Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

A cobertura safada da Folha

Por Miguel do Rosário

12 de março de 2014 : 09h12

Só discordo do vocábulo usado pelo Azenha. Não é marota. Prefiro um vocábulo menos elegante. É safada mesmo.

A Folha tenta, mais uma vez, criminalizar a política. Internautas e ativistas que atacam a corrupção no PT são apenas internautas e ativistas. Gente do bem. Internautas e ativistas que denunciam falcatruas do PSDB são “exército do PT”. Gente suja.

Com isso, a Folha procura desqualificar (e com isso, neutralizar), de maneira ridiculamente generalizada, toda crítica à Aécio Neves.

A tática é repetitiva. Jornalistas da grande imprensa são isentos, imparciais, éticos. Blogueiros políticos são apenas “sujos”.

É por essas e outras que o PSDB foi o partido que mais perdeu filiados em 2013, e o PT, o partido que mais ganhou . As pessoas reais, de carne e osso, vêem que há uma guerra assimétrica, entre os gigantes da imprensa corporativa, os mesmos que apoiaram o golpe de 64 e se locupletaram no regime militar, e blogueiros com escassos recursos, mas com muita coragem.

Além disso, Azenha aponta a cortina de fumaça lançada pela Folha para confundir os leitores, de forma que eles não entendam patavinas sobre as denúncias contra Aécio Neves. Não há um infográfico para lhes ajudar a compreender. Se fosse algo com o PT, haveria infográficos interativos, com musiquinha, aplicativos para ipad, história em quadrinhos para crianças, o escambal.

Azenha também denuncia a sequência de arbítrios do esquema tucano para calar a crítica. Manda prender todo mundo. Apreende computadores e documentos.

A imprensa ficou anos aporrinhando o PT com a morte de Celso Daniel, apesar de investigações da Polícia Civil de São Paulo (tucana, portanto) terem concluído que o partido não tem nada a ver com isso. Em Minas Gerais, houve o assassinato misterioso de uma modelo responsável por levar malas de dinheiro em campanhas tucanas, e ninguém investiga.

Isso sem falar no “helipóptero”…

*

A cobertura marota da Folha sobre o mensalão tucano e a lista de Furnas

por Luiz Carlos Azenha, no Viomundo.

publicado em 10 de março de 2014 às 22:13

Eu não sei se o PT está ou não promovendo a ofensiva de que fala a Folha na reportagem acima. Tenho comigo que trata-se de uma justificativa para a cobertura pífia que, historicamente, o jornal fez do mensalão tucano, também chamado de “mensalão mineiro”.

O certo é que fica parecendo, ao leitor desavisado, que o presidenciável Aécio Neves não tem relação alguma com o mensalão tucano e que é vítima de uma campanha difamatória do PT, de mero oportunismo dos petistas em plena campanha eleitoral.

Esta possibilidade estaria descartada se a Folha tivesse dedicado ao mensalão tucano o mesmo espaço que o Viomundo, por exemplo, dedicou.

Se isso tivesse acontecido, as relações entre Aécio Neves e o mensalão tucano estariam absolutamente claras para os leitores.

Na reportagem, a Folha esmiuça supostas acusações do PT a Aécio e abre espaço para que o tucano se defenda. Especulo que pode se tratar de uma “vacina”, ou seja, de uma antecipação da defesa de Aécio diante de argumentos que serão usados na campanha.

A Folha menciona um suposto “exército na internet”, que seria o encarregado de ajudar o partido governista a colar Aécio no mensalão tucano, mas não entra em detalhes. Estaria preparando o terreno para alguma ação aecista?

O trecho que me chamou a atenção foi o seguinte:

Captura-de-Tela-2014-03-10-às-20.58.51-e1394496529238

É importante lembrar que existem dois episódios distintos e ainda não plenamente esclarecidos em Minas, referentes às campanhas tucanas: de 1998 (reeleição de Eduardo Azeredo e FHC) e 2002 (com Aécio concorrendo ao governo do Estado e José Serra ao Planalto).

A Folha não trata do segundo, embora alguns personagens importantes se repitam.

