Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

A falsa democracia de Miriam Leitão

Por Miguel do Rosário

14 de dezembro de 2013 : 12h30

Reproduzo abaixo um texto que acabo de publicar no Tijolaço:

Miriam Leitão e a peculiar ideia de democracia da Globo

Permitam-me fazer uma coisa já meio fora de moda. Irei comentar passo a passo a coluna de hoje (sábado) de Miriam Leitão, no jornal O Globo. Ela critica a presidente Dilma por estar presente em evento de seu próprio partido no qual se criticou duramente o julgamento da Ação Penal 470.  O mensalão é um ponto de honra para as Organizações Globo (e, sobretudo, para o jornal Globo). Aliás, a Globo é o principal sustentáculo dessa farsa. Por isso mesmo a empresa sabe que, se ela ruir, causará grande prejuízo de imagem à Globo. Mas vamos à Miriam. O texto dela vai em negrito, o meu em fonte normal.

*

Dilma tomou partido

Por Miriam Leitão, no Globo.

Quando a presidente da República participa de um evento em que se acusa a cúpula do Judiciário de manipulação, e de ter realizado um julgamento de exceção, está enfraquecendo a democracia brasileira. Foi o que a presidente Dilma fez. O que ela não disse explicitamente, o ex-presidente Lula o fez. O que ela demonstrou no 5º Congresso do PT, por ação ou omissão, é grave.

O raciocínio de Miriam inicia com uma falha estrutural. Ela não infere que, se o judiciário manipulou e realizou um julgamento de exceção, não é Dilma, nem um evento partidário, que está enfraquecendo a democracia. É o judiciário. E foi isso justamente o que aconteceu.

Dilma sabia o que seria a abertura do 5º Congresso do seu partido. Sabia que lá defenderiam os condenados do mensalão. Ao mesmo tempo, como chefe do Poder Executivo, ela não pode participar de um ato em que a Justiça brasileira está sob ataque. O Supremo Tribunal Federal cumpriu todo o devido processo legal. Dilma consentiu — pelo silêncio e pela presença — com as acusações ao Tribunal. Ela é militante do PT e é a candidata. A situação era delicada, mas ela só poderia participar de um evento sóbrio em que não ocorresse o que ocorreu.

Bem, é claro que Dilma sabia que haveria críticas ao julgamento da Ação Penal 470. Ela não vive no mundo da lua. Se a própria Miriam Leitão saísse de seu circuitozinho global, e transitasse por outros meios, veria que a revolta contra os desmandos do STF há muito deixou de ser uma questão meramente partidária. É hoje uma questão jurídica, política e ética. O STF chancelou um golpe, com base em mentiras, sob forte pressão dos grandes meios de comunicação, liderados pela Globo. Quem atacou a Justiça não foram os militantes do PT, muito menos Dilma. Quem assediou o STF foi uma grande mídia convertida em partido político. Quem desmoralizou o STF foram ministros rendidos à sua própria covardia perante a pressão de uma imprensa com longo histórico de golpes contra a democracia.

O presidente Lula, como é de seu feitio, fez o que disse que não faria e acusou o julgamento de ter sido resultado da “maior campanha de difamação”. Dilma pensa que se protegeu atrás de afirmações indiretas como a de que os petistas têm “couro duro” ou o partido está em “momentos difíceis”. Pensava que ficara em cima do muro, mas estava tomando partido.

A chefe do executivo de um governo democrático só pode ir para uma reunião de correligionários em que o Poder Judiciário é atacado se for para defendê-lo. Seu silêncio a coloca do lado dos que acusaram o processo de ser de exceção. Ela sabe bem a diferença.

O carisma de Lula vem de sua sensibilidade em relação às pessoas, de um lado, e sua argúcia em relação ao processo político, de outro. Lula entendeu, há tempos, que o mensalão foi uma farsa construída para derrubar seu governo; e quando isso não foi possível, transformou-se num instrumento de vingança para constrangê-lo. Os erros e crimes que ocorreram foram todos admitidos. Mas a mídia não queria saber de verdades. Não queria saber de caixa 2. Não queria saber de desculpas. Ela queria inventar a sua própria história. A Globo queria uma novela. E a criou.

Concordo que a presidente deve defender o poder judiciário, mas desde que este não extrapole suas funções. O STF transformou-se num pequeno parlamento, ultrapolitizado, e o que vimos na julgamento da Ação Penal 470 não foi um julgamento, mas uma espécie de Comissão Parlamentar de Inquérito onde apenas os acusadores falavam. E onde qualquer mínima discordância resultava em massacre midiático no dia seguinte. Vide o caso do ministro Ricardo Lewandowski, que era assacado impiedosamente nos jornais por causa de tímidas divergências pontuais com as teses defendidas pelo relator do processo, Joaquim Barbosa.

Seus amigos e companheiros José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, João Paulo Cunha e aliados de outros partidos foram investigados pelo Ministério Público e denunciados. O STF aceitou a denúncia e em sete anos de tramitação do processo deu amplo direito de defesa aos réus e analisa os recursos. Os juízes foram em sua maioria escolhidos por ela ou por seu antecessor. Houve troca de juízes mas não de juízo da maior corte do país. Eles foram considerados culpados.

Não é verdade que foi dado “amplo direito de defesa aos réus”. Provas foram deliberadamente ocultadas com vistas a prejudicar a defesa dos réus. As informações vazaram, Miriam. Felizmente, existe vida fora da Globo. As pessoas puderam ler reportagens do Raimundo Pereira em sua revista, a Retrato do Brasil. As pessoas tiveram acesso a documentos, vídeos, provas. Merval Pereira pode ser sido endeusado por alguns setores sociais, levado à Academia Brasileira de Letras, bajulado por ministros do Supremo como Gilmar Mendes e Ayres Brito. Mas havia gente do outro lado da rua observando a cena com uma expressão estranha no rosto, Miriam. Estavam em dúvida. Estavam desconfiados que havia confete demais naquele julgamento. E quando foram se informar, descobriram seus terríveis vícios.

O julgamento foi feito com base nas leis e na Constituição. Os militantes podem gritar qualquer coisa, mas o grave é a presidente estar ali, consentir pelo silêncio ou por menções indiretas para serem interpretadas pelos militantes como concordância. Enquanto exercer o mandato ela não é apenas a Dilma, ela representa o Poder Executivo.

Miriam, você conhece a história. Você sabe que quase todo golpe político acontece “com base nas leis e na Constituição”. Se você ler as edições de abril de 1964 do jornal onde você escreve, verá que o golpe de 64 também aconteceu “com base nas leis e na Constituição”. Só que não. Porque assim como um corpo sem espírito não é mais do que uma casca vazia, decisões políticas ou judiciais feitas com má fé também não significam nada.

Dilma pode sentir solidariedade pelos companheiros. É natural. Mas não pode aquiescer, por silêncio ou meias palavras, com os que acusam a Justiça do governo democrático. Ela estar nesse desagravo é um ato com significado institucional.

É sim, Miriam. É um ato com significado institucional. Mas não o sentido que você quer dar. O seu problema é que você quer fugir do que você é: você também é representante de um poder institucional, talvez um dos mais poderosos de todos. A Globo se tornou uma instituição política, da qual você é uma espécie de embaixadora. A presença da Dilma num evento do PT em que se acusa o STF de ter realizado um julgamento de exceção causou profundo constrangimento à Globo, porque, de certa forma, é uma derrota política. Por mais que a Globo tenha tentado, em alguns casos até com sucesso, criar uma imagem da presidenta totalmente descolada de suas origens partidárias e ideológicas, pintando-a como uma estadista fria, tecnocrática, fiel a um modelo pré-fabricado sobre como deve se portar um presidente da república (coisa que nunca conseguiram fazer com Lula, por exemplo). Por mais que a Globo tenha se arriscado nessa tentativa, porque acabou conferindo enorme popularidade – temporária – à Dilma junto a setores da classe média com pouca ou nenhuma simpatia pelo partido da presidente. Enfim, por mais que tenha feito tudo isso, a Globo não conseguiu realizar a alquimia final, definitiva, de fazer Dilma se desligar de seu partido e passar para o  lado deles. Dilma ainda é uma militante do PT, uma pessoa de esquerda, uma mulher cheia de brios e que, mais dia menos dia, pode querer tomar algumas atitudes contra os arbítrios da mídia. A mídia tem medo deste dia. Tem pavor. Mas tanto a mídia quanto Dilma sabem que, se este dia vier, estaremos ao lado da presidenta e da democracia!

20110808_robertomarinho3tempos

Roberto Marinho em três tempos: com Costa e Silva, com Figueiredo e com ACM.

A democracia passou por várias rupturas ao longo da história republicana. É conquista recente e que pertence ao povo brasileiro. Não pode ser ameaçada por atitudes que solapem a confiança nas instituições, e por interpretações diante das quais a presidente se cala e, portanto, consente.

Ahá! Bem lembrado, Miriam! A democracia passou por várias rupturas… Em 2014, teremos uma importante efeméride. 50 anos de golpe de Estado! As edições do jornal O Globo naquele fatídico ano de 1964 agora estão disponíveis na internet. A democracia é uma conquista recente que pertence ao povo brasileiro, mas a conquistamos à fórceps, e contra a Globo! A Globo lutou, até o fim, contra a democracia e até hoje é uma instituição profundamente antidemocrática. O julgamento de exceção que assistimos no STF foi mais um golpe contra a democracia, um dos mais pérfidos. Mas assim como em 1964, a Globo procurou sempre manipular as palavras. Nos dias seguintes ao golpe de Estado, o Globo apenas repetia que a democracia brasileira tinha sido salva das mãos de comunistas, sindicalistas, ou seja, dos mesmos mensaleiros que hoje a Globo conseguiu pôr na cadeia, após uma das campanhas mais agressivas, espúrias e sensacionalistas da história da imprensa brasileira.

apoio

(Não, não foi um erro, foi um golpe. Com o qual ganharam muito, muito e muito dinheiro.)

Dilma tentou manter uma posição ambígua até agora. Mas aquele era um local em que a militância gritaria as palavras de ordem oficiais do partido. Rui Falcão, presidente do PT, disse que os mensaleiros “foram condenados sem provas num processo nitidamente político”.

Pois é, Miriam. Rui Falcão disse isso, e Rui Falcão é o presidente do PT e comandante geral da campanha pela reeleição da presidente Dilma. Então prepare-se. Vem chumbo grosso por aí. Vocês, do Globo, foram sádicos, golpistas e desonestos. Manipularam informações. Mentiram. Omitiram. Distorceram. Protegeram corruptos. Mesmo as suas críticas à figuras como Renan Calheiros e Henrique Alves sempre foram hipócritas e falsas, porque nunca disseram ao público de onde eles tiram o poder que eles têm: cadeias de televisão, onde distribuem o sinal da Globo em seus estados.

O nada a dizer diante disso, por parte da presidente, diz muito. O Supremo Tribunal Federal se debruçou com abundância de tempo sobre as provas, julgou e condenou. Dilma pode não ter gostado do resultado, pode discordar das penas pessoalmente, mas enquanto exercer o cargo não existe o “pessoalmente” em assuntos institucionais. Militantes podem atacar o Supremo. Mas a presidente da República, não. Sua presença naquele ato é lamentável e enfraquece a democracia.

Tomara que sim, Miriam. Oxalá Dilma tome uma posição mais assertiva sobre o julgamento do mensalão, sobretudo porque ele pode ser um balão de ensaio para aplicar um golpe contra ela mesma. Se o Ministério Público e o STF conseguiram condenar réus sem provas, apenas “porque a literatura assim me permite”, então eles conseguem pegar qualquer pessoa. É evidente que esse é o risco supremo da democracia brasileira. O risco máximo. Você manipular a corte suprema para derrubar um adversário político. É tão óbvio. É tão fácil. Chantagear onze ministros, para a grande mídia, com o poder e o dinheiro que ela tem, é a coisa mais fácil do mundo.

