Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Van Gogh pintando, por Paul Gauguin

As chantagens da mídia

Por Miguel do Rosário

07 de novembro de 2012 : 12h32

Van Gogh pintando, por Paul Gauguin

Há várias maneiras de se chantagear uma pessoa, e talvez a mais eficiente seja através de sua vaidade. Não agredindo, mas afagando. Nesse julgamento do mensalão, tem sido incrível a volúpia com que a mídia tem acariciado o ego do relator Joaquim Barbosa. Hoje, por exemplo, Merval abre sua coluna com um louvaminha descarado de Barbosa, seguido por uma distorção mau caráter do que aconteceu à Lewandowski. O platinado diz que Lew “foi perseguido por populares” quando foi votar em São Paulo. O leitor imaginará o tranquilo juiz do STF sendo caçado nas ruas. Não foi assim. Uma senhora, certamente leitora de Merval, disse uma impropriedade, e depois um mesário, após o ministro votar, mencionou o nome de José Dirceu. O problema de Lewandoswki (e talvez também sua qualidade) é que ele, como todo progressista, é muito bonzinho. Fosse Gilmar Mendes, dava uma ordem de prisão imediata ao rapaz, por fazer propaganda política dentro do recinto eleitoral. Merval não conta, porém, que o rapaz conseguiu o endereço do ministro e foi até lá, pessoalmente, entregar uma carta pedindo desculpas a Lewandoswki e se dizendo “manipulado” por jornalistas.

Abaixo, trecho da coluna de Merval:

O STF e a sociedade

Por Merval Pereira
Em 7.11.2012 11h21m

Os relatos são de que o relator do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF) ministro Joaquim Barbosa continua recebendo manifestações de carinho por onde anda, e ele mesmo tem uma explicação para o fenômeno de popularidade em que se transformou: “Esse julgamento trouxe o tribunal para dentro das famílias e o resto do que vem acontecendo no plano pessoal é consequência disso. Há muito carinho por parte das pessoas”, comentou ontem, depois de alguns dias na Alemanha para tratamento de saúde que parece ter dado certo.

Sobre sua popularidade pessoal – é o maior vendedor de máscaras de Carnaval, o que demonstra que caiu no gosto do povo – disse apenas: “Sou simplesmente um cidadão que cumpre seus deveres e obrigações, nada além disso”. Barbosa estava de bom humor em Aracaju, onde participou do 6 Encontro Nacional do Poder Judiciário. Ele atribui a súbita popularidade que os ministros do Supremo ganharam a uma participação maior da sociedade nas questões jurídico-institucionais.

O acompanhamento do julgamento pela televisão tem, ao contrário, trazido problemas para o ministro revisor, Ricardo Lewandowski, que foi perseguido por populares quando foi votar nas eleições municipais. (…)

A coisa mais vulgar do mundo é um ministro do STF se regozijando em ser visto como uma celebridade. Não podemos ter uma corte superior aderindo voluptuosamente aos preconceitos mais baixos do vulgo. Num processo eleitoral, os candidatos dispõem de tempo e recursos, oferecidos inclusive pelo Estado, para explicar suas propostas e atacar as do adversário. Num julgamento como o do mensalão, assistimos mais uma vez um massacre político.

De qualquer forma, é curioso que Merval Pereira, principal analista político do Globo, tenha passado todo o segundo semestre falando de mensalão, deixando o processo eleitoral num segundo plano. A grande mídia apostou todas as suas fichas no julgamento. Perdeu.

A tentativa de envolver Lula é sinal de desespero. Muitos comentaristas da cena política passaram a falar em golpe. Primeiro Dirceu e Genoíno, depois Lula, depois Dilma.

Outro dia, o Nassif publicou um post onde relata que a visão do Palácio do Planalto é de que não há clima para golpismo, e que o fim do julgamento da Ação Penal 470, encerrando as transmissões ao vivo das plenárias, levará ao esvaziamento da “crise”.

Na minha opinião, eles não tem força para derrubar a presidente Dilma. Não passam nem perto disso. O objetivo é o mesmo desde que o mensalão lhes caiu no colo, oferecido gentilmente por Roberto Jefferson: sangrar o governo, enfraquecê-lo, e com isso manter sobre ele seu poder de chantagem. Não podemos dizer que não tem sido, ao menos em parte, bem sucedidos. Já derrubaram vários ministros, e produzem escândalos e crises com a proficiência de uma fábrica de salsichas da Bavária.

Entretanto, eu acho que há golpismo sim. Como de praxe, analistas da ultra-esquerda caminham de mãos dadas com os mais conservadores, ambos distorcendo notícias, divulgando interpretações enviesadas e negando qualquer golpismo.

Eu queria fazer uma pergunta a essas pessoas: o que elas acham que aconteceu em Honduras e Paraguai?

A América Latina é talvez um dos lugares do mundo onde a planta carnívora do golpismo se desenvolve com mais vigor. O tipo de golpismo que vimos em Honduras e Paraguai, no entanto, é bem mais sofisticado do que o visto há algumas décadas, com a tomada de poder por chefes militares.

Repito a pergunta: se houve um golpe em Honduras aplicado justamente pelo Supremo Tribunal de lá, porque não poderia haver aqui também?

Claro, não há condições “políticas”…

Certo, mas não haveria condições “institucionais”?

Se os segmentos conservadores criam um arcabouço institucional que permite um golpe “branco”, então para mim já temos um golpe. O dano à democracia se dá não apenas quando a derrubamos, mas quando a pomos em risco.

A partir de janeiro de 2013, todavia, legendas de esquerda ampliarão seu poder. Esperamos que todos invistam em projetos que ampliem o espaço democrático da comunicação social. A solução não vem apenas do governo federal. E acho que a solução deve ser construtiva, de ampliar a pluralidade midiática no país. Pregar o fim da Globo ou da Folha, para mim, não vai dar em nada. Nem Dilma nem a maioria do Congresso jamais concordará em aprovar alguma lei que cerceie o trabalho da imprensa, golpista ou não. Mas todos poderiam ser convencidos, facilmente, a liberar recursos para o desenvolvimento de novas formas de mídia. Esse tema deveria ser incluído na reforma política, visto que não existe política, nem processo eleitoral, sem comunicação. E não existe democracia sem comunicação democrática.

Cada prefeito, cada governador, cada presidente, deveria contratar um blogueiro profissional para defender seus pontos-de-vista, ideias, projetos, e fazer o contraponto político com seus adversários na mídia. E cada uma dessas instâncias deveria abrir editais públicos para que o município, o estado e o país tenham blogs e jornais independentes de qualidade. Temos que investir em rádios comunitárias, jornais de bairro, blogs, e quiçá mais periódicos impressos de grande circulação.

É preciso sim, que se criem leis para melhorar a qualidade da comunicação política nacional. São Paulo dizia que a lei cria o pecado. Tudo bem, mas outros pensadores nos ensinsaram que é também da lei que nasce a liberdade.

O PT, por exemplo, que irá administrar tantas cidades a partir de 2013, e detendo um conjunto admirável de vereadores, poderia passar da teoria à prática, e simultaneamente a seu discurso sobre regulação da mídia, poderia tomar medidas concretas, em âmbito municipal, para democratizar a comunicação política. PSB e PCdoB, que abrigam vozes muito fortes em favor da democratização da mídia brasileira, igualmente terão oportunidade para mostrar serviço neste sentido enquanto estiverem à frente de prefeituras.

***

Oposição perde espaço: Reproduzo abaixo um gráfico publicado no Estadão de hoje, ilustrando artigo sobre o declínio relativo da oposição no Brasil.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Under_Siege (@SAGGIO_2)

11 de novembro de 2012 às 21h17

As chantagens da mídia http://t.co/s0ay3Ra1 via @sharethis

Responder

Érico Cordeiro (@ricocordeiro)

07 de novembro de 2012 às 22h09

As chantagens da mídia – http://t.co/3DY8Mfla

Responder

Luiz (@LuizAlaca)

07 de novembro de 2012 às 16h11

As chantagens da mídia – http://t.co/xWLgVVpe

Responder

Douglas Otaviani Tôrres

07 de novembro de 2012 às 15h48

Do blog do Eduardo Guimarães :

Longe do Brasil por viagem de trabalho, não pude tentar obter maiores informações sobre matéria que li no blog de Luis Nassif quanto a uma posição espantosa do governo Dilma em relação ao comportamento escancaradamente partidarizado do Ministério Público Federal e do Supremo Tribunal Federal em conluio com a mídia e a oposição.

A saber: seria consenso no governo federal que, passado o julgamento do mensalão, a situação política tenderia a se acomodar e, portanto, as indicações da presidente para as vagas que serão abertas no STF e na Procuradoria Geral da República no ano que vem não teriam preocupação com a posição política dos candidatos a elas.

