Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Joaquim faz a festa dos golpistas

Por Miguel do Rosário

04 de março de 2013 : 13h36

Golpistas da mídia comemoram entrevista de Joaquim Barbosa

Uma previsão auspiciosa – EDITORIAL O ESTADÃO

O ESTADO DE S. PAULO – 02/03

É auspiciosa a previsão de que, no que depender do Supremo Tribunal Federal (STF), as sentenças a que 25 réus do mensalão foram condenados começarão a ser cumpridas até julho. Mas chamam ainda mais a atenção as duras críticas feitas pelo ministro Joaquim Barbosa à “frouxidão” do sistema penal brasileiro e ao estado “caótico” do sistema prisional, durante entrevista concedida a correspondentes estrangeiros.

A previsão de que os mandados de prisão dos mensaleiros condenados deverão ser expedidos até julho é auspiciosa porque o julgamento da Ação Penal 470, que mobilizou a opinião pública nacional, teve o dom de, em grande medida, restabelecer a confiança dos brasileiros em pelo menos um dos Três Poderes da República.Mas esse sentimento de que a Suprema Corte deu um grande passo para acabar com a impunidade dos poderosos já começa a se dissipar, diante dos indícios de que as abundantes brechas do nosso sistema processual penal permitiriam jogar para um futuro imprevisível o cumprimento das penas. Muitos já apostam, por exemplo, que os deputados federais condenados terão tempo suficiente para chegar ao fim de seus mandatos, daqui a quase dois anos. Ou seja: os poderosos continuariam a ser beneficiados por um sistema penal que só costuma ser rigoroso com os mais comuns dos cidadãos. É bom saber, portanto, que o presidente do STF não pretende frustrar as expectativas de quem acreditou no poder da Justiça.

Joaquim Barbosa colocou o dedo na ferida: “O sistema penal é muito frouxo. É totalmente pró-réu, pró-criminalidade. É um absurdo”. E previu: “Essas sentenças que o Supremo proferiu de dez, de doze anos, no final, elas se converterão em dois anos, dois anos e pouco de prisão, porque há vários mecanismos para reduzir a pena”. Da mesma forma que fizeram ao longo de todo o julgamento do mensalão, com toda certeza os interessados em desqualificar a decisão histórica do STF voltarão a acusar o agora presidente da Corte de conspirar contra as garantias constitucionais do cidadão, por ser pouco tolerante com as manobras procrastinatórias do processo penal e preconizar sistema mais rigoroso.O relator do mensalão deverá continuar sofrendo marcação cerrada dos “garantistas” de conveniência.

Mas é exatamente a frouxidão a que Barbosa se refere que permite ao deputado federal Natan Donadon (PMDB-RO), condenado pelo STF em outubro de 2010 a mais de 13 anos de prisão, por peculato e formação de quadrilha, continuar em liberdade quase dois anos e meio depois de ter sido sentenciado. Em janeiro o próprio Joaquim Barbosa, já presidente do Supremo, foi obrigado a indeferir o pedido de expedição do mandado de prisão de Donadon feito pela Procuradoria-Geral da República porque ainda não se havia cumprido todo o rito processual.

Por outro lado, faz parte desse contexto a precariedade do sistema prisional, que Barbosa definiu, com toda razão, como “caótico”. Até o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, fez pesadas críticas ao “inferno” representado pela perspectiva do cumprimento de uma pena privativa da liberdade no Brasil. Essa precariedade, explicou o presidente do STF aos jornalistas estrangeiros, é usada como argumento “para afrouxar aindamais o sistema penal”. A superpopulação dos presídios e cadeias públicas proporciona um verdadeiro circo de horrores que alimenta quase que diariamente o noticiário televisivo. Tudo isso pesa para aumentar a pressão dos que defendem um sistema penal mais leniente, baseado na lógica absurda de que uma maneira de diminuir a superpopulação carcerária é deixar mais criminosos em liberdade.

Quanto à intenção manifestada por Joaquim Barbosa de cumprir todas as etapas do rito processual da Ação Penal 470 até o fim deste semestre, de modo que os responsáveis pelo mensalão comecem a cumprir suas penas já a partir de julho, é conveniente lembrar que uma dessas etapas – aliás, a próxima – é a publicação do acórdão condenatório, que depende de que todos os ministros que atuaram no caso entreguem seus votos, inevitavelmente longos. Ou seja, ficará a critério de cada um colaborar, ou não, para o cumprimento da previsão do presidente Joaquim Barbosa.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Hermes

22 de novembro de 2016 às 11h29

Obrigado Barbosa.

Responder

Mensários do spin

05 de março de 2013 às 04h04

Esperem o presidente da Suprema Corte dos EUA ou de que qualquer outro pais convocando a imprensa internacional para entrevista coletiva ainda mais para adiantar votos em processo subjidice. Escancarou total o Babosa

Responder

Érico Cordeiro (@ricocordeiro)

04 de março de 2013 às 21h36

Joaquim faz a festa dos golpistas – http://t.co/LA9cWCwaqr

Responder

Pituca (@pituca_amiglo)

04 de março de 2013 às 14h40

Joaquim faz a festa dos golpistas – http://t.co/KSIGnDzKsN

Responder

migueldorosario (@migueldorosario)

04 de março de 2013 às 13h36

Joaquim faz a festa dos golpistas http://t.co/9SUHF7PJiQ

Responder

Deixe um comentário para Hermes

Viaje no Universo Profundo com o Telescópio James Webb O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno?