Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Presidente da CNI rechaça pessimismo dos urubus

Por Miguel do Rosário

26 de agosto de 2013 : 10h51

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, rechaça o pessimismo crônico propalado pelos principais analistas econômicos do país e afirma que tem visto empresários e trabalhadores animados com o presente e confiantes no futuro.

A opinião de Andrade é confirmada estatisticamente. O índice de confiança do industrial, apurado mensalmente pela CNI, registrou alta substancial em agosto.

***

Em vez de otimismo, confiança

Análises devem ser lidas com ponderação. Não vislumbro desânimo. Há, sim, a noção de que existem problemas, mas também soluções

Por Robson Andrade, presidente da CNI.

Neste momento, existe uma clara dissonância entre o que dizem os agentes econômicos e os analistas.

Quando andamos pelo Brasil, vemos empresários e trabalhadores animados com o presente e confiantes em relação ao futuro, numa realidade distante do quadro negativo desenhado por economistas.

Micro e pequenos empresários, responsáveis por 99% dos negócios em funcionamento no país, continuam apostando no crescimento da economia e dos seus empreendimentos. Olhando para os avanços obtidos nos últimos anos e para o potencial do nosso enorme mercado, mantêm-se firmes.

Esse estado de ânimo afortunadamente positivo costuma passar despercebido das estatísticas, mesmo das que tentam medir a confiança do empresariado. É sabido que, diante de um entrevistador, as pessoas tendem a ressaltar aspectos negativos, até como defesa psicológica.

Os analistas apresentam uma crônica dificuldade de prever o que vai acontecer com a economia nacional. Não por falha em sua formação, que é ótima, mas porque ninguém inventou ainda uma bola de cristal. O Brasil tem incrível capacidade de recuperação e costuma surpreender.

Talvez por cacoete profissional, alguns tendem a ressaltar o lado negativo dos fatos. A demissão de um número razoável de empregados recebe destaque, enquanto a contratação de uma quantidade até maior de pessoas passa em branco.

Isso lembra uma declaração do papa Francisco sobre o mau comportamento de membros da igreja: “Uma árvore que cai faz mais barulho do que uma floresta que cresce”.

Se empresários e trabalhadores ficassem impressionados com o noticiário ou dessem excessivo crédito às previsões, iriam para casa esperar a catástrofe se realizar.

As análises devem ser vistas com ponderação. Para enxergar outras facetas do que vem acontecendo, nada melhor do que pôr o pé na estrada e conversar com as pessoas.

Visitando os Estados, vejo que as adversidades são superadas pela energia e vontade de dar certo. Não vislumbro desânimo nas palavras de empresários, tampouco de trabalhadores. Percebo, sim, a noção de que existem problemas, mas também caminhos e soluções.

Temos encontrado nos governos e no Congresso Nacional espaço para apresentar propostas. O diálogo tem sido franco e aberto.

Todos reconhecem a importância de retirar os obstáculos que dificultam o crescimento econômico do país.

O desemprego continua baixo e a inflação começa a ser controlada. A produção industrial voltou a crescer, assim como a agrícola. Os empresários estão ávidos por deixar a crise no passado e investir mais fortemente, criando mais empregos.

Os filósofos costumam dizer que não há garantias de que a história ande sempre em direção ao progresso. Não sou filósofo e o que vejo é um Brasil bem melhor do que o de 20 ou 30 anos atrás.

Nós, empresários brasileiros, acreditamos no avanço do país rumo ao pleno desenvolvimento. Cremos que a retirada dos entraves à competitividade vai nos levar inexoravelmente ao crescimento econômico mais vigoroso e duradouro, mesmo que enfrentemos eventuais reveses passageiros.

A variável estratégica, com certeza, é o investimento. Os dados mais recentes do PIB mostram que ele voltou a crescer com mais vigor.

É indispensável acelerar esse processo, reduzindo os entraves à implantação de novos projetos. Temos uma agenda para criar um ambiente mais favorável: reduzir os custos de produção e dar segurança aos investidores. Esse é o caminho.

Confiamos que o país que está sendo construído com esforços de todos será mais justo, próspero, educado e feliz. Os analistas provavelmente chamariam isso de otimismo exagerado. Eu chamo de confiança.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?