Caso se tratasse de uma declaração oficial da presidente ou de altos membros do governo, não haveria nada demais. Protocolarmente, não dá para a chefe de governo ou seus subordinados saírem pregando que os candidatos ao STF e à PGR sejam submetidos a escrutínio quanto a partidarismo.

No entanto, não se trata de uma declaração oficial. O que Nassif veiculou foi uma informação em off, ou seja, alguém do governo lhe passou tal informação. Essa é a parte espantosa. Não se trata de uma declaração meramente protocolar, mas, sendo procedente, de um autismo estarrecedor.

E não foi só: o PT arquivou manifesto que anunciou que publicaria contra o julgamento de exceção ora em curso no Supremo Tribunal Federal. Além disso, movimentos sociais como a CUT ou o MST não dão sinais de que irão às ruas contra a partidarização do STF e do MPF.

Pouco depois disso tudo, a oposição representou contra Lula na PGR pedindo que seja investigado (de novo) pelo mensalão. Trata-se da mesma PGR que o mesmo Nassif acaba de revelar, sob informações do advogado de Marcos Valério, que amaciou para tucanos e endureceu contra petistas, não indiciando os primeiros e indiciando os segundos.

Ora, ora… Alguém acredita que não está tudo acertado entre o doutor Roberto Gurgel, a oposição e os ministros adeptos do “domínio do fato” para réus filiados ou ligados ao PT e do In Dubio Pro Reo para tucanos e aliados de tucanos?

Alguém acredita, portanto, que existe a menor chance de o PGR arquivar essa representação por não conter nenhum fato novo? Claro que não. É óbvio que Gurgel, STF, mídia e os “doutos” e “inatacáveis” PSDB, DEM e PPS já têm tudo acordado. Lula será indiciado tão certo quanto o dia sucede a noite.

Voltemos alguns dias no tempo, a outra suposta declaração da presidente Dilma que se espalhou pelo Partido da Imprensa Golpista (PIG), no sentido de que seu governo só comprará briga contra o conclave golpista demo-tucano-midiático-judiciário se Lula for envolvido em um processo de exceção.

A liderança do governo na reação ao golpe por certo traria movimentos sociais como CUT, MST, UNE e outros para o embate. E, neste momento, o embate é bom e necessário.

Não só no front interno quanto no externo, pois a democracia está ameaçada quando instituições como Judiciário e o Ministério Público se aliam a partidos de oposição contra o partido que elegeu os últimos três chefes do Poder Executivo Federal.

O indiciamento de Lula em um processo absurdo – por estar sendo desencadeado sem nada além de fofocas de um condenado pela Justiça e de alguns jornais e revistas – é um ataque gravíssimo á democracia, comparável aos golpes “brancos” desfechados em países que foram segregados pela comunidade internacional – Paraguai e Honduras.

Tem que haver reação.

O lado bom do ataque a Lula é que fará as forças democráticas da nação despertarem, de forma a denunciarem ao mundo tentativa de golpe que, sem dúvida, pretende chegar à própria Dilma Rousseff, quem, sem esse estratagema da direita, irá se reeleger com folga em 2014. Então que venham. Será até melhor.

Responder

    Miguel do Rosário

    07 de novembro de 2012 às 18h17

    Olá Douglas, eu concordo com o Eduardo, e vou até mais longe. Acho que o golpe já ocorreu, está ocorrendo. Entretanto, sobre a opinião do Palácio, é tudo ainda muito disse-me-disse. Todos os sinais apontam para uma mobilização, tanto do governo quanto de partidos, para introduzir mudanças democratizantes na comunicação brasileira, aí incluindo os direitos à defesa da honra, um ponto fundamental. Como fazer isso, todavia, como contornar o muro da vergonha que a mídia criou para blindar qualquer modernização no setor, creio que é uma estratégia em debate.

    Responder

AndreazaBH

07 de novembro de 2012 às 14h50

Olá Miguel.
Se vc tiver um tempinho,dê uma olhada nesse roda viva “de Jornalistas”.
Quando eles(os Jornalistas)são alvo de um jornalismo “fiteiro”,a coisa muda de figura…

http://www.youtube.com/watch?v=–pvrcWJIK0

cutted_685_mariosergioconti_12601502171263843002

Grande Abraço

Responder

    Miguel do Rosário

    07 de novembro de 2012 às 18h18

    Valeu, Andreaza, vou ver sim.

    Responder

migueldorosario (@migueldorosario)

07 de novembro de 2012 às 12h32

As chantagens da mídia http://t.co/V9iOE0YG

Responder

Deixe um comentário