Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Ideias para superar o apagão político

Por Miguel do Rosário

22 de abril de 2014 : 01h38

ScreenHunter_3640 Apr. 22 00.07

 

Leia bem o título dessa matéria publicada agora há pouco (meia noite do dia 22/04), no site do Globo.

Procure na matéria qualquer declaração de Dilma que corresponda, vagamente, ao título.  Não há. O máximo que dizem é que “fontes do Planalto rebateram nesta segunda-feira a fala do ex-presidente da Petrobras”.

Fontes? Que fontes? Assim é fácil fazer jornalismo.

Esse é o resultado do silêncio de Dilma. A imprensa começa a inventar “fontes do Planalto”. O que, por sua vez, me remete a um artigo que li há alguns dias no Diário do Centro do Mundo, citando uma das situações da famosa série política House of Cards.

Na segunda temporada, o personagem de Kevin Spacey, o ambicioso e maquiavélico Frank Underwood, finge ser o melhor conselheiro do presidente. Mas só lhe dá conselhos errados, porque seu objetivo é derrubar o presidente. Consegue. Derruba o presidente e assume o lugar dele.

Política tem dessas coisas. Às vezes seus melhores amigos são aqueles que já estão te traindo e preparando a sua cova.

Dilma precisa tomar mais cuidado com a turma a seu redor. O que está em jogo não é apenas a eleição dela, Dilma, mas o destino de um projeto político de caráter popular, que vem transformando a vida de milhões de brasileiros. A maioria da população quer continuar este processo de transformação, mas o processo deve ser atualizado à luz das ferramentas que temos hoje.

Hoje é dia 22 de abril, e a última postagem do blog da Petrobrás é do dia 19. Estão curtindo o feriadão? Que situação ridícula! Que incompetência! A direita não tira férias. Passou os últimos dias aumentando a pressão pela CPI. Agora está tudo em mãos de Rosa Weber, uma juíza inteligente, mas extremamente vulnerável à pressão midiática. Ela é a autora da pérola incrível de fascismo midiático: “não tenho provas contra Dirceu, mas vou condená-lo porque a literatura assim me permite”.

O governo não aprendeu com o “mensalão”? Vai oferecer o que resta do partido para virar comida no banquete sanguinário da mídia?

Essas mesmas “fontes” do Planalto, tão loquazes com o Globo, não dizem nada sobre o blog da Petrobrás, uma empresa estatal, que é, em última instância, controlada pelo governo federal? Não seriam essas fontes, na verdade, inimigos infiltrados? Se é que elas existem…

Dilma também tem um blog. Ela podia usá-lo para fazer política, não? Ou isso é proibido porque a Globo não acharia “republicano”? Nesta segunda-feira, o blog do Planalto publicou dois posts: um sobre Tiradentes, com platitudes óbvias, quase infantis, sobre o feriado; o outro com uma notícia já velha, sobre a inauguração do Navio Dragão do Mar. Repercussão zero, inclusive entre os seguidores da presidente.

Dois posts chatos, previsíveis, burocráticos!

O blog da presidenta vai ficar nessa toada? Não vai dar uma repaginada, só para mudar um pouco? Não podia ser atualizado 24 horas por dia, com respostas instantâneas a qualquer ataque político ao governo? Tal iniciativa insuflaria um entusiasmo avassalador junto ao eleitorado de Dilma, que apanha como escravo de engenho nas redes sociais, por culpa do silêncio esnobe, quase negligente, do governo.

Esse Café com a Presidenta não poderia ser convertido em vídeo, para os brasileiros verem o rosto e as emoções da presidente enquanto ela fala? Os comunicadores da presidenta não sabem que, desde os anos 50, a ferramenta do audiovisual se tornou muito mais poderosa que o áudio? Nunca ouviram falar do Youtube? Ninguém percebeu que esse Café já ficou frio?

Dilma não vai criar nenhuma ferramenta nova de comunicação? O governo federal não vai fazer um mísero aplicativo para ipad e smartphone, que dê acesso a informação atualizada sobre as ações do Estado brasileiro e quais as perspectivas de nossa economia?

Não vão fazer um aplicativo para a Copa, para o pré-sal, para os dados de economia, para ajudar os brasileiros no exterior?

Não vão fazer nada dinâmico e atualizado em inglês, para que o mundo tenha um contraponto à mídia local sobre como está o Brasil?

Dilma não vai desenvolver nenhuma política de comunicação efetiva para a classe média, para os jovens?

Por que Dilma não faz, sei lá, um hang out semanal com os internautas? Ela não quer ser popular?

Por que os jovens que estudam no exterior não recebem um emailzinho da presidenta parabenizando-os pelas conquistas, e prestando alguma informação relevante?

Eu recebia, até há pouco, emails diários do presidente Obama.

Dilma só aparece em eventos fechados, duros, chatos, onde fala coisas como: “quero agradecer ao governador, à mulher do governador, etc”…

Ninguém leu a coluna do Delfim Neto, dizendo que a falta de uma comunicação inteligente do governo está fazendo os empresários recuarem em suas decisões de investimento? Ninguém mais sabe direito o que está acontecendo, o que gera ruído negativo entre empresas e poder público.

A comunicação deficiente do governo está travando a economia brasileira!

E comunicação inteligente não é praticar um ufanismo idiota, tipo comunicação que qualquer governo medíocre faz: informar que o desemprego caiu, inaugurar obra, etc. Isso todo mundo sabe, porque está em toda parte. Se o desemprego está baixo, a presidência tem de trazer informações que ajudem o brasileiro a encontrar um trabalho melhor. Tem de trazer dados negativos também, adiantando-se aos urubólogos.

Lula conseguia inovar através da improvisação, fazendo graça e quebrando protocolos. Dilma poderia, sem perder o estilo dela, oferecer aos brasileiros informações em formato interativo, de maneira arrojada e sedutora.

Não adianta exagerar ou contar mentiras. Basta falar a verdade, informando aos brasileiros sobre os problemas que estamos enfrentando, e propondo parcerias entre governo, sociedade civil e o cidadão. O brasileiro comum, inclusive aquele que talvez não votou e não votará nela, quer ajudar Dilma a governar! Como usar essa energia se não for através da comunicação?

Dilma poderia se adiantar a Alckmin, por exemplo, e falar do problema da água em São Paulo. Afinal, é um problema que afetará o país inteiro, então ela deveria abordá-lo. Não precisa explorar a situação de maneira vulgar e eleitoreira, mas com transparência. Tipo assim: “paulistas e brasileiras, sou do PT e estou disputando eleições este ano, e qualquer crítica que eu fizer ao problema da água em São Paulo, a oposição e a imprensa me acusarão de estar sendo partidária e eleitoreira. Não é isso. Quero ajudar o governo de São Paulo, mesmo comandado por um partido adversário, a resolver esse problema. Vamos economizar água. No Brasil inteiro, para dar exemplo aos paulistas. Para sermos solidários aos paulistas! Vamos levar água de outros estados para São Paulo. Vamos ajudar São Paulo! Agora vou apresentar uma cartilha de como economizar água. O conselho vale para todos os outros estados, afinal economizar água é bom para todo mundo, porque água é um bem valioso que precisamos preservar.”

Pronto! Seria ações solidárias, generosas e não oportunistas, e isso seria levado em conta pelo eleitor.

O que Dilma está esperando para agir na questão da água em São Paulo? O paulista também é brasileiro e tem de ser protegido da incompetência e insensibilidade do governo tucano.

*

Depois de anos longe do twitter, Dilma voltou a ele, há alguns meses, fazendo palhaçadas com a Dilma Bolada, cujo autor, Jefferson Monteiro, diga-se de passagem, reúne mais talento do que todos os assessores de comunicação da presidência juntos. Conheci-o outro dia numa festa de uma produtora de cinema, na Lapa, e constatei ser também um rapaz dotado de fina intuição política.

Só que agora Dilma podia deixar de lado as palhaçadas, e jogar sério? Que tal?

Que tal chamar Gabrielli, Graça Foster, senadores do PT, e criar um comitê para lidar com o que, a partir de agora, será uma eterna “crise política”, criada e inflada pela imprensa para subsidiar a oposição?

Ou vão ficar nessa de esperarem as coisas acontecerem, fazendo orações para que a crise esfrie e a imprensa mude de assunto?

