Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Gilberto Carvalho e os xingamentos à Dilma

Por Miguel do Rosário

19 de junho de 2014 : 19h46

É impressionante o cerco da mídia, e especialmente do Globo, a qualquer tentativa do governo de promover algum tipo de avanço democrático. E ela joga sujo. Criminaliza o governo, criminaliza a política e criminaliza os movimentos sociais.

O ministro Gilberto Carvalho, da secretaria geral da Presidência da República, organizou ontem mais uma rodada de conversas com ativistas sociais, jornalistas (que por acaso são blogueiros) e representantes da sociedade civil. Eu participei da primeira, há algumas semanas, quando o decreto da presidência da república ainda não tinha virado polêmica. Eu mesmo nem sabia direito o que era. Hoje entendo melhor.

Eu queria comentar a forma como o Globo se referiu hoje aos participantes do encontro com o ministro.

ScreenHunter_4018 Jun. 19 17.47

Para mim, blogueiro full time, é até positivo que o Globo alimente essa obsessão em chamar qualquer interlocutor do governo, que não pertença a grande mídia, de “blogueiro”.

Quer dizer, seria positiva, não se tratasse de uma estratégia espúria de desqualificação, de mais uma tentativa de criminalizar a política. Para a mídia, um blogueiro politico de esquerda é uma espécie de bandido. Para a mídia, é um pesadelo que seu mundinho encantando, cartelizado, com jornalistas subservientes à orientação ideológica de seus patrões, esteja sendo ameaçado por esses subversivos.

A ordem da mídia hoje é “delenda blogueiros”. A referência a eles é sempre negativa, sempre no sentido de desqualificar sua independência, seu profissionalismo, sua integridade, sua importância crescente no debate público.

Os barões não admitem que possam existir indivíduos com independência política. É uma maneira inclusive de justificarem a escravidão ideológica imposta a seus jornalistas: olha, vocês são escravos nossos; mas ao menos não são blogueiros sujos, bandidos, e, supra-sumo da infâmia, governistas!

Confira a lista de participantes:

Henrique Carlos Parra Filho, do Instituto SEVA;
Pablo Capilé, do Fora do Eixo;
Marcelo Branco, ativista do Software Livre;
Beatriz Tibiriça, do Coletivo Digital (participação remota);
Fred Vazquez, do Blogoosfero;
Bia Barbosa, do Intervozes;
Pedro Abramovay, do Open Society (participação remota);
Haydee Svab, do Transparência Hacker;
Jader Gama, do Puraque;
Daniel Marostegan, do Nós Digitais;
Sady Jacques, da Associação Software Livre;
Ivana Bentes, da UFRJ;
Adriano de Angelis, da RiAV (Rede de Inovação Audiovisual);
Renato Rovai, Revista Fórum (participação remota);
Dalton Martins, da Universidade Federal de Goiás (participação remota);
Vera Masagao, ABONG.

A Ivana Bentes é uma professora, uma intelectual. Não é “blogueira”.

O epíteto de “pró-governo” é uma tentativa vil de desqualificar as pessoas. É uma linguagem agressiva, militante, uma linguagem de… blogueiro. O Globo virou um grande blog de direita.

Por aí se vê o preço alto pago por qualquer agente político (que não tenha a simpatia da mídia, claro) disposto a dialogar com o governo. A mídia, porta-voz da direita, não admite que nenhum ativista ou blogueiro ganhe espaço de interlocução em Brasília. É impressionante o nível de agressividade com que temos sido atacados pelos grandes jornais. É tanto que até já achamos normal. Só que não é. O Globo chega ao cúmulo de telefonar para os patrocinadores dos blogs, num esforço espúrio de chantagem e asfixia econômica.

A matéria do Globo foi ilustrativa, porque na conversa os ativistas e blogueiros disseram exatamente isso ao ministro. Eles são agredidos apenas por conversar com o governo, e aí o governo vai e joga toda a sua verba de publicidade na mesma grande mídia que faz política descaradamente partidária contra o governo, e agride covardemente os ativistas políticos e os blogueiros.

Para o Globo, e para a mídia em geral, os únicos ativistas que prestam são os que apenas dialogam com ela, com a mídia.

*

A mídia, astuta, trabalha 24 horas por dia para derrubar o governo.

A prova disso está no viés absolutamente igual dos jornalões em relação às frases de Gilberto Carvalho, sobre os xingamentos à Dilma. Elas foram rapidamente manipuladas para tentar neutralizar a forte reação nas redes sociais contra o que se entendeu como um grande desrespeito não apenas à presidenta da república, mas ao Brasil, visto que se tratava da abertura da Copa do Mundo.

Eu separei o trecho do vídeo em que o ministro faz a afirmação. São apenas 4 minutos. Assista para entender o contexto.