A presença de Dilma num ato em que se criticou o julgamento de exceção é um alívio para aqueles que defendem a democracia. Porque ela é a presidente eleita pelo voto de milhões de brasileiros. A gente votou em Dilma, não em ministros do STF. Ela tem direito a fazer política. Os ministros do STF não têm. Vivemos um momento muito estranho, em que a imprensa acha normal juízes fazerem discursos políticos e considera a mera presença da presidente no congresso de seu próprio partido uma agressão à democracia. A Globo enxerga a democracia de cabeça para baixo. Tudo que para ela é uma ameaça à democracia, na verdade é o que a democracia tem de mais autêntico e pujante; e tudo o que ela considera como democrático, na verdade é golpe.

Se a Miriam já se esqueceu da peculiar visão de democracia do jornal O Globo, nós não. Não esqueceremos. Não perdoaremos. Jamais.

Capa_O_Globo1964

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

40 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

vilasboas

15 de dezembro de 2013 às 15h16

Não dá nem para ter raiva dessa moça, coitada; além de muito sem carisma é meio burra. Desculpem a franqueza.

Responder

vilasboas

15 de dezembro de 2013 às 15h11

Achei tão sensacional esse artigo que já compartilhei no G+….

Responder

Lucinéia Kieper

15 de dezembro de 2013 às 09h37

Excelente!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

Lucinéia Kieper

15 de dezembro de 2013 às 09h28

Excelente!!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

Zeneto GuaranyKayoá Leao

15 de dezembro de 2013 às 10h47

Um testa-de-ferro em ação.

Responder

Carlos Muniz

15 de dezembro de 2013 às 10h04

Miriam Leitão, vai chafurdar na lama!

Responder

Jair Dall Acqua

15 de dezembro de 2013 às 08h57

É a imparcialidade e a indignação seletiva da urubóloga.

Responder

George Ayres

15 de dezembro de 2013 às 04h06

por isso que sou fã da internet. Se fossemos depender de revista ou tv, não teríamos informações relevantes ocultadas (pela mídia de massa) e comprovadas

Responder

Marise Borba

15 de dezembro de 2013 às 02h03

ESTA MIRIAM PORCÃO ÁS VEZES FAZ FEDER PRA CARAMBA!

Responder

Celio Vivas Cosme

15 de dezembro de 2013 às 00h46

Viram isso?
Chamada na tela inicial do Brasil Post: “em 2014 chegamos para conversar”.

Responder

Ricardo Oliveira

14 de dezembro de 2013 às 21h35

Essas imagens falam por mil palavras, ou por mil vidas ceifadas. globo sua hora tá chegando…

Responder

Jorge M Sardinha

14 de dezembro de 2013 às 20h30

As fotos deixam clara a posição das organizações Globo e de seus colaboradores.

Responder

Jose Henrique Camello

14 de dezembro de 2013 às 20h13

Não precisa. A Dilma tem 40000000 de eleitores. A Mirian, 3000 leitores, se tanto.

Responder

Libertad Martinez

14 de dezembro de 2013 às 19h49

La Globo no tiene más credibilidade……………..

Responder

Hilson Mergulhão Breckenfeld Filho

14 de dezembro de 2013 às 19h07

ela é cúmplice e defende o horror pobre criatura

Responder

Ana Maria

14 de dezembro de 2013 às 18h55

Brilhante!

Responder

Marcelo Menezes

14 de dezembro de 2013 às 18h48

Perfect!

Responder

Maria Celeste Cirqueira Córdova

14 de dezembro de 2013 às 18h26

Muito, muito bom! Nocaute!!!

Responder

Carlos Nascimento

14 de dezembro de 2013 às 18h08

Sem duvida

Responder

Marcelo Quintao

14 de dezembro de 2013 às 17h53

Não há democracia sem respeito às instituições democráticas. Elas não servem apenas para manter o meu partido no poder. A presidência da república não é um lugar que pertence ao PT, embora esteja ocupado lelo PT- com o meu voto. Pertence ao povo brasileiro.

