro, no entanto, é o final do texto, onde a Folha dá um apoio tácito à decisão do desembargador Tourinho Neto de soltar Cachoeira e inutilizar toneladas de provas contra sua quadrilha:

Uma derradeira ovação, quem sabe, fica reservada à Polícia Federal (PF). Todo o caso Cachoeira ameaça dissolver-se em vapores impalpáveis. No Tribunal Regional Federal, o relator do processo que examina a legalidade das provas da Operação Monte Carlo considera insuficientes os motivos que embasaram a escuta policial das ligações dos envolvidos.

A decisão aponta, mais uma vez, para possíveis abusos e leviandades da PF. Por falta de provas legitimamente obtidas, tudo desaparece por encanto. Merecem de fato palmas, há de se convir: tem sido primorosa a encenação.

Falar em “possíveis abusos e leviandades da PF” numa hora dessa, na verdade, nem é apoio tácito, é explícito mesmo. O Clube Nextel é que bate palmas.

Daí topamos com a coluna de Valdo Cruz, que é curta então dá para fazer uma análise integral. Faço daquela maneira convencional, com o texto dele em negrito, o meu em fonte normal.

O restante do post é exclusivo para assinantes. Desculpem por isso, mas o blog precisa sobreviver.

[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

CPIlusão – VALDO CRUZ
FOLHA DE SP – 15/06

BRASÍLIA – Palco montado para desfile de prestidigitadores e seus afins, no qual exercitam a arte da encenação em busca dos holofotes da mídia, tendo como objetivo quase único desgastar adversários políticos de ontem e de hoje.

Talvez seja esse o melhor resumo sobre o atual cenário da CPI do Cachoeira, destinada, salvo grata surpresa, a gerar nada de relevante em termos de novidades sobre o que seria o esquema ilegal do empresário de jogos Carlinhos Cachoeira.

Eu acho um bocado filisteu acusar deputado de querer chamar atenção e buscar holofotes, sobretudo se considerarmos que aqueles que a mídia mais adula, como os senadores Pedro Tacques, Álvaro Dias e Pedro Simon. Além do mais, a coluna desqualifica a CPI de maneira leviana. Ela tem permitido a quebra de sigilo e análise de documentos que permitirão entender melhor o funcionamento do esquema Cachoeira, que agia politicamente, então precisa ser investigado politicamente.

Os depoimentos dos governadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Agnelo Queiroz (PT-DF) apenas reforçaram tal sensação. Nada acrescentaram aos trabalhos da comissão, cujos membros mostraram-se despreparados para inquiri-los de fato.

Mais um espertinho a misturar Perillo com Agnelo. Seus depoimentos ajudaram a sim a esclarecer muitas dúvidas e suspeitas, sobretudo no caso de Agnelo, que andaram ocupando a mídia por várias semanas. A Folha não gostou justamente por causa disso: não conseguiu crucificar Agnelo. Perillo pode até ter se saído bem, do ponto-de-vista político, de seu depoimento, mas continua enrolado até o pescoço com o esquema Cachoeira, que era patrocinador de suas campanhas, comprou sua casa, pagava os jornalistas que lhe apoiavam; e mandava em Demóstenes Torres, senador de sua bancada, eleito na chapa de Perillo.

O que se viu foi muito mais um festival de estocadas entre petistas e tucanos, numa disputa de aplausos para seus aliados. Isso tudo tem pouca serventia para esclarecer as suspeitas relações de Cachoeira com parlamentares, governos e empreiteiras.

O que Cruz chama de estocadas, eu chamaria de a velha e boa luta política, que não é feita com mimos. Os aplausos foram apenas pontuais; no caso de Agnelo, apenas para o momento em que declarou abrir seus sigilos. Quanto à serventia para esclarecer as relações suspeitas entre parlamentares, governos e empreiteiras, a CPI faz um trabalho extenso, e os depoimentos entram como peça de apoio. Nem sempre é fundamental, mas claro que tem serventia.

O grande resultado auferido nos depoimentos foi obter a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos dois governadores -o que gera muito barulho e repercussão, mas rende quase nada. Afinal, foi-se o tempo em que se depositava cheque-fantasma, fruto de ilegalidade, em contas pessoais.

Aí é burrice. Valdo Cruz omite que a CPI quebrou também os sigilos de telefone, torpedos e internet de ambos os governadores, o que é ainda mais importante que os sigilos bancários.

Mais do que nunca, estamos diante de uma CPI que é um palco de guerra entre facções políticas, que mira em adversários e “esquece” de investigar os corruptores por conta do receio de que todo mundo tem um pouco ou muito a perder.

Raciocínio capcioso. Guerra política é natural num parlamento. Querer o contrário é defender a hipocrisia. É proibir que se fale de Deus numa igreja. O importante é que a CPI quebrou sigilo de dois governadores, do PSDB e do PT. E está investigando a Delta, empresa com obras no Brasil inteiro, a começar pelo governo federal.

Posso estar enganado, mas os ilusionistas querem entreter o prezado público até o recesso do Legislativo em julho. Depois, vem a eleição municipal e Brasília fica esvaziada. Aí, esqueçam -a não ser que jornalistas descubram algo que a CPI prefere não vasculhar.

Pode estar enganado, não. Está engando. Quebrar sigilos é coisa séria, dolorosa, e agregará dados à investigação da Polícia Federal.

O fato é que o instrumento da Comissão Parlamentar de Inquérito, visto até pouco tempo como uma arma contra desvios, vai perdendo sua eficácia e credibilidade.

Essa gana de desqualificar a CPI, explícita desde antes sua criação, agora toma ares ridículos, justamente quando ela começa a esquentar. Ora, quebrar sigilos por 10 anos de Perillo e Agnelo, quebrar o sigilo de uma das maiores empreiteiras do país, é “perder eficácia e credibilidade”?

Acho melhor os colunistas da Folha voltarem a falar de mensalão. Sempre que abrem a boca para falar da CPI do Cachoeira, é uma tristeza.

*

Eu gostaria ainda de comentar os editoriais do Globo e Estadão de hoje, que também procuram desqualificar a CPI.

A coluna da Dora Kramer, no Estadão, vai na mesma linha.

Hoje temos ainda um artigo de Nelson Motta e outro de João Mellão Neto xingando Lula. Mas prefiro não comentá-los, apenas adjetivar o primeiro de baixo nível e o segundo de caricatural.

[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Gond

18 de junho de 2012 às 18h03

E ai, não vai sair nem uma matéria sobre a parceria Lula-Maluf nesse blog imparcial?

Responder

    admin

    18 de junho de 2012 às 18h32

    Amanhã eu escrevo.

    Responder

      FranciscoD.A.

      19 de junho de 2012 às 19h19

      Nem Erundina aguentou tanto fedor , tanto marginal reunido, nesse encontro LULA MENSALEIRO – Maluf.

      Alias, Lula é o profissionalismo do Malufismo, pois Rouba mais e Faz menos…

      Responder

Adriano Matos

18 de junho de 2012 às 15h41

Miguel, publicaram no Nassif que Tourinho foi voto vencido (1 x 2) na turma que analisa a validade das provas obtidas com escutas telefonicas.

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/a-validade-das-escutas-no-caso-cachoeira

Responder

    admin

    18 de junho de 2012 às 16h32

    Sério, é bom demais pra ser verdade.

    Responder

      FranciscoD.A.

      19 de junho de 2012 às 19h16

      É engraçado demais ver a Guerrilha do PT na REDE,, usando tacapes e flechas, tentando se desassociar do Cachoeira, enquanto o VACA Vacarezza chega quase a sacar um 38 na CPMI para impedir a convocaçao o Cavendish , (da DELTA/CACHOEIRA), aquele que deu R$ 1,150,000,00 para a Dilma em 2010.

      Sem contar as doacoes do BNDES para o PT….

      Responder

    FranciscoD.A.

    19 de junho de 2012 às 19h17

    Tourinho , irmao de fé do Thomaz bastos, notório 10o Dedo podre do LULA Mensaleiro, e atual lavanderia de 15 Milhoes do Cachoeira, SEMPRE dá Ganho de causa às solicitaçoes do eterno amigo…

    Responder

admin

16 de junho de 2012 às 14h39

Prezados, acabo de corrigir vários errinhos de digitação. Esse aí estava farto. Não posso esquecer de sempre revisar bem cada post.

