Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

O julgamento do mensalão foi uma vitória de Pirro para a oposição?

Por Miguel do Rosário

13 de outubro de 2012 : 20h14

Pirro, rei de Épiro e da Macedônia, foi um dos mais renhidos adversários dos romanos, quando estes ainda lutavam com dificuldade para estabelecer sua hegemonia no mundo antigo. Numa batalha de grandes proporções ocorrida na costa da Itália, o exército de Pirro derrotou os romanos. No entanto, quando um indíviduo cumprimentou Pirro publicamente pela vitória, o rei – para surpresa geral – respondeu com tristeza: “mais uma vitória dessas e estamos perdidos”.

É que a vitória aconteceu ao custo de tantas vidas que debilitou irremediavelmente as forças militares de Pirro. Enquanto isso os romanos, que haviam perdido a batalha, recompunham rapidamente seus exércitos, e se preparavam orgulhosamente para novos combates.

Daí surgiu a expressão “vitória pírrica“, ou “vitória de Pirro”, usada sempre que o preço da vitória é alto demais, e numa conjuntura que corresponde, enfim, a uma derrota.

A condenação de Dirceu e Genoíno, que integravam a cúpula do governo e do PT no início da era Lula, foi seguramente uma importante vitória da oposição. No entanto, alguns fatos nos permitem cogitar a hipótese de que esta foi uma espetacular vitória pírrica.

Em primeiro lugar, o custo da vitória foi bem alto. Durante sete anos, a mídia mobilizou todo seu formidável aparato de pressão. De 2005 até aqui, as forças de oposição, que tem na mídia seu principal representante político, gastaram uma quantidade monstruosa de munição, e na reta final do julgamento, os investimentos triplicaram-se. Por fim, ministros do STF tiveram que: brandir teorias extemporâneas sobre “domínio de fato”, tese que é usada em situações de guerra, e mesmo assim tem sido contestada inclusive pelos juristas que a criaram; relativizar a importância da existência ou não de provas; e inverter alguns princípios fundamentais dos cânones, como a presunção da inocência.

O STF ficou manchado pela suspeita de covardia perante a publicidade opressiva dos meios de comunicação, reacionarismo sectário e oportunista, arbitrariedade, incompetência, e por fim, seus os ministros receberam do sempre elegante professor Wanderley Guilherme dos Santos, um epíteto fortíssimo e justíssimo: “analfabetos funcionais em doutrina democrática”.

As lideranças dos principais partidos assinaram manifesto criticando a politização do julgamento do mensalão, e as redes sociais explodiram com manifestações de revolta pelo arbítrio midiático, quase golpista, de vários ministros, sobretudo Ayres Britto e Celso Mello, que transformaram a plenária do STF numa tribuna do mais vulgar, desvairado e hipócrita proselitismo político.

Ou seja, houve dano, sim, e profundo, à imagem do STF, junto a um imenso contingente de cidadãos, entre eles alguns da mais alta categoria, como Wanderley Guilherme, fundador da ciência política no Brasil e um dos maiores especialistas em democracia no mundo.

E as eleições? Em meio a um julgamento espetacularizado ao máximo, o partido que, em tese, mais deveria sofrer, foi o que mais ganhou. O PT se tornou a legenda mais votada no país e periga vencer na fortaleza da oposição, São Paulo.

O povão, aquele que não lê os artigos de Wanderley, nem os de Arnaldo Jabor, mas assiste à TV Globo e acaba, de uma forma ou outra, tendo como único meio de informação os veículos da grande mídia, esse povão, como está interpretando o julgamento da Ação Penal 470?

Não seria uma dessas incríveis ironias da história que o povo, que invariavelmente festeja a condenação de graúdos, independentemente se são inocentes ou não (até porque o povo entende, muito astutamente, que não existem inocentes na política), não seria engraçado que este povo, inconscientemente, credite este “avanço” democrático à Lula, à Dilma, e a seu campo político?

O povo não quer saber se Dirceu é inocente ou não. Como diria Pascal (com indisfarçável ironia), o povo tem opiniões muito saudáveis, e entre estas a de não perdoar ninguém. Está na mídia, é culpado. É réu num processo por corrupção? É culpado. No entanto, a visão cínica do povo é realmente democrática. Ele não vê inocência em parte alguma. Se gosta de Lula, jamais foi por ver Lula como inocente, e sim como um político astuto o suficiente para chegar à Presidência, vencer seus adversários e fazer um bom governo.

