Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

A nota pública de Henrique Pizzolato

Por Miguel do Rosário

17 de novembro de 2013 : 00h41

Entre todos os réus, o caso de Pizzolato talvez seja o mais estarrecedor. Porque há documentos e provas abundantes de sua inocência. Ele simplesmente não tinha nenhum acesso ao dinheiro da Visanet. Isso estava a cargo de seus superiores no Banco do Brasil.

A acusação de que recebeu suborno, por sua vez, é derrubada facilmente pelos seguintes  motivos:

1) O ato de ofício pelo qual se acusa Pizzolato, que seria transferir dinheiro para a DNA, não aconteceu. Ele não tinha poder para transferir nada à DNA, como provam os documentos, entre eles o já famoso Laudo 2828, escondido por Joaquim Barbosa e os procuradores, num ato criminoso.

2) Seu histórico financeiro e fiscal foi devassado. Ele foi o primeiro a abrir todos os seus sigilos, e nada foi encontrado.

3) Há documentos e depoimentos provando a versão de Pizzolato.

As versões de Pizzolato sempre foram confirmadas pelos fatos e pelos documentos. No entanto, ele foi condenado inclusive pelos juízes que absolveram outros réus porque a pressão contra Pizzolato nunca teve contrapeso político.

Era fácil condenar Pizzolato. Não era famoso. Não era poderoso. Fora sua família, formada por pessoas simples, ninguém choraria pelo arbítrio que o violentou.

Pizzolato é um homem comum, sem a aura guerrilheira, quase mística, de Genoíno. Sem o brilho intelectual e os contatos de José Dirceu.

Além disso, sempre foi um homem religioso, cordato e tranquilo. O cordeiro perfeito para ser encaminhado ao sacrifício. Só não contavam com uma coisa. Sua indignação, sua resistência. Em todos esses anos, ele não fez outra coisa senão estudar seu caso, reunir provas, colher documentos. Sempre com ajuda de sua esposa, a arquiteta Andrea Haas.

Aquele homem que todos reputavam frágil, descobriu em si mesmo a força mais poderosa de todas: aquela que nasce da necessidade de lutar pela sua honra.

Agora seu caso deverá ser julgado por um tribunal italiano, em tese imune às pressões midiáticas do Brasil, embora eu não duvide que os barões se esforçarão para estender seus tentáculos até lá.

A saga de Pizzolato é uma das lendas mais antigas da história. Um homem simples lutando por sua inocência.

Pizzolato hoje representa o maior perigo para os poderosos da mídia, porque do reexame de seu caso, e da quantidade de provas e documentos que reuniu, virá à tôna todas as maldades que se fizeram contra sua dignidade, e todas as mentiras que se contaram para lhe condenar.

E provada sua inocência, o mensalão desmorona. Porque se não houve desvio dos recursos da Visanet, e se o dinheiro não era público, então não há peculato, e toda a tese da acusação escorre pelo ralo da inépcia jurídica, da má fé judicial, e do mau caratismo criminoso do Ministério Público.

O caso de Pizzolato mostrará, quando esclarecido à sociedade, que a procuradoria geral da república e alguns ministros do STF prevaricaram e foram negligentes, incompetentes e covardes.

*

NOTA PÚBLICA DO PIZZOLATO:

Minha vida foi moldada pelo princípio da solidariedade que aprendi muito jovem quando convivi com os franciscanos e essa base sólida sempre norteou meus caminho.

Nos últimos anos, minha vida foi devassada e não existe nenhuma contradição em tudo o que declarei seja em juízo ou nos eventos pÚblicos que estão disponíveis na internet.

Em meados de 2012, exercendo meu livre direito de ir e vir, eu me encontrava no exterior acompanhando parente enfermo quando fui, mais uma vez, desrespeitado por setores da imprensa.

Após a condenação decidida em agosto, retornei ao Brasil para votar nas eleições municipais e tinha a convicção de que no recurso eu teria êxito, pois existe farta documentação a comprovar minha inocência.

Qualquer pessoa que leia os documentos existentes no processo constata o que afirmo.

Mesmo com intensa divulgação pela imprensa alternativa – aqui destaco as diversas edições da revista Retrato do Brasil – e por toda a internet, foi como se não existissem tais documentos, pois ficou evidente que a base de toda a ação penal tem como pilar, ou viga mestra, exatamente o dinheiro da empresa privada Visanet. Fui necessário para que o enredo fizesse sentido. A mentira do “dinheiro público” pára condenar… Todos. Réus, partido, ideias, ideologia.
Minha decepção com a conduta agressiva daquele que que deveria pugnar pela mais exemplar isenção, é hoje motivo de repulsa por todos que passaram a conhecer o impedimento que preconiza a Corte Interamericana de Direitos Humanos ao estabelecer a vedação de que um mesmo juiz atue em todas as fases de um processo, a investigação, a aceitação e o julgamento, posto a influência negativa que contamina a postura daquele que julgará.

