31.03 Coletiva com o ministro da Saúde

Pessimismo militante da mídia estoura limites do ridículo

Por Miguel do Rosário

06 de janeiro de 2014 : 08h33

O pessimismo militante da velha mídia passou de todos os limites e já está se tornando uma caricatura de si mesmo.

Nossa mídia escondeu, por exemplo, a explicação para o declínio do saldo comercial no ano passado.

A tabela abaixo, trazendo números do comércio exterior em 2012 e 2013 com e sem petróleo e derivados, nos permite tirar várias conclusões instrutivas.

conta_petroleo (1)

O saldo comercial de 2013, caso não fosse contabilizado o petróleo e derivados, não seria muito diferente do registrado no ano anterior.

Ou seja, o déficit no saldo comercial se deu principalmente pelo aumento das importações de combustíveis, que aumentaram em 16% em 2013.

Sem o petróleo, o saldo comercial em 2013 ficaria em 22,84 bilhões de dólares, contra 24,77 bilhões no ano anterior.

A importação total em 2013, sem o petróleo, ficaria em 196,9 bilhões de dólares, apenas 4,6% superior à registrada em 2012.

As exportações brasileiras em 2013, sem o petróleo, cresceram 3,1% sobre o ano anterior.

Ou seja, se desconsiderarmos o petróleo, os números do comércio exterior apresentariam um quadro bem melhor.

O leitor poderá perguntar: e daí?

Se o Brasil fosse um país sem produção de petróleo e sem perspectiva de aumentar a produção e exportação de petróleo, os números do comércio exterior em 2013 seriam preocupantes, porque apontariam um quadro crescente de déficits comerciais para os próximos anos.

Acontece que o setor brasileiro de petróleo vive a véspera de uma grande mudança, com a entrada em produção dos novos poços do pré-sal, de gás e petróleo líquido.

Ou seja, o único ponto fraco do comércio exterior brasileiro em 2012, é justamente o segmento mais promissor do país: a produção de combustíveis e derivados de petróleo.

Isso quer dizer que os déficits comercial provocados pelo petróleo serão em breve substituídos por generosos superávtis.

Se os colunistas e analistas de banco não estivessem tão obcecados em encontrar elementos para depreciar o país, poderiam abordar esses avanços e usá-los para atrair mais investidores ao Brasil.

*

E a Folha de hoje traz manchete que, desde já, se anuncia como uma das mais ridículas do ano.

ScreenHunter_3161 Jan. 06 08.20

E tudo porque “analistas” consideram que o desemprego pode aumentar em até 1% em 2014… E não por fechamento de vagas, mas por aumento da procura.

A manchete é ridícula pelo notório tom de pessimismo militante, um dia após um de seus melhores colunistas, Janio de Freitas, ter denunciado, em artigo brilhante, essa postura eternamente negativista da grande imprensa.

O desemprego pode até aumentar 1% em 2014, visto que ele fechou o ano em nível tão baixo que qualquer oscilação, se houver, pode se dar para cima. Mas se o próprio jornal diz que isso não se dará por fechamento de vagas, qual o sentido em dar essa manchete negativa? O próprio negativismo, ao propagar um quadro falsamente ruim, parece incentivar a demissão de trabalhadores.

A razão alegada, de “aumento dos preços”, também é falsa, visto que a inflação dos últimos meses tem apresentado queda.

Além disso, anos eleitorais costumam, tradicionalmente, assistir a aumento da oferta de empregos, em função do aumento dos investimentos públicos, com governos tentando mostrar serviço na última hora.

A informação na reportagem, de que “2013 pode ter a mais baixa criação de empregos desde 2003” repisa uma velha falácia, que já denunciei mil vezes por aqui. Se o desemprego cai muito, aproximando-se de zero, a geração de novos empregos tende também a zero, visto que há equilíbrio entre a oferta e a demanda. É matematicamente impossível haver saldo de empregos num cenário de desemprego zero. Os saldos apenas são grandes quando há grande quantidade de mão-de-obra disponível.

PS: Há ainda a possibilidade da mídia estar preparando um golpe baixo. Tradicionalmente, o saldo de emprego em dezembro fica bastante negativo, porque as indústrias e lojas demitem as pessoas que contrataram provisoriamente para as vendas de fim de ano. É normal e acontece todo ano um repique em torno de 1% no desemprego no início do ano. Será que a nossa velhíssima e manjada imprensa vai usar isso para fazer terrorismo?

 errado

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

wanildo alves

08 de janeiro de 2014 às 09h27

Os quatro cavaleiros do Apocalipse: GLOBO/VEJA/FOLHA/ESTADÃO.

Responder

Edinaldo

07 de janeiro de 2014 às 19h39

A “urubóloga”, como diz PHA, deveria pelo menos mudar o corte de cabelo (já que a aparência da Maga Patalógica ela ná pode fazê-la), para parecer-se menos com ela mesma. Assim, se enganaria menos, se desapontaria menos, e, mais pessoas teriam dúvidas sobre as suas “análises”.

Responder

Cristiane Carvalho

07 de janeiro de 2014 às 11h10

Ontem o Boris Casou disse que o mensalão foi o maior caso de corrupção da história do Brasil e está “solidamente embasado em provas” e que os réus agora vão vir com argumentos de que não existem provas. Abriu o jornal com a palavra mensalão. Já cansou. Acho que se fala tanto nisso que nem deve ter efeito no povo mais.

Responder

Suzana De Souza Leão

06 de janeiro de 2014 às 11h40

Só mudou o cabelo!

Responder

Deixe uma resposta