E assim, não estaria o povo interpretando o julgamento do mensalão como mais uma conquista trazida pela era Lula? E o povo, mais uma vez, tem ideias saudáveis, porque, de fato, dificilmente veríamos situação similar se a direita estivesse no poder. A direita jamais indicaria, como fez Lula (ingenua e equivocadamente, agora vemos), o primeiro escolhido de um Ministério Público fortemente conservador. FHC catou seu procurador de um longínquo sexto lugar. Jamais a direita apontaria ministros do STF que não fossem estritamente de sua confiança. Lula escolheu Joaquim Barbosa e Ayres Britto. FHC escolheu… Gilmar Mendes.

De resto, FHC tinha apoio na mídia, que embora também fizesse denúncias pontuais contra seu governo, não agia como principal partido de oposição. Jamais veríamos uma campanha tão sórdida e brutal sobre o STF e a opinião pública, se os réus fossem elegantes e respeitados caciques tucanos.

Então, de fato, a condenação dos réus do mensalão pode estar sendo vista pelo povo como mais um avanço “democrático” proporcionado pela era lulista. Ele não se envolve nos debates jurídicos e políticos ferozes tão acesos na mídia e na blogosfera. Ele se informa sobre o mensalão com interesse mediano, e vê, admirado, que pela primeira vez gente poderosa está sendo condenada duramente pelo STF. Nunca viu isso antes.  Viva o Brasil, pensa ele! Agora sim, os corruptos estão indo presos!

Essa tese explicaria porque o mensalão não prejudicou o PT, que, ao contrário, cresceu substancialmente nessas eleições e tem boa chance de ganhar em São Paulo.

A direita, por sua vez, demonstra perplexidade. Quanto mais grita “mensalão”, mais o PT cresce. Haddad já está 12 pontos à frente de Serra nas pesquisas de intenção de voto, quando consideramos apenas os votos válidos. E a maioria dos eleitores de Russomano, apontam as mesmas pesquisas, demonstram preferência pelo petista. Junto às classes liberais paulistanas (inclusive suas vertentes conservadoras ideologicamente), as estratégias baixas do tucano, como abusar do preconceito religioso e se pendurar no discurso da Veja e seus blogueiros de esgoto, surtirão efeito negativo. E os eleitores bem informados, mesmo aqueles que festejaram a condenação de Dirceu e Genoíno, sabem que Haddad não tem nada a ver com isso, assim como Serra não tem nada a ver com o mensalão do DEM ou com o mensalão tucano mineiro.

O povo, além de ter opiniões saudáveis, também é criativo, e pode votar no PT com mais convicção após o julgamento do mensalão: uns – uma minoria mais informada – por discordar do STF; outros por concordar, imaginando que o Supremo ajudou o partido a se livrar de seus corruptos.

São apenas teorias, mas que não são nada absurdas, a meu ver, visto que se encaixam nos resultados das urnas.

Para fechar o post com um toque cultural, cito uma frase de Espinoza, o teorema V do capítulo De Origine et Natura Affectuum, da Ética:

As coisas são de natureza contrária, ou seja, não podem viver no mesmo sujeito, na medida em que uma delas pode destruir a outra.

Eu interpreto essa máxima, trazendo-a para nosso contexto (data venia aos acadêmicos), da seguinte maneira:

Meditando se o julgamento do mensalão atrapalhou ou não o PT nessas eleições, entende-se que a única maneira de fazê-lo imparcialmente é avaliando o resultado das urnas. Se este mostra um grande crescimento do PT, temos uma realidade que prejudica a tese segundo a qual o julgamento atrapalhou o desempenho do partido. A frase de Espinoza (data venia de novo) significa, em síntese: é uma coisa ou outra. Daí, portanto, abre-se caminho para uma outra hipótese, surpreendente, e que corresponderia, como já disse, a uma divertida ironia histórica: pelas razões já apresentadas, o julgamento do mensalão ajudou o PT.  O que não significa que o povo seja leniente com a corrupção. Ao contrário, o povo é severo, inquisitorial, quando se trata de condenar acusados por desvio de verba pública. Mas o povo não é hipócrita, nem inocente. Sabe que há corrupção em todos os partidos, e votará naquele que, ao menos, registra a “fragilidade” democrática, quase virtuosa, de ter seus caciques – todos eles, inclusive Lula – expostos ao sol da justiça.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

P.P. Buxbaum (@ppbuxbaum)

15 de outubro de 2012 às 08h24

O julgamento do mensalão foi uma vitória de Pirro para a oposição? – http://t.co/V6CCWf0q

Responder

Leonardo

14 de outubro de 2012 às 21h44

Cara, você escreve muito bem. É um alento ler seus textos. Abraço!

Responder

    Miguel do Rosário

    14 de outubro de 2012 às 22h17

    Obrigado, Leo. Abraço.

    Responder

Peter

14 de outubro de 2012 às 20h24

E em Rio Grande da Serra o Claudinho da Geladeira, mesmo tendo sido apoiado pelo Lula e virado hit no YouTube, tomou uma sova do PSDB-DEM. Isto quer dizer que o Lula perdeu ? Não, não tem nada a ver. Eleição municipal não tem o apelo nacional que o texto remete. Ela è absolutamente provinciana. É jogo de “pre$entinho$”, empregos e empenho corpo-a-corpo. E obviamente o PT estando no Governo tem mais poder de fogo financeiro do que outros partidos. Basta ver quanto o PT gastou por voto nesta campanha e compare com os outros partidos. Já devem estar abrindo o Caixa 4 de tanta grana! Mostra que o autor não entende (ou não quer enxergar) nada de política como é feita no Brasil. Grana, meu jovem, é o nome do jogo. Neste ponto, relamente, o PT se parece muito com Roma. Sem escrúpulos, sem ética, sem respeito a ninguém. Somos o poder e ponto, se é nosso inimigo nossa obrigação é destruí-lo e não apenas derrotá-lo. Bem edificante o exemplo. Mostra exatamente o quão ditatorial o PT se deseja ser. Parabéns! :-)

Responder

    Miguel do Rosário

    14 de outubro de 2012 às 22h16

    Parabéns pela vitória em Rio Grande da Serra. ;)

    Responder

@emir_kaliq

14 de outubro de 2012 às 14h34

Ataque frontal ao STF ==>O julgamento do mensalão foi uma “vitória de Pirro” para a oposição: http://t.co/GyyX0iJv …por @Digger_1612

Responder

@EngCas

14 de outubro de 2012 às 10h48

O Cafezinho » O julgamento do mensalão foi uma vitória de Pirro para a oposição? http://t.co/BqNHSmeZ

Responder

Elson

14 de outubro de 2012 às 10h19

As vitórias do PT nas eleições municipais só provou que o povo opta por aqueles que defendem seus interesses e não tem medo de cortar a própria carne quando é necessário.

Responder

@rogerio_sinesio

14 de outubro de 2012 às 10h16

O julgamento do mensalão foi uma vitória de Pirro para a oposição? http://t.co/mEGtzi3g via @sharethis

Responder

@camaraempautadf

14 de outubro de 2012 às 00h07

O julgamento do mensalão foi uma vitória de Pirro para a oposição? http://t.co/zJfWd3b1 via @sharethis

Responder

Reinaldo Azeverde (@reinaldoazeverd)

13 de outubro de 2012 às 23h23

“@migueldorosario: O julgamento do mensalão foi uma vitória de Pirro para a oposição? http://t.co/ZupkhsF0” | e #FaçaAmorNaoFaçaSerra

Responder

@magnamoreira_

13 de outubro de 2012 às 23h18

Excelente análise –> @Digger_1612: O julgamento do mensalão foi uma vitória de Pirro para a oposição? – http://t.co/0R5H2owX

Responder

@Digger_1612

13 de outubro de 2012 às 22h54

O julgamento do mensalão foi uma vitória de Pirro para a oposição? – http://t.co/XVusgLcR

Responder

Érico Cordeiro (@ricocordeiro)

13 de outubro de 2012 às 22h37

O julgamento do mensalão foi uma vitória de Pirro para a oposição? – http://t.co/3HLGtIh2

Responder

spin

13 de outubro de 2012 às 20h29

Boa análise, de forma sintética várias questões foram alinhavadas. Em GO o candidato de Marconi Perillo todo dia martelava o lero lero do mensalão. Mas o povo não deu trela, e sabia que o Jovair Arantes era da turma do Cachoeira. Em Anápolis, terra do bicheiro, o PT teve votação perto de 90 por cento, e se trata do segundo ou terceiro maior colégio eleitoral do Estado, além de ser uma cidade fundamentalmente evangélica, que SP não se deixe levar pelo terrorismo malafálico

Responder

    Miguel do Rosário

    14 de outubro de 2012 às 22h15

    Pois é, Spin. O declínio do PSDB na conservadora Minas também é um sinal importante.

    Responder

migueldorosario (@migueldorosario)

13 de outubro de 2012 às 20h15

O julgamento do mensalão foi uma vitória de Pirro para a oposição? http://t.co/6lzwD9ud

Responder

Deixe um comentário