Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Os elogios de Joe Biden

Por Miguel do Rosário

01 de junho de 2013 : 14h59

A visita de Joe Biden, vice-presidente dos EUA, foi bastante instrutiva. Em primeiro lugar, desmascarou de vez uma das farsas da imprensa de oposição, que tenta pintar a postura independente da política externa brasileira como exemplo de “antiamericanismo infantil” e “terceiro-mundismo”. Não é verdade. O Brasil tem, sim, procurado intensificar relações com países do eixo sul e ajudou a criar contrapesos internacionais importantes através da formação de blocos com outras nações emergentes.

Recentemente, a diplomacia brasileira conseguiu uma vitória extraordinária ao emplacar – contra a vontade de EUA e Europa – o novo diretor da poderosa Organização Mundial de Comércio (OMC), Roberto Azevedo.

Mas o Brasil não é bobo e jamais menosprezará a importância econômica dos EUA. A estratégia jamais foi voltar as costas para nosso big brother do norte, e sim se fazer respeitar para ser respeitado.

Além disso, desde a gestão Lula que o Brasil desempenha uma função de mediador político entre o império e os governos de esquerda da América Latina. O perfil moderado dos governos petistas, inclusive, nasce um pouco dessa necessidade.

Biden fez um elogio à presidenta Dilma que, ironicamente, nossos jornalões, sempre tão pró-americanos, estão escondendo com pavor:

“É possível ter democracia e desenvolvimento, dos quais todos se beneficiam. E essa é a magia do que vocês fizeram aqui, o que a presidenta de vocês está fazendo agora e a razão pela qual ela pode ter tão incrível influência bem além deste país.”

Enquanto alguns segmentos mais agressivos da mídia aumentam o cerco contra a presidenta, tentando descrevê-la como uma total incompetente, que não sabe nem falar, o vice-presidente dos EUA diz que ela se tornou uma das personalidades mais influentes do mundo.

Os rasgados elogios de Joe Biden à presidenta, à seu governo e à qualidade da democracia brasileira põem em cheque as aflições hariovaldianas de setores da imprensa e da oposição. Além do peso eleitoral positivo (sobretudo para classe média e empresariado), as palavras de Biden blindam o governo contra os tiros do ultraconservadorismo, porque elas são a prova definitiva de que é possível, sim, exercer uma política externa soberana, altiva e independente, e ser ainda mais respeitado pelas grandes potências.

Vice-presidente dos EUA diz que Brasil é exemplo de democracia
31/05/2013 – 13h00
Política
Danilo Macedo e Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse hoje (31), logo após a reunião que teve com a presidenta Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, que os dois países estão prontos para aprofundar relações. Depois de uma hora e meia de conversa, Biden destacou que o Brasil é um exemplo de democracia.

“A mágica do que está acontecendo aqui, a parte mais incrível da história do Brasil nos últimos 15 anos, é que vocês demonstraram para o mundo, e boa parte do mundo está lutando contra esse problema, que não é necessária a falsa escolha entre desenvolvimento e democracia”, disse.

Ele ressaltou que esse “dilema” entre democracia e desenvolvimento ocorre em várias partes do mundo e o Brasil pode ser uma influência para mostrar como é possível compatibilizar os dois temas. “É possível ter democracia e desenvolvimento, dos quais todos se beneficiam. E essa é a magia do que vocês fizeram aqui, o que a presidenta de vocês está fazendo agora e a razão pela qual ela pode ter tão incrível influência bem além deste país.”

Bem-humorado, Biden disse que Dilma, depois da conversa de hoje, provavelmente deve passar a gostar mais dele, apesar do bom relacionamento com o presidente Barack Obama. O vice-presidente norte-americano destacou que o propósito de sua viagem foi fazer formalmente o convite para que a presidenta Dilma faça uma visita oficial aos Estados Unidos e deixar clara a disposição para estreitar as relações entre dois países em todas as áreas, desde a militar, educação, o comércio, os investimentos diretos estrangeiros. “Não acredito que exista qualquer obstáculo que não possamos superar.”

Também acompanharam a reunião os ministros das Relações Exteriores, Antonio Patriota, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, de Minas e Energia, Edison Lobão, e a presidente da Petrobras, Graça Foster.

Biden vem ao Brasil a menos de cinco meses da primeira visita de Estado de Dilma aos Estados Unidos, em outubro. Para diplomatas, a visita de Biden deve ser interpretada como uma demonstração da relevância do Brasil no cenário internacional. Ao lado do secretário de Estado norte-americano, John Kerry, Biden é responsável por várias negociações internacionais.

Edição: Talita Cavalcante

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir o material é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

H.92

04 de junho de 2013 às 02h11

Por essa o PiG e muitos de seus zumbis, ops, telespectadores/leitores não esperavam. rs

Responder

Elson

02 de junho de 2013 às 06h36

Quem diria que que um loiro dos olhos azuis viria aqui dar um cala boca na nossa mídia, isso me faz lembrar a histórica de frase de Obama sobre Lula: “Esse é o cara!”

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina