Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

E agora, Malafaia?

Por Miguel do Rosário

15 de outubro de 2012 : 15h51

 

Serra distribuiu material similar ao ‘kit anti-homofobia’ do MEC em SP

MÔNICA BERGAMO

COLUNISTA DA FOLHA

Atualizado às 13h33.

O candidato a prefeito de São Paulo José Serra (PSDB) distribuiu para as escolas paulistas, em 2009, quando era governador, um material semelhante ao que o MEC (Ministério da Educação), na gestão de Fernando Haddad (PT), começava a elaborar para combater a homofobia nas escolas.

O guia do governo de SP é assinado por Serra, pelo então vice-governador Alberto Goldman e pelo então secretário estadual de Educação, Paulo Renato Souza (Leia a notícia aqui)

Até um dos vídeos recomendados aos professores pelo kit tucano, “Boneca na Mochila”, é igual a um dos que, na época da polêmica com o MEC, foram criticados pela bancada evangélica, que ameaçou abrir CPI contra o governo de Dilma Rousseff caso o material fosse divulgado.

O MEC negou que este vídeo estivesse entre os que estudava adotar e a presidente suspendeu o programa.

Destinado aos professores, o guia tucano aconselha que eles mostrem aos alunos desenhos ou figuras de “duas garotas de mãos dadas, dois garotos de mãos dadas, uma garota e um garoto se beijando no rosto, dois homens se abraçando depois que um deles faz um gol e duas garotas se beijando”.

Logo depois, os professores deveriam perguntar aos alunos sobre as “sensações” que as imagens despertavam. E discutir com eles diversidade e homofobia.

“Explique que, em nossa sociedade, tudo o que foge a certo padrão de masculinidade e feminilidade é, muitas vezes, visto com estranhamento. E desse estranhamento surgem os preconceitos e, consequentemente, a discriminação.”

As orientações estão no capítulo “Medo de que?”, entre as páginas 48 e 53. (Leia a íntegra do kit tucano)

Serra hoje ataca o material do MEC, que chama de “kit gay”. Depois de se reunir com o tucano, na semana passada, o pastor Silas Malafaia, do Rio de Janeiro, disse que iria “arrebentar” Haddad divulgando o kit.

O material do MEC não chegou a ser distribuído por causa da reação da bancada de deputados evangélicos.

A Secretaria de Educação de SP disse ontem, em nota, que “não possui o kit anti-homofobia nem material assemelhado. Temas como violência, uso de drogas e combate à discriminação em todos os aspectos, inclusive sexual, são abordados em programas como o Prevenção também se Ensina e em outras atividades pedagógicas”.

Hoje, o órgão enviou nova nota à Folha em que afirma que o material anti-homofobia foi enviado apenas a professores, ao contrário do que ocorreria com kit do MEC.

O ministério, por sua vez, informa que os kits, caso fossem aprovados, iriam para 6.000 professores, e não para os estudantes.

No caso de SP, ele foi enviado aos professores orientando que eles mostrassem as imagens aos alunos, caso julgassem conveniente.

Íntegra da nota da secretaria

“A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo esclarece que o material “Preconceito e discriminação no contexto escolar” é distribuído apenas para a equipe docente das escolas, diferentemente do kit sobre homofobia, que foi produzido pelo Ministério da Educação para ser apresentado diretamente aos alunos.

Além de seu público-alvo não ser os estudantes, seu conteúdo se baseia em propostas de abordagens mais sutis de situações a serem discutidas. O uso desse material pelos professores não é obrigatório. Trata-se de um suporte para lidar com assuntos sensíveis, podendo o educador, a seu critério e da equipe pedagógica, aproveitar esse material na medida do seu planejamento, com acompanhamento da coordenação escolar.

Assessoria de Imprensa
Secretaria da Educação do Estado de São Paulo”

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marola

22 de outubro de 2012 às 15h25

Malafaia é indubitávelmente um crápula, mas tem seus bons momentos. Perguntado pela repórter da Folha se moraria em São Paulo respondeu de pronto – Deus me livre! Me pergunto, quantos votos o Serra perdeu entre os leitores da Folha depois de lerem uma resposta dessa? Com amigos iguais a esse, Serra não precisa de inimigos.

Responder

Miguelito (@__Miguelito_)

19 de outubro de 2012 às 10h25

E agora, Malafaia? – http://t.co/C3oKb8Xv

Responder

@Adir00

16 de outubro de 2012 às 08h06

E agora, Malafeia? http://t.co/FUSZjJOh

Responder

Érico Cordeiro (@ricocordeiro)

16 de outubro de 2012 às 00h10

E agora, Malafaia? – http://t.co/NZ1A4Jkp

Responder

Peter

16 de outubro de 2012 às 00h05

Só para início de conversa: para a esquerda a Folha é a favor ou contra o PT?

Tenho lido nos inúmeros blogs “chapa-branca”, comentaristas hidrófobos babando ódio a Folha como se ela fosse a responsável pelos seus dramas, desde influenciadora do STF até perseguidora, como Torquemada, dos lideres do PT. Agora mudou ou ela é apenas, como sempre foi, uma empresa interessada em vender mais jornal e ter mais lucro?

O artigo em tela tenta criar um paralelo entre um trabalho consciencioso que envolvia diversos problemas modernos (racismo, bullying, homossexualidade, etc.) e dirigido ao professor, com o famoso “kit-gay” dirigido diretamente aos alunos que ainda estão numa idade de formação e sem intrumentos mentais nem experiência para avlaliar o material imposto por gayzistas num claro esforço de formar adeptos da sua religião, mas com dinheiro público.

O assunto homossexualidade desperta discussões pois ele interfere com crenças, opções pessoais, questões de preservação da espécie e aspectos comerciais. Por isso ele ainda não está maduro para ser imposto a crianças sem um looongo trabalho de amadurecimento que só surgirá no final da adolescência.

Este assunto deve ser discutido sim, porém em esferas mais elevadas, buscando um acordo entre os diversos grupos envolvidos: educadores, profissionais de saúde, religiosos, ativistas, estudiosos, políticos, juristas, etc. Mas com absoluta certeza não ainda junto a alunos na idade pré-escolar. Isto é quase criminoso!

Desta forma, querer comparar um recurso educacional necessário para o professor poder trabalhar com alunos em necessidades com o “kit gay” destinado as crianças na escola, demonstra que a autora da coluna não leu nenhum dos dois materias e não tem nenhum compromisso com a verdade dos fatos. Ela simplesmente misturou alhos com bugalhos, cuja única serventia será seu uso como “munição” eleitoral e inúmeros debates escandalosos que eles esperam que sirva para vender mais jornal. Just business!

Como sempre, o PT vai perder mais uma oportunidade de discutir seriamente esse assunto, ao tentar reduzi-lo apenas na busca de votos. É como falava o Justo Veríssimo impagável personagem do falecido Chico Anysio: “o povo brasileiro que se exploda!” :-)

Responder

    Miguel do Rosário

    16 de outubro de 2012 às 18h09

    Segundo o Serra, quem está da publicação da matéria, é José Dirceu… ;)

    http://noticias.r7.com/eleicoes-2012/noticias/serra-nega-semelhanca-entre-kit-gay-e-programa-lancado-por-ele-em-2009/

    Responder

    J Fernando

    17 de outubro de 2012 às 12h02

    Ambos os materiais eram para professores e alunos do ensino médio.
    Dizer que um é para professor e outro para alunos já está na cota das falas de josé serra e sua secretaria (desementidos por reportagens publicadas à época).
    Você acha mesmo que uma matéria destas é prova da imparcialidade da folha de SP? Você é muito ingênuo ou se faz de desentendido.
    O jornal precisa vender e sabe que perdeu muitos leitores que são de esquerda (eu recebo as promoções da folha de SP e faço questão de informar que enquanto ela manter a linha editorial política atual jamais assinarei) e vez ou outra precisa mostrar que não é totalmente a favor do PSDB.
    Seus argumentos é de quem acredita que começamos agora (a reclamar da linha editorial da folha) e que não temos uma visão ampla do alinhamento jornalístico.
    Blogueiros como o Miguel estão há anos neste campo; não são amadores.

    Responder

@HumbertoVieira7

15 de outubro de 2012 às 22h53

E agora, Malafaia? – http://t.co/3rQPY5dV. Serra distribuiu material similar ao chamado “kit anti-homofobia”.

Responder

@boragan

15 de outubro de 2012 às 17h59

“@DrRosinha: Serra distribuiu material similar ao ‘kit anti-homofobia’ do MEC em SP > http://t.co/vlipNTYG”

Responder

@profgiba13130

15 de outubro de 2012 às 17h44

“@DrRosinha: Serra distribuiu material similar ao ‘kit anti-homofobia’ do MEC em SP > http://t.co/to9R5NlW

Responder

@marcelohk

15 de outubro de 2012 às 17h29

teto de vidro again RT @DrRosinha: Serra distribuiu material similar ao ‘kit anti-homofobia’ do MEC em SP > http://t.co/oLn3luqa

Responder

@DrRosinha

15 de outubro de 2012 às 17h28

Serra distribuiu material similar ao ‘kit anti-homofobia’ do MEC em SP > http://t.co/OvmULFcS

Responder

migueldorosario (@migueldorosario)

15 de outubro de 2012 às 15h51

E agora, Malafaia? http://t.co/LirzhXGN

Responder

Deixe um comentário para Miguel do Rosário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina