Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Folha defende ataque à Síria

Por Miguel do Rosário

02 de setembro de 2013 : 10h40

Que fique registrado nos anais da história brasileira, que a Folha de São Paulo, jornal que tem a maior circulação no país, e que mais recebe recursos dos governos federal e de São Paulo, publicou hoje um editorial em que apoia enfaticamente o ataque estadunidense à Síria.

É um apoio meio vazelina, ao estilo Folha de ser, mas explícito e total, acentuado ainda pela capa do jornal, que menciona o uso de gás sarin pelo governo sírio sem ressalvar que a informação é do Pentágono, não foi confirmada pela ONU, a qual, ao contrário, responsabilizou os rebeldes pelo uso de armas químicas. Outras fontes também tem apontado os rebeldes, que tem sido armados assumidamente pelos EUA, com apoio logístico da CIA.

Observe os seguintes trechos:

Já no subtítulo:

Embora descalabro sírio autorize intervenção, Estados Unidos terão de atuar sem aval da ONU e de forma pontual e limitada

Em seguida, após um pouquinho de vazelina, o jornal conclui:

A terrível situação na Síria configura, porém, um dos casos em que o morticínio maciço, cruel e endêmico faculta essa solução.

“Autorize intervenção”, “faculta essa solução”…

Abaixo a capa da Folha de hoje, e o editorial. A Secom vai continuar financiando, com dinheiro do contribuinte brasileiro, um jornal que defende uma guerra ilegal? Uma guerra não autorizada pela comunidade internacional da qual o Brasil faz parte?

Editorial da Folha, segunda-feira 02 de setembro de 2013

Agir, mas não muito

Embora descalabro sírio autorize intervenção, Estados Unidos terão de atuar sem aval da ONU e de forma pontual e limitada

Intervenções estrangeiras em países conflagrados, como esta que os Estados Unidos e seus aliados pretendem realizar na Síria, são duvidosas em legitimidade e eficácia. Não deveriam ser aceitas exceto em casos extremos.

O ideal seria que uma mesma lei, admitida por todos, regesse as nações –os Estados que a transgredissem seriam punidos pelo conjunto dos demais. Embora esse sonho pareça menos remoto do que no passado, as nações ainda vivem em estado de natureza; vale o poder do mais forte.

A Carta da ONU conferiu a cinco países –Estados Unidos, Rússia, China, Reino Unido e França– o direito de legitimar ações armadas, mas também deu a cada um deles o poder de veto. Raramente, por isso, o Conselho de Segurança alcança a unanimidade requerida.

Também do ângulo da eficácia ressaltam percalços. Por cirúrgica que seja, uma operação dessas produz vítimas inocentes e danos colaterais. Cria uma dinâmica imprevisível no país agredido, plantando sementes de ressentimento.

A terrível situação na Síria configura, porém, um dos casos em que o morticínio maciço, cruel e endêmico faculta essa solução. Ali, há dois anos e meio o ditador laico Bashar al-Assad está em guerra contra uma insurgência armada que impregnou a sociedade inteira.

O déspota recebe apoio da Rússia e do Irã, razão suficiente para ser hostilizado pela Turquia e pelas potências ocidentais. A guerra civil matou mais de 100 mil pessoas e expulsou 10% da população para fora das fronteiras sírias.

Atrocidades são cometidas pelo governo e pelas forças rebeldes. Parcela expressiva destas está alinhada ao extremismo islâmico. A gota d’água no sangrento impasse foi o alegado emprego de armas químicas pelo ditador no último dia 21, num ataque nas proximidades de Damasco que deixou mais de 1.400 mortos.

Era essa a linha vermelha que o presidente americano, Barack Obama, fixara como limite para que seu país não interviesse.

Mas os tambores da guerra tocam em surdina. Escaldados pelos atoleiros do Afeganistão (onde os EUA estavam certos) e do Iraque (onde estavam errados), os governos ocidentais tergiversam. O Parlamento britânico negou autorização ao premiê David Cameron, que se aprestava a agir. Resta o presidente francês, François Hollande, que ainda consulta o Legislativo.

O próprio Obama consultará o seu, embora se declare decidido. Não precisa de autorização para uma investida que, tudo indica, será breve e limitada, destinada a garantir credibilidade às ameaças que o Prêmio Nobel da Paz de 2009 anda distribuindo.

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?