Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Barbosa e a síndrome do poder

Por Miguel do Rosário

09 de abril de 2013 : 13h07

QUE RESORTS HÁ EM CURITIBA OU BH, DR. JOAQUIM BARBOSA?

Pobre Joaquim Barbosa. Dá pena imaginar o choque que sofrerá quando se der conta de que é apenas um dos 200 milhões de brasileiros, não o dono do Brasil

Por Eduardo Guimarães, no blog Cidadania

9 DE ABRIL DE 2013 ÀS 12:55

O presidente do STF pôs associações de magistrados, OAB e até a Associação dos Delegados de Polícia de São Paulo (Adepol) em pé-de-guerra. Mas sua mise-en-scène acrescentou mais um tijolinho à imagem de grilo falante da República que vem erigindo.

Os vergonhosos convescotes patrocinados por empresas para as associações de juízes nos tais “resorts” em “grandes praias” conferem um falso sentido à conduta desairosa de Joaquim Barbosa na reunião com os representantes dessas entidades.

Todavia, ainda está por provar-se a teoria de que a criação de novos Tribunais Regionais Federais não passa de desperdício de bilhões de reais de dinheiro público.

Misturar os resorts aos quais grandes empresas cheias de ações na Justiça levam aqueles que julgarão as causas que interessam a elas com a criação de maior estrutura para o sobrecarregado Poder Judiciário, foi uma jogada que visou predispor o cidadão desatento.

Uma breve reflexão, porém, faz lembrar que falta estrutura à Justiça brasileira, razão pela qual ela é tão lenta.

O Brasil terá, agora, mais quatro Tribunais Regionais Federais – em Curitiba, Belo Horizonte, Salvador e Manaus. O Projeto de Emenda Constitucional 544, que criou os novos TRFs, teve origem em proposta do senador Arlindo Porto (PT/MG), em 2001. Mas a reivindicação tem pelo menos 20 anos no Paraná.

O que desgostou Barbosa e o levou a essa postura danosa ao país, então, não foi o interesse público, mas seus delírios de poder e sua egolatria, como ficou patente na reunião em seu gabinete na qual humilhou magistrados, quando bradou: “Não fui ouvido pelo Congresso!”.

Esse é o problema de Barbosa com os novos Tribunais Regionais Federais. Uma iniciativa do Congresso que tramita há tanto tempo e que é uma reivindicação antiga da Justiça fez com que o presidente do Supremo enviasse um ofício ao presidente da Câmara dos Deputados exigindo que o projeto não fosse aprovado.

A ousadia derivada dos delírios de poder de Barbosa ao tentar dar ordem ao Legislativo, porém, teve efeito inverso. No dia seguinte ao ofício, a PEC 544 foi aprovada por votação maciça — 371 votos a favor, 54 contra e apenas 5 abstenções.

Queira Barbosa ou não, a PEC modificou o formato da Justiça Federal brasileira. É uma realidade, não há retorno.

Que argumento o furioso presidente do STF apresentou contra a criação dos TRFs? Que serão construídos em “resorts” e “grandes praias” onde os que lá trabalharem desfrutarão de mordomias às custas do Erário.

Custarão caro? Alguém se perguntou qual é o custo da lentidão da Justiça?

Ora, faça-me o favor, doutor Barbosa!

A frase de efeito do presidente do STF busca açular o senso comum de uma sociedade insatisfeita justamente com a falta de estrutura da Justiça, mas é vazia como um balão de gás. Que “resorts” e “grandes praias” há em Belo Horizonte, Curitiba ou Manaus, dr. Barbosa?

A medida aumentará a capacidade de uma Justiça sobrecarregada. Abaixo, a nova estrutura do Judiciário Federal.

TRF-1 – Com sede em Brasília, passará de 13 para 6 estados: MT, GO, TO, PI, PA e MA, mais o DF.

TRF-2 – com RJ e ES, continuará igual.

TRF-3 – Ficará somente com SP.

TRF-4 – Com sede em Porto Alegre, ficará reduzido ao RS.

TRF-5 – Perderá SE, ficando com PE, CE, RN, PB e AL.

Os novos Tribunais serão o TRF-6, com sede em Curitiba e englobando MS e SC; o TRF-7, com MG; o TRF-8, com BA e SE; e o TRF-9, com sede em Manaus e jurisdicionando RO, RR e AC.

