Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Ombudsman: cobertura do mensalão é tendenciosa

Por Miguel do Rosário

05 de agosto de 2012 : 14h00

Silêncio, o réu vai falar, na Folha

Por SUZANA SINGER, OMBUDSMAN

Cobertura do julgamento no STF exige neutralidade, principalmente na hora de ouvir as teses da defesa

Como bem definiu Janio de Freitas, chegam a ser “comoventes” os poucos trabalhos jornalísticos com esforço de equilíbrio na cobertura do julgamento do mensalão.

Mesmo quem prometeu “apenas os fatos” apresentou o julgamento com o viés de que o único desfecho bom para a democracia é a condenação exemplar dos réus.

O escândalo do mensalão nasceu na imprensa -mais precisamente na entrevista de Roberto Jefferson à Folha em 2005- e foi alimentado por ela ao longo dos anos. Foi um admirável trabalho jornalístico que expôs as entranhas do PT no poder.

Graças à pressão da mídia, o julgamento, que demorou sete anos, não foi adiado. Só que agora, quando as teses do procurador-geral da República e dos advogados de defesa serão confrontadas, a neutralidade deve ser um mantra.

A Folha vem tentando manter a isenção. Mesmo assim, na capa do caderno especial de domingo passado, definiu o mensalão como “o maior escândalo de corrupção da história recente do país”, o que, além de ser um juízo de valor, é bastante questionável. O Collorgate não foi um episódio mais grave?

Nesse mesmo dia, uma reportagem em “Poder” pretendia revelar a articulação dos políticos envolvidos quando estourou o caso. O título já dizia tudo: “A Invenção do Caixa Dois”. Era a Folha dando um veredicto: um dos argumentos da defesa, o de que o dinheiro movimentado era sobra de campanha eleitoral que seria usada para quitar dívidas, não passa de uma armação.

Outro exemplo de mão pesada foi a reportagem de sexta-feira sobre o ministro José Antonio Dias Toffoli, pressionado a se declarar impedido. Começava assim: “Ex-advogado do PT, ex-assessor de um dos réus do mensalão e namorado de uma advogada que atuou no processo, o ministro do STF Dias Toffoli decidiu participar do julgamento”.

O jornal só tem a ganhar se deixar o noticiário fora da torcida pela condenação. O desafio agora é encontrar formas de tornar atraente e compreensível um processo longo, monótono e truncado.

Todo o mundo reconhece a importância do julgamento do mensalão, mas não é fácil manter o leitor interessado, semanas a fio, no que acontece em uma sala lotada de togados discutindo em um dialeto estranho.

Traduzir, interpretar, revelar bastidores, eleger com imparcialidade o mais importante, é o papel da reportagem, especialmente nos próximos dias, quando os advogados de defesa começarão a falar. Vamos ouvir o que os réus têm a dizer.

ombudsman@uol.com.br
@folha_ombudsman

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

anonimo

08 de agosto de 2012 às 02h42

Bom dia
Esse é mais um caso de escarnio contra nós ,o povo , isso poderia ter sido julgado a anos pq não foi? para lula e trupe concluirem o mandato e a sucessão .
Se ele não sabia ou sabia nem se cogita mais , sempre nós pagamos a conta não é? se houve mensalão ou mensalinho o que importe é que nosso país não tem salarios dignos pro povo ,o salario minimo não paga nem um jantar desses caras em um restaurante fino , e nós aceitamos isso e outras coisas como ser mau e porcamente atendido em orgão publicos que sustentamos ,em ver a educação sucateada ,favelas crscendo ,drogas ,violencia ,policiais corruptos e bandidos ,marajas do funcionalismo publico ,aposentadorias ridiculas e tantos desmandos pq somois um povo acomodado e que não vai as ruas lutar pelo que pagamos e não vemos retorno ,só isso ,ai vem essa de mensalão ,sempre existiram essas vergonhas nesse país e nós é quem pagamos tudo isso ,alguem já devolveu algo para voces do que foi roubado? nem prá mim.
Se o proprio ex presidente figueiredo disse que o brasil só mudaria com sangue ,o que mais dizer? ,delfim neto que o diga.

Responder

Elson

06 de agosto de 2012 às 10h23

Se acontecer de José Dirceu se condenado, te garanto que vai muito espocar de champanha em muitas redações de jornais e revistas alinhadas a direita reacionária.

Responder

Deixe um comentário