Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Lorenzo de Medici pós-moderno

Por Miguel do Rosário

04 de dezembro de 2012 : 11h52

Esse artigo do Eric Nepomuceno, na Carta Maior, abriu meus olhos para a importância da Ley dos Medios argentina para fechar um ciclo histórico que teve início com os golpes militares em toda América Latina. Os dois grandes gigantes da mídia argentina, La Nacion e El Clarin, são crias do regime totalitário, o qual apoiaram e por ele amplamente beneficiados. Assim como a Globo no Brasil, o Clarin entrou na ditadura como um jornal convencional, e ao final dela emergiu como um poderoso e multitentacular conglomerado a pervadir e dominar todos os setores da comunicação social e cultura de seu país.

Agora, inclusive, entendo um ponto que não estava claro para mim antes. Uma vez, cheguei mesmo a criticar o que eu considerava os “excessos” de Cristina Kirchner. Eu estivera em Buenos Aires e ficara impressionando com a qualidade do caderno literário semanal do Clarin, que é quase uma revista, com ensaios bem escritos, contos inéditos de escritores novos ou consagrados; um suplemento notável e que faz jus à fama – merecida, aliás – argentina de ser o maior celeiro de bons escritores ao sul do Rio Grande.

Eu me lembrei de um fato histórico importante. No clássico de Jacob Burckhardt sobre o renascimento, o autor narra o declínio dos ideais democráticos que haviam florescido nas grandes cidades italianas. Em seu lugar, surgem tiranos implacáveis, genocidas, sádicos e caprichosos, cujo poder fora conquistado, quase sempre, à custa de golpes sujos, assassinato, traições. Eram usurpadores no sentido mais pleno do termo. No entanto, mesmo desprezando a opinião do povo, tinham que conquistar, ao menos, a simpatia das camadas mais cultas e abastadas da sociedade.

Então o que eles fizeram? Investiram pesadamente em cortes suntuosas, patrocinaram poetas, artistas, músicos. Construíram palácios de arquitetura magnífica. Burckhardt explica que era uma estratégia para compensar a falta de legitimidade. O séquito de poetas que os rodeavam lhes ajudavam a transmitir uma nobreza artificial, mas poderosa e eficiente.

Não quer dizer isso que a ausência de democracia ajudou a arte. Ao contrário, Dante Alighieri e Michelangelo só foram possíveis numa Florença que, durante séculos, fora uma ilha de democracia e prosperidade numa Europa imersa em trevas. E o renascimento italiano entra em decadência exatamente no momento que tiranias começam a pipocar na península.

Ditaduras de direita prejudicam severamente a criação artística, por vários motivos:

  •  Restringem a liberdade de expressão.
  • Pioram os índices de educação.
  • Pioram os índices de distribuição de renda.

As ditaduras de esquerda também prejudicam, mas sobretudo por causa do primeiro item.

Esta é a principal dificuldade hoje na luta para convencer a opinião pública brasileira de que é importante quebrar o monopólio dos grandes meios de comunicação. Dotado de incomensurável poder financeiro, os grupos midiáticos agem como uma espécie de Lorenzo de Medici pós-moderno (sem a generosidade deste): somente através de seu aval, os artistas conseguem ser bem sucedidos. Assim como naqueles tristes tempos de tirania, os artistas de hoje, de uma forma ou outra, continuam dependentes de um poder concentrado em mãos de poucos. No Brasil, onde ainda não temos uma classe média culta, esse é um problema ainda mais grave.

Mas há solução, e ela virá, como sempre, da natureza dialética da história. O fator político inscreve-se aí com muita força. A segunda geração das novas classes emergentes serão mais instruídas que seus pais, e mais exigentes, não apenas para consumir, mas para produzir. O número maior de produtores de cultura, e bons produtores, criará um sentimento crescente de mal estar diante da escassez de canais de acesso à população. O mal estar gerará insatisfação, pressão política e criação de meios alternativos. A blogosfera política de esquerda, hoje muito mais forte que sua congênere conservadora, é um sinal desses novos tempos.

A situação explica o conservadorismo crônico da classe artística. Ela é dependente dos Medici. E um artista que já conseguiu completar a sua formação cultural jamais perderá seu tempo se angustiando com outros que não se formaram. Quem já está dentro do baile não liga mais para os que esperam do lado de fora.

A mídia conservadora, por sua vez, usa a cultura como uma de suas mais importantes armas para se afirmar politicamente. Condescendentemente, abre espaço, de vez em quando, para a arte da periferia, mas sempre num contexto meio antropológico.

A concentração midiática, portanto, talvez explica a notável decadência da cultura brasileira, que parece ser um processo crônico, continuado, persistente, interrompido por soluços breves. Claro que continuamos produzindo músicos, cineastas e escritores de talento, mas numa proporção muito aquém da nossa demanda. Temos dificuldades especialmente para encontrar o equilíbrio sutil, raro, essencial, de unir uma grande qualidade artística com uma linguagem de acesso relativamente popular. Não confundir com vulgarização da cultura. Refiro-me à independência necessária de guetos acadêmicos e midiáticos, os quais, tradicionalmente, criam um universo cultural paralelo, que no Brasil chega a parecer esquizofrênico, de tão apartado da vida e dos anseios reais da sociedade.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Tadeu Alves (@tadeu_alves)

06 de dezembro de 2012 às 14h34

A velha Midia – Lorenzo de Medici pós-moderno – http://t.co/T6FVrZ3b — #PSDB #Dilma #Lula #blogprogRS #eblog

Responder

Érico Cordeiro (@ricocordeiro)

04 de dezembro de 2012 às 17h10

Lorenzo de Medici pós-moderno – http://t.co/Eopst1sY

Responder

josaphat

04 de dezembro de 2012 às 12h39

Ainda falta muito para o brasileiro médio ter substância cultural mínima para sustentar uma classe artística. Sofri na pele esta triste realidade do artista brasileiro: Só panela.
Transferir renda é uma coisa; cultura e educação é outra, né.
Diferentemente do você parece pensar, não reconheço em nossa atual estrutura político-partidária interesse por mudar a situação. Trabalhei por muito tempo em programas político culturais petistas nas periferias de BH e te digo: era conversa pra boi dormir: sem continuidade e com uma estrutura absolutamente horrorosa, só tendo o mérito de ser um pouco mais que a direita jamais fizera.
Não creio que os movimentos sociais (talvez o do campo?) possam reverter, por dentro, a situação caótica de ignorância generalizada.
A esquerda não sabe operar na qualidade e a direita quer a mesma qualidade só para si. O povo desdenha da cultura e empina o nariz na soberba da própria estupidez. A elite tem pavor da cultura popular e se fecha na hybris do egoísmo que lhe é peculiar.
Se é a elite, por meio da mídia, que detém o monopólio (tal como vc diz: tirânico) da produção cultural, que papel tem o estado nisso aí?
Se há um papel, está sendo ele efetivamente cumprido?
Como pode haver transformação cultural da sociedade, uma educação de qualidade sem enfrentar o poder midiático?
O PT se borra de medo.
Abraço!

Responder

    Miguel do Rosário

    04 de dezembro de 2012 às 13h27

    Concordo plenamente contigo. Acho lamentáveis, pobres, de forma geral, as políticas culturais dos governos, incluindo os petistas. Mas não espero nada do governo neste sentido, e sim que o crescimento econômico, de maneira melhor distribuída, traga um pouco de oxigênio a um setor que anda um tanto asfixiado pela burrice generalizada, concentração da mídia, e descaso geral das classes dirigentes.

    Responder

migueldorosario (@migueldorosario)

04 de dezembro de 2012 às 11h52

A situação explica o conservadorismo crônico da classe artística. Ela é dependente de Lorenzo de Medici. http://t.co/Wd7eTzlA

Responder

migueldorosario (@migueldorosario)

04 de dezembro de 2012 às 11h52

Lorenzo de Medici pós-moderno http://t.co/7QHALhqV

Responder

Deixe um comentário para migueldorosario (@migueldorosario)

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?