O Brasil precisa de mais estrutura para sua Justiça dar conta de uma carga de trabalho que qualquer um, por menos conhecimento que tenha sobre o tema, sabe que está acima de sua capacidade.

A frase sobre os “resorts” e “grandes praias” esconde o que motivou a decisão soberana do Poder Legislativo: a lentidão da Justiça brasileira.

O ególatra Joaquim Barbosa, portanto, em seus delírios de poder – fomentados por uma mídia que o está enlouquecendo com suas bajulações –, ficou contra a medida porque a considerou uma afronta a si.

Pobre Joaquim Barbosa. Dá pena imaginar o choque que sofrerá quando se der conta de que é apenas um dos 200 milhões de brasileiros, não o dono do Brasil.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Messias Franca de Macedo

13 de abril de 2013 às 15h53

Ministros do STF pedem a Barbosa análise de recursos do mensalão

Sábado, 13 de Abril de 2013 – 14:05

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) têm alertado o presidente da Corte, Joaquim Barbosa, sobre a resistência em levar a julgamento do plenário os recursos de réus do mensalão. Segundo a Agência Estado, integrantes do STF avaliam como um erro de Barbosa deixar pedidos da defesa engavetados com o objetivo de estender prazos de recursos contra a condenação. A avaliação é compartilhada até mesmo entre ministros que votaram pela condenação maciça dos réus. No final da sessão da última quinta-feira (11), o ministro Celso de Mello, decano do Supremo, ponderou com o presidente para que levasse a plenário os recursos movidos pelos advogados antes da publicação do acórdão do julgamento. Também participaram da conversa os ministros Dias Toffoli e Luiz Fux.

CACHOEIRA – perdão, ato falho –, FONTE: http://www.bahianoticias.com.br/principal/noticia/134811-ministros-do-stf-pedem-a-barbosa-analise-de-recursos-do-mensalao.html

####################

Não tardará o PIG também começar a exorcizar o monstro forjado – pela própria DIREITONA – que existe no Joaquinzão!…

Quem (sobre)viver, verá!…

… República da [eterna] OPOSIÇÃO AO BRASIL… ALOPRADA, AVARENTA, sanguessuga, LACAIA, ABJETA, GOLPISTA/TERRORISTA de meia-tigela, ABESTADA, ALIENADA, ALOPRADA, indecorosa, AÉTICA, traidora, despudorada, impunemente fascista, histriônica, MENTEcapta, néscia, antinacionalista, corrupta… ‘O cheiro dos cavalos ao do povo!’ (“elite estúpida que despreza as próprias ignorâncias”, lembrando o enunciado lapidar do eminente escritor uruguaio Eduardo Galeano)
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

@oliveirafatima_

11 de abril de 2013 às 01h09

Barbosa e a síndrome do poder – http://t.co/V9mtvuV0iJ

Responder

Messias Franca de Macedo

10 de abril de 2013 às 01h19

JANIO REVÊ O MENSALÃO.
O QUE FAZ DELE UM MENTIRÃO
Que ministros do STF terão a coragem de admitir que erraram ?

Publicado em 09/04/2013
em http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2013/04/09/janio-reve-o-mensalao-o-que-faz-dele-um-mentirao/

JANIO DE FREITAS

Questões para os juízes
Elementos novos incidem sobre pontos decisivos no teor da acusação do mensalão

OS MINISTROS do Supremo Tribunal Federal vão deparar com grandes novidades em documentos e dados, quando apreciem os recursos à sentença formal, esperada para os próximos dias, da ação penal 470 ou caso mensalão. Muitos desses elementos novos provêm de fontes oficiais e oficiosas, como Banco do Brasil, Tribunal de Contas da União e auditorias. E incidem sobre pontos decisivos no teor da acusação e em grande número dos votos orais no STF.

A complexidade e a dimensão das investigações e, depois, da ação penal deram-lhes muitos pontos cruciais, para a definição dos rumos desses trabalhos. Dificuldades a que se acrescentaram problemas como a exiguidade de prazo certa vez mencionada pelo encarregado do inquérito na Polícia Federal, delegado Luiz Flávio Zampronha. Inquérito do qual se originou, por exemplo, um ponto fundamental na acusação apresentada ao STF pela Procuradoria Geral da República e abrigada pelo tribunal.

Trata-se, aí, do apontado repasse de quase R$ 74 milhões à DNA Propaganda, dinheiro do Banco do Brasil via fundo Visanet, sem a correspondente prestação de quaisquer serviços, segundo a perícia criminal da PF. Estariam assim caracterizados peculato do dirigente do BB responsável pelo repasse e, fator decisivo em muitas condenações proferidas, desvio de dinheiro público.

Por sua vez, perícia de especialistas do Banco do Brasil concluiu pela existência das comprovações necessárias de que os serviços foram prestados pela DNA. E de que foi adequado o pagamento dos R$ 73,850 milhões, feito com recursos da sociedade Visanet e não do BB, como constou. Perícia e documentos que os ministros vão encontrar em breve.

No mesmo ponto da ação, outra incidência decisiva está revista: nem Henrique Pizzolato era o representante do Banco do Brasil junto à Visanet nem assinou sozinho contrato, pagamento ou aporte financeiro. Documento do BB vai mostrar esses atos sempre assinados pelo conjunto de dirigentes setoriais (vários nomeados ainda por Fernando Henrique e então mantidos por Lula). A propósito: os ministros talvez não, mas os meios de comunicação sabem muito bem o que é e como funciona a “bonificação por volume”, em transações de publicidade e marketing, que figurou com distorção acusatória no quesito BB/Visanet/DNA do julgamento.

A indagação que os novos documentos e dados trazem não é, porém, apenas sobre elementos de acusação encaminhados pela Procuradoria-Geral -aparentemente nem sempre testada a afirmação policial- e utilizados em julgamento do Supremo. Um aspecto importante diz respeito ao próprio Supremo. Quantos dos seus ministros serão capazes de debruçar-se com neutralidade devida pelos juízes, sem predisposição alguma, sobre os recursos que as defesas apresentem? E, se for o caso, reconsiderar conceitos ou decisões -o que, afinal de contas, é uma eventualidade a que o juiz se tornou sujeito ao se tornar juiz, ou julga sem ser magistrado.

Pode haver pressentimento, sugerido por ocasiões passadas, mas não há resposta segura para as interrogações. Talvez nem de alguns dos próprios juízes para si mesmos.

Responder

Messias Franca de Macedo

10 de abril de 2013 às 00h34

“Acusado é que prova inocência ficou no ‘acordão’?”
— Evandro Silva

“Visanet é estatal ficou no ‘acordão’ ?” — Hermes Persa

“BV ferra o Pizollatto e livra a Globo – isso está no ‘acordão’ ?”
— David Ogilvy

em http://www.conversaafiada.com.br/

Responder

Messias Franca de Macedo

10 de abril de 2013 às 00h24

“Vai que é teu, ‘cheirosos(as)’!”

######################

Tribunal da Justiça: Aécio é réu e será julgado por desvio de 4,3 bilhões da saude
TJMG confirma: Aécio Neves é réu e será julgado por desvio de R$4,3 bi da saúde
Por Rogério Correia em seu blog
05/04/2013

Em http://mariafro.com/2013/04/09/37159/

#####################

UMA OPOSIÇÃO PELO AMOR DE DEUS!…

… República da [eterna] OPOSIÇÃO AO BRASIL… ABESTADA, indecorosa, AÉTICA, traidora, despudorada, fascista, aloprada, alienada, histriônica, impunemente terrorista, MENTEcapta, néscia, golpista de meia-tigela, antinacionalista, corrupta… ‘O cheiro dos cavalos ao do povo!’ (“elite estúpida que despreza as próprias ignorâncias”, lembrando o enunciado lapidar do eminente escritor uruguaio Eduardo Galeano)
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

09 de abril de 2013 às 23h42

SUGESTÃO DE PAUTA PARA JORNALISTAS INVESTIGATIVOS!

O absolutamente impoluto, pudico ‘e vestal investiu’ (sic) contra os colegas [colegas?!] magistrados, em “cadeia” (idem sic) ‘nacioná’!

