Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

Bomba! 72% da publicidade do governo na web vai pro PIG

Por Miguel do Rosário

21 de fevereiro de 2013 : 17h49

“Nós somos o que vocês foram; nós seremos o que vocês são”, era o refrão nacionalista dos esparciatas. Segundo Renan (o filósofo, não o alvo dos udenistas), essa frase, em sua simplicidade, seria o hino resumido de toda pátria. Ela representa uma verdade triste, gloriosa ou feliz, a depender do país e da maneira como seus líderes e seu povo superam os desafios.

Neste momento em que um campo político comemora dez anos de poder, eu acho que, mais importante do que louvar os avanços, é mais consequente, para a nação, discutir os erros. No caso da política de comunicação, e mais especificamente na política de comunicação para a internet, temos um quadro estarrecedor de retrocesso.

Eu passei a tarde inteira analisando os números da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom), de 2011 e 2012, compilando, editando, tabelando, sintetizando. Os resultados que obtive são surpreendentes. Faço aqui um recorte político, como eu acho que deve ser feito, porque na esfera da comunicação se discutem os valores que forjarão o caráter nacional. Entendam bem: não acho que os debates políticos devam ser liderados ou guiados por governos. Não acho que governos ou mesmos partidos tenham desenvoltura ou criatividade para guiar qualquer debate cultural, moral, político ou ideológico. Eles participam do debate, como qualquer um dos atores do circo social. Mas não o lideram. Isso é uma responsabilidade da sociedade civil.

Entretanto, num país cujo ambiente jornalístico foi devastado por grupos de mídia que apoiaram e sustentaram uma ditadura justamente para isso, para ampliarem seu poder e seu controle sobre o pensamento nacional, cabe ao Estado defender os princípios mais importantes da Carta Magna, o pluralismo político e a liberdade de expressão. É preciso, por assim dizer, reflorestar o meio ambiente jornalístico e cultural.

Infelizmente, não é isso a que estamos assistindo. Segundo a Secom, a maioria esmagadora da publicidade federal veiculada na internet concentrou-se em mãos de grupos de mídia conservadores, o famigerado PIG (partido da imprensa golpista). Se considerarmos que Globo, UOL, Folha, Estadão, Abril, RBS, e também as americanas Microsoft, Fox e Yahoo, podem ser classificadas, sociologicamente, na categoria PIG, então este recebeu, em 2012, nada menos que 72,2% de toda publicidade oficial investida na rede mundial de computadores, ou seja, R$ 4,77 milhões de um universo de R$ 6,6 milhões.

 

Observe que o site da Fox, um canal ligado à mais extremista direita norte-americana, recebe 40 vezes mais que o blog do Nassif. Apenas o UOL, pertencente ao grupo Folha, recebe 16% de toda publicidade federal voltada para a web. Não sabia que o site da Fox no Brasil era um dos mais visitados do país… Ou mesmo que o fosse, que merecia tantos recursos públicos.

O pior, contudo, ainda está por vir. Os mesmos grupos que drenam para si quase toda a verba federal veiculada na internet são os mesmos que recebem a maior parte dos recursos destinados para outras mídias. O PIB de 2012 pode ter sido fraco, subindo apenas 1,6% sobre o ano anterior (ou 1,35% em números dessazonalizados), mas a publicidade federal destinada às empresas do grupo Globo cresceu 36% em 2012, atingindo R$ 49,64 milhões, ou 43,6% de toda a publicidade federal no ano.

Os números da Secom não incluem estatais e agências reguladoras: referem-se apenas à publicidade da presidência e dos ministérios. A lógica que regula a publicidade das estatais, porém, é a mesma. Se considerarmos a publicidade de prefeituras, governos estaduais, além dos poderes Judiciário e Legislativo, todos seguindo a mesma tendência, pode-se inferir o tamanho do buraco que estamos cavando.

 

 

Em 2012, o governo aumentou em 110,2% a verba destinada à internet. Parece muito, mas não é, visto que o aumento da publicidade destinada a jornais cresceu mais, 120%. Ou seja, o único instrumento que a sociedade democrática possui para tentar reestabelecer o equilíbrio no debate de ideias, a internet, tem sido sobejamente negligenciado pelo governo. E uma reforma no direcionamento da publicidade federal não precisa, necessariamente, de uma nova regulamentação da mídia para ser levada a cabo (embora isso fosse o ideal). Precisa sim de vontade política e o senso de que há mudanças que não podem mais ser adiadas.

 

 

As verbas federais para internet, se comparadas à participação dos jornais, ainda são muito pequenas. A pluralidade e o alcance da internet hoje são muito superiores aos da imprensa escrita.

