Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Marco Aurélio Garcia descasca Ricardo Ferraço

Por Miguel do Rosário

02 de julho de 2014 : 17h55

Esse Ricardo Ferraço é uma decepção. A troco de que o sujeito foi caminhar para um conservadorismo tão chulé?

Merece, portanto, as bordoadas intelectuais do professor Marco Aurélio.

No Brasil 247.

GARCIA REBATE FERRAÇO: “DESINFORMAÇÃO E INSULTOS”

Assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia publica dura resposta às críticas, feitas à Veja, do senador Ricardo Ferraço (PMDB) sobre a política externa brasileira e ao governo Dilma Rousseff; “Tal qual uma Mãe Dinah das relações internacionais, Ferraço prognostica que Argentina e Venezuela, apesar de seus Governos terem sido eleitos pelo voto popular, caminham para uma ditadura”, diz Garcia, que define o discurso como de “muito barulho, pouca consistência”; para ele, o presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa da Câmara ostenta desinformação e lugares comuns; desconhece ação conjunta de Brasil e Bolívia e “prefere insultar o presidente Evo Morales”, assim como anunciar um novo “espantalho”, o bolivarianismo, “que não explica o que é”

2 DE JULHO DE 2014 ÀS 17:20

247 – As críticas do senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) à política externa brasileira e à gestão da presidente Dilma Rousseff, desferidas em entrevista às páginas amarelas da revista Veja do último fim de semana, foram duramente rebatidas nesta quarta-feira 2 pelo assessor da Presidência da República para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia. Em artigo, ele define o discurso do parlamentar como de “muito barulho, pouca consistência” e acusa o presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa da Câmara de ostentar desinformação e lugares comuns em seus ataques.

Leia aqui a entrevista do senador à revista Veja e, abaixo, o artigo de Garcia:

Política Externa: entre luzes e apagões.

Por Marco Aurélio Garcia

“O meio é a mensagem” disse McLuhan.

O senador Ricardo Ferraço, Presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa de nossa Câmara Alta, escolheu as páginas amarelas da revista VEJA para destilar sua ojeriza à política externa brasileira e ao governo da Presidenta Dilma Rousseff. Maior adequação entre continente e conteúdo seria impossível.

Mas, se a pretensão era a de uma artilharia pesada, o resultado não passou de fogos de artifício. Muito barulho, pouca consistência.

VEJA anuncia que a Comissão presidida por Ferraço é “um contraponto ao Itamaraty”, instituição que o senador vê “apequenada” e submetida a um duplo comando – o do “chanceler de direito” (o Ministro Luiz Alberto Figueiredo) e o do “chanceler de fato” (quem assina esta nota).

Café requentado nos últimos 12 anos, a suposta duplicidade na condução da política externa não é capaz de encontrar um só grão de verdade. Esconde muitas mentiras.

Ferraço percorre distraído a América Latina, ostentando sua desinformação, reproduzindo todos os lugares comuns possíveis e arrogando-se a função de politólogo, sem ter recursos suficientes para sê-lo. Ao final desvela seu propósito: o de atacar o Governo Dilma Rousseff e a falta de um projeto de nação, que ele atribui à Presidenta. Fica-se à espera de qual projeto seria esse. Silêncio ensurdecedor.

Tal qual uma Mãe Dinah das relações internacionais, Ferraço prognostica que Argentina e Venezuela, apesar de seus Governos terem sido eleitos pelo voto popular, caminham para uma ditadura. Menciona o cerco à imprensa nos dois países, ocultando, por exemplo, que em Caracas e Buenos Aires os principais órgãos de imprensa – El Nacional, El Universal, Clarín e La Nación, respectivamente – são há anos duros opositores dos governos de Nicolás Maduro e de Cristina Kirchner. O senador menciona o testemunho crítico da deputada venezuelana María Corina sobre a situação de seu país. Tivesse convidado, como fez a Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, aos Professores Gilberto Maringoni, Igor Fuser e ao economista do IPEA Pedro Barros, poderia ter uma opinião mais aprofundada e plural. Seria de perguntar-se porque o vigilante senador não ouviu, como lhe foi proposto, o deputado venezuelano Rodrigo Cabezas. Pergunto-me, igualmente, por que não teve ainda curso o convite que me foi feito para ir à Comissão do Senado, assim como o Embaixador do Brasil em Caracas, Rui Pereira.

Ricardo Ferraço utiliza informações a seu gosto. Desconhece a ação conjunta que os Governos do Brasil e da Bolívia têm desenvolvido nos últimos anos no combate ao narcotráfico. Prefere insultar o Presidente Evo Morales que deve seu mandato ao voto popular.

Sobram desinformação e insultos em suas declarações: à Presidenta, ao Ministro Figueiredo (chanceler de direito e não de fato, segundo ele) e ao Itamaraty, quando acusa a instituição de coagir diplomatas para seguir ao “bolivarianismo”, sob pena de perder cargos e salários. Acusação grave, que só pode fazer impunemente quem se esconde sob o manto da imunidade parlamentar.

Já que o “comunismo” deixou de ser fantasma, como nos tempos da Guerra Fria, Ferraço levanta como novo espantalho o “bolivarianismo”, que não explica o que é.

O que venha a ser o bolivarianismo, é evidente que se trata de um fenômeno com sabida particularidade histórica que não tem nenhuma influência, nem mesmo presença, no ambiente político-ideológico brasileiro.

É curioso que o Senador mencione os importantes debates organizados pelo Itamaraty para a preparação de um Livro Branco sobre a política externa brasileira – onde fez longa exposição na sessão de abertura – para tentar diminuir a figura respeitável do Ministro Figueiredo, que está realizando importante processo de reorganização do Ministério e de requalificação de nossa presença no mundo.

A prova do respeito que tivemos vis-à-vis a intervenção de Ferraço e a de tantos outros, está no fato de que a discutimos serenamente e, mesmo discrepando de alguns de seus conceitos, a levamos em conta como importante contribuição ao debate.

Entre os nostálgicos dos fracassados projetos de constituição de uma Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), virou moda a celebração da Aliança do Pacífico como contraponto ao MERCOSUL e a nossas concepções de integração continental.

Não há um “Tordesilhas do Século XXI”, separando MERCOSUL da Aliança do Pacífico. Ao contrário, os dois blocos estão em processo de aproximação e, sem perder suas respectivas identidades, propõe-se fortalecer, num diálogo respeitoso, os grandes eixos de integração da região – a UNASUL e a Comunidade de Nações Latino-Americanas e do Caribe (CELAC).

Finalmente, já está passando a hora de desmistificar supostos exercícios teórico- políticos, em nome dos quais se pretende desqualificar a atual política externa como “de Governo” e não “de Estado”. Essa diferenciação tem sido utilizada nos últimos tempos por aqueles que buscam aprisionar políticas públicas – na economia, na defesa e também nas relações exteriores – a cânones conservadores, forjados no passado, no contexto de uma outra realidade nacional e mundial e de uma distinta correlação de forças sociais e políticas.

O interesse nacional que alguns gostam tanto de citar para justificar posições político-partidárias não é fruto de mentes supostamente iluminadas. É, antes, expressão da vontade geral e esta, em uma democracia, resulta da expressão popular que as urnas periodicamente recolhem.

O resto é apagão.

Marco Aurélio Garcia + Evo Morales

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Geraldo do Espirito Santo

08 de julho de 2014 às 21h55

Você tomou turbante de mae Dinah,deu pra fazer previsão .Tu endende
mesmo e de nada cara. Vai toma no cu- idado cara passarinho que dorme com morcego amanhece com a cabeça pra baixo enh.

Responder

Elias Grifo Rezende

03 de julho de 2014 às 14h29

-Sou capixaba,mas as duas coisas que Ferracinho(filho)e Ferração
(pai),sabem fazer,é trocar de partido e ficarem agarrados a teta
do poder.

Responder

Roberto Luiz Souza de Melo

03 de julho de 2014 às 13h43

Petróleo não faz mágica, tanto o Sudão quanto o os Emirados Árabes tem muito petróleo qual dos dois tem o melhores indicadores????

Sobre Cristina, repito a pergunta: qual o grande nome do kirchnerismo? Quem votaria em uma candidata apoiada pele politica que os faz entrar em recessão?

Responder

Fabricio Azevedo

03 de julho de 2014 às 12h48

Você fala português ? Sério, mal conseguir entender o que você escreveu. Bom, quem disse que a Cristina não fará sucessor ? Quem é o grande nome da oposição argentina ? Quanto ao Maduro, bom, tem muita gente querendo o petróleo venezuelano. Os USA parecem que querem levar de graça. A China está mais disposta a pagar. Quem você acha que a Venezuela deve dar preferência ???

Responder

Roberto Luiz Souza de Melo

03 de julho de 2014 às 09h10

Não vejo porque ter medo desses governos, eles já estão em via de desaparecerem, Cristina não vai fazer sucessor e Maduro provavelmente em breve não conseguirá trabalhar petróleo em comida e abastecimento!

Responder

Art Fact

03 de julho de 2014 às 01h27

Sabe tudo, o Zé.

Responder

Jose Roberto

03 de julho de 2014 às 00h00

Eu não vou falar sobre a Argentina q assim como o Brasil o povo não vá aceitar nenhuma ditadura nem de direita,muito menos de esquerda,já a Venezuela com a dupla CHAVEZ-MADURO,caminha a passos largos para uma ditadura

Responder

Roberto Marconi De Macedo Filho

02 de julho de 2014 às 22h45

Ferraço tem raiva por ter perdido, duas vezes, o direito de concorrer ao governo estadual. Dizem ter o dedo do PT. Deve vir daí o destempero…

Responder

Roberto Marconi De Macedo Filho

02 de julho de 2014 às 22h27

Cleufis Moura

Responder

nilo walteer

02 de julho de 2014 às 18h10

Esses políticos capixabas com raras excessões são uma vergonha .

Até quando nós do ES teremos que suportar referidas malas …

Responder

    Macunaíma

    27 de setembro de 2014 às 17h59

    Até os capixabas deixarem de votar nesses pilantras.

    Responder

Deixe um comentário para Jose Roberto

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?