Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Cai argumento de ministra pra condenar Cunha

Por Miguel do Rosário

29 de agosto de 2012 : 13h25

A ministra do STF Rosa Weber condenou João Paulo Cunha porque estranhou a sequência das notas fiscais apresentadas pelo réu. Pois bem, agora o próprio dono da empresa dá entrevista afirmando que prestou o serviço e oferecendo testemunhas. Como fica o argumento de Weber? Vai descondenar? A falta de responsabilidade desses juízes é estarrecedora.

Pode-se até considerar estranho que notas fiscais referentes a serviços feitos em datas diferentes sejam sequenciais, mas não a ponto de usar isso como prova para se condenar alguém num processo no Supremo Tribunal Federal! A empresa em questão não é uma papelaria. É uma empresa de serviços. Ela pode muito bem passar as notas quando quiser, a partir do pedido do cliente. Se a ministra tinha dúvidas, que investigasse direito. Bastava ligar para o dono da empresa, por exemplo, e perguntar se ele realizou mesmo o serviço.

Dono de empresa confirma versão de petista

JOSÉ ERNESTO CREDENDIO
DE SÃO PAULO, NA FOLHA

O jornalista Anselmo Freitas, sócio da empresa que o deputado federal João Paulo Cunha (PT) diz ter contratado para fazer pesquisa com os R$ 50 mil que recebeu do valerioduto, confirmou ontem a versão do petista.

João Paulo, hoje candidato a prefeito de Osasco (SP), sustenta que o dinheiro, sacado do Banco Rural em Brasília por sua mulher, foi repassado pelo PT e usado para pagar a pesquisa, em 2003.

A pesquisa teria sido realizada pela Datavale, uma empresa que Freitas mantém com um sócio em Guaratinguetá, interior de São Paulo.

Anteontem, a ministra do STF Rosa Weber, ao votar pela condenação de João Paulo, levantou suspeitas sobre as notas fiscais apresentadas pelo deputado federal.

As notas, com número sequencial (151, 152 e 153), têm datas de 10 e 30 de setembro e 19 de novembro de 2003, lapso de tempo que seria incomum para documentos fiscais. Além disso, não houve eleições naquele ano.

Freitas disse ontem em entrevista à Folha que acompanhou o voto da ministra pela TV e concordou, em parte, com as dúvidas levantadas.

“Acho que é estranho [as datas das notas] mesmo, mas sou empresa pequena e tiro pouca nota fiscal. Mas são notas fiscais com imposto pago, tudo. Pode causar estranheza, mas nem os procuradores nem o relator do processo entraram nisso aí”, disse.

O jornalista frisou que as pesquisas ocorreram. “Eu não sei se ainda tenho, mas eu tinha os questionários. E, ontem, uma pessoa que trabalhou na época com a gente ligou para o meu sócio e falou que, se precisasse de testemunhas, estaria à disposição”, disse Freitas.

Segundo ele, a empresa já trabalhava para João Paulo e políticos da região de Campinas. No caso de João Paulo, a Datavale, sustenta Freitas, fez levantamentos sobre a viabilidade de nomes do PT para a eleição do ano seguinte.

Freitas saiu em defesa do candidato. “Ele poderia alegar qualquer coisa, que tivesse gasto com outras coisas, poderia ter outras notas.”

O jornalista afirmou que, na ocasião do escândalo, o deputado telefonou para a empresa. “Ele ligou para a gente e disse que iria falar que o dinheiro foi para a gente. A gente se ferrou muito por isso, perdeu muito cliente, mas eu não poderia falar que não tínhamos trabalhado.”

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

marcus

13 de março de 2016 às 11h57

Se eu chegar em uma loja e comprar 3 cameras fotograficas, e pedir 3 notas fiscais, elas serão com certeza sequenciais.
Seria mais ou menos assim. O senhor poderia emitir 3 notas fiscais para mim, uma camera é para mim, outra é para o meu irmão, e a outra é para meu pai. As notas com certeza seriam sequenciadas.

Responder

Yacov

31 de agosto de 2012 às 19h31

Os STF pIg-Boys engoliram o enredo de ópera-bufa do PGR bufão e nem se deram ao trabalho de examinar os autos… Acho que depois de 7 anos ouvindo diariamente nas páginas e telas do PiG o mantra “Mensalão do PT”, eles introjetaram que o memsalão do PT existiu e não importam provas ou argumentos, como não adianta argumentar com tucanos sobre os avanços da era LULA. Nem nos números os cabeçudos acreditam. È uma grande VERGONHA essa nossa Justiça!! É o fim…

DESPERTA SÃO PAULO – HADDAD PREFEITO!!

CPI DA PRIVATARIA TUCANA JÀ!! (http://pt.wikipedia.org/wiki/A_Privataria_Tucana)

LEI DE MÍDIAS JÁ!!

REFORMA ELEITORAL JÀ!!

REFORMA DO JUDICIÀRIO JÀ!!
 
“O BRASIL PARA TODOS não passa na glOBo – O que passa na gloBo é um braZil-Zil-Zil para TOLOS”

Responder

spin

30 de agosto de 2012 às 09h49

O que define este jugamento como golpe são inúmeros outros fatores, como por exemplo o não desmembramento, direito concedido aos réus do mensalão tucano.

O justo seria o debate continuar, inclusive com a defesa, para que se chegasse a unanimidade na condenaçao, nos EUA é assim. Lá, se um juiz votar a favor do réu, o debate continua até chegar se a unanimidade. Lidar com a liberdade do outro é algo muito sério, esses juizes jogam para a mídia golpista, nem se deram ao trabalho de verificar os documentos que provam que os 50 mil reais recebidos de JPC se referem a doação do PT para o pagamento de pesquis eleitoral, o que derrubaria a alegação dos que votaram pela condenaçao

Responder

Marcelo Rodrigues

29 de agosto de 2012 às 20h47

Esta situação é comum quando se trata de empresas pequenas de prestação de serviços. Claro, normalmente a equipe é pequena e faz um trabalho por vez, que pode durar dias sendo feito. É o que parece neste caso. O cérebro da ministra derreteu sob o calor dos holofotes.

Responder

Elson

29 de agosto de 2012 às 15h35

Parece que pesquisa eleitoral não é como pão que se compra todo dia.

Responder

@ppbuxbaum

29 de agosto de 2012 às 13h47

Cai argumento de ministra pra condenar Cunha – http://t.co/bazyCoZO

Responder

@ClaudioTMll

29 de agosto de 2012 às 13h40

Cai argumento de ministra pra condenar Cunha – http://t.co/lZejxIcT

Responder

@veramcp2

29 de agosto de 2012 às 13h39

Cai argumento de ministra pra condenar Cunha http://t.co/vYbToJtu

Responder

@IvanIlitch

29 de agosto de 2012 às 13h32

Cai argumento da ministra Rosa Weber para condenar João Paulo Cunha. http://t.co/jBSTL7Zm no #Cafezinho do @migueldorosario #AP470 #STF

Responder

@juvegomes

29 de agosto de 2012 às 13h28

Cai argumento de ministra pra condenar Cunha – http://t.co/dAUStDmO

Responder

@migueldorosario

29 de agosto de 2012 às 13h25

Cai argumento de ministra pra condenar Cunha http://t.co/bbdDn49n

Responder

Deixe um comentário para @IvanIlitch

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?