Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Janio de Freitas critica juiz do caso Petrobrás

Por Miguel do Rosário

16 de outubro de 2014 : 10h43

BE768CFC6885A3984F23E5A59BA4695099BB715EE2B8EFE878347D897AB013C8


 

Janio de Freitas, um dos últimos progressistas da grande mídia, acusou Sergio Moro, o juiz que cuida da delação premiada, de ter sido irresponsável ao tomar o depoimento de Paulo Roberto Costa e Alberto Yousseff no meio de um segundo turno de eleição presidencial.

Com isso, diz Janio, o juiz deixou que dois bandidos e suas denúncias “não comprovadas” influenciassem as eleições.

A indignação de Freitas se volta sobretudo para a tentativa – repugnante, diz ele – de prejudicar Dilma Rousseff.

Ele critica o corporativismo vulgar da associação de juízes (Ajufe), que defendeu Moro, dizendo que esta não enxergou o ponto principal da questão.

Não se trata se era certo ou não dar publicidade ao depoimento, e sim da “impropriedade” da própria decisão do juiz de ouvir Costa neste momento, em que se sabia, obviamente, que o depoimento seria instrumentalizado pela mídia, pela oposição, e possivelmente até mesmo pelo réu.

Se o réu confessou exatamente usar de manobras políticas para crescer na Petrobrás e chantagear empresários, porque o juiz lhe dá oportunidade de usar o momento eleitoral para fazer novas chantagens e disso auferir novos lucros?

Por aí vemos os riscos inerentes ao processo de delação premiada: o sujeito rouba, é preso, depois conta um bocado de meias verdades, ou mesmo mentiras, acusa aqueles mesmo que chantageou, dá sua versão dos fatos, e sai como heroi?

A coluna de Freitas traz ainda uma denúncia gravíssima: Sergio Moro e a Ajufe faltam com a verdade quando dizem que havia obrigação de “tornar públicas” as declarações do depoente. O depoimento não foi publicizado oficialmente pela justiça, mas relatado aos repórteres pelo advogado de Alberto Yousseff, o senhor Antonio Augusto Lopes Figueiredo Basto, que tem laços históricos com o PSDB do Paraná.

O juiz deu guarida ao que podemos chamar, sim, de golpe político-midiático. Uma tentativa torpe de envenenar a opinião pública no momento mais importante de um país: o segundo turno de uma eleição presidencial.

É importante denunciar isso porque a mídia, em especial a Globo, deve tentar ainda um último golpe antes das eleições, possivelmente usando outros vazamentos dos bandidos em questão.

A mídia tem procurado defender Sergio Moro dizendo que ele assessorou Rosa Weber no julgamento do mensalão. Ora, isso prova justamente a parcialidade dele, porque qualquer jurista que se preze, mesmo da extrema direita, como Ives Gandra, sabe que o julgamento da Ação Penal 470 foi um festival de arbitrariedades. Condenou-se sem provas. Jogou-se para a plateia e para mídia. E a participação de Weber foi a mais vergonhosa de todas: a sua frase, de que condenaria Dirceu, mesmo sem provas, porque “a literatura o permitia”, ficará cunhada para sempre na história mundial do fascismo jurídico.

Não se condena ninguém sem provas. O sujeito pode ser um psicopata, um assassino, um estuprador, um terrorista. Sem provas, não se condena, ponto final, porque, em caso contrário, o juiz não será mais um juiz, mas um deus, um tirano, um déspota, com um poder além dos limites impostos pela democracia.

A fama de “duro” de Moro não cola. Ele foi o juiz que julgou o caso Banestado e não prendeu ninguém. Quer dizer, prendeu o doleiro Alberto Yousseff e depois o soltou, após lhe conceder, exatamente, o direito de “delação premiada”.

Depois de participar de um esquema responsável pelo envio ilegal de centenas de bilhões de dólares para o exterior, do qual participaram inúmeros políticos e empresários, Yousseff contou um monte de mentiras ao juiz e voltou para a casa.

Todos os outros acusados foram absolvidos.

*


Em nome da Justiça

Por Janio de Freitas, na Folha.

É questionável a realização da audiência do corrupto Paulo Roberto Costa ao abrir-se o segundo turno

Juízes federais e procuradores da República moveram suas associações corporativas, em especial as seções paranaenses, para defender o que não precisava ser defendido. O questionável na audiência do corrupto da Petrobras, Paulo Roberto Costa, pela 13ª Vara Federal Criminal do Paraná, não foi que deixasse de ser “estritamente técnica” e de “respeitar a regra dos processos judiciais”, aspectos ressaltados pelo corporativismo judicial. Questionável foi a realização da audiência ao abrir-se o segundo turno, do que resultou a inclusão do Judiciário na disputa eleitoral –com benefício de um dos lados.

Uma das defesas da audiência publicadas na Folha argumentou, referindo-se à divulgação do depoimento de Paulo Roberto, que “trata-se de informação sob domínio público que não pode ser escondida”. Não se trataria de esconder coisa alguma, mas de respeitar democraticamente as circunstâncias do momento especialíssimo vivido pelo país. E, para isso, não mais do que aguardar três semanas para tomar o depoimento do acusado e vê-lo divulgado como mereceria.

A respeito do prazo, a nota do Ministério Público Federal defende que a audiência “obedeceu aos prazos fixados para procedimentos de réus presos”. Pode ser, para os ainda presos. Mas Paulo Roberto não estava preso, mandado para sua casa na Barra da Tijuca pela mesma 13ª Vara.

Ainda contra esconder o que não estava nem ficaria escondido, disse o artigo que, divulgado o depoimento acusatório, cabe agora ao acusado defender-se (dos acusados no noticiário, só o PT foi citado no artigo). É uma tese que aguarda argumentos substanciosos, porque até hoje os doutores do Direito acreditam que o ônus da prova cabe ao acusador, não ao acusado. O próprio artigo tem a correção de ressalvar que “as denúncias não foram comprovadas”, lembrando a conveniência de vê-las “com máxima cautela”, por “envolverem delação premiada”. O que não não envolviam.

Outra contribuição, também na Folha, à defesa da audiência naquela data e à divulgação das acusações então feitas, afirma que o juiz “tinha a obrigação” de “tornar públicas” as declarações do depoente. Sendo assim, o juiz faltou com sua obrigação. O depoimento de Paulo Roberto foi relatado aos repórteres pelo advogado do doleiro Alberto Youssef, que teria acompanhado a audiência. Os três partidos dados no noticiário como acusados por Paulo Roberto, no depoimento, não foram mencionados por ele. Foi também o advogado de Youssef quem os citou para os repórteres, esclarecendo não atribuir a citação ao depoente.

Mas o juiz não descumpriu “a obrigação”, porque nunca a teve. Juízes pronunciam-se nos autos, diz uma das poucas regras judiciais de conhecimento geral. Não têm “a obrigação” de tornar públicas as declarações de ninguém, não são porta-vozes de acusados ou de testemunhas.

O juiz tem o dever, este sim, e acima de todos os outros, de assegurar imparcialidade às partes. Não há sinal algum de que tal dever haja sido maculado na 13ª Vara. Já a tomada do depoimento de Paulo Roberto Costa em 8 de outubro, ao iniciar-se o segundo turno, com a grande probabilidade de sua divulgação, para não dizer a fácil certeza por se tratar de audição aberta, foi uma impropriedade. A divulgação alimentou a injustiça –irreparável– com uma pessoa que só as ordinarices desta campanha eleitoral querem dar como desonesta: em boa ou em má-fé, é possível discordar de tudo o que Dilma Rousseff disse, pensou e significa, desaprová-la até o desprezo, mas insinuar-lhe desonestidade é uma desonestidade repugnante.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

29 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

jose marcos

16 de outubro de 2014 às 22h52

eu acho que o bandido é paulo roberto costa e não o juiz.

Responder

    Miguel do Rosário

    17 de outubro de 2014 às 09h56

    certo. paulo roberto é um ladrão, por isso foi preso. quem soltou paulo roberto foi o juiz.

    Responder

André Luiz Silveira

16 de outubro de 2014 às 16h21

Kkk. M petistas ladrões. .Fora PT. .Fora Dilma. .lixo da nação

Responder

Sylvia Aguiar

16 de outubro de 2014 às 15h43

#Dilma13

Responder

Sylvia Aguiar

16 de outubro de 2014 às 15h43

#Dilma13

Responder

Márcio

16 de outubro de 2014 às 12h10

O caso dos 450kg de cocaína no helicóptero em minas gerais, fala tudo. Ninguém foi p cadeia, a P F não foi fazer as investigações p ver quem era o dono da coca, ministério público não fez delação premiada, e ficou por isso mesmo e ficou tudo calado até hoje.

Responder

Marcia

16 de outubro de 2014 às 11h37

VEJAM SO …TUDO PELO INTERESSE DO PODER …….triste

http://www.libertar.in/2014/04/eles-possuem-mesma-ideia-socialista.html

Aprovado por Hórus? Socialista Aécio Neves
discursa na MAÇONARIA e se assenta no
TRONO de grão-mestre

Responder

enganado

16 de outubro de 2014 às 11h37

E quem disse que o BRASIL pertence ao povo Brasileiro, está redondamente ENGANADO! O BRASIL tem Dono Sim! O BRASIL pertence em 1°) (primeiríssimo lugar) aos governos dos EUA/iSSrael; 2º) Banca Internacional Anglo Sionista; 3°) A toda imprensa-empresa-press_tituta anglo sionista (daqui e do exterior), no BRASIL representada pelo GAFE-(g)Robo (judeu lá não faltam)-(a)bril(judeus)-(f)alha de S.P.(comprada pelo gRobo)-(e)stadão (sem comentários, quatrocentões); 4º) PSDB-DEM-qualquer coisa que roube bastante e a PF não questione-empresários-FIESP-… ; … etc. Engraçado nisto tudo é quem deveria nos defender sempre deram Golpes e SEMPRE entregam o governo nas desta vagabundagem corrompida que ainda impera no BRASIL. Pior ainda, se disfarçam de Nacionalista usando roupas e hinos em louvor a Pátria. Chega ou querem mais! Se o Aébrio vencer provavelmente serei torturado pelos mesmos de sempre e tachado de comunista/arruaceiro/guerrilheiro/ … , isto é nos espera. Porque o que o Aético fez em Minas Gerais de Truculência, NUNCA foi publicado (sempre muito bem escondido pelo GAFE) e não apareceu nenhum guardião da Constituição que o chamasse aos brios. Agora se fosse do PT, já estaria passando férias no Inferno e/ou se deliciando em Guantánamo. DESMINTAM ME!