Responder

Airton De Grande

14 de dezembro de 2013 às 17h16

Muito oportuno. É preciso responder de imediato a cada mentira do PIG para que não se convertam em injustiças.

Responder

Heliete Morais

14 de dezembro de 2013 às 16h45

Muito bom!

Responder

Gilson Garcia

14 de dezembro de 2013 às 14h21

O que parece nesses artigos falsos e hipócritas de colonialistas da mídia rentista é que estão abusando do deboche. Menosprezando a capacidade de discernimento de leitores. Não considerando o contraponto da internet. Tentam construir uma verdade que resulta em enganar a eles mesmos. Não são capazes de sintonia com verdade. Embora irritante, o mal é menor. Os patrões ficam satisfeitos com as Mirians da vida, certos de que estão construindo um novo destino para o país. Não se dão conta que o voto continua decidindo a favor da verdade.
Abraço Miguel, e parabéns pelo seu excelente trabalho.

Responder

Sue Saphira

14 de dezembro de 2013 às 16h20

Muito bom!

Responder

Augusto Pinheiro

14 de dezembro de 2013 às 16h16

La dèmocratie c’est moi.. o resto é o resto.. Credo!

Responder

Itamar Dos Reis Nunes

14 de dezembro de 2013 às 16h06

chogou a hora,trocar nomes de praças,escolas, avenidas,ruas,monumentos ,bairros, viadutos e rodovias.

Responder

Liza Moretti

14 de dezembro de 2013 às 16h04

Muito bem!!!Temos que desconstruir a globo. Eles estão se preocupados com a data do manos golpe do ano que vem! Ele não apenas apoiaram o golpe, como enriqueceram criminalmente com a ditadura.Foram cúmplices e sócios dos militares!

Responder

Cleusa Gibertoni

14 de dezembro de 2013 às 15h50

Perfeito!!

Responder

Valdir R Fiorini

14 de dezembro de 2013 às 15h45

Mandem para a criticada: miriamleitao@oglobo.com.br

Responder

Nelson Afonso Torres

14 de dezembro de 2013 às 15h43

mensalão ..farsa?…fala sério petistas!!!

Responder

Maria Socorro Santos

14 de dezembro de 2013 às 15h38

bravo. parabéns.

Responder

Lulu Pereira

14 de dezembro de 2013 às 15h35

Leitão, a musa caída do PIG porco.

Responder

Fabrício Santana Santos

14 de dezembro de 2013 às 15h05

é um himeneu!

Responder

Nelma F. Santos

14 de dezembro de 2013 às 15h05

PARABÉNS PARA QUEM FEZ A ANÁLISE DO TEXTO DA MIRIAM LEITÃO . PERFEITO !!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

Tarso Moreira

14 de dezembro de 2013 às 15h05

O chiqueiro que ela chafurda, Globo, merece este leitão.

Responder

Luiz Hamiltom Silva

14 de dezembro de 2013 às 14h56

Acredito que estou vivendo literalmente a música de cazuza. Eu vejo o futuro repetir o passado.

Responder

Edmar

14 de dezembro de 2013 às 12h54

Obrigado pelo ótimo inicio de fim de semana Miguel. Tomara que a “PORCONA” leia também e se dane!

Responder

Dimas Soares

14 de dezembro de 2013 às 14h50

Apoiou a ditadura o tempo todo e agora vem dizer que foi um erro. Claro que foi um erro, so que fez questão de continuar nele!

Responder

Marcos Pecci

14 de dezembro de 2013 às 14h49

miriam escreve sob medida para leitor limítrofe de O Gloebels!

Responder

Marcos Pecci

14 de dezembro de 2013 às 14h45

difícil saber se Miriam Leitão é só intelectualmente desonesta, mentirosa, ou se também é uma tremenda de uma mau carater!

Responder

Deixe uma resposta