Responder

Araquem

16 de junho de 2012 às 10h34

Desculpe o fora de pauta.
http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/incra-governo-esta-sucateando-orgaos-agrarios

Você mantém o “que bobagem”?

Responder

    admin

    16 de junho de 2012 às 14h25

    Não entendi. De que você está falando?

    Responder

wepiana@gmail.com

16 de junho de 2012 às 09h01

eu só quero saber quando a CPI irá questionar as AÇÕES POLITICAS da Máfia que tentou por VÁRIAS VEZES derrubar com esquemas criminosos o governo eleito do Presidente Lula e da Presidente Dilma.

Quando a #VejaBandida irá À CPI?

Responder

    FranciscoD.A.

    19 de junho de 2012 às 19h23

    Erundina foi comprada pela VEJA também, para chutar a b… de Lula e Haddad em SP??? Idem para marta Suplicy….

    Responder

elsonfidofilo@hotmail.com

16 de junho de 2012 às 06h33

Se essa CPMI fosse para investigar o governo petista, a mídia iria apoia-la, porém, como os alvos são membros da oposição, a conversa é outra.
Uma coisa é certa, ouvir Cavendish, ou Pagot nesta hora será infrutífero, será mais um palco montado para a oposição desviar os rumos da investigação. é melhor aprofundarem nas análises de documento, aí sim ter oque inquirir dos acusados, e cá para nós, oque a mídia e as oposições querem, é tirar Demóstenes e Perillo do banco dos réus e colocar lá, Lula e Dilma.

Responder

alex

16 de junho de 2012 às 02h35

Por que Elio Gaspari citou o repórter mas não a revista Carta Capital?

14th junho 2012
Paulo Nogueira – Diário do Centro do Mundo

Uma entrada rápida para compartilhar uma estranheza: não entendi por que Elio Gaspari citou o repórter que fez a denúncia sobre Gilmar Mendes, Leandro Fortes, mas não a revista Carta Capital em seu artigo publicado ontem na Folha e no Globo.

Esquecimento? Distração? Elio é bom demais para isso.

Ficou em mim a sensação, a 10 000 quilômetros de distância, de que mesmo para alguém consagrado e independente como Elio pode parecer perigoso, em termos de carreira, citar a Carta Capital. Isso mostra o quanto está envenenado o debate político no Brasil.

Fonte: http://www.diariodocentrodomundo.com.br/

Responder

    FranciscoD.A.

    19 de junho de 2012 às 19h22

    Porque o Carta capital é o primo feio e drogado que ninguem quer dizer que tem, desde que o Mino “Amante de GENERAIS”Carta foi exposto fazendo juras de amor para a Ditadura dos anos 70….

    E se tem algo que a turma da esgotosfera do LULA/PT adora, é jogar podres para debaixo do tapete…

    Responder

Carlos Lenin Dias

15 de junho de 2012 às 21h36

Mais ou menos uma hora atrás,a bandeirantes veio c/ o papo pagot-cavendish…c/ direito a comentário zangadinho do boechat (por favor,Miguel,procure se informar se foi este mocinho q,qdo tinha coluna no o globo,soltou notícia q,a então prefeita de Salvador,hoje senadora,Lídice da Mata,estaria grávida…o jornaleco do malvadeza,correio da bahia,acrescentou q ‘ela n saberia quém era o pai’…se vc vier a confirmar,o boechat tá eliminado -ném auto de fé o livra)…eles agora mentem descaradamente s/ o menor pudor…ném imagino o q deve ter saído no jn-catástrofe…o sbt tá até menos,a record,apesar de tudo o q se fala,real ou n,é a única q n segue a turba…sei q tbém tém motivos p/ n entrar no minueto escabroso,mas é alentador,p/ grande maioria q n tém net,poder saber do outro lado da moeda…dá raiva essa capadoçagem

Responder

Garcia

15 de junho de 2012 às 16h48

Nossa, que pedra dura a midia brasileira! QQ coisa boa que signifique avanço, eles partem para cima.

Responder

Deixe um comentário