Sem esquecer o legítimo direito moderno de qualquer cidadão em ter garantido o recurso a uma corte diferente, o que me foi inapelavalmente negado.

Até desmembraram em inquéritos paralelos, sigiloso, para encobrir documentos, laudos e perícias que comprovam minha inocência, o que impediu minha defesa de atuar na plenitude das garantias constitucionais. E o cúmulo foi utilizarem contra mim um testemunho inidôneo.

Por não vislumbrar a minha chance de ter um julgamento afastado de motivações político-eleitorais, com nítido caráter de exceção, decidi consciente e voluntariamente, fazer valer meu legítimo direito de liberdade para ter um novo julgamento, na Itálila, em um Tribunal que não se submete às imposições da mídia empresarial, como está consagrado no tratado de extradição Brasil e Itália.

Agradeço com muita emoção a todos e todas que se empenharam com enorme sentimento de solidariedade cívica na defesa de minha inocência, motivados em garantir o estado democrático de direito que a mim foi sumariamente negado.

Henrique Pizzolato

Leia também:
Cai a última acusação contra Pizzolato

slide-12-638 (1)_opt

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ronise Andrade

19 de novembro de 2013 às 22h57

Quem tem a mínima noção de direito sabe do absurdo deste julgamento. Conheço autoridades do meio jurídico que ficaram indignados com os rumos desta ação penal e se manifestam envergonhados com a justiça do país. O objetivo é derrubar o governo central. Não concordo com os erros que o PT cometeu, mas o julgamento não foi justo, Foi político com o objetivo claro de derrubar o governo central. Os comandantes deste espetáculo kafkaniano dançaram a dança dos perdedores e dançarão novamente, para desespero deles!!!

Responder

Eduardo Guerra França

18 de novembro de 2013 às 04h40

eu estou começando a acreditar que tem um namoro entre a globo e o stf

Responder

Rogério S da Cunha

17 de novembro de 2013 às 18h14

Estou começando a acreditar que todos os condenados do mensalão são anjos celestiais.

Responder

    Angelo G . Frizzo

    17 de novembro de 2013 às 19h18

    Não são todos anjos, mas são melhores que você. Ninguém conhece você.

    Responder

Libertad Martinez

17 de novembro de 2013 às 17h20

Si eso es verdade, sería la mayor inmoralidad!!

Responder

João Mapurunga

17 de novembro de 2013 às 17h20

O PT têm a presidência da República há mais de 10 anos, a maior bancada da Câmara dos Deputados, a segunda maior bancada do Congresso e indicou a maioria dos ministros do STF. Me explica então esses presos “políticos”.

Responder

Virginia Muniz

17 de novembro de 2013 às 17h05

Eu tenho medo!

Responder

Nikola

17 de novembro de 2013 às 12h15

O G1 publicou uma manchete dizendo que Pizzolato deixou “uma carta”. MAS, não publicou o texto !!
Está na cara que eles não querem que a população sequer desconfie do golpa.

Responder

Gil

17 de novembro de 2013 às 10h56

Miguel do Rosario

Nenhuma palavra, há dias e em muitos artigos seus sobre o Pizzolato, referentes ao dinheiro vivo que ele recebeu em mãos.
No inquérito e na condenação, está claro que ele recebeu dois envelopes com muito dinheiro, retirados por um mensageiro contratado por ele no Banco Rural.

Responder

Rui Gouveia Soares

17 de novembro de 2013 às 09h27

Em 1964, a verdade absoluta alardeada na mídia era de que, com a intervenção militar, um grande mal havia sido evitado no país.
Quase 50 anos depois, a história mostrou a verdade.
Para bom entendedor…

Responder

    Bob Cuspe

    17 de novembro de 2013 às 22h23

    Verdade?
    Poxa!
    Juro que eu queria ser esperto e bem informado como você é…
    Você lê revista Veja, Folha de São Paulo e assiste JN da Rede Globo né não???
    Puxa quanta admiração pela sua sapiência e grau de informação política…
    Chega a dar cólicas…

    Responder

João Mapurunga

17 de novembro de 2013 às 03h56

Liberdade aos presos políticos? Tu acredita mesmo nisso Rui?

Responder

Takeo Watashiwa Watashiwa

17 de novembro de 2013 às 03h19

#LiberdadeAosPresosPolíticos #PizzolatoInocente

Responder

    indio

    07 de janeiro de 2014 às 09h51

    eu já não acredito mais em politico pois a ganancia é maior do que o caráter deles

    Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?