Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Jabor diz que Serra tem “enorme competência” e “amor ao progresso”

Por Miguel do Rosário

04 de setembro de 2012 : 14h12

 

A ‘islamizaçao’ da política, Serra e PT

Terça, 04 de Setembro de 2012, 07h11

Por Arnaldo Jabor – O Estado de S.Paulo e Globo.

Vende-se um candidato como se vende margarina. A perversão do marketing transformou as campanhas eleitorais em uma estratégia de insinceridade, em que os marqueteiros ‘adivinham’ o que o povo quer para o candidato se adaptar a esse ‘desejo’. Assim, todos querem ser eleitos pelo que não são, mas pelo que parecem, seguindo o exemplo bem-sucedido do ‘showman’ Lula que, na linha de Jânio, bastou ‘parecer’. É a estratégia em vez da verdade: ladrões aparentam honestidade, o comuna finge de liberal, o durão finge de bonzinho.

Em São Paulo há um lugar reservado para um populismo tradicional que, de certo modo, a polarização entre PT e PSDB ensombreceu nos últimos anos; este espaço da ignorância já foi ocupado por Ademar, por Jânio, por Maluf (conversem com motoristas de táxi). O vazio está sempre à espera de um impasse político, para que a ‘massa atrasada’ (um termo do PT) corra a eleger um novo demagogo.

Com o crescimento econômico da chamada classe C, o populismo tende a ser mais mágico, mais imediatista, em busca de sucesso e riqueza, um populismo consumista e conservador.

Quem ocupa esse espaço vazio é justamente o movimento evangélico em seus galpões lotados de milhares de pagadores de dízimos à espera de milagres e riqueza.

E o milagreiro da hora será o Russomanno, que é representante da Igreja Universal. Ele nega, claro, mas seus programas de TV só vão ao ar depois de passar pela direção de jornalismo da Record, enquanto obreiros da Igreja Universal visitam casas da periferia, distribuindo santinhos do Russomanno.

Assim, amigos leitores, pode ser que em 2013 a cidade de São Paulo seja governada pelo bispo Edir Macedo, o rei dos supermercados da fé que crescem no País e no exterior. Há pouco, uma marcha reuniu 4 milhões nas ruas de São Paulo, todos embalados pelo desejo de alguma certeza palpável, que os evangélicos prometem. Vejam na TV os milhares de rostos famintos de resposta para suas vidas angustiadas, pastoreados por bispos que parecem assaltantes, gordos, vulgares e milionários com fazendas, aviões e apartamentos em Miami.

Ou seja, está surgindo uma espécie de “islamização” da política no País, com os votos comandados fortemente pelas Igrejas. Já há milhões de fiéis que votam com Deus e política, como no Islã. E há uma sutil coincidência entre isso e o “midiatismo” lulista também feito de abstrações e promessas gerais: o carisma milagreiro da aparência contra a realidade.

Em ambos, no ‘midiatismo’ e no “islamismo caboclo”, existe algo de divinal, místico.

Muitas pessoas do enclave “ademar de barros/jânio/maluf” vão votar no Russomanno por quê? Por ordens do bispo, claro, mas muitos também porque sua candidatura tem um sabor de negação da política costumeira, como apostar na zebra porque os cavalos favoritos não resolveram nada. Há algo do ‘efeito Tiririca’ nisso tudo.

No mundo inteiro, a crise econômica e política favorece líderes reacionários. Dentro dos impasses geram-se os canalhas.

O fascista Chávez vai ser reeleito, o fanatismo árabe persiste para além da ‘primavera’, o repulsivo Mitt pode ganhar nos USA e levar o Ocidente ao caos. Aqui, a cidade mais importante da América Latina pode ser entregue ou a uma sutil “teocracia oportunista” ou aos conquistadores do PT, em busca de mais um território tomado para ‘não’ ser governado. E no meio, o José Serra acreditando na racionalidade. Em meio a esse ‘místico peleguismo’, como explicar as vantagens da ‘social democracia’ para uma população semianalfabeta?

Mas, Serra também errou. Tudo começou em 2002 quando, diante de meus pobres olhos perplexos, Serra não defendeu o governo de FHC diante dos ataques de Lula no debate. Eu vi a cara do Lula quando percebeu que a intenção do adversário era ‘não’ defender o excelente governo que acabara com a inflação, fez reformas, etc… Por estratégia (quem foi a besta que inventou isso?), ninguém podia defender os grandes feitos que o PSDB tinha conseguido… Lula, espertíssimo, deitou e rolou nesse equívoco imperdoável, inesquecível, que começou a derrotar o próprio Serra e o tucanato por tabela. Nunca entenderei isso. Como não demitiram o chefe da campanha e deixaram-no persistir nos erros até hoje? Serra acreditou no marketing em vez de crer em si mesmo e em sua verdade.

Conheço-o há muitos anos e sei de sua enorme competência administrativa, seu amor ao progresso por adesão à razão. Mas conheço também sua astronômica teimosia, sua autossuficiência de filho único, sua hybris (‘arrogância’ que provoca punição dos deuses nas tragédias), como apontou o Demétrio Magnoli outro dia. É trágico vermos o crescimento do erro.

Conheço bem o Serra e sei que ele não é ‘bonzinho’ e sorridente como mandam os marqueteiros.

