Paris Café: O PT tem um projeto de governo? Qual é?

Sarney é cria da Globo

Por Miguel do Rosário

11 de janeiro de 2014 : 12h06

Um leitor me envia um email engraçado, embora o assunto seja muito sério. Desde que Lula teve que se apoiar em Sarney, poderoso político nordestino, para construir a sua maioria no Senado, a Globo vem tentando detonar o velho cacique do Maranhão e sua família. 

Sempre é bom lembrar, contudo, que Sarney construiu seu poder através do domínio dos meios de comunicação de seu estado, sobretudo a Rede Mirante, que desde 1991 tem o direito de retransmissão da Globo.

Uma Lei de Mídia, que a Globo trata como um atentado à democracia, teria o poder de tirar a TV das mãos da família Sarney e, portanto, injetaria democracia num dos estados mais sofridos do país.

Lula teve que se aliar a Sarney, porque precisava de uma base de apoio no Senado para aprovar os programas sociais de governo, além dos aumentos do salário mínimo e ampliação de verbas para educação e saúde.  Já Roberto Marinho se associou a Sarney para manter sua hegemonia midiática sobre a política nacional. Pode-se dizer que os Sarney são uma espécie de sub-produto da Globo.

Ah, o email que recebi do leitor:

*

Veja só que belezura! E a Globo está detonando o Sarney para atingir a Dilma. Coisa feia…

“O senador José Sarney e Roberto Marinho foram amigos pessoais até o fim da vida do jornalista. Sarney era vice-presidente de Tancredo Neves e tinha a missão de concluir o processo de redemocratização do país, após a morte do político de São João del-Rei.

“Quando era presidente, Sarney visitava Roberto Marinho sempre que vinha ao Rio de Janeiro. As conversas giravam em torno da política maranhense, de apoio para a realização de eventos culturais, como exposições de arte, e assuntos pessoais. Sarney relembra: “A partir daí, foi se estabelecendo uma ligação mais estreita, mas sempre marcada, do meu lado, pela diferença de idade entre mim e o Dr. Roberto, o que dava um espaço muito grande, sempre com um tom reverencial em relação a ele.”

http://www.robertomarinho.com.br/vida/trajetoria/uma-trajetoria-liberal/jose-sarney.htm

robertomarinho_opt

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Jorge Eduardo França Mosquera

12 de janeiro de 2014 às 02h09

Se alguém tiver, publique aqui o trecho da entrevista do Maílson da Nóbrega à Playboy no qual ele conta como, mandado por Sarney ao Rio, foi sabatinado por Roberto Marinho (sem saber, garante) antes de ser nomeado ministro da Fazenda. Brasiuuuu!!!

Responder

Cecilia Corrêa

12 de janeiro de 2014 às 01h23

Muito boa esta explicação. Eu não sabia disso.

Responder

Carmen Esperon

11 de janeiro de 2014 às 22h35

“… o Lula se associou ao Sarney para garantir maioria no Senado…(sic)” , como esse o mensalão usou e abusou. Faça comentario, mantenha-o limpo, mas seus seguidores usam palavrões no luigar de vírgula…”

Responder

DANIEL

11 de janeiro de 2014 às 15h29

tá, e um erro JUSTIFICA O OUTRO ? Agora o pt anda de mãozinhas dadas também ?

Responder

    Miguel do Rosário

    12 de janeiro de 2014 às 08h44

    Não é erro. É política de gente grande, ou seja, conduzida de acordo com as necessidades de formar maioria parlamentar, condição sine qua non para aprovar projetos de governo (bolsa família, salário mínimo, política industrial, obras de infra-estrutura, CPMF).

    Responder

Marco Espirito Santo

11 de janeiro de 2014 às 14h26

Sempre foi cria da GLOBO assim como todos aqueles que possuem os direitos de retransmissão dessa emissora. Basta ler os contratos de concessão, que obrigam ter conteúdo, e quem os fornece?

Responder

Marcos C. Campos

11 de janeiro de 2014 às 12h10

Sem comentários !

Responder

Deixe uma resposta