Responder

    HELOISA

    16 de outubro de 2014 às 17h04

    O seu caso merece internação…com camisa de força !

    Responder

Ricardo Edmundo Ceconello

16 de outubro de 2014 às 14h30

POR QUE VOCÊ VOTARIA EM UM TOXICÔMANO MAÇOM COCAINEIRO?
SABEM DE UMA COISA? Ninguém sabe PORQUE vota no Aébrio Never, salvo o “ódio” gratuito aos “petistas”.
Assista este vídeo, se tiver um pingo de discernimento e bom senso.
NÃO SE TRATA DE PROPAGANDA POLÍTICA. Se trata de RACIONALIZAÇÃO DO VOTO.
https://www.facebook.com/video.php?v=965590326788260

Responder

Ricardo Edmundo Ceconello

16 de outubro de 2014 às 14h30

POR QUE VOCÊ VOTARIA EM UM TOXICÔMANO MAÇOM COCAINEIRO?
SABEM DE UMA COISA? Ninguém sabe PORQUE vota no Aébrio Never, salvo o “ódio” gratuito aos “petistas”.
Assista este vídeo, se tiver um pingo de discernimento e bom senso.
NÃO SE TRATA DE PROPAGANDA POLÍTICA. Se trata de RACIONALIZAÇÃO DO VOTO.
https://www.facebook.com/video.php?v=965590326788260

Responder

HELOISA

16 de outubro de 2014 às 11h26

O desfecho da eleição do dia 26 significa a continuidade de 22 a 23 mil cargos comissionados na administração federal para os PeTralhas. Esses cargos se multiplicam em benefícios e “boquinhas” para legiões de aderentes ao poder, a “companheirada”. Por isso, ninguém considere irrelevante as pernadas dessa capoeira brava, sem berimbau !

Responder

    Miguel do Rosário

    16 de outubro de 2014 às 14h31

    Ah, tá, e aí o Aécio vai botar 23 mil parentes dele, como fez em Minas. Tudo bem.

    Responder

Vlademir

16 de outubro de 2014 às 11h14

Sou um seu leitor assíduo. Infelizmente Honduras é aqui.

Responder

    Camilo Árabe

    16 de outubro de 2014 às 12h21

    Que legal, Vlademir!
    Um abraço!

    Responder

Claudia Barbosa Firmino Rabelo

16 de outubro de 2014 às 14h14

Dilma 13!

Responder

Claudia Barbosa Firmino Rabelo

16 de outubro de 2014 às 14h14

Dilma 13!

Responder

C.Paoliello

16 de outubro de 2014 às 11h09

Os vazamentos seletivos deste juizinho tucano do Paraná são abjetas. Totalmente desprovidas da ética mais primivitva, colocam-no no mesmo nível do delatores-chantagistas.

Responder

Nino Faria

16 de outubro de 2014 às 14h01

É Dilma é 13 por um Brasil melhor!!

Responder

Umberto Luiz

16 de outubro de 2014 às 14h00

O juiz Sérgio Moro, já está agindo com de fosse ministro do STF, no eventual governo do PSDB.

Responder

Guilherme Cé

16 de outubro de 2014 às 13h59

#MelhorcomDilma13

Responder

Guilherme Cé

16 de outubro de 2014 às 13h58

#MelhorcomDilma13

Responder

Gui Peres

16 de outubro de 2014 às 13h52

O Cafezinho, Judiciário não pode punir sem antes julgar… tá na constituição. A divulgação ataca a presunção de inocência de quem nem sequer é denunciado.

Responder

Itamar Boeira Boeira

16 de outubro de 2014 às 13h48

DILMA DILMA DILMA DILMA DILMA DILMA DILMA DILMA

Responder

Moises de Ossain

16 de outubro de 2014 às 13h47

irresponsável ou serviçal ? quem dá mais?

Responder

Ricardo Edmundo Cecconello

16 de outubro de 2014 às 13h45

A ELEIÇÃO DO CALIFA SENADOR VALE TUDO – OS CAPANGAS DO PSDB COMEM SEUS FILHOS NO VALE TUDO PARA GANHAR AS ELEIÇÕES
A VERDADE SOBRE MINAS GERAIS DEVENDO CEM BILHÕES DE DÓLARES
O EX CALIFA DAS MINAS GERAIS TEM QUE SER ESCORRAÇADO, PROCESSADO E PRESO, SENDO CONDENADO A DEVOLVER TUDO O QUE ROUBOU DA QUERIDA MINAS GERAIS. Que vergonha! https://www.facebook.com/video.php?v=1541295876107994

Responder

Deixe um comentário para Guilherme Cé

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?