Carvalho falou a verdade, mas cometeu um erro político crasso, derivado de uma leitura pobre de um episódio que produziu um marco simbólico fundamental no processo eleitoral deste ano.

Quando se fala que a “elite branca” (no meu caso, troquei a expressão para “endinheirados truculentos”) xingou Dilma, não quer dizer que a classe média, ou mesmo os pobres, estejam integralmente satisfeitos com as coisas no Brasil.

A expressão significa que o núcleo duro da oposição ao que ainda existe de qualidade popular no governo vem das camadas ricas da sociedade. É lá que nasce o ódio, a intolerância, o terrorismo ideológico. É de lá que vem os ataques mais perigosos.

As estatísticas são claras. O próprio Gilberto Carvalho deixa bem claro em sua fala: o ódio à Dilma é um sentimento que nasce nas elites, toma as classes médias e está “gotejando” para as classes populares.

Carvalho tropeçou porque não entendeu que a reação aos xingamentos à Dilma foi mais importante que os xingamentos em si, pois ajudaram a criar uma polarização política que, embora expressa nas pesquisas, ainda não tinha vindo à tôna nas redes sociais. O ódio vem de cima, vem dos ricos. Não de todos os ricos. Mas daqueles que se deixaram dominar pelo egoísmo social, pelo patrimonialismo, pelo preconceito.

É um ódio não apenas ao PT, mas à própria política, e à própria democracia. Um ódio que esteve sempre presente, tristemente presente, em nossa epopéia republicana.

À mídia não interessa uma polarização social neste sentido, porque ela sabe que eleições são ganhas com o voto do pobre.

Carvalho, de qualquer forma, fez uma autocrítica dura: ele diz que o governo não enfrentou o debate na mídia.

Ele lembrou uma das crises do início do governo Dilma, gerada por escândalos midiáticos relacionados a contratos de ministérios com ongs. A presidenta, ao invés de enfrentar o debate, preferiu, como fez sempre (Pasadena é o exemplo mais recente), reagir açodadamente, com medo de ficar mal nos jornais, e baixou um decreto que enrijeceu e dificultou a relação do governo com entidades sociais. Carvalho lembra de uma entidade que ficou um ano sem poder construir cisternas de água por causa desse decreto. Esta foi a principal razão, também admitiu Carvalho, para as dificuldades vividas pelos pontos de cultura.

A falta de experiência política da presidenta foi explorada facilmente pela mídia, que manipulava escândalos e elogiava a postura submissa de Dilma, como uma grande virtude republicana. Foi o momento em que Dilma viveu seus píncaros de popularidade, mas frágil porque embasada apenas numa imagem construída na grande mídia.

Dilma parece ter acreditado nesses elogios, que na verdade apenas se inscreviam numa estratégia política para debilitar seu governo e afastá-lo da sociedade. O governo foi se afastando, até que parou definitivamente de dialogar com os movimentos sociais. A estratégia de comunicação, por sua vez, se baseou em recuar cada vez mais, esconder-se, não dar entrevistas, não conversar com ninguém. O país ficou como que sem liderança, e as manifestações de rua nasceram desse sentimento de insegurança, de não saber para onde vamos, de não saber o que está acontecendo.

O resultado está aí. O desemprego nunca foi tão baixo no país, e ao mesmo tempo cresce a desaprovação social às políticas federais de combate ao desemprego! Uma contradição que só se explica pelo fracasso estrondoso da comunicação do governo. O chefe da Secom, Thomas Traumann, é um bom rapaz, bem intencionado e progressista, mas não é um quadro político. É provavelmente mais um jornalista preocupado onde vai trabalhar quando não for mais ministro: que grande jornal ou revista irá empregá-lo? E por isso jamais ousará enfrentar aqueles que irão empregá-lo no futuro. Por isso mesmo que eu acho que a Secom deveria ser ocupada por não-jornalistas. Por médicos, cientistas, servidores de carreira. Tudo menos jornalistas, por conflito de interesse.

A Secom deveria propor políticas públicas criativas que, independente de uma lei de mídia que não sabemos se sairá nessa década, poderiam ajudar a trazer mais pluralidade ao mercado de opinião política.

O governo parece não entender que uma mídia mais plural – na área política – enriqueceria a nossa democracia e modernizaria o país, contribuindo inclusive para elevar nossa produtividade econômica.

A pluralidade na mídia não deveria ser encarada como uma reforma de “esquerda”. Não é. Não necessariamente. É uma bandeira antes liberal. Ela vai além da ideologia, porque sua maior importância é permitir a materialização de valores democráticos. É com essa toada que se poderá legitimá-la junto a setores mais austeros da sociedade, hostis a qualquer tentativa de coibir a liberdade de imprensa, mas abertos a reformas que possam melhorar a qualidade da nossa democracia.

Eu editei a conversa de Carvalho com os ativistas. Cortei muitos trechos porque o vídeo tinha mais de duas horas, e separei o que me pareceu mais interessante. Recomendo fortemente que assistam. As intervenções de Pablo Capilé e Renato Rovai são muito boas. Capilé observa que será muito difícil falar de participação social sem trabalhar a regulação da mídia. Rovai observa que o governo precisa assumir mais riscos. A necessidade de um sistema público de comunicação mais ousado, mais profissional, mais criativo, e um plano de banda larga mais arrojado, foram citados como condições essenciais para o sucesso de qualquer esforço do governo para mobilizar espectros mais amplos da sociedade em defesa de seus projetos.

A intervenção de Bia Barbosa, do Intervozes, é muito inteligente. Ela explicou que o governo atrapalha a luta histórica pela democratização da mídia quando toca no assunto apenas quando está sob ataque da imprensa. Isso é um erro tático grosseiro, porque dá margem à interpretação de que se trata de um processo que visa silenciar a crítica. Não é isso. A democratização da mídia visa aumentar o número de vozes críticas ao governo e às autoridades. Hoje a própria crítica ao governo é monopólio da mídia. A população, quando quer criticar o governo, precisa parar o trânsito nas grandes cidades. Esse ambiente asfixiante, em que a sociedade vê que só três ou quatro famílias tem força para fazer uma crítica sistemática ao governo e pautar a agenda política nacional, também pode ser uma explicação para a explosão de insatisfação. E a prova disso foi a hostilidade à imprensa corporativa que vimos nas ruas.

Assista o vídeo do encontro de Gilberto Carvalho e alguns ativistas:

Charge2014-xingamentos-789393

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Abner Moabe

20 de junho de 2014 às 16h30

Ivan Cabral Da Silva

Responder

MARIA CARDOSO

20 de junho de 2014 às 12h38

Excelente texto, adorei a análise! Obrigada!

Responder

Glub

20 de junho de 2014 às 12h18

A primeira besteira do Gilbertão foi avaliar a partir da experiência pessoal num jogo de copa do mundo.

Se a Globo tivesse mostrado gente da periferia repetindo o Dilma VTNC teria o mesmo valor.

O que é relevante é a pesquisa do Ibope que mostra que na faixa de 16-24 anos o Aécio vence da Dilma.

Os jovens das passeatas e os que assistiam jogo com o Carvalho são exemplares disso.

Tenho um amigo que é professor de História de escola da classe média e da periferia do ensino médio que diz que neoliberalismo e Aécio são amores jovens da garotada.

A eleição vai ser uma Venezuela. Dilma vai ganhar por pouco.

Ganhando, tem que dar uma de Maduro e partir pra dentro, sem as trapalhadas dele.

Responder

Francy Lisboa

20 de junho de 2014 às 11h39

rssrsrs

Responder

Messias Franca de Macedo

20 de junho de 2014 às 10h03

O POVO ADERIU À COPA. ISSO É LULIZAÇÃO…

de *Elmar Bones

Claro que o PIG não vai reconhecer, mas a verdade é essa: a Copa no Brasil é obra do Lula. Não, um palpite ao acaso.
É uma construção política à qual muito pouca gente deu atenção ou entendeu.
Oficialmente, a Copa 2014 começou no dia 30 de outubro de 2007, quando a FIFA anunciou a vitória do Brasil, que disputava a indicação com os Estados Unidos, a Austrália e o México.
Na verdade, começou bem antes, quando agentes públicos e privados foram à luta para garantir a candidatura do Brasil, como país sede.
Envolveu ações diplomáticas, para obter a indicação dos outros países do continente sul-americano, exigiu articulação interna, para construir uma “base política” em torno da Copa.
A comissão da FIFA que visitou o país, antes da escolha, pode constatar o amplo apoio de todas as correntes políticas e até o apoio popular.
(…)
Lula trouxe a Copa no final de seu segundo mandato. Era um presidente consagrado, que conseguiu eleger uma anti-candidata, como diziam de Dilma Rousseff quando seu nome foi lançado.
Ela herdou de Lula o mandato, a popularidade e a Copa. A Copa não mais como um sonho, um projeto, mas como uma realidade – estádios, aeroportos, vias de acesso, e tudo mais. Em certo momento pareceu uma “herança maldita”.
Mas as obras essenciais foram feitas e, mais importante, o povo aderiu à Copa, o que pode resultar num gol de placa do Lula.
Haja editorial para dizer que a Copa não terá nenhuma influência na eleição.

*O Conversa Afiada publica artigo de Elmar Bones, excelente jornalista, editor do “Já História”, que está nas bancas com uma edição especial – valiosa – sobre “1964 – assim começou o Golpe”.