A imprensa não vai mudar de assunto. A imprensa brasileira é um partido político de direita e exerce o seu papel de oposição. Não adianta mais ficar resmungando contra a mídia.

O apagão político e comunicativo do governo está fazendo o barco afundar.  Isso não pode acontecer. Não podemos deixar a direita voltar ao poder.

Tenho conversado com muita gente nas últimas semanas, e escutado sempre a mesma frase de todos que torcem pela vitória de Dilma: se o governo não tomar atitude, não for mais assertivo, inovador e comunicativo, ela vai perder as eleições.

Os marketeiros não repararam que os brasileiros querem mudança, mas com Dilma? Não vão mudar?

Se querem mudança, Dilma deve mudar. E o ponto que hoje parece mais atrasado é a comunicação, que não é nenhuma “frescura”. É onde se dá o embate político, onde as decisões de investimento bebem sua vontade de potência, onde nascem os sonhos de futuro, onde resgatamos as memórias do passado.

*

Quando puder, faça uma assinatura do blog O Cafezinho. Vamos manter este Cafezinho quente e encorpado!

mafalda-e-libertad

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Cheila Do Rio Selarim

24 de abril de 2014 às 19h42

Muito bom !

Responder

KLEMI

23 de abril de 2014 às 00h15

Miguel do Rosário para a SECOM – urgente!

Responder

Lamarca73

23 de abril de 2014 às 00h09

Caro Miguel, fora de pauta:

afinal de contas, quem está falando a verdade?

veja o vídeo para que você possa entender:

https://www.youtube.com/watch?v=F42XLNSkX0Y

Responder

Anônimo

22 de abril de 2014 às 18h23

Martins Andrade
Miguel, no Tijolaço de 16/04/2014, às 6:07 pm, postei esse comentário.
Agora leio em seu Blog a postagem sobre a reação do PT às críticas da oposição.
Não sou petista, mas também defendo o programa que tem dado dignidade a milhões de brasileiros.
E vejo que pensamos maisou menos igual.

“60 milhões de brasileiros que votaram no PT e base aliada, não foi para eles se acontoarem na Câmara e Senado. Foi para que eles fizessem as reformas que beneficiassem a população,de um modo geral, e particularmente, fizessem a defesa dessas reformas.
O que se vê, são os eleitores indo para o pau, nos sites sociais, de relacionamentos, na rua, contra os tucanos e assemelhados,enquanto os parlamentares do PT e base aliada, que deveriam fazer essa defesa,ficam que nem carneiro na chuva: aglomerados e esperando não se sabe o quê?”

Responder

Vitor

22 de abril de 2014 às 17h06

Caramba Miguel!!!!
SPOILER ALERT no House of Cards… Matou minha segunda temporada…

Responder

MARCIO WILK

22 de abril de 2014 às 15h17

Importa é a TV aberta, no horário das 19 ás 22 horas. Um dos irmãos Marinho não foi chamado ao Planalto para uma entrevista com a Presidenta???? Teria ele enfiado o dedo na cara dela e mandado não encher o saco?? Pode ser sim!

Responder

Paulo Cesar Souza da Silva

22 de abril de 2014 às 13h19

Já dizia um certo “velho guerreiro”: “Quem não se comunica, se trumbica…”

Responder

João Silva

22 de abril de 2014 às 11h03

concordo plenamente…

Responder

Mauricio Machado

22 de abril de 2014 às 10h24

Na mosca! Por outro lado, preocupante sim.

Responder

Diego Paes De Vasconcelos

22 de abril de 2014 às 07h24

Ótimo e perfeito. Ha tempos não leio um texto de “conselhos” como este. parabéns Miguel.

Responder

j

22 de abril de 2014 às 03h03

bom!

Responder

Bira Huffel

22 de abril de 2014 às 05h25

Ficamos esperando por respostas aos ataques, para postar os links nos comentários das postagens da Veja, Estadão, O Globo e outros e não há respostas com veemência. Será q o governo está acomodado nas pesquisas, com medo daquele velho ditado. a M quanto mais mexe mais fede….que medo é esse???

Responder

Militancia Brasil

22 de abril de 2014 às 04h43

ta esquisito mesmo

Responder

Deixe um comentário para Vitor