Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

A defesa de João Paulo Cunha e o cinismo da mídia

Por Miguel do Rosário

12 de dezembro de 2013 : 11h30

A mídia repercutiu com o cinismo de praxe a iniciativa de João Paulo Cunha, deputado federal (PT-SP), de apresentar sua defesa contra as acusações pelas quais foi condenado pelo STF, na forma de uma revista,  e com discurso contudente na Câmara dos Deputados. Nenhum de seus argumentos, nenhum documento presente na revista, foram divulgados. Mais uma vez, qualquer argumento em defesa dos réus é jogado para debaixo do tapete. A opinião pública brasileira precisa continuar sendo enganada porque o investimento na acusação foi caro demais.

Entre os documentos, por exemplo, estão provas de que a publicidade da Câmara durante a gestão de Cunha como presidente da instituição, realmente foi aplicada em anúncios nos principais meios de comunicação. Nenhum recurso foi desviado, conforme acusa a Procuradoria e Joaquim Barbosa, para “comprar deputados”.  E mais uma vez, como aconteceu no caso Visanet, a Globo aparece em primeiro lugar como beneficiária dos recursos de publicidade gastos pela Câmara dos Deputados.

Ou seja, a Globo sabe que os recursos não foram desviados porque recebeu o dinheiro. Mas o cinismo da emissora é infinito. E não só dela, mas de jornais como a Folha, Estadão e Correio Braziliense, que, junto com a revista Veja, também foram beneficiados.  Outras emissoras de TV, como o SBT, também receberam vultosas verbas de publicidade da Câmara. Tudo dentro da lei.

Como é possível tanto mau caratismo?

ScreenHunter_3068 Dec. 12 10.54

Cunha também explica, com incrível abundância de provas, o uso dos R$ 50 mil que sacou do Banco Rural, para pagar pesquisas pré-eleitorais em sua cidade, Osasco. Apresenta os pedidos do PT local para o pagamento do serviço, as notas fiscais da empresa que o realizou, tudo.

Por fim, o coletivo do mandato do deputado fala sobre o último golpe de Joaquim Barbosa, ao mandar prender os réus que ainda tinham direito a embargos infringentes, os quais poderiam, efetivamente, levar a uma revisão de todo o processo e inocentá-lo. Assassinos confessos, como Pimenta Neves, ex-diretor de jornalismo do Estadão, por exemplo, aguardam em liberdade a decisão dos ministros sobre os embargos infringentes. O que acontecerá quando Cunha for inocentado? Quem pagará pela injustiça de encarcerá-lo injustamente?

De qualquer forma, o pior erro do STF foi ignorar as provas, e aceitar acusações contra as provas apresentadas. Com isso, a principal corte de justiça do país cometeu uma grave violação dos direitos humanos e, na medida em que arbitrou injustamente contra políticos eleitos pelo sufrágio universal, agrediu a ordem democrática.

Você, leitor, que não quer se massa de manobra de uma mídia historicamente golpista e aliada da corrupção, deve sair da zona de conforto e se informar com mais cuidado sobre os principais temas políticos do país. O mensalão é um deles. A revista de João Paulo Cunha deve ser lida com atenção por todo brasileiro interessado na verdade e na justiça.

Espero que a comunidade jurídica faça parte desse grupo.

Escute o áudio com o discurso de João Paulo Cunha, durante a apresentação da revista.

E aqui, o vídeo com o discurso do petista:

Outro vídeo, na tribuna da Câmara, divulgado pela liderança do PT:

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

valerio santiago

13 de dezembro de 2013 às 09h21

“Se você não for cuidadoso,os jornais farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas e amar as pessoas que estão oprimindo”. Malcolm x.
“Explicação não adianta,para quem está decidido a não entender”.

Responder

Carmen Esperon

12 de dezembro de 2013 às 23h59

“… joão paulo cunha?…. quem?….”

Responder

Ruy Campos Filho

12 de dezembro de 2013 às 23h15

Queria ver a reposta do JB, se ele tivesse coragem!

Responder

miguel

12 de dezembro de 2013 às 17h05

teste

Responder

Miguel do Rosário

12 de dezembro de 2013 às 17h03

teste

Responder

Paulo Machado

12 de dezembro de 2013 às 18h39

O outro lado da notícia. 2

Responder

Maria De Fatima Cabral

12 de dezembro de 2013 às 15h31

Vai de catar mídia golpista! Vão ler o relato de uma professora em Socialista Morena.

Responder

Messias Franca de Macedo

12 de dezembro de 2013 às 12h47

VÍDEO BOMBA! A partir dos 31:30, o ministro do STF Joaquim Barbosa compara a Ação Penal 536 [MENSALÃO DEMoTUCANO] e a Ação Penal 470; aos 32:30, o relator Joaquim Barbosa afirma, peremptoriamente: “… [Apesar das semelhanças] No caso do MENSALÃO TUCANO MINEIRO, comprovadamente a maior parte dos recursos movimentada ILEGALMENTE derivou de dinheiro PÚBLICO, diferentemente do que ocorreu na Ação Penal 470; a partir do 40:00, o ministro Joaquim Barbosa ratifica a realização dos FATOS CRIMINOSOS: lavagem de dinheiro, peculato e FORMAÇÃO DE QUADRILHA perpetrados pelos DEMoTUCANOS!

(03/09/2009)

Ver em: http://www.youtube.com/watch?v=MXUUdIx0uWw

Responder

Messias Franca de Macedo

12 de dezembro de 2013 às 12h13

VÍDEO BOMBA! Joaquim Barbosa aceita denúncia e condena o TUCANO Eduardo Azeredo (03/09/2009)

[Por 5 votos a 3, o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou, na sessão do dia 3 de dezembro de 2009, a denúncia do Ministério Público Federal (Inq 2280) contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB) pela suposta prática dos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, caso que ficou conhecido como mensalão tucano. O relator da denúncia, ministro Joaquim Barbosa, votou pelo recebimento da denúncia. O julgamento do inquérito foi iniciado no dia 4 de novembro de 2009 e interrompido no dia seguinte, quando o ministro Dias Toffoli pediu vista do processo. Assista neste vídeo ao ministro Joaquim Barbosa reafirmando seu voto, após o ministro Dias Toffoli se posicionar pela rejeição da denúncia.]

Ver em: http://www.youtube.com/watch?v=MXUUdIx0uWw

Responder

Zildaaraujo

12 de dezembro de 2013 às 12h12

Eu tb quero adquirir a revista. O q devo fazer?

Responder

Ricardo

12 de dezembro de 2013 às 11h59

Caro Miguel,
como faço para obter uma versão da revista em pdf?
Obrigado!

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?