O sorriso de Serra prometendo coisas na TV soa falso; o povão percebe que algo ali está faltando na fala dele. O que falta? Falta a sua sinceridade: Serra é zangado, ‘empombado’ e quer realmente fazer um bom governo. Teria de assumir isso, enquanto é tempo. Tem superar seu complexo de Édipo e chamar FHC para a campanha (o que não fizeram até agora), tem de mostrar com clareza, com imagens, o importantíssimo trabalho que fez como ministro da Saúde e não ficar dando sorrisinhos de Papai Noel na TV. O eleitor respeita gente sincera, cortante, corajosa. Ele tem de mostrar as aventuras populistas e falar das acusações que pesam sobre o Russomanno, como as supostas ações de falsidade ideológica, a acusação de seu uso indevido da advocacia, seu suposto envolvimento com o Cachoeira.

E mais: ele errou ao subestimar o papelucho que assinou na TV dizendo que não abandonaria a Prefeitura. O povo não perdoa o descaso com que tratou o ridículo juramento. Ele tinha sim de chamar testemunhas, até religiosos e juristas e, fazendo um pouco o jogo do populismo ‘midiático’, jurar solenemente diante de todos que jamais largará a Prefeitura.

Serra tinha de cumprir sua melhor promessa, quando se lançou em 2010: “Se vierem com mentiras, responderei com verdades”.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luciano Prado

08 de setembro de 2012 às 01h05

Jabor é pago para ser serviçal. Gente de sua intimidade diz que ele não nega isso.
Ganha para ser um canalha alegre.

Responder

Rogerio

06 de setembro de 2012 às 15h54

O que o serra tem de enorme mesmo é a rejeição e não competência.

Responder

thiago

06 de setembro de 2012 às 14h23

Tanto Serra quanto FHC são 2 cadáveres políticos, estando sempre associados a um tempo de atrazo e desigualdade. Sabe que me da ate pena do PSDB, conta com o AECIO cana brava, Serra rejeição e FHC ressentido

Responder

alex

06 de setembro de 2012 às 11h24

Oi, Miguel..como vai?
No blog Conversa Afiada tem um post:
“Folha abduziu Lula em BH”
íncrivel o nível de comprometimento da nossa mídia brasileira.
veja:
http://www.conversaafiada.com.br/pig/2012/09/06/folha-abduz-lula-em-minas/

Responder

alex

06 de setembro de 2012 às 11h19

hahahahahaha … Esse Jaburrrrrr…quáquáquá

Responder

rildoferreiradossantos@gmail.com

06 de setembro de 2012 às 10h56

Caramba!!! Leu esta?

“Dilma entra na briga partidária
MERVAL PEREIRA
5.9.2012 15h43m
Presidente Dilma não deveria ter saído com nota oficial em defesa de Lula. Em artigo publicado no último domingo (3), FHC criticou o governo do sucessor na presidência.É uma disputa partidária, e a Presidente agiu como uma filiada ao PT e não como governante. Agindo assim, ficou bem com parcela do partido que se incomodava com seu bom relacionamento com o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso”.

O que esse cara queria? Que Dilma confirmasse a estapafúrdia estória do FHinvenjoso? Loucura?

Responder

    Miguel do Rosário

    06 de setembro de 2012 às 11h04

    Li sim, Rildo. É porque a Dilma tem se mantido discreta, o que vinha facilitando a tarefa da mídia de confundir a opinião pública, jogando Dilma contra Lula. A presisenta tem mais o que fazer do que ficar respondendo diariamente às fofocadas de jornais, mas dessa vez ela tomou uma atitude, e veio logo com um disparo no coração do líder adversário.

    Responder

Maria Tereza

05 de setembro de 2012 às 11h26

O Jabor esquece que quem inaugurou essa nova onda religiosa na política brasileira de forma escrota e totalmente irresponsável foi o próprio Serra na campanha contra Dilma em 2010 ele usou e abusou de figuras tão danosas ou mais do que o Edir Macedo como o Silas Malafaia e o falecido bispo Luizinho.

Responder

Mauricio

05 de setembro de 2012 às 10h54

É sinal do desespero. Serra já era: nem o apoio maciço da midia resolve.

Responder

    alvaro

    06 de setembro de 2012 às 14h34

    Segundo li, parece que o Serra vai adotar a sugestão do Jabor e colocar o FHC na sua campanha e propaganda eleitoral. Agora vai… pro buraco de vez.

    Responder

Pedro Cruz

04 de setembro de 2012 às 20h58

Vamos lá campanhna do Cerra. Para virar o jogo, pelamordeDeus, troquem o comando da campanha. Chamem FHC, Jabor e Demétrio Magnoli, JÁ. Eu não acredito que exite alguem capaz de produzir, de elaborar, tamanha obra prima. Esse texto é o “most”, é coisa de jenio.

Responder

oliveira

04 de setembro de 2012 às 19h59

Será que se o Serra perder em SP o Jabor, o Reinaldo e o Merval morrem do coração? Ops! Não estou desejando mal a ninguém, visse Migué?

Responder

alvaro

04 de setembro de 2012 às 16h32

Discordo da análise do ex-cineasta em gênero, número e grau. Mas apóio com fervor sua proposta para o Serra de colocar o ex-presidente Fernando Henrique em sua campanha para prefeito. De preferência em grandes out-doors com foto dos dois juntos e com o ex-presidente pedindo votos para o Serra na propaganda eleitoral da televisão.

Responder

Alexandre

04 de setembro de 2012 às 14h47

Como é que pode darem espaço pra esse imbecil do Jabour. Esse cara é hipócrita demais.

Responder

Joel Pereira dos Santos

04 de setembro de 2012 às 14h33

O que Jabor não identifica, por ser Serrista, é que houve uma modificação de postura do eleitor.

Responder

@migueldorosario

04 de setembro de 2012 às 14h12

Jabor diz que Serra tem “enorme competência” e “amor ao progresso” http://t.co/uYbAFeKj

Responder

Deixe um comentário