1998 = mensalão mineiro

2002 = lista de Furnas

Quanto a 1998, a Folha sugere que Eduardo Azeredo e Aécio Neves pertenciam a grupos políticos distintos.

Talvez venha a dizer, eventualmente, que os dois nem se conheciam.

O fato é que o mensalão tucano buscava beneficiar políticos do PSDB e de partidos aliados ao PSDB! Aécio era um deles.

Quanto a 2002, as perícias atestaram que a lista de Furnas não foi uma montagem e que a assinatura de Dimas Toledo (então diretor de Furnas) não foi falsificada.

Porém, é óbvio que os peritos não tinham condições de atestar se aquele conteúdo representava algo real ou era ficção.

Algumas informações que a Folha sonegou a seus leitores:

1. O lobista Nilton Monteiro era homem dos bastidores do tucanato. Era o intermediário. A quem ele servia? Se a prisão dele não tem relação com a falsificação da lista do mensalão tucano, nem da lista de Furnas, por que noticiar que ele está preso por falsificação sem ouví-lo, como fizemos nós do Viomundo, que temos muito menos recursos que a Folha? Por que acreditar em Roberto Jefferson mas não em Nilton Monteiro? Do jeito que a Folha noticiou, fica parecendo que Monteiro caiu de paraquedas para ganhar algum.

2. A prisão de Nilton Monteiro não foi um caso isolado. Houve busca e apreensão na casa do advogado Dino Miraglia, que representou a família de Cristiana Aparecida Ferreira. A família sustenta que o assassinato dela tem relação com o papel desempenhado por Cristiana no mensalão tucano, o de transportar dinheiro vivo. Houve a prisão do jornalista Marco Aurélio Carone, a intervenção no site que ele dirigia e busca e apreensão na casa de um segundo jornalista que trabalhou com Carone, Geraldo Elísio Machado Lopes. Por que a Folha não cobriu o caso se, como dizem os tucanos, ele demonstra claramente a existência de uma quadrilha que tinha o objetivo de difamá-los? Por que a Folha não ouviu Carone, Miraglia e Geraldo Elísio, além de Monteiro?

3. A procuradora Andréa Bayão Pereira, do Rio de Janeiro, investigou a lista de Furnas. Ela ouviu Nilton Monteiro e executivos de empresas que teriam colaborado com a caixinha tucana. A procuradora confirmou vários aspectos da lista. Por exemplo, o deputado Roberto Jeferson confirma que recebeu os 75 mil reais atribuídos a ele na lista. Jeferson serve para denunciar o mensalão petista mas não para reforçar a credibilidade da lista? A procuradora chegou a oferecer denúncia contra Dimas Toledo, o diretor de Furnas acusado de organizar o esquema. Segundo a lista, R$ 5,5 milhões abasteceram a campanha de Aécio a governador,em 2002. Por que a Folha não tratou dos dois casos — mensalão tucano e lista de Furnas –, se ambos foram parar na Justiça e ambos repetem personagens?

4. As denúncias são sustentadas por duas das mais importantes lideranças da oposição em Minas. Os deputados Sávio Souza Cruz (PMDB) e Rogério Correia (PT). Pode se atribuir a eles motivação política — óbvia, nestes casos –, mas não se trata de dois irresponsáveis. Pelo jeito que a Folha noticiou, fica parecendo que um deles, Rogério Correia, caiu de paraquedas em Brasília, quando vem denunciando o caso faz muitos anos.

Estranho, muito estranho tudo isso. Parece uma coreografia do qual só a campanha de Aécio e a própria Folha sabem os próximos passos.

PS Cafezinho: O post original está cheio de links para quase toda informação disponibilizada. Vá lá se quiser lê-los.

ChargeBessinha_ListaFurnas

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo de Souza

13 de março de 2014 às 13h36

Leonardo Vinhas, Erick Cerqueira, Fabio Manta, Marluce Guimaraes, Ana Aline.

Responder

Deixe um comentário

Por que devemos confiar nas Urnas Eletrônicas? Viaje no Universo Profundo com o Telescópio James Webb O Xadrez para Governador do Ceará