Imagine o pobre de um acusado nas mãos desse ‘CONDENADO’! [RISOS ESTONTEANTES]
Os magistrados por sua vez “demonstraram certo brio e um pouco de vergonha na cara” e emitiram uma nota. Segue um trecho da nota: Pede para sair, Joaquim!
Finalmente, os magistrados se levantam e decidem dar um basta ao desrespeito, à prepotência e às agressões de Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal. Numa nota assinada pelos presidentes das três associações nacionais de juízes, Nelson Calandra, da AMB, Nino Toldo, da Ajufe, e João Bosco de Barcelos Coura, da Anamatra, eles demonstraram indignação com a conduta de Joaquim Barbosa. “Como tudo na vida, as pessoas passam e as instituições permanecem. A história do Supremo Tribunal Federal contempla grandes presidentes e o futuro há de corrigir os erros presentes”, dizem os magistrados. Ontem, pela primeira vez na história, a Ordem dos Advogados do Brasil, também se posicionou contra um integrante do STF; ao 247, assessoria de Barbosa avisa que não irá responder as notas: “nenhuma linha”

QUEM SABER MAIS, ACESSE: http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/98445/Pede-para-sair-Joaquim.htm

(CÂMBIO: alguma central telefônica de um manicômio/hospício qualquer!… Sim, pode ser conveniado ao SUS!…)

E TEM MAIS HOSPÍCIO, perdão aos sãos tachados de loucos!

1- LEWANDOWSKI ANULA MANOBRA DE BARBOSA;

2- OAB SOLTA NOTA CONTRA AGRESSÃO DE BARBOSA – [a fotografia do Barbosa ao lado da namorada *advogada é um primor, “um luxo”, diria a ‘Malufista do Cansei’, Hebe Camargo! NÃO DEIXEM DE VER! Não, não estou recebendo ‘jabá’ dos editores do site Brasil 247! [MAIS RISOS]
*namorada advogada do tiete do PIG?! Infração? Possibilidade de nepotismo?!… A(de)n(do)s sujos nossos!];

3- Relator do projeto de lei que cria quatro novos tribunais regionais federais, senador Jorge Viana (PT-AC) confronta o presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, que classificou a aprovação dos tribunais de “sorrateira”; “O debate da matéria começou em 2002, e aí a gente ouve, divulgado em todos os veículos de comunicação… O que é ‘de maneira sorrateira’? Não fiz nenhum encontro sorrateiro, não fiz nenhuma negociata”, protestou o vice-presidente do Senado; “O presidente do Supremo também erra. Aliás, ele tem errado muito, xingando jornalistas e seus colegas juízes. Desta vez ele errou, e errou feio”, criticou Viana;

4- Luiz Nassif – Os motivos de Barbosa não dar prazo à defesa
“A postura de Joaquim Barbosa – impedindo prazo maior para a apreciação da defesa – não se deve ao seu conhecido espírito de torquemada. É mais que isso: é receio de que as inconsistências das acusações sejam expostas agora, não mais em matérias de blogs, mas nos próprios autos do processo”, analisa o blogueiro;

leia tudo isto e muito mais em: http://www.brasil247.com/

AGORA A SUGESTÃO: Joaquim, o vestal, condenou [com certa razão] as festanças Nababescas dos togados brasileiros. Domínio do fato (ibidemsic): orgia com dinheiro público! Cabe quais condenações? Perguntemos ao ‘Joaquim Truculento Barbosão’! Pois bem: o repórter investigativo faria uma varredura nos fichários de Hotéis, Spas &$ Resorts 5 (cinco) estrelas, pesquisando se um tal de ‘Joaquim Não Sei do Que Barbosa’ foi hóspede de eventos jurídicos bancados com o suor do povo brasileiro!…

… Que baita pauta, hein?!…

República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Octavio

09 de abril de 2013 às 13h43

A todo custo de desvios e mais desvios de verbas em construções que terão 5 anos para ser construídas e 15 para realmente saírem do papel, reestruturações, readequações de projetos devido a demora do término, milhões em desvios de verbas e por aí vai… Alguém perguntou a ele se ele não queria os projetos ou ele não queria da forma que normalmente são feitas as coisas no Brasil? pelas coxas como sempre… Ele pode ser um dos 200 milhões, mas é um dos poucos 10 que eu daria meu voto.

Responder

H.92

09 de abril de 2013 às 13h18

Qual o custo da lentidão do judiciário?

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina