Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

O controverso dono do apê de Marina

Por Miguel do Rosário

17 de setembro de 2014 : 13h47

ScreenHunter_4877 Sep. 17 13.39

Valle é o do meio. Foto do Facebook da RVM, uma das empresas dele.


 

Agora a Marina Silva vai chorar como nunca.

Vai falar que é mentira, boato, baixaria.

Vai convocar milhares de coxinhas para rebaterem as supostas inverdades.

Vai querer censurar os blogs.

Mas não posso fazer nada. Tenho que informar aos leitores, sempre trazendo documentos e links.

Desde o início achei estranho que Marina Silva se hospedasse no apartamento de um milionário como Carlos Henrique Ribeiro do Valle.

Não quero demonizar ninguém. Como jornalista, já entrevistei muitos fazendeiros e empresários. Tem gente boa e honesta em todos os setores.

Eu achei estranho porque não combinava com Marina, ou assim eu supunha, ingenuamente.

O dono do apartamento é proprietário de um grupo, o RVM, que possui vários postos de gasolina; uma distribuidora de combustível (Petronac); e fazendas em Minas, Mato Grosso e Pará (segundo a Folha).

É filiado ao DEM, o partido mais à direita do espectro político.

Nada menos ambientalista e menos “nova política”.

A troco de que um sujeito com esse perfil emprestaria, de graça, um apartamento à Marina Silva?

Essa é uma pergunta que não posso responder. Mas fui pesquisar sobre o homem e suas empresas.

E descobri que ele, a Petronac, e um de seus postos, o Saema Auto Posto, foram condenados pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região por adulteração de combustível.

Segundo a Polícia Federal, vários postos situados em Minas Gerais, abastecidos pela Petronac, adulteravam combustível.

A decisão judicial, em última instância, sem mais direito à apelação, está aqui.

A Petronac também foi acusada de fraudar uma licitação em Marília, interior de São Paulo. Um dos documentos do Tribunal de Contas de SP pode ser baixado aqui.

A Petronac tem uma briga constante contra a Petrobrás para avançar mais no setor de distribuição de combustível. As duas disputam licitações para fornecer combustível a prefeituras, Brasil a fora.

Provavelmente é por isso ele apoia Marina, porque a Petrobrás atrapalha a sua vida. Ele tem razões pessoais para odiar o monopólio do petróleo.

As invenctivas de Marina contra a Petrobrás devem soar como música aos ouvidos de Carlos Henrique Ribeiro do Valle.

É seu direito democrático pensar assim. Assim como é emprestar seu apartamento à Marina.

Mas é também direito democrático fundamental do brasileiro conhecer melhor em quem irá votar.

Como o candidato ganha a vida? Como mora?

Já sabemos que o instituto Marina, que sustenta a candidata, recebeu R$ 1 milhão de Neca Setúbal, herdeira do Itaú, ou 83% de todo o valor arrecadado pelo instituto nos últimos anos.

Depois fomos informados que Marina Silva mora no apartamento de um dono de postos de combustível e fazendeiro, cujas  empresas respondem processos por adulteração de combustível e fraude em licitações.

Essa é a “nova política”.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

69 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

hc.coelho

18 de setembro de 2014 às 11h32

Cafezinho,
Que tal voc^comentar isso:
Está lá no site do MME e foi dito para uma platéia de industriais. E mesmo assim são contra a Dilma. Estariam loucos? Incrível.

“Sem a redução das tarifas de energia realizada em 2012 pela Medida Provisória (MP) 579, a conta de luz dos consumidores de energia estaria entre 80% e 90% maior. A afirmação foi feita pelo secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia (MME), Márcio Zimmermann, na abertura do Energy Summit 2014, em São Paulo, na terça-feira, 16 de setembro. (…)”

Responder

marcos

18 de setembro de 2014 às 09h51

Marina temde trocar o número 40, com urgência, para 171. Ao menos fica mais autêntico !!

Responder

Vanessa Soares

18 de setembro de 2014 às 12h50

A nova política que você está buscando, Michael Willian

Responder

Rui

18 de setembro de 2014 às 02h24

Ué, mas e o Cerveró (aquele da mutreta de pasadena) que foi locatário de um modestíssimo apartamento avaliado em 7,5 milhões, pagando pelo aluguel o módico, segundo Cerveró, valor de 7.500 reais (apenas 0,1% do valor do imóvel). Para se ter um idéia da generosidade do “locador”, um imóvel cujo valor 150 mil reais seria locado pelo mesmo locador pela bagatela de R$ 150,00. Só o mundo encantado da petelândia para propiciar um negoção desses!

Responder

RAFAEL FERREIRA SOUZA

18 de setembro de 2014 às 01h48

http://web.trf3.jus.br/acordaos/Acordao/BuscarDocumentoGedpro/3173884

Responder

Pietro Matos

18 de setembro de 2014 às 00h54

Marina laranja de todos os banqueiros

Responder

    FabioT

    18 de setembro de 2014 às 11h25

    mas ela parece muito confortavel nessa posição, pode ser tudo menos ingenua, ela sabe muito bem o que está fazendo…voce pode questionar as motivações dela, mas aí é outra coisa…

    Responder

S Rod

17 de setembro de 2014 às 20h20

Queremos eleger os juízes assim como elegemos o Legislativo e o Executivo. Chega de representantes da Mídia e da Casa Grande decidindo contra o povo. Queremos reforma da JUSTIÇA e da MÍDIA JÁ, muito mais importantes que a reforma da política. Por uma democracia plena.

Responder

Mazinho Andrade

17 de setembro de 2014 às 23h14

Pelo jeito, quem corre o risco de chorar somos nóscares.Já não bastam pilantras como o Malafaia, Feliciano, Bornhausen e Heráclito Fortes?

Responder

Selma

17 de setembro de 2014 às 19h54

Não existe almoço grátis! Simples assim!!!

Responder

FabioT

17 de setembro de 2014 às 19h49

puxa agora entendi a nova politica

Responder

alex

17 de setembro de 2014 às 19h26

Pois é! a mulher mora de graça num dos metros quadrados mais valiosos de Sampa. E nunca tirou “a capivara” do amigo proprietário? Nunca quis saber pq ele emprestava, de graça, para ela, um AP na Vila Nova Conceição? Olha, para os defensores de Marina, ela, como candidata deveria saber sim quem é o amigo proprietário e quais suas intenções. Uai, faz parte! Quer ser mandatária do país e não quer ser preocupar com seu nome, seu passado. Faça-me um favor!
Exigências? Tem sim .. só para Dilma, Lula, enfim, parlamentares do PT. Esses não podem matar um pernilongo!

Responder

    FabioT

    17 de setembro de 2014 às 19h45

    verdade, ah se fosse alguem do PT hein, mas como contra o pt vale tudo, se o jatinho sem dono não deu nada, alias tem lugar na pgr que muda muda e não muda nada…

    Responder

henrique

17 de setembro de 2014 às 19h11

Brasileiros,

Essa senhora é do tipo: “Faça o que eu digo mas não faça o que eu faço”.
Para cima de nós ?
Estamos fora, bem longe.
Não queremos 171.

Responder

Luiz Regino

17 de setembro de 2014 às 22h04

A autonomia dos bancos centrais é uma miragem por detrás da qual se esconde a subordinação das finanças públicas à banca comercial. – Banco Central Europeu, foto de Cesar Pics/Flickr

Há quarenta anos, em janeiro de 1973, aprovou-se uma nova lei para o banco central em França. A lei 73-7 do Banco de França continha disposições críticas sobre a independência do instituto monetário. O seu artigo 25 é especialmente relevante para a viragem que a crise tomou na Europa. O dito preceito proibia o Banco de França de outorgar financiamento ao governo.

Esta regra representou uma transformação histórica de grande envergadura e deixou o Estado à mercê do sistema bancário internacional. Em vez de utilizar a capacidade de criação monetária do banco central, o governo francês embarcou num novo caminho que estaria marcado por grandes dificuldades. Acidentalmente, quando a lei foi aprovada o presidente francês era Georges Pompidou, que foi diretor do Banco Rothschild entre 1956 e 1962, facto que levantou muitas suspeitas sobre os motivos para a aprovação da nova lei do banco de França.

A lei francesa foi precursora no longo processo de desregulamentação financeira que começou na década de setenta. Muitos outros países adotariam o mesmo princípio nos anos seguintes, ainda que as modalidades específicas em cada caso foram mudando. A situação económica que rodeou este acontecimento ficou marcada pela decisão do então presidente Nixon em 1971 de suspender as operações de compra e venda de ouro por parte do tesouro norte-americano. Esta medida terminou com a convertibilidade do dólar e destruiu o sistema de Bretton Woods de taxas de câmbio fixas, estabelecido em 1944. Pouco tempo depois, o secretário do Tesouro, John Connally, escandalizou um grupo de líderes europeus preocupados por que o novo regime para o dólar poderia transmitir a inflação dos Estados Unidos para a Europa. Connally apontou-lhes: “É a nossa divisa, mas é o vosso problema”. Evidentemente isso não ajudou a tranquilizar os banqueiros e financeiros europeus.

O derrube de Bretton Woods acarretou grandes transformações no sistema financeiro. O novo regime de taxas de câmbio flexíveis representava um risco importante para qualquer investidor que agora poderia sofrer perdas pelas variações nas paridades. Mas ao mesmo tempo, o dito sistema abria grandes oportunidades para a especulação nos mercados de divisas. Para proteger-se dos novos riscos e aproveitar as oportunidades de especulação precisava-se de uma importante desregulamentação financeira e, em especial, requeria-se abolir as restrições aos fluxos de capital entre países. Isto era indispensável para realizar arbitragens que tornaria possível obter ganhos derivados dos diferenciais entre taxas de juro, inflação e movimentos nas paridades.

As operações internacionais da banca tornaram cada vez mais difícil a tarefa de regular a oferta monetária por parte dos bancos centrais. As restrições sobre tetos nas taxas de juro, composição da carteira de empréstimos e requisitos de reservas e encaixe legal eram agora facilmente evadidos e preferiram eliminá-los pouco a pouco. Nesse contexto também se considerou necessário mudar o regime legal dos bancos centrais e rapidamente se começou a gerar a ideia de que era necessário torná-los autónomos para os proteger dos políticos e evitar a monetização dos défices na despesa pública. Também se disse que isto permitiria aos bancos centrais preservar a estabilidade de preços. Agora sabemos que nunca existiu estabilidade macroeconómica, mas no final da década de oitenta a retórica sobre a independência do banco central era repetidamente bombardeada na imprensa, como se a mencionada autonomia representasse o remédio para todos os males do sistema económico.

Ao concretizar-se a união monetária na Europa, as leis nacionais sobre autonomia do banco central foram substituídas pelo artigo 104 do tratado de Maastricht e o artigo 123 do tratado de Lisboa. Estas disposições proíbem de maneira explícita qualquer tipo de créditos do Banco Central Europeu e dos bancos centrais nacionais aos governos e autoridades regionais ou locais dos países membros. E este tipo de restrições não se limita aos países europeus. Um estudo recente do Fundo Monetário Internacional revela que em dois terços de uma amostra de 152 países o banco central está proibido de fazer empréstimos ao governo. Deste modo acabou por se submeter as finanças públicas ao escandaloso sistema que permite aos bancos privados criar dinheiro a partir do nada, emprestá-lo e cobrar juros.

O resultado tem sido a colossal expansão no pagamento de juros dos governos aos bancos privados. Dados do Eurostat revelam que os países da União Europeia destinaram mais de 370 mil milhões de euros para pagar juros aos bancos comerciais em 2011, o que equivale a 2,9 por cento do PIB da UE. A autonomia dos bancos centrais é uma miragem por detrás da qual se esconde a subordinação das finanças públicas à banca comercial.

Artigo de Alejandro Nadal publicado no jornal mexicano La Jornada. Tradução de Carlos Santos

Responder

Luiz Regino

17 de setembro de 2014 às 22h04

A autonomia dos bancos centrais é uma miragem por detrás da qual se esconde a subordinação das finanças públicas à banca comercial. – Banco Central Europeu, foto de Cesar Pics/Flickr

Há quarenta anos, em janeiro de 1973, aprovou-se uma nova lei para o banco central em França. A lei 73-7 do Banco de França continha disposições críticas sobre a independência do instituto monetário. O seu artigo 25 é especialmente relevante para a viragem que a crise tomou na Europa. O dito preceito proibia o Banco de França de outorgar financiamento ao governo.

Esta regra representou uma transformação histórica de grande envergadura e deixou o Estado à mercê do sistema bancário internacional. Em vez de utilizar a capacidade de criação monetária do banco central, o governo francês embarcou num novo caminho que estaria marcado por grandes dificuldades. Acidentalmente, quando a lei foi aprovada o presidente francês era Georges Pompidou, que foi diretor do Banco Rothschild entre 1956 e 1962, facto que levantou muitas suspeitas sobre os motivos para a aprovação da nova lei do banco de França.

A lei francesa foi precursora no longo processo de desregulamentação financeira que começou na década de setenta. Muitos outros países adotariam o mesmo princípio nos anos seguintes, ainda que as modalidades específicas em cada caso foram mudando. A situação económica que rodeou este acontecimento ficou marcada pela decisão do então presidente Nixon em 1971 de suspender as operações de compra e venda de ouro por parte do tesouro norte-americano. Esta medida terminou com a convertibilidade do dólar e destruiu o sistema de Bretton Woods de taxas de câmbio fixas, estabelecido em 1944. Pouco tempo depois, o secretário do Tesouro, John Connally, escandalizou um grupo de líderes europeus preocupados por que o novo regime para o dólar poderia transmitir a inflação dos Estados Unidos para a Europa. Connally apontou-lhes: “É a nossa divisa, mas é o vosso problema”. Evidentemente isso não ajudou a tranquilizar os banqueiros e financeiros europeus.

O derrube de Bretton Woods acarretou grandes transformações no sistema financeiro. O novo regime de taxas de câmbio flexíveis representava um risco importante para qualquer investidor que agora poderia sofrer perdas pelas variações nas paridades. Mas ao mesmo tempo, o dito sistema abria grandes oportunidades para a especulação nos mercados de divisas. Para proteger-se dos novos riscos e aproveitar as oportunidades de especulação precisava-se de uma importante desregulamentação financeira e, em especial, requeria-se abolir as restrições aos fluxos de capital entre países. Isto era indispensável para realizar arbitragens que tornaria possível obter ganhos derivados dos diferenciais entre taxas de juro, inflação e movimentos nas paridades.

As operações internacionais da banca tornaram cada vez mais difícil a tarefa de regular a oferta monetária por parte dos bancos centrais. As restrições sobre tetos nas taxas de juro, composição da carteira de empréstimos e requisitos de reservas e encaixe legal eram agora facilmente evadidos e preferiram eliminá-los pouco a pouco. Nesse contexto também se considerou necessário mudar o regime legal dos bancos centrais e rapidamente se começou a gerar a ideia de que era necessário torná-los autónomos para os proteger dos políticos e evitar a monetização dos défices na despesa pública. Também se disse que isto permitiria aos bancos centrais preservar a estabilidade de preços. Agora sabemos que nunca existiu estabilidade macroeconómica, mas no final da década de oitenta a retórica sobre a independência do banco central era repetidamente bombardeada na imprensa, como se a mencionada autonomia representasse o remédio para todos os males do sistema económico.

Ao concretizar-se a união monetária na Europa, as leis nacionais sobre autonomia do banco central foram substituídas pelo artigo 104 do tratado de Maastricht e o artigo 123 do tratado de Lisboa. Estas disposições proíbem de maneira explícita qualquer tipo de créditos do Banco Central Europeu e dos bancos centrais nacionais aos governos e autoridades regionais ou locais dos países membros. E este tipo de restrições não se limita aos países europeus. Um estudo recente do Fundo Monetário Internacional revela que em dois terços de uma amostra de 152 países o banco central está proibido de fazer empréstimos ao governo. Deste modo acabou por se submeter as finanças públicas ao escandaloso sistema que permite aos bancos privados criar dinheiro a partir do nada, emprestá-lo e cobrar juros.

O resultado tem sido a colossal expansão no pagamento de juros dos governos aos bancos privados. Dados do Eurostat revelam que os países da União Europeia destinaram mais de 370 mil milhões de euros para pagar juros aos bancos comerciais em 2011, o que equivale a 2,9 por cento do PIB da UE. A autonomia dos bancos centrais é uma miragem por detrás da qual se esconde a subordinação das finanças públicas à banca comercial.

Artigo de Alejandro Nadal publicado no jornal mexicano La Jornada. Tradução de Carlos Santos

Responder

Maria Aparecida Silva

17 de setembro de 2014 às 21h49

SAI LACRAIA!SAI LACRAIA!

Responder

Francisco Souza

17 de setembro de 2014 às 21h45

Essa mulher é uma falsa moralista, Ela não combate nem as falcatruas do marido, isso é noticiado pela imprensa e todo cidadão do Estado do Acre sabe dessa maracutaia , fora com esse engodo. É DILMA É 13.

Responder

genaro crescendo

17 de setembro de 2014 às 18h27

DENÚNCIA!!!
O IBOPE ESTÁ MENTINDO!!
SEGUNDO O IBOPE MARINA CAIU 3% DE 2/09 A 15/09.
AGORA O G1 APRESENTA AS VARIAÇÕES POR RENDA, ESCOLARIDADE ETC..
MARINA CAIU:
– 3% ATÉ 1 SALARIO MINIMO;
– 6% DE 1 A 2 SAL MIN;
– 4 % DE 2 A 5 SAL. MIN.;
– 3% MAIS DE 5 SAL. MIN.
COMO PEGA O TOTAL DO ELEITORADO (POIS TEM TODAS AS FAIXAS) ELA CAIU DE 3 A 6% NA MAIOR FAIXA (1 A 2 SAL. MIN.) COMO QUE ELA CAIU APENAS 3% NO TOTAL???????
OUTRO EXEMPLO: RELIGIAO!
MARINA CAIU :
6% ENTRE CATÓLICOS (MAIOR FAIXA);
5% ENTRE EVANGELICOS;
3% NAS OUTRAS RELIGIOES.
E SÓ CAIU 3% NO TOTAL??? HAHAHAHAHA

POR REGIÃO:
SUBIU 1% NO NORTE;
CAIU 3% NO NORDESTE;
CAIU 2% NO SUDESTE;
CAIU 14% NO SUL!!!!!

POR ESCOLARIDADE:
CAIU 5% ATE 4ª SÉRIE;
3% DE 5ª A 8ª;
6% ENSINO MÉDIO
SE MANTEVE ESTÁVEL NO SUPERIOR (MENOR FAIXA)

IDADE:
CAIU 3% DE 16 A 24 ANOS;
4% DE 25 A 34;
2% DE 35 A 44;
5% DE 45 A 54;
7% DE 55 OU +
COMO PODE TER PERDIDO SÓ 3%?????

Responder

Alexsandro

17 de setembro de 2014 às 17h21

“Como jornalista, já entrevistei muitos fazendeiros e empresários”. kkkkkkk.Só se forem fazendeiro e empresário desocupados. Só estes concedem entrevista para esses bloguinhos que infestam a internet!

Responder

    Miguel do Rosário

    17 de setembro de 2014 às 17h48

    Deixa de ser ignorante. Eu trabalhei 15 anos como jornalista especialista em café. Entrevistei centenas de fazendeiros e empresários. O meu jornal era o principal jornal de café do Brasil, com assinantes no mundo inteiro. Depois eu passei a escrever até em inglês, para sites internacionais.

    Responder

      Alexsandro

      18 de setembro de 2014 às 01h51

      Ah, mas você não explicou! Uma coisa é fazer uma entrevista a respeito de café;outra coisa é entrevistar alguém como blogueiro babão do governo de plantão. Como blogueiro babão, nem pelo delegado da PF você foi recebido (foi recebido pelo escrivão, servidor de quinto escalão da PF, quanto mais por empresários e fazendeiros!

      Responder

Vitor

17 de setembro de 2014 às 16h43

Marina só se enrolando! Só não concordo com essa história do Instituto…
Aliás, alguém sabe quem financia os institutos Lula e FHC?

Responder

Joana Pereira Santos

17 de setembro de 2014 às 19h33

ESTA LACRAIA NUNCA ME ENGANOU.

Responder

Diogo Bean Fernandez

17 de setembro de 2014 às 19h30

Xiiii

Responder

Maria Luisa Santos Leite

17 de setembro de 2014 às 19h14

DIGA SE PASSAGEM MUITO BEM INFORMADO ESTA DA MARINA ESTA ENGAVETADO A 7 CHAVES,É AINDA ELA CHORA,

Responder

O Cafezinho

17 de setembro de 2014 às 19h12

Antônio Aguiar O Cafezinho é um blog, meu chapa! Não é ~portal~! kkkkkk Mas obrigado por achar isso!

Responder

Marcus Vinicius

17 de setembro de 2014 às 18h54

Realmente, O Cafezinho é tão nanico, que incomoda principalmente aos “reacionários preguiçosos” que nem se dão ao trabalho de ler a matéria toda (com dados e fatos) e aí vem comparar com revistas de fofocas… mas compreendo: os que eu citei tem um raciocínio comparado com a profundidade de um pires.

Responder

Marcus Vinicius

17 de setembro de 2014 às 18h54

Realmente, O Cafezinho é tão nanico, que incomoda principalmente aos “reacionários preguiçosos” que nem se dão ao trabalho de ler a matéria toda (com dados e fatos) e aí vem comparar com revistas de fofocas… mas compreendo: os que eu citei tem um raciocínio comparado com a profundidade de um pires.

Responder

Carlos Santana

17 de setembro de 2014 às 18h49

VOTAT EM MARINA, E RETROCESSO.

Responder

Carlos Santana

17 de setembro de 2014 às 18h49

VOTAT EM MARINA, E RETROCESSO.

Responder

Lulu Pereira

17 de setembro de 2014 às 18h43

detalhe, não é um apt qualquer num bairro qualquer. o apt luxuoso está localizado na vila nova conceição, endereço nobilíssimo e com o metro quadrado mais caro da cidade de sp. um apêzão dando sopa bem ali e disponível; tão gentilmente a uma amiga fraterna.

Responder

Lulu Pereira

17 de setembro de 2014 às 18h43

detalhe, não é um apt qualquer num bairro qualquer. o apt luxuoso está localizado na vila nova conceição, endereço nobilíssimo e com o metro quadrado mais caro da cidade de sp. um apêzão dando sopa bem ali e disponível; tão gentilmente a uma amiga fraterna.

Responder

Maria Luisa Santos Leite

17 de setembro de 2014 às 18h43

ESTE EMPRESÁRIO DEU UM GOLPE A QUI NA PREFEITURA COM O BUGARELLI,LI O DOCUMENTO TA NA JUSTIÇA OS DOIS,E BANCA A FREIRA,ATÉ TU MAMARINA MAMANDO NAS TETA DA CORRPÇÃO

Responder

Maria Luisa Santos Leite

17 de setembro de 2014 às 18h43

ESTE EMPRESÁRIO DEU UM GOLPE A QUI NA PREFEITURA COM O BUGARELLI,LI O DOCUMENTO TA NA JUSTIÇA OS DOIS,E BANCA A FREIRA,ATÉ TU MAMARINA MAMANDO NAS TETA DA CORRPÇÃO

Responder

Antônio Aguiar

17 de setembro de 2014 às 18h33

O Cafezinho definitivamente nada mais é que um portal nanico com relações fortes com o PT e tem seus momentos de chá da tarde recheado de fofocas.

Responder

Antônio Aguiar

17 de setembro de 2014 às 18h33

O Cafezinho definitivamente nada mais é que um portal nanico com relações fortes com o PT e tem seus momentos de chá da tarde recheado de fofocas.

Responder

    João - Contra o GOLPE do PIG

    17 de setembro de 2014 às 18h38

    Sua é muito importante para nós, assim sabemos o que você pensa e descobrimos que se você perdesse alguns minutos de suas vida para buscar a verdade, entender de política, perceber o futuro; Serias mais feliz, menos frustrado, e o Brasil seria melhor.

    Responder

Eder Fernandes

17 de setembro de 2014 às 18h01

Concordo com vc, se fosse o Lula o mundo tinha acabado. O que acontece é que nós eleitores, somo espectadores de uma avalanche de ataques de todos os lados e o minimo pra darmos credibilidade a essas informações são fatos, provas daquilo que divulgam. Vc fundamentou o histórico deste cidadão, perfeito, e agora cade o fato, a prova, que mostra que ela realmente reside em apto desse sujeito, da sua ligação com ele. Senão, vc vai me desculpar, a equipe do PSDB ou PSB, podem aproveitar sua matéria e só trocar nomes que pela sua teoria do que é uma reportagem integra ainda vai ter valia!

Responder

Antonio Moreira da Silva

17 de setembro de 2014 às 17h54

vivendo e aprendendo……..

Responder

Alexandre Carvalho Martins

17 de setembro de 2014 às 17h50

Incoerência, tem a cara da globo essa pesquisa, o Never subiu 4 pontos, ele levou 3 da Dilma, e 1 da Submarina,aonde está a incoerência? quem vota na Dilma, não muda, quem muda o voto são os eleitores da Marina, já os eleitores do Aécio aeroporto do titio são as “Gabrielas”;eu sou assim, vou ser sempre assim, vou morrer assim…

Responder

Carlos Costa

17 de setembro de 2014 às 17h44

Será que ele pega a Demarina? N-eca!

Responder

Célia Maria Marreiros Solano

17 de setembro de 2014 às 17h43

Essa é a nova política de Marina Silva?

Responder

Alexandre Abreu

17 de setembro de 2014 às 17h29

Esse Marcelo é um grande piadista… Mas não devemos dar atenção pra ele, não é mesmo?

Responder

alex

17 de setembro de 2014 às 14h22

EDER: o fato de uma candidata morar num Ap, de u fazendeiro, dono de uma rede gigante de postos, já é muito estranho. Mas vamos passar sobre isso. Agora, não te estranha o fato do cara (o dono do RVM)fraudar combustível. Uma senhora que stá em plena campanha deveria zelar pelo nome. Né não? Tudo bem ir morar no AP de um fazendeiro/empresário. Desde que o cara fosse limpo! Aliás, Eder, se nada devesse à Justiça, essa notícia não existiria aqui no Cafezinho. Ela só existe pq Marina é inquilina d cara. Agora, muito fácil: é só Marina pegar os recibos do aluguel, sua declaração de IR e dizer: “realmente, eu era inquilina do Sr Ribeiro do Valle. Só que o eu imposto de renda e esses recibos provam que eu pagava um aluguel”. Pronto. Acabou a notícia. Acabou a suspeita. Vamos torcer para marina fazer isso, Eder? abs

Responder

    eder

    17 de setembro de 2014 às 15h08

    Desculpa por não ter confiança em tudo que leio e querer buscar mais informações. Se isso lhe basta, tudo bem!

    Responder

      alex

      17 de setembro de 2014 às 19h19

      O duro vai ser encontrar mais informações, em outras fontes, Eder! Vc também, como eu, encontra dificuldades. Tanto que trafega aqui no O Cafezinho em busca de informações. Se não acreditasse em blogs como esse, claro, não trafegaria por aqui!abs

      Responder

Marcelo Moraes

17 de setembro de 2014 às 17h20

a mudança chegou…

Responder

Magno De Menezes Silva

17 de setembro de 2014 às 17h19

Cara de pau está mulher. Política nova. Ta tremendo mau caráter.

Responder

Otacilio Pereira Quintans

17 de setembro de 2014 às 17h16

Responder

Socorro Adelino

17 de setembro de 2014 às 17h15

nova politica?

Responder

Gustavo Ferreira Santos

17 de setembro de 2014 às 17h12

Muita novidade

Responder

Liliane Souza de Siqueira

17 de setembro de 2014 às 17h09

Adriano Pereira

Responder

Airton Faé

17 de setembro de 2014 às 17h06

Bah lembrei do Palocci

Responder

O Cafezinho

17 de setembro de 2014 às 17h05

Eder Fernandes ligação? a marina mora no apartamento do sujeito. imagina se Lula morasse no apartamento de um empresário desses, o que iam falar?

Responder

    Vitor

    17 de setembro de 2014 às 16h41

    Miguel, lembra de um caso há bastante tempo atrás que Lula morou na casa do tal de Roberto Teixeira? É verdade ou boato isso? Nunca soube direito o que aconteceu nessa história…

    Responder

      Companheiro Teixeira

      17 de setembro de 2014 às 19h54

      Curioso, o Lula pode morar na casa do Cumpadi Teixeira e na companeirada não acha isso estranho.

      Responder

Joelson Chaves

17 de setembro de 2014 às 17h04

Welton Guarani Kaiowá

Responder

kadu

17 de setembro de 2014 às 14h03

vejam esta http://youtu.be/vO8vPa_H71g

Responder

Sandra Pacheco Costa

17 de setembro de 2014 às 17h01

já não me admiro de mais nada que venha da marina. só me pergunto pquê.

Responder

Eder Fernandes

17 de setembro de 2014 às 17h00

Onde ta ligação dos dois? Só li vc denegrir esse cidadão e comentar:Hum e ele empresta seu ape pra ela… cada os “links” que demonstram isso? Achei muito superficial sua reportagem, se preocupou mais com as críticas do que com fatos!

Responder

    Ely Leão

    17 de setembro de 2014 às 14h18

    Ou Eder, você é sonso ou corrobora com a Marina? a troco de que uma pessoa vai emprestar um apartamento para uma candidata morar nestas condições ? fica esperto ou INOCENTE !!!! Marina realmente perdeu suas origens ! agora está lado a lado com DEMOCRATAS, GEORGE SOROS, BANCO ITAÚ . Perdeu o rumo de tudo o que aprendeu e que a fez ser conhecida mundialmente. Nota ZERO.

    Responder

    Mario

    17 de setembro de 2014 às 14h25

    O fato de ela estar hospedada no apartamento dele nao conta como link???

    Responder

    Moraes

    17 de setembro de 2014 às 14h55

    A informação sobre a cessão do apartamento não precisa de link. Já foi objeto de muitas reportagens e a fonte é, simplesmente, a justiça eleitoral. Tem até o valor do apartamento, a bagatela de mais de 9 milhoes. E indicar as falcatruas do cara, devidamente documentadas, é “denegrir”? Viajou na maionese, cara!

    Responder

revenger

17 de setembro de 2014 às 13h55

A nova política vem envelhecendo aceleradamente!

Responder

Rodrigo Jardim Rombauer

17 de setembro de 2014 às 16h53

É filiado ao DEM, o partido mais à direita do espectro político.
Nada menos ambientalista e menos “nova política”.
A troco de que um sujeito com esse perfil emprestaria, de graça, um apartamento à Marina Silva?

Responder

Deixe um comentário