FONTE: http://www.conversaafiada.com.br/economia/2014/06/20/o-povo-aderiu-a-copa-isso-e-lulizacao/#comment-1528808

Responder

Messias Franca de Macedo

20 de junho de 2014 às 07h48

Prezado, competente e impávido jornalista Miguel do Rosário,

aqui, na Bahia, o governador Jaques Wagner (PT) nomeou para a Secretaria de Comunicação o Robson Almeida, um engenheiro eletricista! Ao que parece, uma agradável surpresa! O que confirma uma das suas teses: “Por isso mesmo que eu acho que a Secom deveria ser ocupada por não-jornalistas. Por médicos, cientistas, servidores de carreira. Tudo menos jornalistas, por conflito de interesse.”

Ínclito jornalista Miguel do Rosário,
parabéns pelo trabalho – e dedicação aos interesses nacionais!

Messias Franca de Macedo
Feira de Santana, Bahia
Brasil

Responder

Messias Franca de Macedo

20 de junho de 2014 às 07h41

O que o ministro Gilberto Carvalho quis dizer, penso eu, foi que “as camadas mais pobres da população brasileira são, também, suscetíveis às influências malévolas da ‘grande’ mídia nativa”!
Ser transparente é dizer a verdade! Distendendo e aprofundando, evitando as digressões! O uso distorcido das verdades pelos opositores, deve-nos impelir ao aprofundamento do debate! E é exatamente a isto que o Gilberto Carvalho nos convida!

Um parênteses:
Declarações do ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, irritaram o PT; ele disse que os xingamentos contra a presidente Dilma Rousseff no Itaquerão não vieram só da ‘elite branca’, contrariando versão do governo e do PT para lidar com o ocorrido; “O Gilberto está meio fora da casinha! Depois de todo esse estrupício que fizeram com Dilma na Copa, ela está melhor do que imaginava. Essa declaração está fora de propósito”, disse o deputado José Guimarães, um dos vice-presidentes do PT
(…)
FONTE:
http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/144139/Ex-l%C3%ADder-do-PT-Gilberto-est%C3%A1-meio-fora-da-casinha.htm

Retomando a análise:
este PT não arejado deve ser, sim, contestado! Neste tópico, o deputado petista José Guimarães revela estar na ‘casinha’, ou seja, numa redoma criada pelo pragmatismo! De novo o Gilberto Carvalho: “o governo não enfrentou o debate na mídia.”

De resto, temos pautas para o PIG – e solavancos desnecessários na cúpula do PT!

República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Alessandra Guarneri

20 de junho de 2014 às 01h46

Texto perfeito

Responder

enganado

19 de junho de 2014 às 22h08

Ministro:

A que senhores obedece o GAFE=PSDB=DEM=FIESP=… enfim a tal chamada de Direita (De Direita não tem nada) obedece a que QUEM? Mais ainda, aqueles que querem o Pré-sal, Bco. do Brasil, Caixa Econômica, Petrobras, Eletrobrás, … etc, igual fizeram nas economias dos países da antiga esfera soviética que hoje amargam suas Pátrias FALIDAS, etc (vide o que estão fazendo com a Ucrânia). Vamos Ministro! gostaria que fossem dados os NOMES aos burros. E mais, se não lhes apontar o dedo em riste nunca nos respeitarão, e o senhor sabe porque? ou será “PORQUE NÃO TEMOS BOMBAS ATÔMICAS? Pelo visto, esta Bomba Salvadora já deveria estar pronta antes das eleições de outubro. Não acha? Tá faltando um grito Segundo Grito de “INDEPENDÊNCIA ou MORTE”, como faltam no mundo um “JULGAMENTO DE NUREMBERG II”. Coragem Ministro porque tem muita gente com sede de justiça que está cansado das TV’s Globo da vida!

Responder

Cida Jube

19 de junho de 2014 às 23h50

Crime é com a Globo mesmo, se fizer uma folha corrida de 64 até hoje, dá umas dez voltas no planeta Terra.

Responder

Francisco Pacífico

19 de junho de 2014 às 20h36

Caros cafeinômanos,

Há uma dúvida martelando em minha cabeça: com o sucesso que se anuncia, será o PIG dirá que a organização desta copa teve início no governo FHC?

Responder

Mariano Lima Baptista

19 de junho de 2014 às 23h25

Pobre ou Rico não devemos xingar as pessoas.

Responder

Ivo Menezes

19 de junho de 2014 às 23h21

Se um chefe da Casa Civil se queixa do que deixou de fazer a SECOM, o que pode dizer aqueles que sempre apontaram esse erro estratégico? Creio já ter ouvido falar em Conselho Político, que bem poderia fazer o diagnóstico correto e propor atitudes mais adequadas em matéria de comunicação do governo.

Responder

Livia Vieira

19 de junho de 2014 às 23h09

(Y)

Responder

Ademir Arenhardt

19 de junho de 2014 às 23h08

Ricos e pobretões que comem pé de galinha e arrotam caviar

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina