Live do Cafezinho: balanço dos partidos de esquerda

Jornal francês: Marina tem ligações com bandido

Por Miguel do Rosário

28 de setembro de 2014 : 16h24

marina_amianto_interna

Clique para ampliar.


 

 

Outro jornal francês importante, o Charlie Hebdo, que apesar de ser humorístico, também traz artigos de política e denúncias, publicou um texto demolidor sobre a principal adversária de Dilma Rousseff.

A dica é do internauta Denis Oliveira Damasio.

Ontem, divulgamos aqui que a revista L’Humanité Dimanche, que pertence ao jornal do mesmo nome, publicou matéria dizendo que Marina é “cria de Washington para derrubar Dilma Rousseff”, e que ela é a “nova direita”.

Houve gente que chiou dizendo que o L’Humanité é esquerdista.

Ora, claro que é esquerdista, como a maioria dos franceses.

Se fosse um jornal de direita, teria falado bem da Marina.

Mas há poucos dias, mais exatamente no dia 17 de setembro último, um outro jornal, não-esquerdista (ou pelo menos não tão francamente como o L’Humanité), publica um artigo ainda mais contundente contra Marina Silva.

É uma denúncia.

O jornal acusa Marina de ligações com um dos maiores criminosos internacionais do planeta, o senhor Stephan Schmidheiny, o “rei do amianto”.

O Charlie lembra que Schmidheiny, após um julgamento histórico que durou anos, foi condenado a 18 anos de prisão pelo tribunal de Turin, como responsável pela morte de três mil operários italianos expostos ao amianto nas fábricas da sua família.

ScreenHunter_4947 Sep. 28 16.07


 

Após cumprir parte da pena, Schmidheiny saiu da Europa e refez sua vida na América Latina, onde fundou o grupo Avina, que, por sua vez, começou a patrocinar conferências ambientais.

E aí entra Marina Silva.

Segundo o jornal, a candidata tem feito reuniões frequentes com membros da Avina, em Durban, Santiago do Chile, Quito, etc.

As ligações de Marina Silva com a Avina, de Schmidheiny, já foram denunciadas por sites latino-americanos, como o La Rebellion.  A blogosfera suja também vinha dando essa informação há algum tempo.

Mas a grande imprensa nunca investigou melhor essas informações.

Agora, faltando uma semana para as eleições, e após a denúncia deste jornal francês, é importante que isso fique esclarecido.

Qual a relação de Marina com a Avina?

Marina recebeu dinheiro de Schmidheiny, o assassino de 3 mil operários italianos?

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

46 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Graça Lago

30 de setembro de 2014 às 13h22

Para apurar a ligação nem precisa muito esforço. Está no site da Avina. http://www.avina.net/por/multimedia/avina-en-la-cop16-marina-silva-participo-en-el-iii-avina-global-workshop/

Responder

Heitor

29 de setembro de 2014 às 19h23

A Natura é signatária da AVINA, cujo fundador é o indivíduo citado pelo jornal francês.
http://www.avina.net/por/com-o-devido-respeito-e-merecido-reconhecimento/

Responder

Carlos Roberto

29 de setembro de 2014 às 11h41

Marina tem um desejo quebrar o Brasil

Responder

Juba

29 de setembro de 2014 às 07h54

Marina já vendeu sua alma ao Diabo três vezes.

Responder

Miguel Angelo da Silveira

29 de setembro de 2014 às 03h27

Eles querem o Aécio? Deve ser outra piada.

Responder

paulinho

28 de setembro de 2014 às 23h16

Curioso que uma investigação (séria) em andamento sobre a máfia da petrobras é desqualigicada porque sai na veja, mas materias que saem em jornais totalmente maxista são mostrados como isentos, nem precisa saber frances, basta ver a charge que fizeram na matéria. Começar um movimento de fora trás muito mais “credibilidade” ao fato. Ah sim, Cesare Battisti é santo

Responder

    Miguel do Rosário

    29 de setembro de 2014 às 00h59

    desqualificada porque baseada em reportagens sem provas, em vazamentos seletivos de um bandido desesperado.

    Responder

    Vitor

    29 de setembro de 2014 às 07h54

    Paulinho, como você mesmo disse, a investigação está em andamento e não basta apenas os depoimentos dos investigado, é necessário haver provas que corroborem com o que ele fala. Para ser séria, é necessário desvincular das eleições e aguardar os resultados. Acusar agora sem provas e baseado em vazamentos parciais não vai contribuir em nada para que se apure as questões.
    O Brasil está paralisado por causa das eleições, queria que acabasse logo no primeiro turno para retomar o trabalho e os avanços. Só assim conseguiremos fazer críticas ao Governo pensando em seu avanço e não em seu término. O problema da eleição é que os partidários dos mandantes (qualquer um deles) atuais não aceitam muitas críticas e fecham os olhos para as besteiras e a oposição não aceita as melhorias e exageram as coisas que não deram certo, sem proposição nenhuma… É muito dinheiro e tempo jogado fora!

    Responder

      Gervásio

      29 de setembro de 2014 às 10h57

      O fato de ser marxista não desqualifica nenhuma publicação, ao contrário; algumas das mais sérias e confiáveis publicações do mundo são marxistas. E o que desqualifica a Veja não é o fato de ser anti-marxista nem de ser anti-petista (petistas não são marxistas). É o fato de ser mentirosa, de baixo nível, cheia de invencionices.

      Responder

Luciano Machado

28 de setembro de 2014 às 23h14

https://www.youtube.com/watch?v=_aasu4YJDiA

Responder

Umbelina Souza

29 de setembro de 2014 às 00h40

É… Não tem nada ruim que não possa ficar pior! Parece ser o caso da Marina.

Responder

Umbelina Souza

29 de setembro de 2014 às 00h40

É… Não tem nada ruim que não possa ficar pior! Parece ser o caso da Marina.

Responder

Walber Do Carmo Farias

29 de setembro de 2014 às 00h24

xiiiiiiiiiiiiessa nem a cia sabia..kkkkkkkkkkk

Responder

Walber Do Carmo Farias

29 de setembro de 2014 às 00h24

xiiiiiiiiiiiiessa nem a cia sabia..kkkkkkkkkkk

Responder

Antonio - SC

28 de setembro de 2014 às 21h03

Campanha lança site de financiamento popular
Movimento abre espaço para apoio solidário à reeleição de Dilma

http://doeagora.dilma.com.br/

https://www.pt.org.br/campanha-lanca-site-de-financiamento-popular/

Responder

Gouvan Cavalcante de Magalhães

28 de setembro de 2014 às 22h38

Não dá para botar todo mundo no mesmo saco. Trair a pátria sempre deu em fuzilamento. Mas, os tempos são outros, basta legar-lhe o voto.

Responder

Antonio Fernando Coutinho Assuncao

28 de setembro de 2014 às 22h09

Vixi não pode ter envolvimento com bandido? Coitada da dilma em? Ze Dirceu, Genoíno, vou parar por aqui senão fico quatro anos escrevendo nomes!

Responder

    Miguel do Rosário

    29 de setembro de 2014 às 01h02

    Coxinha midiático.

    Responder

    Vixe

    29 de setembro de 2014 às 02h19

    Esses que vc chama de bandidos, foram julgados e condenados SEM PROVAS com a ajuda da famigerada TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO e com a pressão da mídia e sabe lá mais o que, que levou alguns membros do STF a este descalabro que culminou com as condenações.
    Destes citados, nenhum MATOU três mil operários e foi condenado e nem tão pouco financiam candidatas viracasacas e traidoras…
    Se conforme, coxinha, é Dilma por mais quatro anos e depois LULA novamente.

    Responder

    Jose Robson F Carvalho

    29 de setembro de 2014 às 14h39

    Antonio, este seu comentário esta no lugar errado, aqui nós conhecemos os fatos através de documentos e provas. Você quando diz que Zé Dirceu e Genoíno são bandidos, na verdade esta se confessando um coxinha. Eu fico com vergonha por vc, deu uma gafe danada aqui! kkkk. Informe se mais dos fatos antes de vir para os blogs sujos fazer comenários.

    Responder

Maria Regina Arruda

28 de setembro de 2014 às 21h55

NADA MAIS ME ESPANTA VINDO DESTA PESSOA ! COMPARTILHEM AO MÁXIMO ! TEMOS AINDA 6 DIAS …….

Responder

naum

28 de setembro de 2014 às 18h44

Depois de ler alguns blogs governistas acredito que não votarei nem na Dilma nem na Marina. Vou pensar qto. o Aécio. Nunca senti tanto nojo da
política como nesta eleição. Pelo visto a Internet só veio piorar o que
já era ruim.

Responder

    Miguel do Rosário

    29 de setembro de 2014 às 01h03

    Coxinha.

    Responder

    Laís

    29 de setembro de 2014 às 19h23

    Sei…. Ta com tanto nojo que vai votar no Aecio ???? Sabe, este e um pais democrático , vc pode votar em quem quiser e nem precisa de desculpa boba…

    Responder

Guinter Hames

28 de setembro de 2014 às 21h33

ENTAO AGORA NAO SE PODE CONTRIBUIR COM UMA EMPRESA MESMO PRESSIONADA COM APERFEIÇOAMENTO DE LEIS AMBIENTAIS E MARKETING DE VENDAS, QUE TEM COMO MISSAO: “Lideranças para o desenvolvimento sustentável na América Latina. ” QUE PESSIMO EXEMPLO DE JORNALISMO ESSE HEIN? PARECE TABLOIDE.

Responder

Fernando Ferro

28 de setembro de 2014 às 21h18

Rodrigo Campos Ribeiro

Responder

Lulu Pereira

28 de setembro de 2014 às 21h10

uma coisa é ser bandido e fazer o seu jogo, como o cara da avina, outra, e bem pior, é trair o país.

Responder

Marquinhos Araujo

28 de setembro de 2014 às 20h56

Não fosse o PT o Brasil teria mergulhado de cheio neste inferno de ALCA, que era o que FHC queria…

Responder

João Carlos Machado

28 de setembro de 2014 às 20h46

Miguel, acho que deveria ser destacado e investigado a posição de Marina Silva com Tarso Azevedo, conforme referência da Sandra nos comentários do Blog.

Responder

Gouvan Cavalcante de Magalhães

28 de setembro de 2014 às 20h45

Ignorância, hipocrisia, mal caratismo, candidata a presidente do Brasil? Tudo isso aí.

Responder

Jadson Arnaud

28 de setembro de 2014 às 20h18

Eita. ..Agora complicou Marina. só tem que ter cuidado com denúncias do tipo que a Veja faz.

Responder

Emerson

28 de setembro de 2014 às 17h07

Já vinha denunciando essa relação há semanas! Cheguei inclusive a traduzir e enviar artigos da imprensa espanhola sobre as relações de Marina e o magnata do amianto. Também acho que essa questão tem de ser esclarecida pela candidata.
http://renace.net/?p=3809
Desmontado Stephan Schmidheiny, magnata do amianto e fundador de AVINA
BY ADMIN, ON SEPTIEMBRE 2ND, 2013
“Há três anos, escrevíamos um texto intitulado “Desmontando Schmidheiny”, no qual utilizávamos o gerúndio em seu sentido de “ação em processo”, não concluída. Agora podemos dizer com toda certeza que o processo está concluído; que a imagem e a verdade sobre Stephan Schmidheiny, o magnata do amianto e fundador de AVINA, foram definitivamente estabelecidas: e não têm nada a ver com aquela outra imagem que ele se havia financiado com grandes meios para se fazer passar por um filantropo exemplar.”
Por Paco Puche
“As vítimas do amianto na Suíça nunca vão obter justiça? Disso ninguém sabe; mas a última página deste capítulo escandaloso da história industrial ainda não foi escrita”
Maria Roselli[i]
Posssivelmente continuará sendo escrita num país em que se espera, no ano 2020, o pico da hecatombe das vítimas do amianto
Ruers y otros[ii]
Em Casale Monferrato, os resultados mostram que as mortes não cessarão até 2031
Furlan y Mortarino[iii]
A verdade avança e ninguém poderá contê-la.
Émile Zola
Há três anos, escrevíamos um texto intitulado “Desmontando Schmidheiny”, no qual utilizávamos o gerúndio em seu sentido de “ação em processo”, não concluída. Agora podemos dizer com toda certeza que o processo está concluído; que a imagem e a verdade sobre Stephan Schmidheiny, o magnata do amianto e fundador de AVINA, foram definitivamente estabelecidas: e não têm nada a ver com aquela outra imagem que ele se havia financiado com grandes meios para se fazer passar por um filantropo exemplar, por um pioneiro do capitalismo compassivo, compartido e verde.
De Turim a Turim e “atiro porque chegou minha vez”
O mais concludente, para demonstrar a afirmação de que o magnata Stephan Schmidheiny (S.S) foi definitivamente desmontado são os julgamentos de Turim relativos ao amianto e ao asbesto.
Rememorando o primeiro dos julgamentos, temos de ressaltar que este começou em dezembro de 2009 e que em 13 de fevereiro de 2012 foi publicamente emitido o veredito final, condenando Stephan Schmidheiny e o barão de Cartier a 16 anos de prisão cada um e ao pagamento de indenizações milionárias.
Mas a tragedia começou em 1906, quando se instala a fábrica de amianto em Casale Monferrato, um povoado cerca de Turim. Desde então, foram contaminados trabalhadores e habitantes do povoado até 1986, data em que Stephan Schmidheiny fecha a fábrica, abandona as instalações e ´sai fugindo´. Se alguém pensar que esse abandono resolveu os problemas se enganará de maneira tão fatal quanto os efeitos do amianto. Até hoje ainda morre um pessoa por semana em Casale em consequência de exposição àquela substância: na fábrica, em casa ou no povoado. E essa desgraça não se acabará até 2031. Todas estas mortes serão igualmente imputáveis àqueles sentenciados. Contra os dois responsáveis, se apresentaram pessoalmente mais de 6.400 partes civis em nome dos 2.191 mortos e 605 enfermos.
O procurador Guariniello, que havia conduzido o caso, considerou diante disso que devia aumentar as penas solicitadas no primeiro julgamento e pediu 20 anos de cárcere para os imputados porque, disse ele: “Pude voltar a ler as sentenças do Tribunal Superior nos casos mais graves de desastre e mortes e percebi que aquilo não era nada em comparação com o que se voltava a viver durante este julgamento.” A procuradoria acrescentou que está investigando a morte de 117 italianos que trabalhavam nas instalações de Eternit Suíça e Alemanha e também mortes por amianto de italianos no Brasil e na França, que estiveram expostos àquela substância na Eternit, nome da empresa de propriedade de Stephan Schmidheiny.
Um ano depois, em 3 de junho de 2013, no tribunal de apelação, foi ditada nova sentença em Turim. A sentença do magnata do amianto (Stephan Schmidheiny -S.S.) passava de 16 a 18 anos nessa instância de apelação. A morte do barão de Cartier, outro julgado, implicou sua absolvição. S.S, além disso, terá de pagar imediatamente o valor de 88 milhões de euros em indenizações.
No transcurso dessa segunda instância, demonstrou-se como Stephan Schmidheiny se havia infiltrado nas fileiras das associações de vitimas. Com efeito, e como conta o jornalista Giampero Rossi [v], através da documentação sequestrada no processo, na empresa de relações públicas de Milão Guido Bellodi, pôde-se comprovar que Stephan Schmidheiny havia contratado esta empresa, de 1984 a 2005, para cuidar da contrainformação, e como havia infiltrado no movimento das vítimas a jornalista María Cristina Bruno, encarregada de enviar um relatório mensal a Bellodi em troca de 2.500 euros.
Mas o mais importante foi a descoberta de que Stephan Schmidheiny tinha pleno conhecimento da letalidade do trabalho com o amianto e que apesar disso continuou com seu negócio. Com efeito, o tribunal demonstrou como na Conferência de Neuss, celebrada na Alemanha em 1976, Stephan Schmidheiny, diante de cerca de 30 pessoas, todas elas gerentes de suas empresas Eternit na Europa, disse que sabia que o asbesto era nocivo e perigoso para a saúde, que eles deviam estar conscientes disso, mas que se outras pessoas também ficassem cientes, eles teriam de fechar as fábricas ou tomar medidas econômicas pertinentes. Assim sendo, advertiu seus diretores que era preciso medir com precisão o tipo de informação que se dava, dizer que o asbesto não era prejudicial e que, em qualquer caso, não causa a morte, já que o risco podia ser controlado. Por isso, obviamente, a sentença o acusa de desastre doloso.
Pior ainda foram as manifestações do presidente do tribunal. Com efeito, durante a terceira audiência celebrada em 19 de fevereiro de 2013, o juiz Ogge comparou a estratégia de Eternit com a estratégia nazista de deportar judeus para Madagascar (de 1939 a 1941), um plano que mais tarde foi substituído pelas deportações para campos de extermínio. A imprensa era muito contundente e dizia: “paralelo entre Stephan Schmidheiny e Hitler”, como se pode ver a seguir.
Segundo o juiz, o plano de Madagascar, que Hitler havia elogiado naquela época, serviu para cumprir um propósito: ocultar as verdadeiras intenções de exterminar os judeus, o que foi discutido na conferência de Wansee, em 1942. Ogge argumentou que o veredito em primeira instância dever ser lido desde esta perspectiva.
Como poderemos acertar as coisas com a justiça? Ficou claro: condenaram um assassino, que dava ordens a suas empresas, que conhecia perfeitamente o quão brutal era fazer com que as pessoas trabalhassem com o amianto, que tem muitos milhares de mortos nas costas e tantas outras pessoas enfermas para o resto de suas vidas. Esse assassino dedicava parte de seu dinheiro a lavar sua imagem e a espionar movimentos de vítimas de suas empresas.
Stephan Schmidheiny: uma falsa biografia apoiada por seus beneficiados e colaboradores.
Sabendo melhor do que ninguém o que significava a indústria do amianto, sendo responsável do império familiar, em 1976, preocupou-se em proclamar que se havia erigido como pioneiro no abandono deste mineral. Era seu principal problema (e sua mais importante herança) e tentou convertê-lo em uma ocasião para se apresentar como um benfeitor da humanidade.
Disse de si mesmo: “Quando olho atrás e levo em conta o conhecimento que hoje temos das muitas vítimas trágicas do asbesto, sinto-me orgulhoso pelas medidas tomadas pelas empresas do Grupo (Eternit) para proteger os trabalhadores dos riscos do asbesto” [vi]. E acrescenta, em tom de denúncia: “esta situação é profundamente deplorável, considerando que nem os governos nem outros membros da indústria reconheceram as implicações do problema nem tomaram, durante muito tempo, as medidas de proteção necessárias” (p.9).
Levando em conta que, segundo sua autobiografia (p 8), em 1981, anunciou publicamente que o Grupo deixaria de fabricar produtos com asbesto, chama a atenção o fato de que antes, em 1978, havia sido criada na Suíça uma associação de industriais do amianto chamada Arbeiskreis Asbest (Grupo de Trabalho Amianto), presidido por Eternit (o grupo de Stephan Schmidheiny) com a tarefa principal de impedir a classificação do amianto no grau 1 de toxicidade. Porque se o amianto fosse classificado neste grupo, os produtos com este mineral não poderiam ser destinados ao uso privado, mas unicamente ao uso industrial e, além disso, teriam de ser marcados com uma caveira, advertindo quanto a suas propriedades cancerígenas. Conseguiram atrasar esta classificação até 1987, nove anos mais tarde [vii]. Em 1989, proibia-se o amianto na Suíça para os materiais de construção. Eternit não tinha pressa, nem Stephan Schmidheiny estava tão preocupado.
Ainda assim, Stephan Schmidheiny só abandonou, por quebra, a fábrica de Casale, na Itália, em 1986, e deixou os restos das instalações espalhados e sujos os depósitos históricos; ainda assim, em 1989, vendeu a maior parte das empresas de amianto, mas só se desfez das fábricas e minas da África do Sul em 1992, quando do fim do apartheid, ao vendê-las, 16 anos depois de assumir a direção do negócio. E até 1994, não se deixou de importar amianto na Suíça, onde 90% do negócio era de Eternit e, segundo a SUVA (Caixa Suíça de Seguros de Acidentes), até 1998, Eternit não deixou de ser considerada uma empresa utilizadora de amianto [viii].
Mas isso não é tudo, na transcrição oficial das audiências do Comitê Especial da Câmara Federal de Deputados, em que se debatia o projeto de lei N º 2186/96 relativo à “substituição gradual da produção e da venda de produtos que contêm amianto”, no Brasil, em 8 de maio de 2001, o presidente Élio Martins, de Eternit S/A, explica a estrutura da propriedade da empresa nos seguintes termos: “Eternit é uma empresa de propriedade pública brasileira, cujas ações são negociadas no mercado de valores de São Paulo (…) Os principais acionistas são os seguintes, (e entre eles figura): 5. Amindus Holding AG: 6,81%.
Mas se vemos a sentença do tribunal de apelações de Turim, de 3 de junho, constatamos que se “condena o imputado S. Schmidheiny e os responsáveis civis Anova Holding AG, Becon AG e Amindus Holding AG, in solidum entre si, ao ressarcimento de danos patrimoniais e não patrimoniais derivados do delito…”
Ou seja, que em 2001, o arrependido S. Schmidheiny se mantém ainda no negócio do amianto. Foi em 1981 que decidiu deixá-lo…; é só fazer as contas, são 20 anos depois.
Apesar de suas boas intenções de abandonar o amianto, manifestadas em 1981, o negócio não deixou de acompanhá-lo, daí que não dá para saber em que sentido tomar o “sentir-se orgulhoso pelas medidas tomadas pelo Grupo para proteger os trabalhadores”, se literalmente ou simplesmente porque era um bom negócio. Também se presta à confusão o que ele relata em sua autobiografia de que “além de estar preocupado com os riscos para a saúde dos empregados das empresas do Grupo, cheguei à conclusão de que esse negócio em que estava não era muito promissor” (sic) (p.7).
Em outubro de 2003, ao apresentar ao mundo sua doação de 1 bilhão de dólares para filantropia na Costa Rica, junto ao então presidente do Banco Mundial James Wolfensohn [iX], Stephan Schmidheiny cria um fideicomisso, o Viva Trust, que se nutre dos lucros de três empresas que operam na América Latina: Masisa, Amanco e Plycem. Com esses lucros são financiados os empreendimentos da Fundação AVINA. Mas em 2007 ele vende duas dessas empresas: Amanco a Mexichem (uma grande empresa
Em que pé estamos hoje m dia? Eis o que mostram essas fotos:
223
Mais de 800 toneladas de asbesto que permanecem ao ar livre desde há 8 meses (setembro de 2012) na central de abastecimento do porto de Veracruz e que representam um risco sanitário para a população. Como se vê, o mineral é muito friável e cada polegada libera um milhão e meio de fibras invisíveis. Quem fez essa importação? A empresa Mexalit (que pertence a Mexichem). No México, o asbesto não está proibido.
O que Schmidheiny tem a ver com tudo isso? Muito. Ele criou a Fundação AVINA, como ele mesmo afirma, para fomentar o desenvolvimento sustentável e o que chama o “triple bottom line” (o triple resultado): ou seja, favorecer as empresas latino-americanas que além de rentáveis são ecológicas e socialmente sustentáveis, com a ajuda dos líderes dos movimentos sociais.
Em 2003, cria a fonte permanente de financiamento de AVINA, com base nas três empresas mencionadas: em 2007, vende duas delas ao mesmo grupo mexicano, Mexichem; em 2012, há 800 toneladas de amianto, de Mexcalit-Mechichem, abandonadas em Veracruz.
Quer dizer então que vendeu suas empresas a outras que residem num país que permite o uso do amianto e a empresas que trabalham com amianto! O apóstolo da sustentabilidade ambiental e social nada mais é que um sinistro negociante.
Aquilo que deixou dito em sua biografia, que “levando em conta o conhecimento que hoje temos das muitas vítimas trágicas do asbesto me sinto orgulhoso” eram lágrimas de crocodilo.
Em suma, continou com o pó de amianto bem depois de 1989, data oficial do abandono do mineral.
Com que mais nos deparamos? Já indicamos antes: muitas vítimas mais e pelo menos ainda durante 20 anos. E também muito amianto instalado em lares, colégios, hospitais, indústrias, lugares públicos, etc. Que são perigosos com o tempo e cuja desamiantização segura e posterior depósito controlado têm altíssimo custo.
Por exemplo, depois de vender amianto na África do Sul, em 1992, deixou este legado: “Duas terceiras partes dos tetos ondulados que há em Soweto provêm de Everite (fábrica dos Schmidheiny). Muitas delas têm mais de 40 anos e se encontram em péssimo estado, mas seus habitantes não sabem que a manipulação destes telhados supõe um risco para eles (…y) foram detectados índices de amianto dez vezes superior ao que permite a lei” [Xi] . Não é só isso. Aproveitando-se das leis racistas do apartheid, empregaram crianças “em tarefas manuais perigosas de classificação do asbesto, sem proteção das mãos, pisando o material com pés descalços[Xii], lidando com amianto azul, o mais perigoso.
Mas o filantropo fugido está mais preocupado com outras coisas. Ele declarava: “Mas há cosas muito preocupantes, como a pergunta sobre o que vai se passar com o chavismo e até que ponto ele será contagioso para outros países. O que pretende fazer Chávez, muito além da Venezuela, é uma grande questão” [Xiii].
Numa carta aberta ao magnata suíço datada de 15 de dezembro de 2011, Ban Asbestos França e a Associação Henri Pezerat o interpretava dessa maneira:
“Quando a proibição do amianto na Europa se tornou inevitável, o senhor retirou seu dinheiro desta mui lucrativa indústria (entre 1984 e 1999, o valor de seus ativos foi duplicado de 2 a 4 bilhões de dólares americanos). Parte dessa riqueza, o senhor reinvestiu no setor florestal da América Latina. Segundo dados suíços, o senhor havia começado a comprar terrenos florestais chilenos em 1982 e atualmente possui mais de 120 mil hectares no sul do Chile, cerca de Concepção, terras que os Mapuches reivindicam como deles desde tempos imemoriais. Os Mapuches o acusam de ter comprado muitas terras que haviam sido expropriadas com práticas de intimidação, tortura e assassinato usuais durante a ditadura de Pinochet. Esse império florestal já se estende a 4 países da América latina (Chile, Brasil, Argentina e Uruguay).” Mais vítimas na conta do magnata ( ou larápio –mangante, em espanhol-, palavras não apenas muito parecidas mas sinônimas).
Responsabilidade moral de devolver os fundos recebidos de AVINA às vítimas de Schmidheiny
Sua fortuna, tanto aquela herdada da família quando aquela acumulada por ele mesmo procede em grande parte do negócio criminoso do amianto no mundo. Por isso, os fundos com que AVINA/Ashoka[Xiv] financia movimentos sociais estão cheios de sangue, são fundos criminosos, e por isso não paramos de pedir aos beneficiados que devolvam esse dinheiro recebido –eles e suas associações- às milhares de vítimas que pululam pelo mundo. Seria um sinal inequívoco de que ignoravam o que aconteceu. Devem ainda desligar-se definitivamente destas fundações e somar-se a todas as condenações que já foram publicadas e às que estão em espera. Senão, será preciso continuar escrachando-os até que cumpram o seu dever moral de devolver estes fundos, ainda que se trate de movimentos sociais aos quais pertencemos.
A título meramente representativo, não exaustivo, assim o fazemos com a Fundación Nueva Cultura Del Agua, com CIFAES de Amayuelas, com a Universidad Rural Paulo Freire, com a SEO, com Fé e Alegría, dos jesuítas, com Pedro Arrojo, com Jerónimo Aguardo, com Xavier Pastor, com Víctor Viñuales y com Ecodes, todos eles contaram com a estreita colaboração de AVINA e com fundos da citada fundação.
Legitimidade e últimas lavagens de imagem
Willis Harman tece umas considerações da maior importância para o tema que nos ocupa – e para muitas outras situações-; diz ele: “a gente confere legitimidade ou a retira, e o questionamento da legitimidade talvez seja a força mais poderosa da história [Xv].
É por isso que AVINA e Ashoka buscam continuamente legitimidade. Para consegui-la é preciso ir muito além da propaganda e das mentiras com que se fabricam, que caem por seu próprio peso facilmente (Schmidheiny desmontado, por exemplo). Tem a ver com a imagem que as pessoas associam a estas fundações. Se as emparenta com colegas mui respeitáveis dos movimentos sociais e, melhor ainda, com alguns de seus líderes mais destacados, têm um enorme caminho percorrido, às vezes dificilmente desmontável. (Como você pode me dizer isso desse personagem, um dos melhores oradores do país? Por exemplo).
Avina voa alto. Na Espanha, já nomeamos alguns de seus legitimadores, quase todos de muito renome e, obviamente, isso nos causou problemas. Na América Latina, o prestígio dos legitimadores é, se quisermos, ainda maior. Nos referimos a Leonardo Boff e a Marina Silva, entre os mais destacados. Não é preciso apresentá-los: o primeiro é um teólogo da libertação muito reputado e muito sancionado pelo Vaticano; a segunda é uma ex-ministra do ambiente de Lula e a terceira força mais votada no Brasil para a presidência com seu Partido Verde (NT- o presente texto foi publicado em 2 de setembro de 2013).
Na seguinte imagen vemos Boff em Cancún, em 2010, na COP sobre o câmbio climático. Depois dessa conferencia, foi quando o Grupo de Reflexão Rural argentino disse a frase lapidar: “entidades como AVINA e Ashoka são o inimigo da Mãe Terra e das populações oprimidas[Xvi]
Em 2012, voltamos a vê-lo abrindo a Conferência organizada por AVINA por ocasião da Rio+20. O que aconteceu foi que a legitimidade prosperou e, nesta ocasião, AVINA conseguiu levar à citada conferência gente de muito prestígio entre a esquerda e o movimento ecologista, como Boaventura de Souza Santos, Tim Jackson e Marina Silva.
Marina Silva é apresentada desta forma no website da fundação: “ex-candidata presidencial e aliada da Fundação AVINA, (…)[XVII]
O recente livro de Abramovay (Más allá de la economía verde, 2013 – Para além da economía verde), patrocinado por AVINA, com logo na capa, tem prólogo de Marina Silva e de Biondi-Morra, o número 2 de AVINA.
As últimas lavagens de imagens correspondem a duas iniciativas que já comentamos em outras ocasiões: numa, depois da primeira sentença condenatória, os próximos de Schmidheiny lançam um manifesto apoiando o personagem. Dizem: “Assinamos em apoio a sua pessoa… e com a intenção de outorgar-lhe toda a honra que merece”.
E a última invenção para melhorar sua deteriorada imagem, que avança à marcha forçada, é a instauração de um prêmio com o nome do magnata do amianto: “prêmio Stephan Schmidheiny de inovação em sustentabilidade”. Anunciado em abril de 2013, pretende conceder a primeira série antes do fim do ano. Ele tem pressa.
Finalmente
AVINA e Schimidheiny estão concentrados na América Latina, onde estão muito mais infiltrados. Na Espanha, que só serve de ponte, graças às contínuas denúncias, manifestos, artigos e conferência revelando a verdadeira cara de Schmidheiny-AVINA, foi possível deter o esburacamento de muitos movimentos sociais e, em alguns casos, reverter o entreguismo à AVINA.
Agora temos de estabelecer pontes com a América Latina para tentar impedir que AVINA continue semeando a confusão e a divisão por onde passa. Como foi o caso do manifesto promovido por Ecologistas em Ação, advertindo quanto à verdadeira natureza de AVINA/Ashoka, e que já foi assinado e apoiado por 217 organizações de 23 países, principalmente latino-americanos.
Nessa luta continuamos.
Referências
1. Roselli, M. (2010): Las mentiras del amianto. Fortunas y delitos, Ediciones del Genal, Málaga, p.236
2. Ruers, R.F y Schouten, N. Iselin, F (2006), Eternit le blanchiment de l’amiante sale,
CAOVA, Lausanne. P. 70
3. Furlan,C. y Mortarino, C.(2012):”Pleural mesothelioma: forecast of the death toll in the area of Casale Monferrato, Italy”, Statitiscal Medical (Stata Med.) 25 de julio
4. Ecoportal (2010). Visitado en 25.07.13 aquí
5. Giampero Rossi (2012): Amianto Processo alle fabriche della mort.Editore Melampo, Milano, pp 35
6. Schmidheiny, S. (2006) : Autobiografía “Mi visión mi trayectoria”: Aquí , visitada el 27.7.13, p. 8
7. Roselli, M. (2010), o.c., p 197 y ss.
8. Ibídem, p.147
9. Catrina, W, (2003): “ Hermoso legado”: Aquí
10. Página del Banco de Santander, marzo del 2008. Ver aquí
11. Roselli,M. (2010), o.c. p 121
12. Andrew Bibby (2004): “Asbesto en el lugar de trabajo: un dificil legado”, Revista de Trabajo, nº 50, marzo 2004, Visitado el 2.8.13. En OIT: Ver aquí
13. En: Ver aquí
14. Ashoka se financia en parte de AVINA y también de la Fundación Gates, accionista importante de Monsanto, todos embarcados en llevar las semillas transgénicas a África
15. En:Naranjo, C. (2013): La revolución que esperábamos, Barcelona, Ediciones La Llave, p. 244
16. Ver aquí
17. Ver aquí

Responder

Sandra Francesca de Almeida

28 de setembro de 2014 às 19h47

Notícia que merece, sem dúvida, uma boa investigação. Mas certamente a PF não a fará.

Responder

Rodrigo Lima Castro

28 de setembro de 2014 às 19h46

Miguel Do Rosario achei interessante este link de 2002 sobre o fórum social mundial e a Dominação Americana através da Alca e Banco Central independente. Propostas ressuscitadas pela Marina. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc0202200216.htm

Responder

Sebastião Oliveira Júnior

28 de setembro de 2014 às 19h44

Eita! Tem que mandar a denúncia para noblat para ver se ele publica! Rsrs

Responder

Paula Cassilhas

28 de setembro de 2014 às 19h36

Serio? Eu me lembro desse “rei do amianto”!

Responder

Luis Fernando Facco

28 de setembro de 2014 às 19h35

Responder

O Cafezinho

28 de setembro de 2014 às 19h35

joelson, obrigado. já corrigi. obviamente, a frase correta é “Marina é “cria de Washington para derrubar Dilma Rousseff”

Responder

Luis Fernando Facco

28 de setembro de 2014 às 19h34

Responder

    Anônimo

    30 de setembro de 2014 às 19h23

    marina vç deve explicação ao povo brasileiro esta noticia do jornal frances

    Responder

Luis Fernando Facco

28 de setembro de 2014 às 19h34

Entregadores do Brasil

Responder

Celia Maria Rodrigues Silva

28 de setembro de 2014 às 19h29

Vixe!!!!!

Responder

Joelson Mendonça

28 de setembro de 2014 às 19h29

“Marina é “cria de Washington para derrubar Marina””? Como assim O Cafezinho?

Responder

Deixe uma resposta para Gervásio