Alguém poderia me acusar de estar atuando em causa própria. Estou sim! Francamente, não consigo entender qual o estímulo ao pluralismo polítco e à liberdade de expressão existe em dar todo o dinheiro para Globo, UOL e Abril e quase nada para a blogosfera.  Ao contrário, o governo está contribuindo para a concentração midiática e para a pobreza de ideias. Nesse momento, em que a grande mídia começa a atacar diariamente a blogosfera, com editoriais agressivos, acusações hipócritas de receber dinheiro público (quando ela é que engole quase tudo), e até agressões jurídicas, como a feita por Ali Kamel contra Rodrigo Vianna, e o processo da Folha contra o blog Desculpe nossa Falha, é muito decepcionante que um governo supostamente de esquerda, e que também supostamente representa o campo popular, se posicione, na prática, ao lado de nossos adversários.  O preço político por esse erro não será pago apenas pelo PT, mas por todo o povo brasileiro. Este será vítima daquele que talvez seja a pior tipo de injustiça: através da manipulação astuta des informações, imagens, e símbolos, setores da mídia o convencem a agir contra si mesmo.

 

PS: Hoje o Cafezinho era pra ser exclusivamente para assinante, mas a importância do assunto me obriga (com muito prazer, aliás) a publicar um post de conteúdo livre. Mesmo assim, não deixe de fazer uma assinatura para que este Cafezinho continue forte e combativo!

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

@jmarciotavares

04 de abril de 2013 às 12h57

72% das verbas com publicidade vai para o PIG http://t.co/KlZV7yTCnk

Responder

@jmarciotavares

04 de abril de 2013 às 12h57

O cafezinho: http://t.co/KlZV7yTCnk

Responder

JOSÉ MARCIO TAVARES

04 de abril de 2013 às 12h56

Fora Helena Chagas. Ela é do tempo que se escrevia chimica.

Responder

Marco Santo

22 de março de 2013 às 07h19

Temos que iniciar a CAMPANHA REGULA DILMA, não dá para aguentar os senadores Alvaro Dias e o tal dos 300.000 diariamente na tribuna do Congresso acusando a blogsfera de que somos pagos pelo Governo. Pau neles..

Responder

@nadiiiane

13 de março de 2013 às 22h53

72% da publicidade do governo na web vai pro PIG – http://t.co/SwDw36CFn6

Responder

Mauricio

12 de março de 2013 às 09h07

Helena Chagas é GLOBO !!! Fora com ela

Responder

@SillerGunther

22 de fevereiro de 2013 às 21h03

@Prof_Adail / Veja isso: http://t.co/nKrvmQIrwK

Responder

Luiz (@LuizAlaca)

22 de fevereiro de 2013 às 10h14

É foda! E esses fdp chama os blogueiros de “sujos” “pagos” para defenderem o governo petistta http://t.co/1e3qcvG6Ly

Responder

Luiz (@LuizAlaca)

22 de fevereiro de 2013 às 10h11

Bomba! 72% da publicidade do governo na web vai pro PIG – http://t.co/1e3qcvG6Ly

Responder

Adir Tavares (@Adir00)

22 de fevereiro de 2013 às 09h16

Bomba! 72% da publicidade do governo na web vai pro PIG http://t.co/jCOBywlncA

Responder

@jfmacedo

22 de fevereiro de 2013 às 01h55

Bomba! 72% da publicidade do governo na web vai pro PIG – http://t.co/BNCuLCyoBj

Responder

Pedro Henrique

22 de fevereiro de 2013 às 00h58

Assim a vaca vai pro brejo mais rápido.
Quem pagará a conta é o sofrido povo brasileiro.
Quando a área de comunicação social do governo é comandada por espertos servos da imprensa da direita esta acima o resultado.
Apanham e querem apanhar mais são masoquistas e nem reagem.
Enquanto isso na Argentina a Cristina honra e faz valer os votos recebidos dos argentinos.
Aqui não se pode ficar sem novelas, futebol, big brother, aliás povo sem ópio começa a pensar.
O único que enfrentou a Globo e quem ela representa foi o Leonel Brizola.

Responder

@blogdoailton

21 de fevereiro de 2013 às 18h18

Contrariando o que diz certos colunistas do PIG, 72% da publicidade do governo Dilma na web vai para o PIG… http://t.co/Z9lHkq3Cv2

Responder

@blogdoailton

21 de fevereiro de 2013 às 18h14

Olha como o governo Dilma é bonzinho com o PIG… http://t.co/Z9lHkq3Cv2

Responder

@marcelocostabh

21 de fevereiro de 2013 às 18h04

O governo federal capricha na burrice RT @migueldorosario: Bomba! 72% da publicidade do governo na web vai pro PIG http://t.co/NmwwEWdaGD

Responder

H.92

21 de fevereiro de 2013 às 17h55

Bolsa Golpe…

Responder

migueldorosario (@migueldorosario)

21 de fevereiro de 2013 às 17h50

Bomba! 72% da publicidade do governo na web vai pro PIG http://t.co/kR6lfrLEb3

Responder

Deixe uma resposta